A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof.Dr.Francisco B. Assumpção Jr. O Exame da criança Autista: diagnóstico e avaliação. Goiás; outubro-2011.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof.Dr.Francisco B. Assumpção Jr. O Exame da criança Autista: diagnóstico e avaliação. Goiás; outubro-2011."— Transcrição da apresentação:

1 Prof.Dr.Francisco B. Assumpção Jr. O Exame da criança Autista: diagnóstico e avaliação. Goiás; outubro-2011 Projeto Distúrbios do Desenvolvimento INSTITUTO DE PSICOLOGIA

2 Em primeiro lugar, e ao contrário do que alguns “professores” atuais dizem, acredito que

3 CRIANÇAS EXISTEM e, o que é pior, NÃO SÃO ADULTOS MINIATURIZADOS...

4 Assim sendo a)A doença mental incide sobre elas de maneira diferente daquela do adulto; b)Parafraseando a escola de Cós (prá quem não sabe, aquela do Hipócrates), para tratar crianças tenho que pensar nela e não na doença que a acomete; c)Tenho que saber o basal de Psiquiatria Infantil mais que ficar preenchendo escalas e questionários pois desse jeito vou fazer uma Psiquiatria com a profundidade de um pires...

5 Vamos então pensar em algumas coisas consideradas, hoje, ultrapassadas, mas que consideramos fundamentais...

6 a)Ela é um ser heterônomo e, como tal, tem que ser pensado ( isso a difere fundamentalmente do adulto); b)Os sistemas familiares e sociais de sustentação (representados pela escola) tem fundamental importância; c)O tratamento deve (obrigatoriamente) levar em consideração todas essas variáveis que, dessa forma, vão interferir de maneira significativa no prognóstico. Assim pensar que “...tratar a doença é mais importante do que conhecer a criança”, na melhor das hipóteses, é um absurdo tão grande que só é justificável quando proveniente de alguém que só conhece crianças através de literatura.

7 Passamos então para a nossa questão primordial que é “ Como eu examino uma criança autista”. Isso significa dizer “Como eu diagnostico uma criança autista”

8 DIAGNÓSTICO A hipótese diagnóstica é um operador eficaz que atualiza no espírito do clínico uma série de sinais diferenciados e um conjunto de modelos psicopatológicos próprios que permitem-lhe perceber, fundamentado numa lógica, o resultado de sua investigação. A nosografia repousa assim sobre critérios de diferenciação de categorias definidas por agrupamento ou por exclusão. Assim, de maneira lógica, constituem-se entidades distintas entre si e diferentes da normalidadade.

9 CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS DSM IV Sistema Multiaxial Eixo I – Transtornos Clínicos Eixo II – Transtornos de Personalidade e Retardo Mental Eixo III – Condições Médicas Gerais Eixo IV – Problemas Psicossociais e ambientais Eixo V – Avaliação global de funcionamento

10 EIXO I Síndrome Clínica

11 PSICOPATOLOGIA POSTURA – compreender o indivíduo em uma situação global em que o próprio observador está implicado, não em laboratório. OBJETIVO – compreensão e conhecimento, diferentemente do da Psiquiatria que é terapêutica, profilaxia e readaptação. Assim, é encarregada da elaboração teórica. SEMIOLOGIA – arte e ciência do diagnóstico, engloba a semiotécnica (arte de examinar). Experiência profissional (base do conhecimento heurístico) intuição e empatia. PROPEDÊUTICA – reunião dos sintomas para estruturação de um diagnóstico. Depende da observação para verificação da sintomatologia e patogenia.

12 Iniciando a ver a criança vamos construir sua história a partir dela mesma e de seus familiares. Assim...

13 Eixo I – Diagnóstico Sindrômico 1. QUEIXA E DURAÇÃO: Sintomas psiquiátricos reconhecidos ou não. 2. HISTÓRIA DA DOENÇA ATUAL: Início e da evolução dos sintomas observados. 3. ANTECEDENTES FAMILIARES 4. ANTECEDENTES MORBIDOS 5. CONDUTA EXPRESSA: alimentação, sono, controle esfincteriano, sociabilidade, sexualidade, higiene e manipulações corporais,linguagem, atividades domésticas. 6- EXAME PSÍQUICO O exame psíquico é o ponto capital da exploração do paciente. Análise não é estática, levando em consideração os sintomas apresentados no momento em que se realiza a avaliação, dentro de um ponto de vista desenvolvimentista. Dessa maneira leva em consideração toda a subjetividade permitindo que se adentre em seu mundo, de modo a conhecê-lo e compreendê-lo.

14 Passando então para o exame psíquico, explorado, não somente através do diálogo, mas também do grafismo e do brinquedo...

15 Vamos examinar a criança autista observando que ela apresenta a- Atitude do paciente I. fisionomia: habitualmente rígida II. Cuidados e vestimenta III. Reação ao exame: indiferente b. Consciência – “organização da experiência sensível atual” (H.Ey) ou o “todo momentâneo da vida psíquica” (Jaspers), com características de luminosidade, profundidade de campo e sequencia de imagens observando Usualmente não observamos alterações de consciência.

16 Da mesma forma temos c. Atenção – direcionamento, ativo ou passivo, da consciência para uma determinada experiência ( Harris, 1995) caracterizando-se como Expontânea ou Voluntária e apresentando no Autismo diminuição de atenção concentrada. d. Memória – Atividade psíquica de fixação, conservação e evocação, a nível consciente, das percepções já experimentadas pelo indivíduo, sob a forma de imagens representativas ou mnêmicas, caracterizando Memória de fixação, Memória de Trabalho e Memória de Evocação com, no Autismo, diminuição de Memória de Trabalho, embora algumas vezes tenhamos aumento de memória permanente.

17 Continuando com o exame e. Sensopercepção – Impressão, Sensação e Percepção obedecendo leis como 1. “ O todo é mais que a mera soma das partes”; 2. “ Tendência a estruturação”; 3. “ Tendência a generalização”; 4. “ Tendência a pregnância”com, Constância e Evolução a formas diferenciadas no Autismo pormos referir alterações perceptivas em todos os inputs sensoriais, com prejuízo na identificação visual, auditiva, olfativa, táctil, etc, o que dificulta a identificação e a memorização dos mesmos. A descrição de alucinações só é verificada em comorbidades pois o quadro em si não as apresenta.

18 Continuando com o exame f. Pensamento – linguagem interiorizada ou “ sem sons” ( Watson) como um Processo simbólico de integração conceitual e significativo de percepções, representações, evocações e afetos constituídos sob a energização dos estímulos timo-afetivos e marcados pelo caráter de intencionalidade. Observa-se no autismo diminuição da velocidade de processamento bem como a presença de idéias bizarras embora não se constituam como idéias delirantes nem deliróides. Podem também se observar perseveração, idéias prevalentes e interêsses específicos.

19 Continuando com o exame g. Inteligência: “capacidade de realizar atividades caracterizadas por serem 1) difíceis, 2) complexas, 3) abstratas, 4) econômicas, 5) adaptáveis a um certo objetivo, 6) de valor social, 7) carentes de modelos e para mantê-las nas circunstâncias que requeiram concentração de energia e resistência às forças afetivas.” (Stoddar, 1943). No autismo, 75% dos quadros relacionam-se com RM. h. Linguagem: conjunto de signos compreendendo o aspecto principal da comunicação inter-humana, dependendo de Fatores Genéticos, Qualidade do Meio Social e Fatores Físicos. No autismo encontramos alterações na produção de sons (timbre, altura, ritmo), na aquisição da linguagem (atraso e/ou Mutismo), Hiperlexia e déficits semânticos que comprometem a comunicação.

20 Finalmente temos i. Orientação no tempo e no espaço no que se refere a Percepção de Realidade e a Percepção de Tempo Físico ( cronológico) seriação de acontecimentos, ajuntamento de intervalos e Vivido (Temporalidade) com Desorientação têmporo-espacial. Observamos Alterações de vivência de realidade e/ou de tempo, embora com presença de tempo cronológico. j. Afetividade e humor enquanto “nossa atitude subjetiva, frente a realidade externa e interna, mediante a qual, aceitamos ou rejeitamos alguma coisa, amamos ou odiamos, tememos ou almejamos, etc..” (Bleuler) podendo apresentar, habitualmente, reatividade diminuída, embora se mostre aumentada as vezes.

21 Podemos observar despersonalização (principalmente em função de mudanças corporais), e sentimentos inadequados como Reatividade desproporcional e/ou paradoxal. Vontade e Pragmatismo enquanto atividade consciente, deliberada, após conflito entre tendências, submetida a crítica de propósitos e após isso partindo para a ação observando-se Hipo-, Hiperbulias ou Abulias, estupor, perseveração, estereotipias, negativismo, obediência automática, reações em eco – ecopraxia e ecomimia, maneirismos, agitação e inibição

22 EIXO II Transtornos de Personalidade e Retardo Mental

23 Assim, apesar de alguns “especialistas” considerarem Psicopatologia, nos velhos moldes, algo difícil e “sem sentido”, ela é de fundamental importância, se pensada dentro de uma ótica desenvolvimentista, para se estabelecer o diagnóstico na criança...

24 1. FORÇAS PRIMÁRIAS 2. INFLUÊNCIA MATERNA 3. FORÇAS INTRAFAMILIARES 4. INSTITUIÇÕES SOCIAIS parentes menos Significativos- (família extensa) criança mãe meio sócio-cultural Fatores sócio-culturais Isso porque...

25 Fatores biológicos Fatores psicossociais Depois de tudo isso feito, só vou precisar sistematizar um diagnóstico considerando que Quanto menor a criança, maior a importância dos fatores biológicos envolvidos; Crianças, usualmente, respondem muito mais como uma reação;

26 Formas de resposta infantil A reposta da criança depende de sua idade (patoplastia) e seu prognóstico é pior conforme mais precoce a ocorrência do problema. Evolução do adulto Evolução da criança normal Evolução da criança doente

27 Investigação Neuropsicológica Aspectos cognitivos Capacidades: podem se reduzir ou modificar dependendo das circunstâncias. Identificar e medir de forma controlada forças e fraquezas no funcionamento dos indivíduos. A investigação estabelece as bases para:  diagnóstico  revelar alterações cerebrais não suspeitadas  prever riscos a certos tipos de tratamento  planejamento das intervenções  (re) estabelecer a Qualidade de Vida

28 Escalas Diagnósticas  Constituem-se como questionários ou checklists de sintomas que, uma vez preenchidos, apontam, de maneira mais precisa, para uma patologia específica.  No Brasil: poucas desenvolvidas ou adaptadas para a população infantil.

29 ESCALA DE TRAÇOS AUTÍSTICOS - Ballabriga et al., 1994; adapt. Assumpção et al., Esta escala, embora não tenha o escopo de avaliar especificamente uma função psíquica, é utilizada para avaliação de uma das patologias mais importantes da Psiquiatria Infantil - o Autismo. Seu ponto de corte é de 15 (último trabalho sugere ponto de corte = 23). Pontua-se zero se não houver a presença de nenhum sintoma, 1 se houver apenas um sintoma e 2 se houver mais de um sintoma em cada um dos 36 itens, realizando-se uma soma simples dos pontos obtidos.

30 I. DIFICULDADE NA INTERAÇÃO SOCIAL O desvio da sociabilidade pode oscilar entre formas leves como, por exemplo, um certo negativismo e a evitação do contato ocular, até formas mais graves, como um intenso isolamento. (1). Não sorri (2). Ausência de aproximações espontâneas (3). Não busca companhia (4.) Busca constantemente seu cantinho (esconderijo) (5). Evita pessoas (6). É incapaz de manter um intercâmbio social 7. Isolamento intenso II. MANIPULAÇÃO DO AMBIENTE O problema da manipulação do ambiente pode apresentar-se em nível mais ou menos grave, como, por exemplo, não responder às solicitações e manter- se indiferente ao ambiente. O fato mais comum é a manifestação brusca de crises de birra passageira, risos incontroláveis e sem motivo, tudo isto com o fim de conseguir ser o centro da atenção. (1). Não responde às solicitações (2). Mudança repentina de humor (3). Mantém-se indiferente, sem expressão (4). Risos compulsivos (5). Birra e raiva passageira (6). Excitação motora ou verbal (ir de um lugar a outro, falar sem parar)

31 III. UTILIZAÇÃO DAS PESSOAS A SEU REDOR A relação que mantém com o adulto quase nunca é interativa, dado que normalmente se utiliza do adulto como o meio para conseguir o que deseja. (1). Utiliza-se do adulto como um objeto, levando-o até aquilo que deseja. (2). O adulto lhe serve como apoio para conseguir o que deseja (p.ex.: utiliza o adulto como apoio para pegar bolacha) (3). O adulto é o meio para suprir uma necessidade que não é capaz de realizar só (p.ex.: amarrar sapatos) (4). Se o adulto não responde às suas demandas, atua interferindo na conduta desse adulto. IV. RESISTÊNCIA A MUDANÇAS A resistência a mudanças pode variar da irritabilidade até franca recusa. (1). Insistente em manter a rotina (2). Grande dificuldade em aceitar fatos que alteram sua rotina, tais como mudanças de lugar, de vestuário e na alimentação (3). Apresenta resistência a mudanças, persistindo na mesma resposta ou atividade

32 V. BUSCA DE UMA ORDEM RÍGIDA Manifesta tendência a ordenar tudo, podendo chegar a uma conduta de ordem obsessiva, sem a qual não consegue desenvolver nenhuma atividade. (1). Ordenação dos objetos de acordo com critérios próprios e pré- estabelecidos (2). Prende-se a uma ordenação espacial (Cada coisa sempre em seu lugar) (3). Prende-se a uma seqüência temporal (Cada coisa em seu tempo) (4). Prende-se a uma correspondência pessoa-lugar (Cada pessoa sempre no lugar determinado) VI. FALTA DE CONTATO VISUAL. OLHAR INDEFINIDO A falta de contato pode variar desde um olhar estranho até constante evitação dos estímulos visuais (1). Desvia os olhares diretos, não olhando nos olhos (2). Volta a cabeça ou o olhar quando é chamado (olhar para fora) (3). Expressão do olhar vazio e sem vida (4). Quando segue os estímulos com os olhos, somente o faz de maneira intermitente (5). Fixa os objetos com um olhar periférico, não central (6). Dá a sensação de que não olha

33 VII. MÍMICA INEXPRESSIVA A inexpressividade mímica revela a carência da comunicação não verbal. Pode apresentar, desde uma certa expressividade, até uma ausência total de resposta. (1). Se fala, não utiliza a expressão facial, gestual ou vocal com a freqüência esperada (2). Não mostra uma reação antecipatória (3). Não expressa através da mímica ou olhar aquilo que quer ou o que sente. (4). Imobilidade facial VIII. DISTÚRBIOS DE SONO Quando pequeno dorme muitas horas e, quando maior, dorme poucas horas, se comparado ao padrão esperado para a idade. Esta conduta pode ser constante, ou não. (1). Não quer ir dormir (2). Levanta-se muito cedo (3). Sono irregular (em intervalos) (4). Troca ou dia pela noite (5). Dorme poucas horas. IX. ALTERAÇÃO NA ALIMENTAÇÃO Pode ser quantitativa e/ou qualitativa. Pode incluir situações, desde aquela em que a criança deixa de se alimentar, até aquela em que se opõe ativamente. (1). Seletividade alimentar rígida (ex.: come o mesmo tipo de alimento sempre) (2). Come outras coisas além de alimentos (papel, insetos) (3). Quando pequeno não mastigava (4). Apresenta uma atividade ruminante (5). Vômitos (6). Come grosseiramente, esparrama a comida ou a atira (7). Rituais (esfarela alimentos antes da ingestão) (8). Ausência de paladar (falta de sensibilidade gustativa)

34 X. DIFICULDADE NO CONTROLE DOS ESFÍNCTERES O controle dos esfíncteres pode existir, porém a sua utilização pode ser uma forma de manipular ou chamar a atenção do adulto. (1). Medo de sentar-se no vaso sanitário (2). Utiliza os esfíncteres para manipular o adulto (3). Utiliza os esfíncteres como estimulação corporal, para obtenção de prazer (4). Tem controle diurno, porém o noturno é tardio ou ausente XI. EXPLORAÇÃO DOS OBJETOS (APALPAR, CHUPAR) Analisa os objetos sensorialmente, requisitando mais os outros órgãos dos sentidos em detrimento da visão, porém sem uma finalidade específica (1). Morde e engole objetos não alimentares (2). Chupa e coloca as coisas na boca (3). Cheira tudo (4). Apalpa tudo. Examina as superfícies com os dedos de uma maneira minuciosa XII. USO INAPROPRIADO DOS OBJETOS Não utiliza os objetos de modo funcional, mas sim de uma forma bizarra. (1). Ignora os objetos ou mostra um interesse momentâneo (2). Pega, golpeia ou simplesmente os atira no chão (3). Conduta atípica com os objetos (segura indiferentemente nas mãos ou gira) (4). Carrega insistentemente consigo determinado objeto (5). Se interessa somente por uma parte do objeto ou do brinquedo (6). Coleciona objetos estranhos (7). Utiliza os objetos de forma particular e inadequada

35 XIII. FALTA DE ATENÇÃO Dificuldades na atenção e concentração. Às vezes, fixa a atenção em suas próprias produções sonoras ou motoras, dando a sensação de que se encontra ausente. (1). Quando realiza uma atividade, fixa a atenção por curto espaço de tempo ou é incapaz de fixá-la (2). Age como se fosse surdo (3). Tempo de latência de resposta aumentado. Entende as instruções com dificuldade (quando não lhe interessa, não as entende) (4). Resposta retardada (5). Muitas vezes dá a sensação de ausência XIV. AUSÊNCIA DE INTERESSE PELA APRENDIZAGEM Não tem nenhum interesse por aprender, buscando solução nos demais. Aprender representa um esforço de atenção e de intercâmbio pessoal, é uma ruptura em sua rotina. (1). Não quer aprender (2). Cansa-se muito depressa, ainda que de atividade que goste (3). Esquece rapidamente (4). Insiste em ser ajudado, ainda que saiba fazer (5). Insiste constantemente em mudar de atividade XV. FALTA DE INICIATIVA Busca constantemente a comodidade e espera que lhe dêem tudo pronto. Não realiza nenhuma atividade funcional por iniciativa própria. (1). É incapaz de ter iniciativa própria (2). Busca a comodidade (3). Passividade, falta de interesse (4). Lentidão (5). Prefere que outro faça o trabalho para ele

36 XVI. ALTERAÇÃO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO É uma característica fundamental do autismo, que pode variar desde um atraso de linguagem até formas mais graves, com uso exclusivo de fala particular e estranha. (1). Mutismo (2). Estereotipias vocais (3). Entonação incorreta (4). Ecolalia imediata e/ou retardada (5). Repetição de palavras ou frases que podem (ou não) ter valor comunicativo (6). Emite sons estereotipados quando está agitado e em outras ocasiões, sem nenhuma razão aparente (7). Não se comunica por gestos (8). As interações com adulto não são nunca um diálogo XVII. NÃO MANIFESTA HABILIDADES E CONHECIMENTOS Nunca manifesta tudo aquilo que é capaz de fazer ou agir, no que diz respeito a seus conhecimentos e habilidades, dificultando a avaliação dos profissionais. (1). Ainda que saiba fazer uma coisa, não a realiza, se não quiser (2). Não demonstra o que sabe, até ter uma necessidade primária ou um interesse eminentemente específico (3). Aprende coisas, porém somente a demonstra em determinados lugares e com determinadas pessoas (4). Às vezes, surpreende por suas habilidades inesperadas XVIII. REAÇÕES INAPROPRIADAS ANTE A FRUSTRAÇÃO Manifesta desde o aborrecimento à reação de cólera, ante a frustração. (1). Reações de desagrado caso seja esquecida alguma coisa (2). Reações de desagrado caso seja interrompida alguma atividade que goste (3). Desgostoso quando os desejos e as expectativas não se cumprem (4). Reações de birra

37 XIX NÃO ASSUME RESPONSABILIDADES Por princípio, é incapaz de fazer-se responsável, necessitando de ordens sucessivas para realizar algo. (1). Não assume nenhuma responsabilidade, por menor que seja (2). Para chegar a fazer alguma coisa, há que se repetir muitas vezes ou elevar o tom de voz XX. HIPERATIVIDADE/ HIPOATIVIDADE A criança pode apresentar desde agitação, excitação desordenada e incontrolada, até grande passividade, com ausência total de resposta. Estes comportamentos não tem nenhuma finalidade. (1). A criança está constantemente em movimento (2). Mesmo estimulada, não se move (3). Barulhento. Dá a sensação de que é obrigado a fazer ruído/barulho (4). Vai de um lugar a outro, sem parar (5). Fica pulando (saltando) no mesmo lugar (6). Não se move nunca do lugar onde está sentado XXI. MOVIMENTOS ESTEREOTIPADOS E REPETITIVOS Ocorrem em situações de repouso ou atividade, com início repentino. (1). Balanceia-se (2). Olha e brinca com as mãos e os dedos (3). Tapa os olhos e as orelhas (4). Dá pontapés (5). Faz caretas e movimentos estranhos com a face (6). Roda objetos ou sobre si mesmo (7). Caminha na ponta dos pés ou saltando, arrasta os pés, anda fazendo movimentos estranhos (8). Torce o corpo, mantém uma postura desequilibrada, pernas dobradas, cabeça recolhida aos pés, extensões violentas do corpo

38 XXII. IGNORA O PERIGO Expõe-se a riscos sem ter consciência do perigo (1). Não se dá conta do perigo (2). Sobe em todos os lugares (3). Parece insensível à dor XXIII. APARECIMENTO ANTES DOS 36 MESES (DSM-IV)

39 Teste WISCONSIN de Classificação de Cartas (WCST) REQUER: • Planejamento estratégico • Exploração organizada • Utilização de feedback ambiental para mudar contextos cognitivos (direção do comportamento e modulação da responsividade impulsiva) MEDE: Pode ser considerado como uma medida de “função executiva”: manter e desenvolver uma estratégia apropriada de solução de um problema por meio de condições de estímulos mutáveis a fim de atingir uma meta futura.

40 FIGURAS COMPLEXAS DE REY  Percepção visual  Memória  Praxia  Organização  Cópia  Memória

41 WISC - III  Q.I. Verbal: avalia a compreensão verbal e proporciona informações sobre:  processamento da linguagem;  raciocínio;  atenção;  aprendizagem verbal;  memória Q.I. de Execução: é a medida da organização perceptual e avalia:  processamento visual;  capacidade de planejamento;  aprendizagem não-verbal;  habilidades para pensar e manipular estímulos visuais com rapidez de velocidade.

42 SUBTESTES VERBAIS Como é?O que mede? Informação“Quantas patas tem um cachorro?”;“Que mês vem depois de março?” Avalia quantidade de informação geral que a pessoa assimila de seu ambiente circundante. Semelhanças“O que têm em comum VELA e LÂMPADA?”; “O que têm em comum PIANO e VIOLÃO?” Avalia formação de conceito verbal e pensamento lógico abstrato (categórico). AritméticaProblemas Matemáticos; operações aritméticas. Avalia a capacidade de resolver as quatro operações matemáticas básicas e a habilidade de resolução de problemas complexos. VocabulárioO que é um CHAPÉU?”; “O que é um RELÓGIO?” Avalia o desenvolvimento da linguagem e o conhecimento de palavras. Compreensão“O que você faria se desse um corte no dedo?” Avalia a manifestação de informação prática, avaliação do uso de experiências passadas e conhecimento dos padrões convencionais de comportamento. DígitosSequências crescentes de números.Avalia recordação e repetição imediata.Ordem direta/inversa

43 SUBTESTES EXCECUÇÃO O que mede? Completar FigurasCapacidade de diferenciar o essencial dos detalhes não essenciais; Requer o conhecimento do objeto, raciocínio e memória de longo prazo.Reconhecimento visual sem atividade motora essencial. CódigoAvalia a capacidade de aprender tarefas não familiares, envolvendo velocidade e acurácia na coordenação olho/mão e memória visual de curto prazo. Arranjo de FigurasAvalia a capacidade de reconhecer a essência da história e antecipar a sequência de eventos, particularmente, eventos sociais, estando então envolvidas a capacidade de antecipação de consequências, habilidade de planejamento e sequência temporal e conceitos temporais. CubosAvalia organização perceptual e visual, conceptualização abstrata (análise do todo em suas partes componentes), formação de conceito não-verbal e visualização espacial. Armar ObjetosAvalia coordenação visomotora e habilidade de organização perceptual, bem como a capacidade de percepção das partes e do todo. Procurar SímbolosAvalia atenção e rapidez de processamento. LabirintosSubteste complementar (correlação relativamente baixa com outros subtestes);Coordenação motora; Impulsividade.

44 WISC-III: Índices Fatoriais Índices Fatoriais Subtestes Compreensão VerbalInformação, Semelhanças, Vocabulário, Compreensão Organização PerceptualCompletar Figuras, Arranjo de Figuras, Cubos, Armar Objetos Resistência à DistratibilidadeAritmética, Dígitos Velocidade de ProcessamentoCódigo, Procurar Símbolos

45 EIXO III Condições Médicas Gerais

46 Desenvolvimento neuropsicomotor 1o. sorriso = 16 semanas;sentar sem apoio = 28 e 40 semanas; andar = 12 e 18 meses;primeiras palavras = 12 meses;construir frases = 2 anos;controle esfincteriano anal = 3 anos; vesical = 4 a 5 anos. Pesquisa do desenvolvimento no meio familiar, social e educacional, com seu respectivo desempenho. Antecedentes mórbidos: doenças infecto-contagiosas com acometimento cerebral e presença de síndrome convulsiva

47 Eixo III – Diagnóstico Médico EXAME FÍSICO a- Crescimento e Desenvolvimento: curvas de peso e altura; curvas de desenvolvimento puberal. b- Perímetro cefálico c- Distância Intercantal - d- Estigmas disgenéticos

48 EXAME FÍSICO Cabeça orelhas grandes nariz pequeno narinas antevertidas base nasal achatada dentes displásicos

49 EXAME FÍSICO Cabeça dentes displásicos microftalmia retinopatia glaucoma íris estrelada fendas palpebrais. curtas amaurose precoce coriorretinite catarata

50 EXAME FÍSICO SNC calcificações neurofibromas convulsões regressão no DNPM ataxia apraxia espasticidade paralisia facial liberação piramidal deficiência auditiva hipotonia

51 EXAME FÍSICO Pele manchas “café com leite” hipopigmentação pele clara sinófris cílios alongados hirsutismo Órgão Internos hepatomegalia esplenomegalia transt. respiratórios

52 EXAME FÍSICO Esqueleto cifose pescoço curto platispondilia irregularidades epifisiárias achatamento vertebral “genu valgum” curvatura de ossos longos costelas alargadas diminuição de ossos das mãos Problemas motores Problemas sensoriais Problemas endócrinos

53 EXAME NEUROLÓGICO a) Exame do crânio: malformações, mensuração do PC diâmetros antero-posterior e biauricular. Palpação: afastamento dos ossos. b) Exame da coluna vertebral c) Exame neurológico propriamente dito

54 EIXO IV Problemas Psico-sociais e Ambientais

55 Eixo IV - A FAMÍLIA FAMÍLIA: sistema dentro do qual pessoas vivem no mesmo espaço físico e mantém relações significativas, as quais são chamadas de relações de interdependência entre seus vários subsistemas (Ceverny, 1982) “Relações entre a personalidade do indivíduo e os processos de dinâmica de grupo da vida em família constituem um elo essencial da cadeia de causalidade dos estados de enfermidade e saúde mental” ( Ackerman, 1986)

56 SEXUALIDADE: casamento e prole Família (Levy-Strauss): função biológica função econômica função psicológica função social Relações Familiares de aliança ( marido-mulher) de consangüinidade ( irmãos) de filiação ( pais-filhos)

57 EIXO V Avaliação Global de Funcionamento

58 , HPMA Saúde Mental Prévia Background pessoal e social História Familiar Sintomas Físicos Exame Mental Entrevista com paciente Informantes Testes Psicológicos Avaliação laboratorial Dados Médicos Sind. BSind. CSind. A Transtorno A Transtorno B Transtorno C Diagnóstico A Diagnóstico B Diagnóstico C Diagnóstico A! II.Síndrome Identificada III.Criando um Diagnóstico Diferencial IV. Escolhendo um V.Identificando Comorbidades VI.Checando a Formulação VII. Reavaliação dos novos dados I. Levantando dados Mais históriatestesResposta ao tratamento

59

60

61 EXERCÍCIOS Caso 1 – GRBV, 12 anos,solteiro, frequenta 6a. série, estudante, natural de Caracas/Ve QD: Sempre foi difícil de se relacionar, piorando com a vinda para o Brasil há 5 anos HPMA: Sempre foi tímido, de falar pouco, achando que sempre pensam que faz tudo errado. Tem poucos amigos e faz alguns esportes na escola porém prefere escrever e estudar algumas matérias embora apresentando dificuldades em apresentações orais tem bom desempenho escolar. ISDA: Sem queixas específicas AMP: doenças próprias da infância

62 EXERCÍCIOS Caso 1 – Hábitos e vícios: Gosta de ler, tem interesses específicos como Pokemon ou determinados artistas dos quais “sabe tudo”. Seleciona alimentos comendo somente aqueles que não tem molho. AFH: Um irmão mais velho sem nenhuma queixa. Exame clínico, psiquiátrico e neurológico: normolíneo, consciente, alerta, eutímico, embora com pouca modulação afetiva, orientado no tempo e no espaço, memória conservada, linguagem com pouca modulação na fala; neurologicamente normal, sem qualquer sinal de localização. PA=120x80 mmHg; BRNF, sem alterações pulmonares. Exames laboratoriais: sem alterações Neuroimagem= TCC dentro da normalidade

63 EXERCÍCIOS Caso 1 – Estudo Psicológico: WISC – Compreensão verbal = 106 Raciocínio Receptivo = 98 Memória Operante = 91 Velocidade de processamento de informação = 91 Escala Total = 98 VMI (Teste de Integração Viso-Motora de Berry-Buktenica) escore bruto = 25 quociente = 110 escore ponderado = 12 percentil = 75 classificação médio superior, idade de desenvolvimento = 14 anos

64 EXERCÍCIOS Caso 1 – Estudo Psicológico: NEPSY II Bateria neuropsicológica de Korkman, Kirk e Kemp (domínio avaliado – percepção social) – Reconhecimento de afeto pela face Escore bruto = 28 Nota ponderada = 10 Classificação Média Teoria da Mente escore verbal bruto = 20, percentil entre 26 e 50 escore total bruto = 25, percentil entre 26 e 50 Teoria da mente adquirida na média para a idade Psicodiagnóstico de Rorschach (avaliação de Exner) índice de alteração da percepção e pensamento = negativo índice de depressão = negativo índice do déficit relacional = negativo índice de hipervigilância = negativo índice do estilo obsessivo = negativo

65 EXERCÍCIOS Caso 1 – Hipótese Diagnóstico: Eixo I – Eixo II – Inteligência normal Transtorno de Sociabilidade (Transtorno de Personalidade esquizóide? anancástica?) Eixo III – n.d.n. Eixo IV – Família organizada, dinâmica satisfatória, estável, não carente sócio-economicamente. Desenraização cultural

66 EXERCÍCIOS Caso 2 – RMAF, 6 anos,solteiro, frequenta 2a. série, estudante, natural de SP/SP QD: Há pouco mais de 6 meses, passou a apresentar problemas na escola, caracterizados por desobediência, agressividade e mecanismos oposicionais. HPMA: Sempre teve um bom desenvolvimento embora procure fazer com que a mãe supra as necessidades mesmo quando sabe fazê-lo. Desobedece com frequência e recusa-se a fazer o que lhe é pedido. ISDA: Dificuldades de coordenação motora fina e grossa que se refletem na dificuldade em vestir-se e em colocar os sapatos e se alimentar. AMP: doenças próprias da infância

67 EXERCÍCIOS Caso 2 – Hábitos e vícios: Gosta de assistir desenhos, brinca com outras crianças, gosta de passear com os pais ou com os avós. Sem alterações alimentares ou de sono. Já controla esfíncteres. AFH: Filho único, não apresenta nenhum caso similar na família. Exame clínico, psiquiátrico e neurológico: baixa estatura, nariz com ponte nasal achatada, pele espessa, fácies alargada com orelha implantadas abaixo da linha média, mãos em garra, alterações de coluna, genu valgum. Consciente, alerta, eutímico e afetivo, orientado no tempo e no espaço para a idade, memória conservada, linguagem sem alterações; neurologicamente sem sinais de localização. PA=120x80 mmHg; BRNF, sem alterações pulmonares. Exames laboratoriais: alterações na dosagem de sulfato de heparitina e de condroitin sulfato Neuroimagem= costelas em remo, cifoescoliose, mãos em garra

68 EXERCÍCIOS Caso 2 – Estudo Psicológico: WISC – Compreensão verbal = 103 Raciocínio Receptivo = 95 Memória Operante = 94 Velocidade de processamento de informação = 94 Escala Total = 97 Fábulas de Duss desejo de autonomia dos pais, dificuldades em perceber as nuances afetivas, nega suas percepções e sensações, criando padrões ensimesmados de relacionamento, não se identifica com a figura materna como protetora, percebendo maior proteção do pai a quem obedece com maior facilidade. Defesas psíquicas pouco realistas e pouco adaptadas.

69 EXERCÍCIOS Caso 2 – Estudo Familiar: Pais separados há quatro anos, em litígio. Pais educados, com nível superior completo, embora difíceis de serem contatados. Não conseguem conversar conjuntamente sobre a criança que se encontra sob a guarda materna. Mãe dedicada, auxiliada por babá. Faz terapia devido a dificuldade da criança. Observa-se disputa da guarda, com pouco envolvimento paterno.

70 EXERCÍCIOS Caso 2 – Hipótese Diagnóstico: Eixo I – Transtorno de Ajustamento Eixo II – Inteligência normal Insegurança e dificuldades adaptativas Eixo III – Mucopolissacaridose tipo II. Sd. Hunter. Eixo IV – Família desorganizada, dinâmica insatisfatória, instável, não carente sócio-economicamente. Disputa paterna, realizada de maneira agressiva, visando a guarda do paciente

71 PROVÁVEIS CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA UM POSSÌVEL FUTURO DSM V Sistema Multiaxial Eixo I – Genótipo: genes ligados aos sintomas/transtornos; genes protetores e de resiliência, genes ligados aos efeitos terapêuticos e colaterais das drogas específicas Eixo II – Fenótipo Neurobiológico: fenótipos intermediários (função cognitiva, neuroimagem, regulação emocional) ligados ao genótipo Eixo III – Fenótipo comportamental: fenótipo neurobiológico e ambiental, faixa e frequência dos comportamentos associados com o genótipo Eixo IV – Modificadores e precipitadores ambientais: fatores que alteram o comportamento e o fenótipo neurobiológico Eixo V – Objetivos e respostas terapêuticas

72 REABILITAÇÃO ESTRUTURA GERAL Capacidade Inteligência Adaptabilidade Ambiente Lar - Trabalho Escola - Comunidade Funcionamento Suportes (AAMR, 1992)

73 REABILITAÇÃO ELABORAÇÃO DO PROJETO funções deficientes equipe, lugar e horário definição de sequências escolha de exercícios

74 Muito Obrigado


Carregar ppt "Prof.Dr.Francisco B. Assumpção Jr. O Exame da criança Autista: diagnóstico e avaliação. Goiás; outubro-2011."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google