A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Série The Lancet 2013 Nutrição materno-infantil SEMANA DA INCLUSÃO SOCIAL Primeira infância Lima, 22 a 25 de outubro de 2013 Cesar Victora Universidade.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Série The Lancet 2013 Nutrição materno-infantil SEMANA DA INCLUSÃO SOCIAL Primeira infância Lima, 22 a 25 de outubro de 2013 Cesar Victora Universidade."— Transcrição da apresentação:

1 Série The Lancet 2013 Nutrição materno-infantil SEMANA DA INCLUSÃO SOCIAL Primeira infância Lima, 22 a 25 de outubro de 2013 Cesar Victora Universidade Federal de Pelotas Brasil 1

2 Histórico da série: 2008  A importância dos primeiros 1000 dias  Gravidez e os dois primeiros anos de vida 2

3 Histórico da série: 2008  A importância dos primeiros dias  Gravidez e os dois primeiros anos de vida  Necessidade de integração  Saúde e nutrição  Programas intersetoriais  Coordenação no sistema global de nutrição Resumo executivo da série de

4 Metas globais da Assembleia Mundial da Saúde para 2025 (em relação a 2010) • 40% de redução no número global de crianças <5 anos com déficit de crescimento linear • 50% de redução de anemia em mulheres em idade reprodutiva • 30% de redução no baixo peso ao nascer • Sem aumento do sobrepeso em crianças • Aumentar em 50% ou mais o aleitamento exclusivo nos primeiros 6 meses • Reduzir a desnutrição aguda abaixo de 5%

5 • Reavaliamos o problema da desnutrição materno-infantil • Atualizamos as evidências • Contemplamos o crescente problema do sobrepeso e obesidade • Ressaltamos a importância da nutrição materna e no período pré-concepcional • E analisamos a resposta nacional atual e necessária em nível mundial Resumo executivo da série de A nova série, 2013

6 Resumo da série  1: Prevalência e consequências do estado nutricional  2: Evidências sobre intervenções nutricionais específicas  3: Intervenções em outros setores com potencial para melhorar a nutrição  4: Necessidade de um ambiente facilitador para nutrição  Comentário: o que está sendo feito hoje e o que se deve fazer Insertar portada/resumen ejecutivo da série Resumo executivo da série de

7 Desnutrição materno-infantil e sobrepeso em países de renda baixa e média: prevalências e consequências Robert E Black 1, Cesar G Victora 2, Susan P Walker 3, Zulfiqar A Bhutta 4, Parul Christian 1, Mercedes de Onis 5, Majid Ezzati 6, Sally Grantham-McGregor 3,7, Joanne Katz 1, Reynaldo Martorell 8, Ricardo Uauy 9 e grupo de estudo sobre nutrição materno-infantil 7

8 Modelo conceitual de ação para nutrição e desenvolmento fetal e infantil ideais 8

9 Marco para a acção para lograr una óptima nutrição e desenvolvimento fetal e infantil 9

10 Modelo conceitual de ação para nutrição e desenvolmento fetal e infantil ideais 10

11 • Baixa estatura • Composição corporal inadequada • Anemia • Gravidez precoce Nutrição da adolescente

12 Nutrição da adolescente em 10 países (baixa estatura 2Z) 12

13 Nutrição materna • Déficit ponderal e obesidade • Deficiências de ferro e cálcio • Consequências para a mãe e o feto

14 14 Tendências de déficit ponderal e obesidade em mulheres de 20 a 29 anos por região (1980–2008)

15 As deficiências de ferro e cálcio contribuem para a mortalidade materna Anemia é um fator de risco de morte materna por hemorragia (23% da mortalidade materna no mundo) A deficiência de cálcio aumenta o risco de pré-eclâmpsia (10% da mortalidade materna) 15 Corrigir estas deficiências poderia reduzir substancialmente a mortalidade materna

16 A importância do estado nutricional da mulher antes e durante a gravidez Baixa estatura materna pode causar obstrução no parto e morte da mãe ou do feto Baixa estatura ou déficit ponderal maternos aumenta o risco de desnutrição fetal Obesidade materna causa diabetes gestacional, pré- eclâmpsia, hemorragia e aumento no risco de morte do recém-nascido 16

17 Alta prevalência de crianças pequenas para a idade gestacional (PIG) 17 1 em cada 4 crianças tem déficit de crescimento intrauterino

18 18 • 32,4 milhões de recém-nascidos PIG em 2011 • A mortalidade infantil é maior entre recém-nascidos PIG, inclusive se nascerem a termo • 20% do déficit de crescimento aos 24 meses podem ser atribuídos a PIG Riscos de mortalidade e déficit de crescimento em recém-nascidos PIG

19 Nutrição infantil • Déficit estatural • Déficit ponderal • Obesidade • Deficiências de micronutrientes • Consequências para o desenvolvimento mental

20 O índice de déficit de crescimento está em lento declínio • Figura 4 20 MundialÁsia África Número (milhões) Prevalência (%) Número (milhões) Prevalência (%) Número (milhões) Prevalência (%) Número (milhões) Prevalência (%) O índice de redução anual de 2,1% não é suficiente para alcançar a meta da OMS NúmeroPrevalência Ano Meta global 165 milhões de crianças menores de 5 anos têm déficit de crescimento (25,7%) 253,1 226,3 188,7 161,5 135,6 98,4 83,3 113,9 69,2 56,5 45,7 47,9 50,2 53,3 55,8 58,1 59,9 60,1 13,7 12,110,4 9,0 7,4 6,2 4,2 5,1

21 Alta prevalência de déficit ponderal infantil em algumas regiões, milhões de crianças menores de 5 anos têm déficit ponderal, 19 milhões têm déficit ponderal grave 52 milhões de crianças menores de 5 anos têm déficit ponderal, 19 milhões têm déficit ponderal grave 21

22 Obesidade infantil crescente 22 Número (milhões) Ano Mundial África Número (mllhões) Prevalência (%) Número (milhões) Prevalência (%) NúmeroPrevalência América Latina e Caribe Número (mllhões) Prevalência (%) Ásia Ano Prevalência (%) 28,4 29,6 31,7 35,3 41,2 47,8 55,2 63,7 4,6 5,6 6,9 8,7 11,0 13,8 17,3 21,4 3,63,73,8 3,9 3,8 23,1 20,5 18,4 14,7 14,3 14,1 14,4 16,5

23 Micronutrientes: situação de fome oculta A carência de vitaminas e minerais essenciais continua sendo generalizada. A deficiência de vitamina A e zinco afetam a sobrevida e a deficiência de ferro e iodo afetam o desenvolvimento mental Importantes avanços na prevenção das deficiências de vitamina A e iodo Necessidade de esforços mais intensos para prevenir a deficiência de ferro e zinco 23

24 O aleitamento materno é inadequado em muitos países 24 O aleitamento materno exclusivo é de 30% ou menos nas principais regiões da ONU

25 Prevalência de baixa estatura e obesidade nos 20% mais ricos (azul) e nos 20% mais pobres (vermelho) 25 PeruPeru Brasil

26 Mortalidade infantil atribuída a agravos nutricionais A desnutrição inclui a restrição de crescimento fetal, aleitamento materno inadequado, déficit de crescimento, déficit ponderal e deficiência de vitamina A e zinco Juntas, estes agravos são responsáveis por • 45% das mortes de crianças menores de cinco anos • 3,1 milhões de mortes ao ano em

27 Principais considerações do artigo 1 A baixa estatura, o baixo índice de massa corporal e a deficiência de vitaminas e minerais durante a gravidez contribuem para a morbidade e mortalidade materna, restrição de crescimento fetal, mortalidade infantil e déficit de crescimento e desenvolvimento. O déficit de crescimento nos dois primeiros anos de vida afeta 165 milhões de crianças que têm risco elevado de mortalidade, déficit cognitivo e maior risco de obesidade e doenças crônicas não transmissíveis na vida adulta. 27

28 Principais considerações do artigo 1 A deficiência de vitamina A e zinco em crianças aumenta o risco de morte por infecções e a deficiencia de outros micronutrientes causa sérias consequências ao desenvolvimento. Estas novas evidências reforçam a necessidade de enfocar o periodo crucial de 1000 dias, da gravidez aos dois primeiros anos de vida, destacando a importância de intervir precocemente durante a gravidez, inclusive no período pré- concepcional. 28

29 Intervenções com base em evidências para nutrição materno-infantil: o que pode ser feito? A que custo? Zulfiqar A Bhutta 1, Jai K Das 1, Arjumand Rizvi 1, Michelle Gaffey 2, Neff Walker 3, Sue Horton 4, Patrick Webb 5, Anna Lartey 6, Robert E Black para os grupos de revisão da nutrição materno-infantil e intervenções de The Lancet 29

30 Modelo conceitual de ação para nutrição e o desenvolvimento fetal e infantil ideais 30

31 Intervenções ao longo do ciclo de vida 31

32 Intervenções a lo largo do ciclo de vida 32

33 33 10 intervenções potencialmente mais efetivas para reduzir a mortalidade de crianças menores de 5 anos Intervenções nutricionais Tratamento da desnutrição aguda grave Suplementação preventiva com zinco durante a infância Incentivo ao aleitamento materno Educação sobre alimentação complementar Tratamento da desnutrição aguda moderada Suplementação com ácido fólico no período periconcepcional Suplementação energética e proteica durante a gravidez Suplementação com diversos micronutrientes durante a gravidez Suplementação com vitamina A durante a infância Fortificação de alimentos ou suplementação com cálcio durante a gravidez

34 34 Estes 34 países representam 90% da carga mundial de desnutrição Países com carga mais elevada de desnutrição

35 Efeitos da cobertura de 90% com 10 intervenções principais em 34 países 35 A mortalidade em crianças menores de 5 anos poderia ser reduzida em 15% • 35% de redução da mortalidade por diarreia • 29% de redução da mortalidade por pneumonia • 39% de redução da mortalidade por sarampo • Menor número de mortes por asfixia e malformações congênitas Redução geral do déficit de crescimento de, pelo menos, 20% Redução geral do déficit ponderal grave de 61%

36 Efeito do conjunto de intervenções nutricionais com cobertura de 90% 36 Intervenções nutricionais Número de vidas salvas Custo por ano de vidas salvas Nutrição materna ideal durante a gravidez ( ) US$ 571 ( ) Alimentação de lactentes e crianças pequenas ( ) US$ 175 ( ) Suplementação com micronutrientes para crianças em risco ( ) US$ 159 ( ) Tratamento da desnutrição aguda ( ) US$ 125 ( )

37 Principais considerações do artigo 2 37 Existem intervenções promissoras para melhorar a nutrição materna e reduzir a restrição de crescimento fetal, os recém-nascidos PIG e déficits estaturais em crianças menores de 5 anos. 10 intervenções, se forem implantadas em escala, podem prevenir, pelo menos, 15% da mortalidade em crianças menores de 5 anos (o equivalente a 1 milhão de vidas salvas) e um quinto do déficit de crescimento.

38 Principais considerações do artigo 2 38 As estratégias propostas servem para combater a desnutrição e diminuir a mortalidade infantil entre os mais pobres. O custo para promover estas intervenções nutricionais específicas em nível mundial é de US$ 9,6 billhões, um valor razoável diante dos benefícios.

39 Programas e intervenções sensíveis à nutrição: como acelerar o progresso para melhorar a nutrição materno- infantil? Marie T. Ruel 1 e Harold Alderman 1 e grupo de estudo sobre nutrição materno-infantil 39

40 Modelo conceitual de ação para nutrição e desenvolvimento fetal e infantil ideais 40

41  Contemplam os determinantes básicos da desnutrição.  São implantados em escala e alcançam as populações pobres, que são as mais vulneraveis à desnutrição.  Podem servir de plataformas de distribuição para intervenções nutricionais específicas. O que faz com que os programas tenham potencial de melhorar a nutrição? 41

42 Análise das evidências do efeito nutricional dos programas Selecionadas com base em: • Relevância para a nutrição • Disponibilidade de avaliações do efeito nutricional • Elevada cobertura das populações pobres • Foco nos mais vulneráveis 42

43 • Agricultura e segurança alimentar • Redes de proteção social • Desenvolvimento na primeira infância • Saúde mental materna • Capacitação da mulher • Proteção infantil 43 • Escolaridade • Água, saneamento e higiene • Serviços de saúde • Planejamento familiar Exemplos

44 Análise das evidências: principais conclusões A análise dos programas sensíveis à nutrição em agricultura, redes de proteção social, desenvolvimento na primeira infância e escolaridade confirmam que os programas nestes setores obtiveram bons resultados ao lidar com vários determinantes básicos da nutrição, mas as evidências de seu efeito ainda são insuficientes. 44

45 O que faz com que os programas tenham o potencial de melhorar a nutrição? Para acelerar o progresso em nutrição é necessário aumentar o efeito nutricional de programas efetivos em larga escala que são sensíveis à nutrição. 45

46 Aumento da sensibilidade dos programas à nutrição É evidente o potencial de melhorar os efeitos nutricionais, mas ainda é preciso tirar maior proveito O que fazer? Melhorar a foco, coordenação e duração da exposição aos programas. Usar problemas de saúde para estimular a demanda pelos serviços dos programas. Fortalecer as metas nutricionais, a concepção e a implantação: usar os programas como plataformas de distribuição de serviços de saúde e nutrição. 46

47 Os programas sensíveis à nutrição têm um enorme potencial, o que ainda precisa ser mais bem aproveitado com a incorporação explícita da nutrição. Os programas agrícolas direcionados e redes de proteção social são fundamentais para atenuar os efeitos negativos dos desastres e mudanças globais. Os investimentos em programas sensíveis à nutrição podem ter um papel importante naquilo que não pode ser resolvido somente com intervenções nutricionais específicas. Principais considerações do artigo 3 47

48 Políticas de combate à desnutrição: maior compromisso e aceleração dos efeitos Stuart Gillespie 1, Lawrence Haddad 2, Venkatesh Mannar 3, Purnima Menon 1, Nick Nisbett 2 e grupo de estudo sobre nutrição materno-infantil 48

49 Modelo conceitual de ação para nutrição e desenvolvimento fetal e infantil ideais 49

50 Desafios  Manter o compromisso em nível mundial  Acelerar o compromisso ao nível dos países  Contar com a participação de diversos atores  Transformar o compromisso em ação  Acelerar a melhora no estado nutricional 50

51 Características principais de um ambiente facilitador 51 •Captar atores e mostrar como podem contribuir Novo modelo e evidências •Compreender e gerir agendas conflitivas Política e governança •Dar visibilidade aos compromissos das partes interessadas com relação à nutrição e promover a prestação de contas Compromisso e prestação de contas •Coordenar ações para distribuição em escala de forma eficaz Recursos humanos e financeiros

52 Principais considerações do artigo 4 Ambientes facilitadores são necessários para reunir e coordenar as partes interessadas Principais características de ambientes facilitadores para a nutrição: • Estratégia coletiva, estratégia política, fortalecimento da responsabilidade, maior criatividade na captação de recursos com mais controle e equilíbrio. A liderança em todos os níveis é fundamental para criar e manter o impulso e convertê-lo em efeito. 52

53 Nutrição materno-infantil: criar impulso para surtir efeito Membros do grupo de estudo sobre nutrição infantil: Robert E Black 1, Harold Alderman 2, Zulfiqar A Bhutta 3, Stuart Gillespie 4, Lawrence Haddad 5, Susan Horton 6, Anna Lartey 7, Venkatesh Mannar 8, Marie Ruel 9, Cesar G Victora 10, Susan P Walker 11 e Patrick Webb 12

54 Nutrição: uma enorme agenda inacabada 54 Desde 2008: enorme aumento do compromisso político para melhorar a nutrição e, mesmo assim, isso se traduziu em um efeito apenas moderado. Constitui uma enorme agenda inacabada: abordar a causa de 45% da mortalidade em crianças menores de 5 anos e os 165 milhões com déficit de crescimento. Crianças desnutridas têm comprometimento da capacidade física e mental, formando outra geração menos produtiva do que poderia ser em condições diferentes.

55 As metas nutricionais da Assembleia Mundial da Saúde de reduzir o déficit estatural, déficit ponderal, baixo peso ao nascer, anemia e excesso de peso e aumentar o aleitamento materno exclusivo nos primeiros 6 meses de vida até 2025 não serão alcançadas no ritmo atual de progresso. Metas globais ao alcance Com esforço conjunto e apoio suficiente, podem-se alcançar as metas da Assembleia Mundial da Saúde 55

56 A nutrição é fundamental para o desenvolvimento A Agenda para o Desenvolvimento pós-2015 deve priorizar a abordagem de todas as formas de desnutrição como um de seus objetivos principais. Esta série destaca as evidências de que nutrição adequada é fundamental para o alcance de diversas metas de desenvolvimento. Os países não poderão escapar da pobreza e manter o progresso econômico se grande parte da população não atinge a nutrição necessária para uma vida saudável e produtiva. p 56

57 É chegada a hora de expandir a nutrição em escala Devemos trabalhar juntos para não deixar esta oportunidade escapar. O impulso nacional e internacional para abordar a nutrição humana e as necessidades relacionadas de saúde e segurança alimentar nunca receberam um aporte tão grande. 57

58 Obrigado 58


Carregar ppt "Série The Lancet 2013 Nutrição materno-infantil SEMANA DA INCLUSÃO SOCIAL Primeira infância Lima, 22 a 25 de outubro de 2013 Cesar Victora Universidade."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google