A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

História da imagem utilitária ARTS AND CRAFTS1850-1900 ART NOUVEAU1890-1905 A ESTÉTICA DA MÁQUINA1900-1930 ART DECO1925-1939 CONSUMISMO E ESTILO1935-1955.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "História da imagem utilitária ARTS AND CRAFTS1850-1900 ART NOUVEAU1890-1905 A ESTÉTICA DA MÁQUINA1900-1930 ART DECO1925-1939 CONSUMISMO E ESTILO1935-1955."— Transcrição da apresentação:

1 História da imagem utilitária ARTS AND CRAFTS ART NOUVEAU A ESTÉTICA DA MÁQUINA ART DECO CONSUMISMO E ESTILO ART POP A PARTIR DE

2 ARTS AND CRAFTS “O movimento conhecido pelo nome de Arts and Crafts… pode definir-se… como um movimento que coloca todas as actividades do espírito humano sob uma ideia básica, a ideia que a vida é criação.” T. J. COBDEN SANDERSON, 1906

3 ARTS AND CRAFTS Surge como reacção ideológica aos efeitos da industrialização do século XIX, Considerando que a indústria tratava o trabalhador como autómato, provocando A degeneração do design e da qualidade dos artigos. Local de nascimento: Grã-Bretanha Uma finalidade: Adaptação do objecto á função para a qual havia sido concebido FORMA – FUNÇÃO Uma característica estilística: Formas simples através da utilização de motivos lineares e orgânicos Fontes de inspiração: Arquitectura gótica Formas naturais (plantas e animais) A decoração deriva dos elementos da construção Dining Room, Standen ( )

4 ARTS AND CRAFTS Edward Burne-Jones The Golden Stairs 1880 Designed by William Morris ( ) for Morris & Company, 1883.

5 ARTS AND CRAFTS As igrejas góticas inglesas Puras e harmoniosas representavam o testemunho da vida do artesão medieval O Templo era construído pelos artesãos de diferentes ofícios com um objectivo comum A arquitectura recorre às fontes da literatura medieval, caligrafia e heráldica. A arquitectura recorre aos ofícios da época feudal (tapeçaria, vidro colorido e carpintaria A decoração interior das casas passa a inspirar-se nos templos medievais: Estruturas góticas a adornar os interiores e os móveis Arcos pontiagudos Fonte de inspiração Dressing Table Designer: William Burges, Manufacturer: Story & Co. c Designer: Owen Jones Manufacturer: Warner, Sillett & Ramm designed circa 1870 Jacquard woven silk 45 x 47 cm (17 3/4 x 18 /2 inches) Padrões fixos na tapeçaria e na decoração

6 ARTS AND CRAFTS Teóricos Justificação interventora: Baixa qualidade do design nas artes decorativas Foram as teorias de William Lethaby (director da Escola Central de Artes o Ofícios de Londres e posteriormente do Royal College of Art) que dirigiram o movimento Teóricos: Inglaterra - Augustus W. N. Pugin ( ) França – Eugène-Emmanuel Viollet-le-Duc ( ) -Pugin Associava a caída dos valores estéticos ao declínio moral da nação. Havia que reformular a sociedade seguindo-se o modelo gótico, como sociedade autenticamente cristã Influenciou: John Ruskin, William Burges, Richard Norman Shaw, William Morris Augustus W. N. Pugin ( Fachada do Parlamento Inglês (1836)

7 ARTS AND CRAFTS Obra RED HOUSE do arquitecto Philip Webb Bexleyheath, Kent. The Home Of William Morris A Grande Exposição de 1851 de Londres O Palácio Desenhado por Pugin parece um santuário católico

8 ARTS AND CRAFTS Obra The Residential Architecture of C. F. A. Voysey (English, ) Designer: Edward William Godwin, Manufacturer: James Peddle 31" (79 cm) high

9 ART NOUVEAU “Encontramo-nos no limiar de uma arte totalmente nova, uma arte com formas que não significam e não representam nada, que não recordam nada e que, apesar de tudo, estimulam a nossa alma tão profundamente com os tons musicais”. AUGUST ENDELL, 1900

10 ART NOUVEAU O período de expansão deste movimento na Europa e América deu-se na década de 1890, Alcançando a sua popularidade até 1900, ano da Exposição Universal de Paris Design com um riquíssimo vocabulário linear, com múltiplos ornamentos florais e abstractos, vigorosas curvas Herda do movimento Arts and Crafts o conceito de unidade e harmonia entre as diversas actividades artísticas Gustave Klimt ( ) Die Jungfrau – 1913 The Virgin; Narodni Galerie, Prague

11 ART NOUVEAU A arquitectura Art Nouveau incorporou elementos góticos e renascentistas Os elementos exóticos foram incorporados como mosaicos bizantinos, olhos estilizados e estilo caligráfico egípcio Elementos orientais inspirados na arte oriental, através das superfícies bidimensionais da xilografia japonesa A mulher através da sua representação nas figuras lânguidas As formas vegetais exóticas Fonte de inspiração Victor Horta (b. Ghent, Belgium 1861; d. Brussels, Belgium 1947) Balustrade from Hotel Solvay

12 ART NOUVEAU O principal contributo foi através da obra dos “4 de Glasgow”: Charles Rennie Mackintosh ( ) Herbert Mc Nair ( ) Margaret Macdonald ( ) Frances Macdonald ( ) Este grupo iniciou-se através do movimento Arts and Crafts e posteriormente aderiu à Art Nouveau Características: Ornamentação linear austera Linhas verticais ligeiramente curvas que terminam em formas ovais Escócia Margaret Macdonald ( ) The May Queen (detail) Painting Date: 1900 Medium: Watercolour Size: 159 x 152 cm Location: Glasgow Museums and Art Galleries, Glasgow, Scotland1900Glasgow Museums and Art Galleries, Glasgow, Scotland Hill HouseHill House, by Charles Rennie Mackintosh, at Helensburgh, Scotland, 1902 to Frances MacNair (British, ) Ophelia Painting Date: 1898 Medium: Watercolour Size: 45 x 102 cm (17 3/4 x 40 1/8 in)1898

13 ART NOUVEAU Características: Estilo resultante do atractivo gosto francês que permitiu a maior liberdade para explorar a ornamentação, a cor e a forma Exploração das artes menores (cristais, jóias, móveis, ferro, etc.) Escolas: Nancy Emile Gallé ( ) Louis Majorelle ( ) Paris Hector Guimard ((b. Lyon, France 1867; d. New York, N.Y. 1942) França Emile Gallé Vase de style égyptien 1900 © Musée de l'Ecole de Nancy Louis MAJORELLE, Salle à manger "Les blés, modèle riche", vers 1905 Hector Guimard (entrada do metro de Paris)

14 ART NOUVEAU Características: Estilo mais abstracto e enérgico Artistas: Victor Horta ( ) Fernand Khnopff ( ) Bélgica Victor Horta - trap in het Hortahuis, Brussel Fernand Khnopff

15 ART NOUVEAU A designação da Arte Nova na Alemanha é Jugendstil Este movimento na Alemanha parte das seguintes publicações: Revista Pan – fundada pelo crítico Julius Meier-Grafe em 1895 Semanário Die Jugend Semanário Simplicissimus Características: No início apresentava características semelhantes às decorações inglesas do Arts and Crafts. Predominantemente floral teve Aplicação directa nas artes gráficas e aplicadas tendo como temática o sentimentalismo dos temas populares Mais tarde e em contraste o movimento passa a ter um conteúdo Linear mais abstracto e dinâmico Artistas: Van de Velde ( ) Otto Eckmann ( ) Hermann Obrist ( ) August Endell ( ) Alemanha Atelier de August Endell Arquitectura de Van de Velde Otto Eckmann Hermann Obrist

16 ART NOUVEAU Características: Semelhança progunda com o movimento Arts and Crafts Caracteriza-se por uma intervenção ao nível da ornamentação da superfície dos objectos com poucas formas geométricas Nos planos bidimensionais eram abundantes os padrões repetitivos de pequenos círculos e quadrados Artistas: Pintor Gustav Klimt ( ) Arquitecto Otto Wagner ( ) Joseph Olbrich ( ) Koloman Moser ( ) Austria Gustav Klimt Emilie Floge Historisches Museum der Stadt Wien, Vienna

17 ART NOUVEAU Austria Gustav Klimt Adele Bloch-Bauer – 1907 Oil and gold on canvas, 138 x 138; Austrian Gallery, Vienna

18 ART NOUVEAU Koloman Moser Austria Arquitecto Otto Wagner Joseph Olbrich

19 ART NOUVEAU Espanha Antoni Gaudi Casa Batlló - Barcelona Antoni Gaudi Sagrada Família - Barcelona

20 ESTÉTICA DA MÁQUINA “Graças á máquina, a identificação da necessidade, Ao processo de selecção, ao estabelecimento de critérios, Será estabelecido um novo estilo”. LE CORBUSIER, 1924

21 ESTÉTICA DA MÁQUINA As primeiras décadas do século XX caracterizam-se pela tentativa De colocar a arte ao serviço da indústria Por um lado melhorar a qualidade dos produtos fabricados Por outro lado responder à concorrência a nível mundial Terminam assim as “curvas da Arte Nova” Inspiração: Cubistas Braque, Picasso e Juan Gris Resultou uma arquitectura na base de planos Em Itália o Futurismo proporcionou a emoção da velocidade, A maquina e a guerra Pretendia-se portanto a forma pura e racional The Bauhaus School of Art, Design and Architecture in Weimar and Dessau, Germany ( ) Marcel Lajos Breuer

22 ESTÉTICA DA MÁQUINA Estados Unidos Revolver Colt Model T Ford Características: A necessidade do mercado de massas determinou a construção de um produto que apenas tinha em consideração a aparência

23 ESTÉTICA DA MÁQUINA Alemanha Características: A arquitectura tendo um objectivo funcional, concentrou-se em detalhes como a sua planificação e estética simples Vienne / Werkbund Werkbund Exposition Theater

24 ESTÉTICA DA MÁQUINA União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Características: O Construtivismo russo desenvolveu uma estética baseada na máquina como influência primária Estética redutora a uma revolução política em curso Os artistas entendiam que a sua missão estava limitada à criação de produtos para a nova sociedade, da mesma maneira que os engenheiros tinham de construir pontes construtivismo russo Modelo para Monumento a Terceira Internacional (1919): espiral que simboliza ascensão

25 ESTÉTICA DA MÁQUINA União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Aleksander Rodchenko ( ) Pai da propaganda soviética Pintor, escultor, designer e fotógrafo russo, Aleksander Rodchenko consagrou-se como um dos expoentes máximos do Construtivismo. Um dos fundadores do movimento construtivista, ele foi o mais importante e versátil integrante do grupo, criando trabalhos excelentes e inovadores em praticamente todos os campos das artes. Realizou de forma brilhante aquilo que se tornou um dos alicerces do socialismo soviético e do capitalismo mundial: a propaganda. Estudou inicialmente na Escola de Arte Kazan ( ) e depois na Escola Stroganov em Moscovo, onde conheceu Kasimir Malevich e Vladimir Tatlin. Em 1916 participou com uma série de desenhos na exposição Magazin, organizada por Tatlin. Estes seus trabalhos, executados com uma régua e um compasso, rejeitavam definitivamente a representação e o espaço pictórico coerente.ConstrutivismoKasimir MalevichVladimir Tatlin

26 ESTÉTICA DA MÁQUINA França O conceito de “estética da máquina” tem em Le Corbusier o seu maior contributo estético “Uma casa é uma máquina para se viver” Le Corbusier Significa esta afirmação que a produção mecânica em massa também deveria atingir a construção civil Villa Savoye 82 rue de Villiers Poissy France Le ModulorModulor

27 ESTÉTICA DA MÁQUINA Revolução Maoista na China O conceito de “estética” ao Serviço de um ideologia fascista e totalitária A escravidão da arte Mao Tsé-Tung com os soldados

28 ESTÉTICA DA MÁQUINA Bauhaus Fundada em Weimar (1919) pelo arquitecto Walter Gropius Criou uma estética inspirada na máquina para a arquitectura e as artes aplicadas através de sofisticados programas nos cursos leccionados Os alunos eram estimulados a dominar uma actividade artesanal e a manipulação da linguagem das formas elementares Fábrica Fagus Walter Gropius Cartaz de Joost Schmidt para a exposição da Bauhaus “Arte e Tecnologia” (Weimar 1923)

29 ART DECO “As simplicidades da vida moderna são ricas e sumptuosas; Somos indivíduos cujas roupas de corte severo estão feitas de damasco e fio de prata”. ALDOUX HUXLEY, 1930

30 ART DECO Termo que deriva da Exposição de Artes Decorativas de 1925 em Paris Tal como na Art Nouveau, os praticantes da Art Deco eram Partidários de determinados formatos e esquemas comuns que tiveram manifestação diferente de país para país Vermelhos brilhantes, azuis eléctricos, rosas, amaerlo sirene e tons metálicos dourados, prateados e bronze Gozaram de grande popularidade Inspiração: Os ballets Russos de Diaghilev As cores brilhantes do fauvismo Desenhos de moda do estilista Paul Pioret O Descobrimento do túmulo de Tutankamon em 1923 deu origem a uma moda de tons velhos A arte africana primitiva A cultura Jazz

31 ART DECO ballet Russo de Diaghilev túmulo de Tutankamon A cultura Jazz

32 ART DECO França Paris, nos anos 20 e 30 do século XX observou uma grande actividade artística. A Exposição de Artes Decorativas de 1925 foi fundamental para a divulgação da Arte Deco. A pintora polaca Tamara de Lempicka retrata belas mulheres estilizadas posando como manequins entre planos justapostos de padrões e cores metálicas. A modista de Alta costura Coco Chanel revoluciona a moda com a introdução de vestidos intemporais constituídos por duas peças separadas, decoradas com joalharia de fantasia proporcionando à mulher juventude e elegância através do “estilo chanel” Tamara de Lempicka ( ) Girl with Gloves, 1929, oil on canvas, Musée National d'Art Moderne, Paris Coco Chanel em 1934

33 ART DECO França Émile Jacques Ruhlmann Décorateur et ébéniste français (Paris, ) René Jules Lalique ( ) René Jules Lalique ( ) tornou-se um dos grandes criadores da Arte Deco através de objectos decorativos em joeira e crista. Cerâmica de Demetre ChiparusDemetre Chiparus

34 ART DECO Estados Unidos da América Na Arte Deco Nova York assume especial importância no que respeita às artes cénicas através da Broadway e Hollywood Este estilo caracteriza-se pela ingenuidade, o glamour e a fantasia das personagens: Fred Astair e Ginger Rogers Irmãos Marx Mae West e Jean Harlow Fred Astair e Ginger Rogers

35 ART DECO Estados Unidos da América Irmãos Marx: Harpo, Zeppo, Chico e Groucho Marx no filme "Monkey Buisness", 1932

36 ART DECO Estados Unidos da América – Estilo Hollywood Cinema Loyola em Westcherter / Califórnia Greystone Hotel South Beach - Miami Beach

37 ART DECO Estados Unidos da América Mary Jane West ( ) A diva dos anos 30 do século XX Jean Harlow ( ) Morreu aos 26 anos com 36 filmes realizados A verdadeira loura copiada por Marilyn Monroe e Madonna

38 ART DECO Estados Unidos da América Edificio Chrysler de Nova York – Arquitecto William Van AlenEdificio Chrysler de Nova York – Arquitecto William Van Alen ( ) Edifício realizado em 1928

39 CONSUMISMO E ESTILO “Tal como recordamos os artistas do século XIV pelas suas catedrais, os do século XX serão recordados pelas suas fábricas e produtos produzidos”. NORMAN BEL GEDDES, 1932

40 CONSUMISMO E ESTILO A partir dos anos 30 do século XX o desenhador profissional começou de forma definitiva a influenciaram design dos novos produtos da nossa civilização ocidental O mercado de massas permitiu a toda a população consumir produtos com design: Através do aumento de riqueza da sociedade média Os novos meios tecnológicos de produção Os novos materiais (novos metais e os plásticos) O automóvel convertia-se num meio essencial de sonho: Fiat 500 Citroen 2C Wolkswagen carocha Fiat Topolino - Fiat 500 (fabricado entre 1936 e 1975 com 7 modelos) citroen-2CV Wolkswagen carocha

41 CONSUMISMO E ESTILO O design atinge tudo: A cozinha A sala de estar Aparecem novas máquinas de escrever Máquinas de Calcular A aerodinâmica é aplicada á máquina Norman Bel Geddes Airliner no. 4, Norman Bel Geddes with Otto Koller, 1929 Norman Bel Geddes, Motor coach no. 2, 1931 Norman Bel Geddes' Flying Car, 1945

42 CONSUMISMO E ESTILO A aerodinâmica é aplicada á máquina Ferdinand Von Zeppelin ( ) Henry Segrave O golden arrow que bateu a velocidade em terra em 1929 (328Km/h) Walter Dorwin Teague ( ) Câmara Kodak Walter Dorwin Teagu Radio de 1936

43 CONSUMISMO E ESTILO A Era Atómica com os bombardeamentos de Hiroshima e Nagasaky O modelo atómico na base de esferas coloridas (electrões) A vespa Miró Jackson Pollock Tipos de caligrafia motivos de inspiração Vespa (início da construção) Roger Excoffon, França ( )

44 CONSUMISMO E ESTILO Miró Jackson Pollock motivos de inspiração Joan Miró ( ) Jackson Pollock ( ) Full Fathom Five 1945

45 CONSUMISMO E ESTILO Entre 1935 e 1955 o design teve como capital os Estados Unidos da América Deveu-se esta conquista à sólida organização empresarial e à sociedade de consumo Tal como os filmes de Hollywood, os novos produtos pretendiam satisfazer a fantasia de quem os comprava Estados Unidos da América Electrolux A série B.A.T. de Bertone, com estilo inovador nos anos 50 Radio Crosley E-15, 1953

46 CONSUMISMO E ESTILO Itália Design de Ettore Sottsass (n.1917) Design de Oswaldo Borsani (Italy) Máquina de escrever Lexicon 80 Design de Marcello Nizzzoli Design de Gino Sarfatti floor lamp 1069 for Arteluce, 1955 h 153cm

47 CONSUMISMO E ESTILO Alemanha Volkswagen de 1938

48 ART POP OU A ERA DA ABUNDÂNCIA CADILLAC ELDORADO DE 1959

49 ART POP OU A ERA DA ABUNDÂNCIA Os efeitos de austeridade impostos pela 2ª Guerra Mundial seriam sentidos até aos anos 50 As nações vitoriosas (Inglaterra, França, Estados Unidos) venceram também a guerra da exportação e do design Os Estados Unidos ao nível do design teriam a sua maior influência entre as duas guerras É neste período que aparece a profissão de acessor de design A partir de 1945, os Estados Unidos começaram a fixar a inspiração no design europeu O Gosto americano influenciado por: Walter Dorwin Teague ( ) Norman Bel Geddes ( ) A nova sociedade de consumo: Uma das principais ideias que a Europa importou da América foi a ideia de que o adolescente poderia converter-se no consumidor por excelência Nos finais dos anos 50 surge o grande mercado juvenil que possuía poder de compra de artigos de luxo e artigos de decoração Em Inglaterra o rock’n’roll importado da América é fundamental no novo design dos artigos de roupa e de acessórios de estilo tão importantes como motos, rádios, equipamentos de alta fidelidade e outros artigos desta nova sub-cultura Os anos 60 estariam dominados pela explosão de uma cultura de massas e uma constante busca de novidade estilista A crise do petróleo dos anos 70 confirmaria que a época festiva das duas décadas anteriores havia chegado ao fim e a confiança nos novos produtos tecnológicos daria início à desconfiança O Comboio Bala japonês Hikari, influenciado pelos comboios americanos aerodinâmicos dos anos 30 Ford mustang de 1970 O relógio Lip (1972) em plástico de Roger Tallon

50 ART POP OU A ERA DA ABUNDÂNCIA Mercedes Benz 350 SLC 1973 Harley-Davidson de 1970 Honda Gold Wing de 1975 Cheverolet Corvette de 1970

51 ART POP OU A ERA DA ABUNDÂNCIA Estados Unidos Richard Hamilton (b.1922) Just What Is It That Makes Today's Home So Different, So Appealing? 1956 Collage (Kunsthalle Museum, Tübingen, Germany)

52 ART POP OU A ERA DA ABUNDÂNCIA Elvis plesley Estados Unidos The Weird, Wild, Wonderful Liberace ( )

53 ART POP OU A ERA DA ABUNDÂNCIA Estados Unidos Andy Warhol - Marilyn serigrafia e olio su tela, Galleria Leo Castelli, New York Andy Warhol - lattina di zuppa Campbell 1964, serigrafia su tela, Galleria Leo Castelli, New York

54 ART POP OU A ERA DA ABUNDÂNCIA Inglaterra O Guru dos Beatles, Maharishi Mahesh Yogi

55 A PARTIR DE … “Todos os jornalistas disseram que os móveis que desenhamos eram de mau gosto. Quanto a mim parecem-me de um gosto excelente. O Palácio de Buckingham é que é de mau gosto. Memphis é algo do mundo actual. Estamos a citar o presente e o futuro”. ETTORE SOTTSASS, 1981 (durante o lançamento dos móveis Menphis)

56 A PARTIR DE … O aparecimento dos plásticos nos anos 70 permitiram novas técnicas de modelação de formas, proporcionando a sua aplicação em móveis viaturas e roupas A procura da novidade iria determinar um infinidade de modas e novos produtos Edifícios de cristal Em 1974, Clive Sinclair apresenta a primeira calculadora de bolso O domínio cultural da informática

57 A PARTIR DE … microchip Tipo LCD desenhada em 1980 por Alan Brich A pirâmide do Museu do Louvre em Paris


Carregar ppt "História da imagem utilitária ARTS AND CRAFTS1850-1900 ART NOUVEAU1890-1905 A ESTÉTICA DA MÁQUINA1900-1930 ART DECO1925-1939 CONSUMISMO E ESTILO1935-1955."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google