A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Flauberto de Sousa Marinho Flauberto de Sousa Marinho Pablo Vitoriano Cirino Nurimar C. Fernandes Perfil clínico epidemiológico do vitiligo na criança.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Flauberto de Sousa Marinho Flauberto de Sousa Marinho Pablo Vitoriano Cirino Nurimar C. Fernandes Perfil clínico epidemiológico do vitiligo na criança."— Transcrição da apresentação:

1 Flauberto de Sousa Marinho Flauberto de Sousa Marinho Pablo Vitoriano Cirino Nurimar C. Fernandes Perfil clínico epidemiológico do vitiligo na criança e adolescente Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira Serviço de Dermatologia, Curso de Graduação e Pós-Graduação HUCFF-UFRJ, Faculdade de Medicina - Universidade Federal do Rio de Janeiro PE

2 Perfil clínico epidemiológico do vitiligo na criança e adolescente INTRODUÇÃO •O Vitiligo é caracterizado por máculas acrômicas de diferentes formas e tamanhos. Apresenta frequência variável de 0,38 a 2,9% da população mundial. •Este estudo teve como objetivo demonstrar o perfil clínico epidemiológico do vitiligo na criança e adolescente em Serviço de Dermatologia.

3 Perfil clínico epidemiológico do vitiligo na criança e adolescente MÉTODOS •Estudo observacional e retrospectivo baseado na análise de 119 prontuários no período de 2005 a 2011 com o objetivo de analisar as seguintes variáveis: sexo, faixa etária de início do quadro, forma clínica The Vitiligo Global Issues Consensus Conference - VGICC, terapêutica e resposta, associação com outras dermatoses e avaliação psicológica. •Para análise estatística foram utilizados os testes qui-quadrado e exato de Fischer. •Considerou-se estatisticamente significativo o valor de p < 0,05.

4 Perfil clínico epidemiológico do vitiligo na criança e adolescente RESULTADOS •A idade do início do quadro clínico variou dos quatro meses aos 14 anos de idade. •Dos 119 pacientes, 50 (42%) eram do sexo masculino e 69 (58%) do feminino. •A maioria dos casos, 40% (48/119), ocorreu entre os seis anos e dez anos de idade e a minoria, 11% (13/119), abaixo dos dois anos. •A distribuição segundo faixa etária e sexo mostrou que o vitiligo apresentou- se mais tardiamente no sexo masculino (p = 0,014) (Tabela 1).

5 Perfil clínico epidemiológico do vitiligo na criança e adolescente RESULTADOS •A forma clínica prevalente foi a generalizada com 40 (34%) casos seguida pela segmentar com 34 (29%) casos; o restante correspondeu às formas indeterminada 25 (21%), acrofacial 16 (13%) e mucoso associado ao Vitiligo não segmentar 4 (3%). •A distribuição dos casos segundo forma clínica e sexo mostrou que no masculino predominaram as formas generalizada e segmentar significativamente quando comparadas ao sexo feminino (p = 0,008) (Tabela 2).

6 Perfil clínico epidemiológico do vitiligo na criança e adolescente RESULTADOS •Para avaliação da resposta terapêutica excluíram-se casos com tratamento irregular, isto é: 19 (16%) casos, sendo utilizados: corticoides tópicos e PUVA sol tópico - creme de oxsoralen 0,2% associado à exposição solar – em 44% (44/100), corticoides tópicos em 35% (35/100), tacrolimus em 10% (10/100), PUVA sol tópico em 6% (6/100) e UVB – banda estreita em 5% (5/100). O tempo de tratamento variou de um a dois anos. •Foram definidas resposta total (repigmentação total das lesões) observada em 14% (14/100) e resposta parcial (repigmentação parcial, porém satisfatória para o paciente e médico) em 83% (83/100). Três 3% (3/100) não obtiveram resposta. A resposta clínica (total x parcial) foi semelhante entre as modalidades de tratamento clínico empregadas (teste exato de Fisher – p = 0,48). •Vinte e dois (18,5%) pacientes apresentavam também outras dermatoses, sendo que o nevo halo foi encontrado em sete (5,9%) casos. •Foram submetidos à avaliação psicológica 30 (25%) dos 119 pacientes, sendo que 18 (60%) referiram situação relevante como: separação ou morte de um dos pais, abuso sexual e morte de animal de estimação.

7 Perfil clínico epidemiológico do vitiligo na criança e adolescente DISCUSSÃO E CONCLUSÕES •Os resultados obtidos neste estudo mostram um maior número de casos no sexo feminino, maior prevalência entre seis e dez anos (46,6%) e menor abaixo dos dois anos (5,5%). De forma semelhante, um estudo sobre epidemiologia do vitiligo na criança observou maior prevalência da forma generalizada (78%) enquanto alguns autores relatam a forma segmentar como a segunda mais comum em crianças. •Um trabalho que avaliou uso de PUVA sol tópico em 95 crianças com vitiligo mostrou resposta parcial em 72 (75,7%) e total em 13 (13,6%). Um estudo mostrou a coexistência do nevo halo em 4,9% dos pacientes com vitiligo. O vitiligo que se inicia na criança pode estar associado ao trauma psicológico. Foi observado por um autor que em 7,2% há vinculação entre o início do quadro e algum estresse emocional. •Existem poucos estudos sobre o perfil clínico e epidemiológico do vitiligo nesta faixa etária tanto na literatura brasileira quanto mundial; apesar disto, os resultados obtidos apresentaram semelhanças àquelas encontradas na literatura.

8 Perfil clínico epidemiológico do vitiligo na criança e adolescente DISCUSSÃO Tabela 1 – Distribuição dos casos segundo faixa etária e sexo MasculinoFemininoTotal Faixa etárian%n%n% 0 – 2 anos (lactente)81657,21311 Maior que 2 – 5 anos (pré-escolar) ,43328 Maior que 5 – 10 anos (escolar) ,34840 Maior que 10 – 18 anos (adolescente) Total IPPMG – UFRJ ( ) x 2 P<0,05

9 Perfil clínico epidemiológico do vitiligo na criança e adolescente DISCUSSÃO ClassificaçãoFormas clínicas MasculinoFemininoTotal n%n%n% Vitiligo não segmentarAcrofacial Mucoso (mais de uma mucosa)0045,843 Generalizado ,64034 Vitiligo segmentarUni, bi ou plurisegmentar ,63429 Indeterminado / não classificável Focal e mucoso (um sítio) Total Tabela 2 – Distribuição dos casos segundo forma clínica e sexo IPPMG – UFRJ ( ) x 2 P<0,05

10 Perfil clínico epidemiológico do vitiligo na criança e adolescente REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1.Silva CMR, Pereira LB, Gontijo B, Ribeiro GB. Vitiligo na infância: características clínicas e epidemiológicas. An Bras Dermatol. 2007; 82(1): Ezzedine K, Lim HW, Suzuki T, Katayama I, Hamzavi I, Lan CC et al. Revised classification/nomenclature of vitiligo and related issues: the Vitiligo Global Issues Consensus Conference. Pigment Cell Melanoma Res. 2012; 25(3):E Handa S, Dogra S. Epidemiology of childhood vitiligo: a study of 625 patients from north India. Pediatr Dermatol. 2003; 20(3): Nogueira LSC, Zancanaro PCQ, Azambuja RD. Vitiligo e emoções. An Bras Dermatol. 2009; 84(1): Fernandes NC, Diogo C, Perez M, Lima MCNC, Spitz LK, Magalhães TC. Vitiligo na infancia: análise terapêutica de 95 casos. An Bras Dermatol. 2001; 76: Belliappa PR, Priya KS, Umashankar N et al. Characteristics of childhood vitiligo in Bangalore with special reference to associated ocular abnormalities. E-Journal of the Indian Society of Teledermatology 2011; 4(3):1-10.


Carregar ppt "Flauberto de Sousa Marinho Flauberto de Sousa Marinho Pablo Vitoriano Cirino Nurimar C. Fernandes Perfil clínico epidemiológico do vitiligo na criança."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google