A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Maria da Conceição Sousa Vicente Durante vários séculos, desde 1096, cristãos e muçulmanos envolveram-se em lutas pela defesa e expansão da fé que cada.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Maria da Conceição Sousa Vicente Durante vários séculos, desde 1096, cristãos e muçulmanos envolveram-se em lutas pela defesa e expansão da fé que cada."— Transcrição da apresentação:

1

2 Maria da Conceição Sousa Vicente

3 Durante vários séculos, desde 1096, cristãos e muçulmanos envolveram-se em lutas pela defesa e expansão da fé que cada um destes povos professava.

4 Cavaleiros cristãos partiram do Norte da Europa para Jerusalém, na Terra Santa, a fim de libertarem o túmulo De Cristo (o Santo Sepulcro), que se encontrava na posse dos Muçulmanos.

5 Esses cavaleiros chamavam-se CRUZADOS porque tinham a cruz de Cristo nas vestes que envergavam

6 Às expedições que partiram para lutar na Terra Santa chamaram-se CRUZADAS

7 A caminho da Terra Santa, os Cruzados iam ajudando as nações cristãs que combatiam a expansão árabe na EUROPA.

8 Os Cruzados ajudaram D. Afonso Henriques a conquistar Lisboa aos Mouros.

9 Ainda no séc. XVI, os Portugueses combateram em Alcácer-Quibir com o espírito de cruzada, isto é, conscientes da defesa e expansão do Cristianismo face ao Islamismo, a religião dos Muçulmanos.

10 Foi assim que muitos cavaleiros partiram para lutar em terras distantes, deixando para trás a pátria e a família.

11 Quando regressavam, os que regressavam… apareciam de tal modo desfigurados pela idade e pelo sofrimento que não eram reconhecidos nem pelos familiares mais próximos.

12 Normalmente havia um sinal que permitia o Foi assim com…. RECONHECIMENTO

13 ULISSES Herói grego que, depois de ter participado na guerra de Tróia, se perdeu no mar em atribuladas aventuras e só regressou a Ítaca passados dez anos. A única pessoa que o reconhece imediatamente é a sua velha ama, Euricleia, por uma CICATRIZ É reconhecido pelo seu cão Argo. Lê Ulisses, de M.ª Alberta Menéres

14 D. João de Portugal Depois de ter combatido em Alcácer-Quibir, regressa a casa envelhecido e desfigurado pelo sofrimento. personagem da obra Frei Luís de Sousa Frei Luís de Sousa, de Almeida Garrett, é uma obra que estudarás no 10.º ano É um retrato que permite o seu reconhecimento.

15 A Bela Infanta O marido da Bela Infanta regressa da guerra depois de muitos anos de ausência. O reconhecimento é feito pelo anel de sete pedras O romance popular A Bela Infanta está incluído no Romanceiro, de Almeida Garrett

16 in

17 O tema da viagem, ou da partida para a guerra, e do O tema de A Bela Infanta é também o regresso de um cavaleiro à pátria e ao lar. regresso da personagem tornada irreconhecível pelo tempo e pelo sofrimento deu origem a belas obras literárias em toda a literatura europeia.

18 A Bela Infanta É um romance popular: texto que nasceu para ser e se propagou através da Por isso, dele conhecemos várias versões espalhadas por todo o universo da Língua Portuguesa: do continente à Madeira e até ao sertão brasileiro. um dos nossos maiores escritores, que viveu no séc. XIX. É um dos poemas recolhidos no Romanceiro, um livro onde o escritor registou muitos dos poemas da tradição oral portuguesa. cantado comunicação oral. Almeida Garrett, A versão atrás apresentada foi recolhida por

19 Estava a Bela Infanta No seu jardim assentada, Com um pente de ouro fino Seus cabelos penteava. Deitou os olhos ao mar Viu vir uma grande armada; Capitão que nela vinha Muito bem a governava.

20 __ “ Dizei-me vós, capitão, Dessa tão formosa armada, Se vistes o meu marido Na terra que Deus pisava.” __”Anda tanto cavaleiro Naquela terra sagrada… Mas dizei-me vós, senhora, Os sinais que ele levava.”

21 __”Levava cavalo branco, Selim de prata dourada; Na ponta da sua lança A cruz de Cristo levava.” __”Pelos sinais que me destes Tal cavaleiro não vi Mas quanto déreis, senhora, A quem o trouxera aqui?”

22 __”Daria tanto dinheiro Que não tem conto nem fim E as telhas do meu telhado Que são de ouro e marfim.” __”Guardai o vosso dinheiro, Não o quero para mim. Que daríeis mais, senhora, A quem o trouxera aqui?”

23 __”Das três filhinhas que tenho Todas tas daria a ti, A mais formosa de todas Para contigo dormir.” __”As vossas filhas, infanta, Não são damas para mim. Que daríeis mais, senhora, A quem o trouxera aqui?”

24 __”Não tenho mais que te dar, Nem tu mais que me pedir.” __”Dá-me outra coisa, senhora, Se queres que o traga aqui.”

25 __”Este anel de sete pedras Que eu contigo reparti… Que é dela a outra metade? Pois a minha, vê-la aqui!” __”Tantos anos que chorei, Tantos sustos que tremi!... Que Deus te perdoe, marido, Que me ias matando a mi.”

26


Carregar ppt "Maria da Conceição Sousa Vicente Durante vários séculos, desde 1096, cristãos e muçulmanos envolveram-se em lutas pela defesa e expansão da fé que cada."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google