A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Região Metropolitana de Campinas GT-PAM 22 de outubro de 2013.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Região Metropolitana de Campinas GT-PAM 22 de outubro de 2013."— Transcrição da apresentação:

1 Região Metropolitana de Campinas GT-PAM 22 de outubro de 2013

2 Caracterização Geral da Região Brasil BRASIL Área: 8,5 milhões km² municípios População: 190,76 milhões PIB: R$ bilhões Estado de São Paulo Área: 248 mil km² municípios | 2,9% do território nacional População: 41,26 milhões | 21,6 % da população brasileira PIB: R$ bilhões | 33 % do PIB brasileiro Região Metropolitana de Campinas Área: km² - 19 municípios | 0,04% do território nacional População: 2,8 milhões | 1,46% da população brasileira PIB: R$ 98,4 bilhões | 2,6% do PIB brasileiro SP Macrometrópole Área: 49,9 mil km² municípios | 0,6 % do território nacional População: 30,5 milhões | 16% da população brasileira PIB: R$ 897,4 bilhões (2009) | 23,8% do PIB brasileiro Campinas Dados de 2010 do Seade e IBGE.

3 RMC

4 Vantagens Competitivas da RMC •Qualidade de vida elevada –IDH-M em 2010 •18 municípios da RMC acima da média nacional (> 0,727) •09 municípios da RMC acima da média estadual (> 0,783) •04 municípios da RMC com desenvolvimento humano muito alto (> 0,8) –IFDM FIRJAN 2010: 09 municípios da RMC entre as 50 melhores do país conforme –IPC 2013: município de Campinas é o 12º do país e 2º do ESP em potencial de consumo –Índice de bem-estar urbano: na comparação entre 289 municípios em regiões metropolitanas brasileiras, 15 municípios da RMC estão entre os 30 primeiros Índice por área

5 Vantagens Competitivas da RMC •Base econômica diversificada e integrada –Presença de diversos ramos industriais (setores de ponta e tradicionais) –Importantes complexos agroindustriais, agricultura diversificada e fortemente integrada à indústria –Forte integração e complementaridade entre as atividades industriais e terciárias - serviços financeiros, transporte, armazenagem, comercialização –Em agosto de 2013, a RMC respondeu por 2,1% das exportações brasileiras (8,2% do ESP) e 6,5% das importações do país (18% do ESP).

6 Vantagens Competitivas da RMC Investimentos anunciados no Estado de São Paulo 2012 (SEADE)

7 Vantagens Competitivas da RMC Investimentos anunciados no Estado de São Paulo 2012 (SEADE)

8 Vantagens Competitivas RMC •Um dos principais polos tecnológicos do Brasil –Presença de importantes instituições de ensino e pesquisa do país –Hub de tecnologia: parques tecnológicos e atração e criação de empresas de base tecnológica –Ambiente de atração de investimentos/negócios com perfil de tecnologia de ponta

9 Vantagens Competitivas RMC •Alta conectividade e intermodalidade da logística de transporte –Articulação da RMC com principais mercados nacionais e internacionais –Acesso aos portos de Santos e São Sebastião –Presença de importantes rodovias e ferrovias, alcoolduto, gasoduto e rede de fibras óticas –As melhores rodovias do Brasil passam pela RMC –Presença do aeroporto de Viracopos

10 Vantagens Competitivas da RMC •Projetos de infraestrutura programados ou previstos com potencial de impacto significativo na RMC: –Expansão de Viracopos (apres. Josmar Cappa) –Trem regional (CPTM) –TAV (Governo Federal) –Ferroanel –Terminal ferroviário em Itaquacetuba –alternativa de escoamento de cargas da RMC para porto de Santos –Corredor Noroeste –Complementação do Anel Viário Magalhães Teixeira –SIVIM (Sistema Viário de Interesse Metropolitano) –Parques Tecnológicos –Vias marginais das rodovias Anhanguera e Dom Pedro II –Grandes projetos e eventos no Brasil: Copa do Mundo, Olimpíadas, Pré- Sal

11 Visão de Futuro: onde a RMC pode chegar •Centro Comercial: atacado, varejo de grande porte, veículos, etc. •Centro de Serviços: sua influência extrapola limites da área geográfica •Polo Industrial: tendência é atrair indústrias de maior produtividade e tecnologia •Hub Logístico: Viracopos e infraestrutura de transporte impulsionarão ainda mais a vocação logística, atraindo investimentos em todos os setores de atividade •Conhecimento: concentração de instituições de ensino e pesquisa, com reflexo na atração de empresas •Agricultura: produtos agrícolas com alto valor agregado •Turismo: área promissora, incluindo turismo rural, de negócios e lazer

12 Principais gargalos na RMC •Risco de deseconomias de aglomeração, devido a: –Circulação saturada de pessoas e de mercadorias –Rodovias estaduais usadas como vias urbanas –Ocupação urbana altamente dispersa, encarecendo investimentos em infraestrutura –Disponibilidade hídrica, em função de: deficiência no tratamento do esgoto e da inadequação na destinação final do lixo e da macrodrenagem, agravando problemas ambientais (inundações) e limitando a instalação de novas indústrias (e a atividade econômica) –Aeroporto de Viracopos: limitações de acesso e entorno podem prejudicar o uso pleno de sua capacidade DESAFIO: garantir a continuidade e sustentabilidade da tendência de crescimento regional acima da média observado na RMC, assegurando que a implantação dos projetos de infraestrutura não cause deterioração na qualidade de vida

13  Sistema de pedágio ainda estimula desvios de rotas e compromete as vias secundárias  Especulação imobiliária, custo de vida elevado e burocracia são barreiras à atração de investimentos  Falta mão de obra qualificada, principalmente técnica  Necessidade de ação integrada para infraestrutura e serviços públicos, notadamente transporte e saneamento  Necessário plano de uso do solo que compatibilize os diferentes planos municipais  Necessidade de mecanismos que permitam à RMC participar efetivamente no planejamento e nas decisões sobre os investimentos de infraestrutura viária de responsabilidade do governo estadual Gargalos e Desafios - síntese  Congestionamento da infraestrutura rodoviária: satuação do Sistema Anhangüera-Bandeirantes e rodovia Santos Dumont  Qualidade de vida e preservação do meio ambiente são requisitos para investimentos  Gargalos na oferta de instalações para armazenagem compatíveis com operações de alta produtividade  Destinação adequada dos Resíduos Sólidos requer tratamento integrado em âmbito regional  Tratamento do esgoto domiciliar na RMC precisa ser ampliado para melhorar a qualidade da água e a disponibilidade hídrica  Questão da segurança eleva o custo dos investimentos, podendo inviabilizá-los

14 AEROPORTO DE VIRACOPOS

15 Viracopos: evolução •2007: –demanda por passageiros em VCP era de 117,4 mil –6ª posição nacional em importações (US$ 2,6 bilhões) e a 15ª posição em exportações (US$ 560 milhões). •2008: Azul entra em operação •2010: passou para a 2ª posição nacional em importações (US$ 13,5 bilhões), e a 14ª posição em exportações (US$ 3,3 bilhões) •2011: 7,5 milhões de passageiros, 99,9 mil aeronaves e 290 milhões de toneladas de carga transportada •2012: 8,8 milhões de passageiros

16 Viracopos: Movimento de passageiros, aeronaves e carga Fonte: Infraero.

17 Viracopos: Plano Diretor Plano Diretor do VCP Investimentos de R$ 9,5 bilhões ao longo dos 30 anos de concessão

18 Viracopos: Plano Diretor Plano Diretor do VCP •Obras de revitalização planejadas: –R$ 69 milhões na revitalização do atual terminal de passageiros de Viracopos –R$ 31 milhões serão investidos na readequação do atual terminal de cargas –Áreas de embarque serão ampliadas em 142%, dos atuais m² para m² •Cinco ciclos de investimentos planejados: –1º. Ciclo: até maio/2014 •R$ 2,06 bilhões na construção de um novo terminal de passageiros com capacidade para o transporte de 14 milhões de passageiros/ano •O terminal contará com 28 pontes de embarque, 07 novas posições remotas de estacionamento de aeronaves e um edifício-garagem com 4 mil vagas •Ampliação das pistas de taxiamento de aeronaves

19 Viracopos: evolução Plano Diretor do VCP •Cinco ciclos de investimentos planejados (continuação): –2º ciclo: 22 milhões de passageiros | início das intervenções em 2018 –3º ciclo: 45 milhões de passageiros | início das intervenções em 2024 e destaque para a construção da terceira pista –4º ciclo: 65 milhões de passageiros | início das intervenções em 2033 e destaque para a construção da quarta pista –5º ciclo: 80 milhões de passageiros | início das intervenções em 2038

20 Viracopos e os desafios para a RMC •É preciso integrar o aeroporto de Viracopos à dinâmica urbana da RMC para evitar deseconomias de aglomeração, obstáculos à mobilidade urbana, perdas de investimentos, emprego, renda, tributos e da qualidade de vida •Poder Público Municipal deve acompanhar e interagir no processo de ampliação de VCP, em especial no que diz respeito ao Plano Local da Macrozona 7, considerando-se a dinâmica da economia contemporânea e o respeito ao Estatuto da Cidade

21 Viracopos e os desafios para a RMC •Campinas precisa rever sua legislação urbanística para valorizar seus diferenciais de competitividade regional (localização geográfica estratégica, logística industrial, transporte multimodal, potencial de inovação, conhecimento tecnológico e de serviços) para instituir políticas públicas que qualifiquem seus recursos humanos, tecnológicos e infraestruturas. •Necessário um Plano de Desenvolvimento Metropolitano para dar eficácia à gestão de políticas públicas regionais e não comprometer projetos estratégicos de desenvolvimento regional

22 Viracopos Vídeo sobre VIRACOPOSVIRACOPOS


Carregar ppt "Região Metropolitana de Campinas GT-PAM 22 de outubro de 2013."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google