A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O DESAFIO DA LOGÍSTICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO – CODESP José Manoel Gatto dos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O DESAFIO DA LOGÍSTICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO – CODESP José Manoel Gatto dos."— Transcrição da apresentação:

1 O DESAFIO DA LOGÍSTICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO – CODESP José Manoel Gatto dos Santos O SETOR MÍNERO-METALÚRGICO NO BRASIL E SEUS DESAFIOS GESTÃO CORPORATIVA CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL E O SETOR MÍNERO-METALÚRGICO SANTOS - 31 DE JULHO DE 2008

2 “Um porto é um projeto de grande importância nacional. Requer habilidade e conhecimentos técnicos para operar eficientemente por, pelo menos, 100 anos.” Isamu Hiroi “Requer conhecimentos técnicos e arte na concepção. Requer entendimento de como operar, de todas as funções de um porto, e das necessidades de seus usuários.” B. Nagorski OVERALL CONCEPT OF PORT PLANNING INTERNATIONAL PORT CARGO DISTRIBUTION ASSOCIATION OF JAPAN

3 Banco Mundial O porto representa uma coleção de facilidades físicas e serviços projetados para servir como ponto de intercâmbio entre o transporte mar – terra. Mundo vive “sem fronteiras” Grande movimento (global) de carga, de pessoas, de informação e de capital. Portos- formam a base da cadeia logística (na sua essência) - só portos com boas facilidades terão sucesso - boas facilidades: capacidade de resposta rápida às alterações nas demandas dos usuários

4 Lei dos Portos - Lei nº 8.630/93 Operação portuária pela iniciativa privada Criação da Autoridade Portuária /Administradora do Porto, OGMO, CAP, e Operadores Portuários Divergência nacional na aplicação nos vários portos brasileiros A forma pública impositiva x convenção

5 Municípios de Santos, Guarujá e Cubatão

6 GRANEL LÍQUIDO CARGA GERAL GRANEL VEGETAL CARGA GERAL, GRANEL LÍQUIDO, VEGETAL E MINERAL REVITALIZAÇÃO PASSAGEIROS

7 Área Total m² Extensão de cais m 37 Berços públicos e 12 privados / APS Berços privativos Variação de Maré (1,2 m) Movimento de carga (2007) Exportação – t Importação – t Tanques (m³) Tanques para suco cítrico (t) Armazenagem - pátios (m 2 ) Dutos (m) Pátio para contêineres (TEU) Granel sólido (t) Via férrea (km)100 Geração de energia elétrica (kVA) º no Ranking do “Top 100 Container Ports” (2006)

8  81 milhões de toneladas movimentadas  2,53 milhões de TEUS movimentados  25% da Balança Comercial Brasileira  39º no Ranking Mundial de Contêineres  Hinterlândia superior a 50% do PIB Nacional Gerador de Postos de Trabalho em Santos / Guarujá Cubatão / São Vicente Fonte: Prof. Dr. Alcindo Gonçalves - IPAT EM 2007

9 Bilhões – US$ FOB 100% 281,2 120,6160,6VALOR TOTAL % TOTALImportaçãoExportação ,4% 71,528,0 43,5PORTO DE SANTOS - SP 4,8% 13,6 3,7 9,9 PORTO DO RIO GRANDE - RS 4,9% 13,9 10,1 3,8 AEROPORTO VIRACOPOS - SP 4,5% 12,9 5,1 7,8 PORTO DO RIO DE JANEIRO - RJ 4,4% AEROPORTO DE CUMBICA - SP 5,1% 14,6 4,3 10,3 PORTO DE ITAGUAÍ - RJ 7,4% 20,7 6,7 13,9 PORTO DE VITÓRIA - ES 6,4% 18,0 6,5 11,5 PORTO DE PARANAGUÁ - PR 4,46,0 10.5

10

11

12

13 Estimativa da capacidade operacional do complexo portuário ·Capacidade declarada, e prevista, para movimentação pelos terminais, ·Avaliação do “turn-over”, comparado a outros portos e terminais equivalentes, ·Movimentações mínimas contratuais, ·Densidade média dos líquidos = 0.80, e ·Pesos médios dos contêineres (20 pés) = 18 toneladas.

14 Granel Sólido Capacidade Máxima de Movimentação(t) Carga Granel Líquido Produtos Químicos Granel Líquido Críticos Contêineres Carga Geral Total

15 Extensão: 9,2 Km R$ 57 Milhões Avenida Perimetral – Margem Direita

16 Extensão: 5 Km R$ 58 Milhões Avenida Perimetral – Margem Esquerda

17 17 m3ª Fase 16 m2ª Fase 15 m1ª Fase Dragagem de Aprofundamento

18 - 12m - 13m - 14m Situação Projeto Atual 2ª Etapa -16m - 17m3ª Etapa 2 anos Vol. estimado m³ 5 anos Vol. estimado m³ 10 anos Vol. estimado m³ - 15m 1ª Etapa Dragagem de Aprofundamento

19 EMBRAPORT – Sitio Sandi

20 Capacidades de Movimentação Anual Contêineres1,2 milhão TEU´s Granel Sólido2,0 milhões toneladas Granel Líquido5 milhões m 3 Veículos200 mil unidades Área total800 mil m 2 Início de Operações previsto para 2010 EMBRAPORT – Sitio Sandi

21 Barnabé Bagres

22

23 Características principais Área total6 milhões m 2 Extensão de Cais11 mil metros Berços previstos 45 Comprimento médio 250 metros Área de retaguarda 120 mil m 2

24 Área / Berços: 530 mil m² 4 berços privados 4 berços públicos Capacidade Movimentação anual: Contêineres – 800 mil TEU´s Granéis Líquidos – 1,2 milhões t Investimento: R$ 1,025 bilhões BRASIL TERMINAL PORTUÁRIO

25 Sistema Portuário Integrado de Cubatão - SPIC

26 Plano Portuário de Prestes Maia

27 Terminal de Exportação de Veículos - TEV Capacidade de Movimentação: veículos por ano Área / Berços: 1 berço público m 2 Investimento: R$ 100 milhões

28 Prainha - Guarujá Área Total: m² Dois berços públicos Movimento esperado: contêineres Investimento: R$ 511,7 milhões TEV

29 Movimento esperado: contêineres Investimento: R$ 506,2 milhões Área: m² Dois berços públicos Conceiçãozinha - Guarujá

30 Expansão do Pier da Alamoa Capacidade de Movimentação: Granéis Líquidos – 1,0 milhão t Área / Berços: 2 berços públicos – 600 m Investimento: R$ 69,8 milhões

31 Vicente de Carvalho - Guarujá

32

33 Revitalização Portuária-Urbana, centro de Santos

34 Convênio para Revitalização de Áreas Portuárias no Valongo “ O Renascimento do Centro Histórico de Santos“  Assinado entre a Secretaria Especial de Portos, a CODESP e a Prefeitura Municipal de Santos em 28 de fevereiro de Local:  O trecho do armazém 1 ao 8, com área de 40 mil m². Objetivos:  Buscar garantir a manutenção da arquitetura e história local.  Maximizar novos investimentos e garantir o sucesso do projeto nos campos econômico, cultural, turístico e recreacional.  Gerar impactos positivos e crescentes sobre o seu entorno e a cidade.

35 ATUAL CARGA GERAL FUTURA Capacidade Operacional - em milhões de t – Curto e Médio Prazos TOTAIS 110,3 179,0 VARIAÇÃO % 125% 7% 27% 62% ATUALFUTURA Número de Berços (em unidades) – Curto e Médio Prazos 4982 VARIAÇÃO % 32% 48,2 43,9 18,2 47,1 23,2 108,7 Prainha Conceiçãozinha Embraport BTP GRANEL SÓLIDO GRANEL LÍQUIDO

36 Contato: (13) visite-nos: Obrigado pela sua atenção Autoridade Portuária de Santos José Manoel Gatto dos Santos Superintendente de Desenvolvimento do Porto


Carregar ppt "O DESAFIO DA LOGÍSTICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO – CODESP José Manoel Gatto dos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google