A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Neide Dudus Spacov Psicóloga Clínica Adultos/Terapeuta Familiar Ronaldo Perini Psicólogo clínico, com experiência em grupos operativos, psicoterapia individual,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Neide Dudus Spacov Psicóloga Clínica Adultos/Terapeuta Familiar Ronaldo Perini Psicólogo clínico, com experiência em grupos operativos, psicoterapia individual,"— Transcrição da apresentação:

1 Neide Dudus Spacov Psicóloga Clínica Adultos/Terapeuta Familiar Ronaldo Perini Psicólogo clínico, com experiência em grupos operativos, psicoterapia individual, terapia de casal e família; ludoterapia. Tel:

2

3 NÓS DA VIDA

4 O QUE É VINCULAR?

5 VÍNCULAR (vem do latim) 1.Ligar ou prender com vínculo; unir; deixar ligado, unido, preso; apertar 2. Ligar ou prender moralmente 3. Anexar; apensar 4. Firmar a posse de 5. Impor obrigação a; penhorar; gravar; onerar 6. Submeter-se a um vínculo

6 O QUE É DESVINCULAR?

7 DESVINCULAR 1.Desatar ou desligar (o que está vinculado) 2.Liberar bens que constituíam vínculo 3.Desligar-se; libertar-se

8 O ser humano é um ser primordialmente social: já nascemos vinculado a um cordão umbilical e vamos precisar desse contato afetivo mãe-bebê para nos desenvolvermos sadiamente.

9 O QUE DEFINE VOCÊ E EU ? PESSOA FAMÍLIA RELIGIÃO GRUPO SOCIAL EMPRESA COMUNIDADE IDÉIA PAÍS

10

11 No desenvolvimento normal é esperado que a pessoa realize o seu potencial de forma construtiva e que FAÇA VÍNCULOS que a ajudem,que cooperam com essa realização.

12 Mas, e quando isso não acontece?

13 Quando não somos VINCULADOS desde o início, raramente nos desenvolvemos com normalidade.  Na 1ª infância – podem vir a ser fortalecidos na escola  Na 2ª infância – podem vir a ser fortalecidos na vida adulta

14 Fatores de risco 1.Dificuldade paterna/materna (na 1ª. Infância) 2.Existência de distúrbios afetivos num dos pais 3.Disfunções patológicas tardiamente identificadas e não controladas 4.Disfunções operativas 5.Violência física 6.Abuso sexual 7.Relação não construtiva entre cuidadores e a criança 8.Quebra gradual de vínculo 9.Quebra violenta do vínculo

15 O que produz a fragilização do vínculo? Pessoas que foram fragilizadas num ambiente que seria natural esses vínculos fortes, podem buscar vínculos fora desse meio! Elas se tornam presas fáceis de situações escravizantes.

16 E QUANDO O VÍNCULO, QUALQUER QUE SEJA ELE... SE ROMPE?

17 QUE VÍNCULOS FORAM ROMPIDOS EM NOSSAS PRÓPRIAS VIDAS?

18 Para isso fomos feitos... Para lembrar e ser lembrados Para chorar e fazer chorar Para enterrar os nossos mortos... Por isso temos braços longos para os adeuses; uns para colher o que foi dado dedos para cavar a terra Assim será a nossa vida Uma tarde sempre a esquecer Uma estrela a se apagar na treva um caminho... entre dois túmulos Por isso precisamos velar... Falar baixo... Pisar leve. Ver a noite dormir em silêncio. (Vinícius de Moraes)

19 Causas mais freqüentes do luto: • EMPREGO (perda, rebaixamento,aposentadoria, transferência, expectativa de promoção) • RELACIONAMENTOS (separação, divórcio, quando um filho sai de casa, traição de amigo, deslealdade) • SAÚDE (doença, ferimento, acidente que leva uma parte do corpo) • FATOS DA VIDA (morte de amigo ou membro da família perda da moradia, perda de condição social, mudança de casa ou de cidade, uma relíquia familiar, nosso animal de estimação)

20 FASES DO LUTO

21 1. CHOQUE

22 NEGAÇÃO OU PROCURA DE RESPOSTAS 2.

23 3.SOFRIMENTO E DESORGANIZAÇÃO

24 4.RECUPERAÇÃO E ACEITAÇÃO

25 • estresse extremo no casamento/ou com filhos • inabilidade de lidar com o dia-a-dia • problemas de insônia • choro excessivo • depressão • sentimentos de culpa • apatia • comer demais ou muito pouco • uso de medicamentos/ e ou álcool • dificuldade em dar destino aos pertences da pessoa VÁ BUSCAR AJUDA PROFISSIONAL IDENTIFICANDO SE ROMPEMOS A BARREIRA DO LUTO

26 AJUDANDO-SE A SI MESMO Faça refeições regulares Não fique só Não se imponha metas difíceis Não assuma demasiadas responsabilidades

27 FALE: O falar cura! CHORE: entre em contato com sua dor e seus sentimentos genuínos Participe de algum atividade grupal Lembrar-se do passado pode ser essencial no processo de compreensão a perda do vínculo

28 Tente não fazer grandes alterações em sua vida no primeiro ano da quebra do vínculo

29 Entre para um GRUPO DE APOIO PARA PESSOAS DE LUTO

30 •Ouça! •Permita que a pessoa estravaze •Procure ajudá-la dentro do possível •Comprometa-se a orar •Convide a pessoa para algumas atividades leves •Esteja junto dela em silêncio •Não tente explicar ou dar sentido •Evite frases feitas AJUDANDO A QUEM PERDEU

31 Enquanto Houver Sol Titãs Composição: Sérgio Britto

32 Quando não houver saída Quando não houver mais solução Ainda há de haver saída Nenhuma idéia vale uma vida...

33 Quando não houver esperança Quando não restar nem ilusão Ainda há de haver esperança Em cada um de nós Algo de uma criança...

34 Quando não houver caminho Mesmo sem amor, sem direção A sós ninguém está sozinho É caminhando Que se faz o caminho...

35 Quando não houver desejo Quando não restar nem mesmo dor Ainda há de haver desejo Em cada um de nós Aonde Deus colocou...

36 Enquanto houver sol Enquanto houver sol Ainda haverá Enquanto houver sol Enquanto houver sol...


Carregar ppt "Neide Dudus Spacov Psicóloga Clínica Adultos/Terapeuta Familiar Ronaldo Perini Psicólogo clínico, com experiência em grupos operativos, psicoterapia individual,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google