A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Saúde da Criança Cristiane Andrade

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Saúde da Criança Cristiane Andrade"— Transcrição da apresentação:

1 Saúde da Criança Cristiane Andrade

2 Aula de Hoje... Apresentação do conteúdo programático; Conceitos: Pediatria, neoantologia, perinatologia, puericultura, hebiatra; Crescimento e desenvolvimento da criança; Estatuto da criança e do adolescente; Sinais vitais pediátricos;

3 Pediatria, Neonatologia,Perinatologia, Puericultura e Hebiatria.
Conceitos:

4 PEDIATRIA Pediatria é o ramo da medicina que lida com os cuidados médicos de bebês, crianças e adolescentes. O limite de idade destes pacientes varia de nascimento aos 18 anos.

5 Neonatologia: Neo = novo Nat= nascimento Logia= estudo
É o ramo da pediatria que estuda a criança desde o nascimento até o 28° dia de vida.

6 Puericultura É a especialidade da Pediatria que se preocupa com o acompanhamento integral do processo de desenvolvimento da criança, desde da sua concepção, nascimento, desenvolvimento e muitas vezes até a idade adulta.

7 Hebiatria Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) a adolescência é o período da vida que vai dos 10 aos 20 anos de idade. O Hebiatra atende os pacientes dentro desta faixa etária.

8 Classificação da Criança ¹
Neonato: 0 – 28 dias. Lactente: 29 dias a 12 meses. Infante (Todller): 1 aos 3 anos. Pré- escolar: 3 anos a 6 anos; Escolar: 7 anos a 11 ou 12 anos. Pré-adolescente: 10 a 13 anos; Adolescente: 13 aos 18 anos.

9 Classificação dos Neonatos
Pela idade gestacional: Pré –termo: < 37 semanas; Pré- termo limítrofe: /7 semanas. Pré- termo moderado: /7 semanas. Pré termo extremo: < 30 6/7 semanas

10 A Termo entre: 37 e 41 6/7 semanas semanas
Pós-termo: 42 semanas. Essa classificação visa antecipar a possibilidade de afecções mais freqüentes nos diversos grupos. Avaliação de riscos

11 Peso ao nascimento É o peso do RN é determinado imediatamente após o nascimento. É expresso em gramas. EX: 2590 gramas

12 Classificação do RN por peso
PN<2.500g – RN DE BAIXO PESO. PN<1500g – RN MUITO BAIXO PESO. PN<1000g – RN MUITISSIMO BAIXO PESO. PN<800g – PREMATURO EXTREMO.

13 CLASSIFICAÇÃO DO RN PN X IG
Aig – ADEQUADO PARA IDADE GESTACIONAL. (PERCENTIL – 10 E 90) Pig- PEQUENO PARA IDADE GESTACIONAL. ( ABAIXO DO PERCENTIL DE 10) Gig – GRANDE PARA A IDADE GESTACIONAL. ( ACIMA DO PERCENTIL 90)

14

15 Sinais vitais em pediatria
RESPIRAÇÃO: Características: Tipo: abdominal ou diafragmática         torácica Ritmo: irregular              regular OBS: nos prematuros e lactentes pequenos, o ritmo é irregular, os movimentos são mutantes, em geral superficiais.   Freqüência: - normal ou eupnéia.                       - bradipneica                       - taquipneica Atenção!        Verificar a respiração durante 1 minuto nos lactentes e pré –escolares, 30 segundo nos escolares.       Verificar a respiração antes dos outros S.V. em decorrência das alterações provocadas pelo choro.        Observar dificuldade respiratória, presença de secreção.        Efetuar o registro das condições respiratórias, anotando as condições da criança durante a verificação.

16 IDADE VALORES Rn IRP/M 1° mês a 11° meses IRP/M 1 – 4 anos IRP/M 4 - 8 anos IRP/M 10 ANOS – 20 IRP/M

17 Freqüência Cardíaca Pulso: É a expansão e a retração de uma artéria, produzida pela onda de sangue, forçada através da mesma pela contração cardíaca.  Freqüência: número de batimentos por minuto OBS: a freqüência varia de acordo com sexo, esforço, biotipo, emoções, choro, sono. Ritmo:   -normal                -arrítmico Força da batida: - cheia e forte                              - fracas Métodos para verificação do pulso Por palpação: artéria femoral;  artéria temporal;  artéria pediosa. Nas crianças maiores: artéria braquial;  artéria radial ;   artéria femoral; artéria carótida;  artéria temporal;  artéria pediosa.  OBS: Ausculta do pulso apical: método utilizado freqüentemente com lactentes, onde normalmente é difícil a verificação de pulso por palpação. O estetoscópio deve ser colocado entre o mamilo esquerdo e o externo, e a freqüência  verificada durante 60 segundos. Observar se o aparelho esta  frio, para que a criança não se assuste estimulando o choro e alternando os dados.

18 Tabela de valores para referência
REQÜÊNCIA CARDÍACA NORMAL: Tabela de valores para referência IDADE PULSAÇÃO MÉDIA NORMAL RECÉM- NATO 70-170 120 11 MESES 80-160 2 ANOS 80-130 110 4 ANOS 80-120 100 6 ANOS 75-115 8 ANOS 70-110 90 10 ANOS ADOLESCENTES 60-110 +70-65

19 Temperatura ORAL: 35,80C-37,20C AXILAR: 35,90C-36,70C RETAL: 36.2 A 38°c Preparo do paciente: a) Sempre que possível obter a temperatura com a criança calma, em repouso pelo menos meia hora antes. b) O local da verificação da temperatura deve estar seco e o termômetro livre de solução desinfetante. c) Desde que a criança compreenda, explicar o procedimento e fazê-la conhecer o equipamento. d) Os locais onde se verifica a temperatura não devem estar expostos à ação do calor ou frio. e) Nunca deixar a criança sozinho ao verificar a temperatura.

20 Pressão arterial IDADE MÉDIA VALORES- SÍSTOLE/DIÁSTOLE 0-3 MESES
75/50MMHG 3 MESES-6 MESES 85/65 MMHG 6 MESES-9 MESES 9 MESES-12 MESES 90/70 MMHG

21 1 ANOS-3 ANOS 90/65 MMHG 3 ANOS-5 ANOS 95/60 MMHG 5 ANOS-7 ANOS

22 Todos nós! O estado A sociedade A família
Quem são os responsáveis pela garantia dos direitos das crianças? Todos nós! O estado A sociedade A família Porque, afinal, todas crianças são de todos!

23 O Estatuto da Criança e do Adolescente
ECA - é um conjunto de normas do ordenamento jurídico brasileiro que tem como objetivo a proteção integral da criança e do adolescente. Criada a partir da lei: Lei no dia 13 de julho de Foi fundamentada a partir da declaração universal dos direitos da criança de 20 de Novembro de 1959.

24 UNICEF Fundo das Nações Unidas para a Infância No Brasil desde 1950
Tem como objetivo promover a defesa dos direitos das crianças, ajudar a dar resposta às suas necessidades básicas e contribuir para o seu pleno desenvolvimento. Trabalha com os governos nacionais e organizações locais em programas de desenvolvimento a longo prazo nos setores da saúde, educação, nutrição, água e saneamento e também em situações de emergência para defender as crianças vítimas de guerras e outras catástrofes. Atualmente, está presente em 191 países e territórios de todo o mundo.

25 O que ela Faz.. Educação das crianças: para que todas as crianças tenham acesso e completem o ensino primário. Desenvolvimento na primeira infância: para que cada criança tenha o melhor começo de vida. Imunização “mais”: proteger as crianças de doenças e deficiências, dando especial relevo à imunização. Luta contra o HIV/SIDA: para prevenir a propagação da doença e para que as crianças e jovens infectados e afetados pela Sida recebam cuidados adequados. Proteção Infantil: para que todas as crianças possam crescer livres da violência, exploração, abusos e discriminação.

26 No Brasil... A atuação do UNICEF no Brasil tem como objetivo garantir a cada criança e adolescente os seus direitos a: Sobreviver e se desenvolver; Aprender; Proteger e ser protegido do HIV/Aids; Crescer sem violência; Ser prioridade absoluta nas políticas públicas.

27 Declaração dos direitos da Criança
Todas as crianças são iguais e têm os mesmos direitos, não importa sua cor, raça, sexo, religião, origem social ou nacionalidade. Todas as crianças devem ser protegidas pela família, pela sociedade e pelo Estado, para que possam se desenvolver fisicamente e intelectualmente. Todas as crianças têm direito a um nome e a uma nacionalidade. Todas as crianças têm direito a alimentação e ao atendimento médico, antes e depois do seu nascimento. Esse direito também se aplica à sua mãe As crianças portadoras de dificuldades especiais, físicas ou mentais, têm o direito a educação e cuidados especiais.

28 Todas as crianças têm direito ao amor e à compreensão dos pais e da sociedade.
Todas as crianças têm direito à educação gratuita e ao lazer Todas as crianças têm direito de ser socorridas em primeiro lugar em caso de acidentes ou catástrofes. Todas as crianças devem ser protegidas contra o abandono e a exploração no trabalho. Todas as crianças têm o direito de crescer em ambiente de solidariedade, compreensão, amizade e justiça entre os povos. Todas as crianças têm o direito de viver uma vida saudável.

29 Deveres da criança....

30 Crescimento e Desenvolvimento

31 Crescimento É o aumento na estrutura do corpo, tendo em vista a multiplicação e o aumento do tamanho das células, cessando com o alcance da altura individual máxima (crescimento linear). O acompanhamento do peso corporal, da estatura e do perímetro cefálico com o objetivo de saber o quanto uma criança ganhou ou perdeu em determinados intervalos de tempo e tendo por base um acompanhamento a longo prazo através de anotações em gráficos ou curvas de crescimento.

32 Fatores que influenciam....
Fatores intrínsecos (genéticos); Fatores extrínsecos (ambientais) como: - alimentação, saúde, higiene, condições de habitação e saneamento, cuidados gerais com a criança, atenção e carinho que podem atuar acelerando ou retardando este processo.

33

34 Desenvolvimento É a aquisição de novas habilidades ou o aumento da capacidade do indivíduo na realização de funções cada vez mais complexas, além do crescimento, a maturação, a aprendizagem e os aspectos psíquicos e sociais.

35 Infância Caracterizada do nascimento até os 12 anos de vida. A principal atividade das crianças são as brincadeiras, as quais são responsáveis por estimular o desenvolvimento do intelecto infantil, a coordenação motora e diversos outros aspectos importantes ao desenvolvimento pleno da criança.

36 0-18 meses Neste estágio da vida, a criança cresce muito rapidamente. Os primeiros cabelos, bem como os primeiros dentes, aparecem neste estágio. Aos 18 meses de vida, a maioria dos bebês já soltaram suas primeiras palavras.

37 3° ao 4° ano - Responsabilidade e independência;
- Identificação de pessoas ( amigos, parentes e babá, etc.); - Abandono de fralda; - Diferenciação entre Gêneros;

38 5° ao 9° ano Desenvolvimento psicológico;
Racionalização sobre os problemas e crenças. Inícios dos “porquês”? Após o 6° anos os dentes de leite começam a cair, um por um, até a adolescência. 

39 10° pré-adolescência - Marcada pelo início das intensas transformações físicas que transformam a criança em um adulto; Início da puberdade, marcada principalmente pelo aumento do ritmo de crescimento corporal e pelo amadurecimento dos órgãos sexuais. Meninas : 10 – 12 anos; Meninos: 11º ao 14º anos de vida.

40 Adolescência É a fase do desenvolvimento humano que marca a transição entre a infância e a idade adulta.

41 Para refletir... 1- Qual foi o seu peso ao nascimento? Em qual terminologia você se enquadra? 2- Você foi o um RNT/PNTP, pós termo, PIG/GIG ou AIG ? 3- Você convive com alguma faixa etária descrita? Se sim, classifique. 4- Esta apto para diferenciar os vários tipos de criança de acordo com a sua faixa etária? 5- Em qual especialidade encaminharia seu filho para tratamento : 2 meses: 10 dias: 13 anos: 9 anos:

42 6- Foi admitido um RN de 38 semanas com 3,1 kg, com desconforto respiratório: FR: 70 rpm, retração intercostal, diafragmática e fúrcula com batimento de asa nasal, SPO2 89%, respondendo pouco a estímulo tátil e não chora e está com temperatura de 35°. Classifique esse RN de acordo com o peso e idade gestacional. Quais são as terminologias corretas para os sinais vitais descritos acima. A forma da descrição do peso ao nascimento esta correta? Justifique.

43 7 - Diferencie crescimento e desenvolvimento e dê exemplos
7 - Diferencie crescimento e desenvolvimento e dê exemplos. 8 - Descreva fatores podem afetar o crescimento e desenvolvimento infantil? 10 - O que significa as siglas ECA e UNICEF e qual a sua importância para a sociedade? 11 - De acordo com o ECA descreva os direitos, proibições e seus deveres Qual o local ideal para verificar o pulso e a respiração de um lactente? 13 - Como escolher um manguito de PA ideal ?

44 Fisiologia fetal e do recém-nascido

45 Sistema Respiratório: Entre as 24 – 30 semanas de gestacionais, os pneumócitos começam a secreção limitada de surfactante. Sistema hematopoético: Hemácias: a eritropoiese é estimulada pelo hormônio renal, a eritropoietina. Ao nascimento, a saturação de O2 aumenta, inibindo a liberação da eritropoietina, reduzindo assim a produção de hemácias, podendo levar a anemia fisiológica.

46 Sistema Hepático Liberação da bilirrubina: a bilirrubina é um produto do heme após a degradação das hemácias, ligando-se a albumina plasmática, e não solúvel em água, ela é chamada de bilirrubina indireta. No RN há um acúmulo de bilirrubina indireta, sendo tóxica e levando ao quadro de icterícia Coagulação sanguínea: nos primeiros dias após o nascimento, o trato gastrointestinal não tem atividade bacteriana para sintetizar vit K suficiente, levando o RN a sangramentos, se não houver profilaxia. Metabolismo dos carboidratos: no RN a maior fonte de energia é a glicose, com as atividade neonatais essa reserva esgota-se levando a quadros de hipoglicemia. Ferro: reservas até o 5º mês de vida.

47 Sistema digestório A capacidade gástrica é de 40 a 60ml no 1º dia de nascido, aumentando posteriormente. A peristalse é rápida, fazendo o estômago esvaziar-se entre 2 a 4 horas. A regurgitação está presente devido ao esfíncter da cárdia estar imaturo. Enzimas gastrointestinais: a amilase e lipase começam sua função após o 3º mês de vida. A digestão então começa no estômago e termina no intestino. Fezes: está presente o mecônio, substância fecal espessa, verde-escura e inodora, é eliminada em 72 horas com a alimentação.

48 Circulação fetal O sangue oxigenado vem da placenta pela veia umbilical, onde ele se divide em dois: parte vai para o fígadocirculação hepática  e outra parteducto venosos  cava inferior.  Este sangue rico em oxigênio entra no átrio direito, e passa para o átrio esquerdo através do  de um local chamado forame oval. Assim, temos no átrio esquerdo principalmente o sangue com alta saturação de oxigênio, misturado com pouco sangue com baixa saturação vindo das veias pulmonares.  Este sangue passa ao ventriculo esquerdo, de onde é bombeado para a aorta; parte vai para a cabeça, coronárias e extremidades superiores, enquanto outra parte, após misturar-se com o sangue proveniente do ducto arterioso, é distribuído para o resto do corpo, inclusive para a placenta.

49

50 Clampeamento do Cordão
Expansão Alveolar  Compressão Capilar  Resistência Vascular Pulmonar Fechamento do Ducto Arterioso Fechamento do Forâmen Oval

51

52

53 Após o nascimento. Passagem pelo canal de parto.
Interrupção da circulação placentária. Mudança da circulação fetal para neoantal. Início da ventilação pulmonar. Trabalho respiratório. Choque térmico. Fim do suprimento energético.

54 Circulação neonatal Quando cessa a circulação do sangue fetal pela placenta, e os pulmões do bebê começam a funcionar. O orifício oval, o ducto arterioso e o ducto venoso, que permitiam que a maior parte do sangue fosse desviada do fígado e dos pulmões, param de funcionar. Tão logo a criança nasce, os vasos umbilicais também não são mais necessários. O esfíncter no ducto venoso contrai-se, fazendo com que todo o sangue que penetra no fígado seja obrigado a passar pelos sinusóides hepáticos.

55 O ducto arterioso geralmente deixa de ser funcional nas primeiras dez a quinze horas após o parto. 
O forame oval apresenta o seu fechamento até um anos de vida.

56 Referências bibliográficas
WONG, fundamentos de enfermagem pediátrica /{editado por} Marylin J. Hockenberry ; {coedição David Wilson}; tradução Maria Inês Correa Nascimento ...[et al.].- Rio de Janeiro: Elsevier, 2011. A turma da Mônica : estatuto da criança e do adolescente. Tamez. Raquel nascimento; Silva, Maria Jones Pantoja. Enfermagem na UTI neonatal, 4° Edição. Editora Guanabara Koogan,2009. Imagens: www. Google.com.br

57 Obrigada!!!


Carregar ppt "Saúde da Criança Cristiane Andrade"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google