A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Nos passos da FEB Viagem feita nos dias 20 e 21/07/2011 seguindo os passos da Força Expedicionária Brasileira nas regiões da Toscana (Pisa e Pistóia)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Nos passos da FEB Viagem feita nos dias 20 e 21/07/2011 seguindo os passos da Força Expedicionária Brasileira nas regiões da Toscana (Pisa e Pistóia)"— Transcrição da apresentação:

1

2 Nos passos da FEB Viagem feita nos dias 20 e 21/07/2011 seguindo os passos da Força Expedicionária Brasileira nas regiões da Toscana (Pisa e Pistóia) e da Emilia-Romagna (Porreta Terme, Gaggio Montano e Montese). Clique após a leitura

3 A viagem começou por Pisa que, além do interesse turístico por conta da sua famosa torre inclinada, abrigou em suas cercanias, na Tenuta Reale di San Rossore, os acampamentos do Regimento Sampaio (1 o Regimento de Infantaria) e do 11 o Regimento de Infantaria (Regimento Tiradentes). O 1 o Grupo de Aviação de Caça também ficou alojado em Pisa, no Albergo Nettuno. Aliás, foi no bar desse hotel que o Capitão Pessoa Ramos e os Tenentes Rocha, Perdigão, Meira e Rui Moreira Lima fizeram uma paródia da marcha Carnaval em Veneza. Mais tarde, essa paródia veio a se tornar o Hino Oficial da Aviação de Caça da FAB.

4 Depois da breve passagem por Pisa, me dirigi para a cidade de Pistoia, onde foram enterrados os corpos de 443 dos 465 militares brasileiros mortos na Itália, incluindo-se nesse número oito aviadores do Primeiro Grupo de Aviação de Caça mortos em combate.

5

6 Após o translado dos restos mortais dos heróis brasileiros para o Monumento Nacional aos Mortos da II Guerra Mundial, no Aterro do Flamengo, o Cemitério Militar deu lugar ao Monumento Votivo Militar Brasileiro, inaugurado em 07/06/1966.

7

8 Saindo de Pistóia, segui pela Rota 64 para Porreta Terme e lá, por mero acaso, acabei pernoitando no Hotel Roma, que na época da guerra se chamava Albergo delle Terme e que foi a sede do QG Avançado da 1 a Divisão de Infantaria Expedicionária, comandada pelo General Mascarenhas de Moraes.

9

10 Após a passagem por Porretta Terme fui para Gaggio Montano, comuna onde está situado o Monte Castello, uma das posições mais estratégicas da chamada Linha Gótica, que era um poderoso sistema defensivo alemão que cortava a Itália de costa a costa através dos Apeninos.

11 A Batalha de Monte Castello durou cerca de três meses, de 24 de novembro de 1944 a 21 de fevereiro de 1945, durante os quais se efetuaram quatro ataques. Houve um grande número de baixas devido a vários fatores, entre os quais as temperaturas extremamente baixas do inverno que, exatamente naquele ano, foi um dos mais rigorosos do século XX.

12 Em 1995, por ocasião das comemorações do cinqüentenário do término da Segunda Guerra em Gaggio Montano a comunidade gaggense decidiu fazer um pequeno monumento que simbolizando a amizade entre italianos e brasileiros. O monumento foi originalmente erigido na região conhecida como Guanella, ao pé do Monte Castello, bem próximo ao local onde mais tarde se erigiu o Monumento ai Caduti Brasiliani. Posteriormente, esse monumento, que é conhecido pelos italianos como Monumento Brasile, foi transferido para o Parco Giochi, na área urbana de Gaggio Montano.

13 Inaugurado ao pé do Monte Castello em 21/06/2001, o Monumento ai Caduti Brasiliani, projetado pela brasileira Mary Vieira, homenageia os soldados brasileiros mortos na Itália.

14

15 Um dos arcos brancos aponta para a terra e simboliza a morte, ao passo que o outro aponta para o céu, isto é, para a transcendência que as mortes dos soldados significaram. Ademais, na concepção do monumento, a escultora Mary Vieira imaginou o movimento contínuo do sol que, ao meio-dia, projeta sobre o solo uma cruz, símbolizando o heroísmo brasileiro.

16 Ao lado do monumento está a casa de veraneio da família do Commendatore Francesco Berti, doador do terreno para a sua construção. A casa, os estábulos e os depósitos foram ocupados por diversas companhias do 11 o RI durante a campanha da tomada do Monte Castello.

17 Vemos aqui uma patrulha brasileira passando ao lado da casa da Famiglia Berti subindo em direção ao Monte Castello para mais uma investida contra os alemães. Somente após a vitória dos nossos soldados é que foi possível ao IV Corpo de Exército prosseguir sua marcha em direção a cidade de Bologna e, após cruzar o Vale do Pó, bloquear o Passo de Brenner, na fronteira entre a Itália e a Suíça, evitando assim que as tropas alemãs pudessem seguir em retirada para reforçar as defesas do seu próprio país.

18 De Gaggio Montano parti para a cidade de Bombiana, onde morreu em 20/02/1945 o Capitão Antonio Alvares da Silva, conhecido como Frei Orlando.

19 Por volta das 14:00h do dia 20 de fevereiro de 1945, na véspera da tomada de Monte Castello, Frei Orlando se deslocava para a linha de frente para levar conforto religioso aos soldados da 6 a Companhia do 11 o RI quando o jipe que o transportava ficou imobilizado por uma pedra presa ao seu eixo dianteiro. Um militar brasileiro que o acompanhava tentou soltar a pedra com o uso da manivela do jipe e, no intuito de ajudá-lo, um partigiano italiano passou a golpear a pedra violentamente com a coronha da sua espingarda. A espingarda acabou disparando e o tiro acertou em cheio o peito de Frei Orlando que, imediatamente, soltou um grito de dor, levando uma mão ao peito e a outra ao bolso para alcançar um terço. Mas, ele não teve mais tempo sequer para finalizar a Ave-Maria que começou a rezar: morreu ali mesmo. Em 28 de janeiro de 1946, considerando que Frei Orlando demonstrou possuir “peregrinas virtudes morais e cívicas que o recomendam à posteridade como modelo do verdadeiro sacerdote e capelão militar”, um decreto-lei assinado pelo Presidente da República instituiu Frei Orlando como Patrono do Serviço de Assistência Religiosa do Exército, o SAREx.

20 De Bombiana fui em direção a Montese, onde foi escrita a página mais sangrenta da história da Força Expedicionária Brasileira. Em suas estreitas ruas, a FEB teve seu primeiro contato com o combate urbano, no qual o controle da cidade foi disputado ferrenhamente casa por casa.

21 Com o rompimento da Linha Gótica, os alemães estabeleceram uma nova linha defensiva um pouco mais ao norte que ficou conhecida como Linha Gengis Khan, da qual Montese era um dos seus bastiões mais fortes.

22 De Montese os alemães poderiam controlar uma extensa área e, por isso, sua tomada era de grande importância para permitir o avanço das tropas aliadas em direção ao Vale do Pó e daí aos Alpes, consolidando assim a reconquista do território italiano.

23 Sem a menor dúvida, Montese foi a cidade da província de Modena mais devastada durante a Segunda Guerra Mundial. Após intensos bombardeios pelas artilharias de ambos os lados em guerra, das casas de Montese restaram destruídas mais de 800, assim como o comércio foi igualmente arrasado. As vítimas civis também foram em número bastante elevado: houve mais de 700 feridos, muitos deles mutilados pelas odiosas minas terrestres espalhadas pelos alemães; e, a grande maioria dos quase 200 mortos era composta de idosos, mulheres e crianças.

24 Hoje, muitas das casas, assim como o castelo medieval, encontram-se totalmente reconstruídos tal qual eram antes da guerra, o que confere à cidade um aspecto bastante bucólico e acolhedor.

25 Contudo, como que para avivar a memória dos mais velhos e para reafirmar aos mais jovens os malefícios trazidos pela guerra, a pequena fonte, situada no meio da praça principal da cidade, ainda carrega as marcas de balas de fuzil e estilhaços de granada dos tempos de tristeza e destruição.

26 Acredita-se que o Castelo de Montese, situado no alto do monte conhecido como La Rocca, foi construído na primeira metade do século XIII, sendo atacado e queimado já em 1254, durante uma revolta da população local. Em 1390 fez-se a primeira grande obra reconstrução e, provavelmente desta fase remonta a estrutura atual da fortaleza. Após as grandes perdas sofridas durante os bombardeios de 1945 e a reconstrução apressada do pós- guerra, o castelo foi cuidadosamente restaurado e retornou para uso público em 1998, abrigando em seu interior o museu da cidade.

27 A história contemporânea de Montese é fortemente marcada pela Segunda Guerra Mundial. Por isso, a guerra é o tema central do Museo Storico della Rocca, situado no antigo castelo e onde a FEB tem um lugar especial de destaque, ocupando a maior sala do museu.

28 Além de peças de uniforme, objetos e utensílios utilizados pela FEB na Itália, a sala dedicada ao Brasil reproduz uma estação de comunicações e uma enfermaria de campanha.

29 A conquista de Montese no dia 14, a ocupação no dia 15 e sua manutenção nos dias 16, 17 e 18 de abril de 1945 custaram à FEB um saldo de 34 mortos, 382 feridos e 10 desaparecidos.

30 Em Montese, homenageando os soldados brasileiros, foi erigido o Monumento Alla Libertà, esculpido pelo artista Italo Bortolotti. Situado no Largo Brasile, o monumento foi inaugurado no dia 14 de abril de 1995 por ocasião dos festejos dos 50 anos da libertação da cidade.

31 Minha viagem terminou em Montese. Por quase todas as cidades pelas quais passei nesses dois dias tive a grata satisfação de ver monumentos e placas de agradecimento pela “reconquista da liberdade” em homenagem ao soldado brasileiro. Não vi esse tipo de homenagem a nenhuma outra tropa que tenha atuado nos Apeninos, por onde passaram mais de 190 mil homens das mais variadas nacionalidades e procedências.

32 Certamente isso ocorreu por conta da simplicidade, da solidariedade e da alegria peculiar aos brasileiros que, além de professarem a mesma religião, por conta das raízes latinas de ambos os idiomas, aprenderam a se comunicar bem com os italianos, conquistando a sua amizade e gratidão.

33 Porém, ainda que nossos soldados tenham sido recebidos com festa no seu retorno ao Brasil, Getúlio Vargas temia que a FEB fosse utilizada politicamente contra a sua ditadura de inspiração fascista, tal qual aquelas que os pracinhas ajudaram a derrubar na Europa. Assim, após os desfiles, os expedicionários foram proibidos de andar uniformizados pelas ruas ou de portarem medalhas e condecorações. Também estavam proibidos de dar entrevistas ou declarações públicas.

34 Outro fator que contribuiu para a desvalorização da participação brasileira na guerra foi o fato de que muitos militares que fizeram parte da FEB mais tarde vieram a participar do Golpe Militar de 1964, que instalou a ditadura do chamado Regime Militar. Entre eles estava o seu primeiro presidente, o general Humberto de Alencar Castelo Branco, que serviu na Itália quando ainda ocupava o posto de tenente-coronel. Por causa disso, setores da esquerda que se opunham à nova ditadura passaram a relacionar a FEB ao Golpe Militar de 1964.

35 CAPT. MORAES Dos homens da FEB na Itália, 465 morreram, 16 ficaram desaparecidos e foram feridos. Vários ex-combatentes voltaram para ao Brasil com problemas psicológicos e tiveram dificuldades para se adaptar novamente à vida civil. As associações de ex-combatentes reivindicaram leis em favor dos pracinhas. Uma das poucas “regalias” que afinal lhes foi concedida, era a que dava preferência a ex- combatentes nos casos de empate em concursos públicos. Somente depois de muitas décadas, com a nova Constituição Federal de 1988, foi que finalmente eles conquistaram o direito a uma pensão especial. Contudo, o benefício chegou tarde demais para a maior parte dos pracinhas: menos de dez mil estavam vivos quando a lei foi aprovada. Esse trabalho foi feito com o objetivo de homenagear esses bravos brasileiros que um dia cruzaram o oceano para lutar por uma Pátria que não soube lhes dar o devido valor. F I M Autor: Alexandre Pouchain de Moraes Fotos feitas pelo autor (resolução maior disponível) e baixadas da Internet Música: Canção do Expedicionário


Carregar ppt "Nos passos da FEB Viagem feita nos dias 20 e 21/07/2011 seguindo os passos da Força Expedicionária Brasileira nas regiões da Toscana (Pisa e Pistóia)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google