A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

VIOLAÇÃO SEXUAL INFANTIL

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "VIOLAÇÃO SEXUAL INFANTIL"— Transcrição da apresentação:

1 VIOLAÇÃO SEXUAL INFANTIL
Pâmela F. Prado mobilizacaomundial.com.br

2 História: incoerências e contradições.
problema do médico e meios de proteção legal: comprovação do abuso sexual sem evidência física. História: incoerências e contradições. Profissional especializado em saúde mental: fundamental O psiquiatra da infância é indicado quando criança está em sofrimento/inquieta/calada/litígio. Ludoterapia/brincadeiras, desenhos e sonhos: sinais e sintomas.

3 O abuso sexual infantil é:
“o envolvimento da criança em uma atividade sexual que ela não compreende totalmente, para a qual ela não é hábil para dar consentimento, ou para a qual ela não está preparada em termos desenvolvimentais ou ainda que viola leis e tabus da sociedade”. (WHO, 2004, p. 1) PELISOLI, C.; GAVA, L. L.; DELL'AGLIO, D. D. Psicologia jurídica e tomada de decisão em situações envolvendo abuso sexual infantil. Psico-USF,  Itatiba,  v. 16,  n. 3, Dec.  2011.

4 Entrevistando a criança
Características da revelação “Padrão”: segredo. Tendência a negação. Oscilação: negação e reafirmação. Mais nova criança, abuso intrafamiliar, o medo de consequências negativas, e a responsabilidade frente ao abuso tem relação com período que as vítimas revelam a violência sexual (Goodman-Brown et al., 2003). HABIGZANG, Luísa Fernanda et al . Entrevista clínica com crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual. Estud. psicol. (Natal),  Natal,  v. 13,  n. 3, Dec. 

5 Entrevistando a criança
Transtorno de estresse pós-traumático, características: memória - fragmentação sensorial, expressão emocional intensa e a dificuldade de recuperar as informações. HABIGZANG, Luísa Fernanda et al . Entrevista clínica com crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual. Estud. psicol. (Natal),  Natal,  v. 13,  n. 3, Dec. 

6 Entrevistando a criança
O setting para a entrevista Fonte: Fonte: HABIGZANG, Luísa Fernanda et al . Entrevista clínica com crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual. Estud. psicol. (Natal),  Natal,  v. 13,  n. 3, Dec. 

7 Entrevistando a criança
A atitude dos entrevistadores Não ter postura sugestiva ou indutiva. Relato: o que aconteceu. Não existem respostas certas ou erradas. Evitar perguntas repetidas. Autorizar a criança a não responder, se não desejar. Observar o comportamento não-verbal. - Reforçar seletivamente: Por exemplo, sorrindo apenas quando faz afirmações que estão em consonância com as suspeitas dos entrevistadores. - Perguntas repetitivas.:uma vez que a criança pode entender que não respondeu corretamente e, portanto, modificar a resposta HABIGZANG, Luísa Fernanda et al . Entrevista clínica com crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual. Estud. psicol. (Natal),  Natal,  v. 13,  n. 3, Dec. 

8 Entrevistando a criança
Academia Americana de Psiquiatria da Criança e do Adolescente Incentive-o a falar livremente. Não faça comentários críticos. Mostre que você entende o que a criança está dizendo. Assegure a criança que fez a coisa certa em dizer. Diga à criança que ele ou ela não tem culpa pelo abuso sexual. Ofereça proteção a criança. De imediato, irá tomar providências para que o abuso pare. - A resposta à divulgação do abuso sexual é crucial para a capacidade da criança de resolver e curar o trauma do abuso sexual. - A criança pode sentir medo, se o agressor ameaçou prejudicar a criança ou outros membros da família, como castigo por contar o segredo. -A maioria das crianças na tentativa de fazer sentido do abuso vai acreditar que de alguma forma ele causou ou pode até mesmo ver como uma forma de punição para erros imaginários ou reais. Responding to Child Sexual Abuse. AMERICAN ACADEMY OF CHILD AND ADOLESCENT PSYCHIATRY, Washington DC,  March 2011. “Facts for Families,” No. 28 (3/11).

9 Estratégias para a entrevista
(1) Entrevistadores: honestidade, sinceridade, compreensão, interesse. (2) Habilidades não-verbais: expressão facial, voz, postura corporal e gestos. (3) As perguntas: uma de cada vez, clara e precisa. Indutoras: evitadas. (4) Pedir esclarecimentos de algumas questões. (5) Parafrasear: intenção de mostrar entendimento. 1- Atuar de modo que a criança perceba isto. 2- Algumas das habilidades mais citadas são: voz modulada, suave e firme, olhar direto e seguro para a criança, sorriso ocasional, velocidade moderada da fala, gestos ocasionais com as mãos. 3) O momento para utilização de perguntas abertas ou fechadas deve ser bem escolhido. HABIGZANG, Luísa Fernanda et al . Entrevista clínica com crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual. Estud. psicol. (Natal),  Natal,  v. 13,  n. 3, Dec. 

10 Estratégias para a entrevista
(6) Descrever sentimentos da criança para ajudá-la a identificar o que sente. (7) Resumir as informações para que a criança corrija erros de comunicação. (8) Conduzir a entrevista com objetivo. (9) Sequência, coerência e continuidade entre a fala e os comportamentos dos entrevistadores e da criança. HABIGZANG, Luísa Fernanda et al . Entrevista clínica com crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual. Estud. psicol. (Natal),  Natal,  v. 13,  n. 3, Dec. 

11 Guidelines for the Clinical Evaluation for Child and Adolescent Sexual Abuse
Bonecas. Desenhos. Sonhos. Elas podem ser úteis para permitir que a criança que não pode dizer ou desenhar, contar o que aconteceu. A utilidade dos desenhos está no afeto e informações que eles provocam e certos resultados que podem ser sugestivos de abuso sexual como representação da genitália ou evitação de características sexuais completamente. Fonte: extra.globo.com/noticias/rio/abuso-sexual html Guidelines for the Clinical Evaluation for Child and Adolescent Sexual Abuse. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry. 1988 Sep; 27(5):655-7. 

12 Fonte: criancacolatina.blogspot.com.br

13 Testes psicológicos Teste de Pfister: Avaliação da natureza da personalidade. É avaliado a frequência das cores. TAT - Teste de Apercepção Temática: Avaliação afetivo-emocional da personalidade. 31 pranchas que retratam situações e é aplicado a partir dos 12 anos de idade. CAT-A – Teste de Apercepção Temática Infantil: Avaliação afetivo-emocional da personalidade de crianças. 10 pranchas com cenas de animais em situações humanas. Teste de desenho da Casa-Árvore-Pessoa: Avaliação de personalidade com objetivo de facilitar a projeção de elementos da personalidade e de áreas de conflitos. SERAFIM, Antonio de Pádua et al . Dados demográficos, psicológicos e comportamentais de crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual. Rev. psiquiatr. clín.,  São Paulo,  v. 38,  n. 4,    

14 Indicadores Pré-escolar Choro excessivo; Retraimento social;
Distúrbios do sono; Mudança nos hábitos alimentares; Apego excessivo e particular a certos adultos; Regressão: enurese, chupar o dedo, falar como bebê; Brincadeira repetitiva de sexo com bonecas, brinquedos; Medo do escuro, ir para cama, ser deixado com certas pessoas; Conhecimento de atos sexuais acima do nível para a idade. - Essa brincadeira geralmente tende a ser bastante específica, pois a criança simula o que aconteceu com ela. Este tipo de brincadeira ultrapassa os limites da exploração sexual normal para a sua idade; SEABRA, S. A. Abuso Sexual na Infância. In: EXISTENCIAL, jornal

15 Indicadores Escolar Mudança de humor; Problemas escolares;
Início súbito de enurese; Distúrbios de alimentação; Amizades inadequadas à idade, Conhecimento sexual avançado; Comportamento sexual explícito para com os adultos; Medo de outros verem-na despida e usar várias camadas de roupas para esconder o corpo. -incluindo fobia da escola ( podem indicar vitimização por empregados relacionados à escola), ausências freqüentes, medo de ir para a casa após a escola, mudança na performance acadêmica; SEABRA, S. A. Abuso Sexual na Infância. In: EXISTENCIAL, jornal

16 Indicadores Adolescente História de fuga; Distúrbio do sono;
Tentativa de suicídio. Contatos sexuais múltiplos; Abuso de álcool ou drogas; Depressão clínica: intervenção; Relacionamento pobre com semelhantes; Ausência de confiança/ Baixa autoestima; Mudanças na performance acadêmica e ausência excessiva; Automutilação: tatuagem, corte e queimaduras casuais do corpo. SEABRA, S. A. Abuso Sexual na Infância. In: EXISTENCIAL, jornal

17 Sintomas a longo prazo Distúrbios: frigidez, vaginismo, dispaurenia, promiscuidade sexual, pedofilia e pederastia, dificuldade sexual no casamento, incesto, prostituição, homossexualismo, uso de drogas, delinquência juvenil, baixa autoestima, depressão, automutilação e tentativas de suicídio. A sintomatologia de adultos: transtorno depressivo, abuso de álcool ou outras substâncias, transtorno de personalidade (borderline), ansiedade, dissociação (múltiplas personalidades), transtornos psicóticos e somatização. SEABRA, S. A. Abuso Sexual na Infância. In: EXISTENCIAL, jornal

18 Curiosidades Abusos em crianças podem provocar encolhimento de partes do cérebro Os estudiosos observaram que os que haviam sido abusados tinham reduzido o volume, em certas áreas do hipocampo, em cerca de 6%, em comparação com crianças que não haviam sido abusadas. Estes resultados podem fornecer uma explicação para as consequências do abuso na infância, como um risco maior para abuso de drogas ou psicose", relata o pesquisador Martin Teicher, da Universidade de Harvard. WELSH, Jennifer. Child Abuse Leaves Mark on Brain. Texto disponibilizado em  13 February 2012. In: LiveScience. 

19 Questões Em relação as afirmativas abaixo, são corretas:
I- Em relação ao abuso sexual, na maioria dos casos, o abusador não pertence à constelação familiar; III- Parace haver uma transmissão transgeracional das situações de abuso físico; IV- Apenas casos comprovados de abuso físico ou sexual implicam na recomendação de separação de criança/família para avaliação e proteção dela. II- Durante a avaliação de crianças com abuso sexual é frequente a presença de sintomas de ansiedade e de características repetidas de reencenação de situações traumáticas nos jogos e brincadeiras; I, II II, III II, IV I, IV T. E. Psiquiatria da Infância e Adolescência Fonte:

20 A) Principal indício da violência sofrida.
2) Na avaliação dos casos de suspeita de ofensa sexual, o relato espontâneo da criança deve ser considerado, em princípio: A) Principal indício da violência sofrida. B) Inválido, no caso de não haver a presença de sêmen ou de outro sinal físico (inchaço nas áreas genitais ou anais, por exemplo). C) Provável fruto de alienação parental por parte de um dos genitores. D) Decorrente de memórias implantadas. E) Síndrome de Münchausen por procuração ou transferência.. Prefeitura Municipal de Vila Velha Fonte:

21 3) Com relação a violência sexual na infância e na adolescência, assinale a opção correta.
A) Após a revelação de abuso, os sentimentos de raiva e desgosto, frequentemente apresentados pelos pais, são positivos, no que tange ao enfrentamento, para o tratamento e restabelecimento emocional da vítima. B) O grau de afinidade com o agressor e a frequência do abuso são características pouco relevantes no tratamento das vítimas. C) Diferentemente das vítimas, os agressores não devem ser indicados para tratamento, devido aos traços comuns de personalidade perversa e ao caráter irreversível da patologia. D) Sintomas de transtorno pós-traumático, baixa autoestima e comportamento sexualizado podem ser sinais indicativos apresentados pelas vítimas de abuso sexual. E) Sentimentos de culpa e vergonha são comuns em casos de violência sexual, mas não são relevantes no acolhimento de crianças e adolescentes sexualmente abusados. CESP/ UnB – T.J. de Alagoas Fonte:http://www.cespe.unb.br/concursos/tj_al_12_servidor/arquivos/TJAL12_016_31.pdf

22 facabonito.com.br

23 Referências NUNAN, A.; VILHENA, J. Abuso sexual de crianças f. Trabalho Acadêmico (Departamento de psicologia) - Pontificio Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.adriananunan.com/pdf/adriananunancom_abuso_sexual.pdf >. Acesso em: 13 de Out PELISOLI, C.; GAVA, L. L.; DELL'AGLIO, D. D. Psicologia jurídica e tomada de decisão em situações envolvendo abuso sexual infantil. Psico-USF, Itatiba, v. 16, n. 3, Dec Disponível em < >. Acesso em: 13 de Out SEABRA, S. A. Abuso Sexual na Infância. In: EXISTENCIAL, jornal. disponível em: <http://www.existencialismo.org.br/jornalexistencial/andreseabraabusosexual.htm>. Acesso em:13 de Out SERAFIM, Antonio de Pádua et al . Dados demográficos, psicológicos e comportamentais de crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual. Rev. psiquiatr. clín., São Paulo, v. 38, n. 4, Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S &lng=en&nrm=iso>. access on 13 Oct HABIGZANG, Luísa Fernanda et al . Entrevista clínica com crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual. Estud. psicol. (Natal), Natal, v. 13, n. 3, Dec Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S X &lng=en&nrm=iso>. access on 13 Oct American Academy of Child and Adolescent Psychiatry. Responding To Child Sexual Abuse. Disponível em: < >. Acesso em: 13 de Out WELSH, Jennifer. Child Abuse Leaves Mark on Brain. Texto disponibilizado em 13 February In: LiveScience. Disponível em: <jornalciencia.com.br/saude/mente/1413-abuso-diminui-cerebro-infantil >. Acesso em: 14 Out Guidelines for the Clinical Evaluation for Child and Adolescent Sexual Abuse. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry Sep;27(5): Disponível em:<www.aacap.org/cs/root/policy_statements/guidelines_for_the_clinical_evaluation_for_child_and_adolescent_sexual_abuse>. Acesso em: 13 de Out. de Responding to Child Sexual Abuse. AMERICAN ACADEMY OF CHILD AND ADOLESCENT PSYCHIATRY, Washington DC, March “Facts for Families,” No. 28 (3/11). Disponível em:<www.aacap.org/cs/root/facts_for_families/responding_to_child_sexual_abuse >. Acesso em: 13 de Out

24 OBRIGADA! Obrigada! Google imagens


Carregar ppt "VIOLAÇÃO SEXUAL INFANTIL"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google