A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Comissão Nacional de Energia Nuclear PERSPECTIVAS DA ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL Alfredo Tranjan Filho X CBE Outubro / 2004.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Comissão Nacional de Energia Nuclear PERSPECTIVAS DA ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL Alfredo Tranjan Filho X CBE Outubro / 2004."— Transcrição da apresentação:

1 Comissão Nacional de Energia Nuclear PERSPECTIVAS DA ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL Alfredo Tranjan Filho X CBE Outubro / 2004

2 Sumário da Apresentação 1.Demanda Mundial de Eletricidade 2.Contexto Nuclear Mundial 3.Perspectivas de Demanda de Eletricidade no Brasil 4. Contexto Nuclear no Brasil

3 • O consumo mundial de energia elétrica deverá crescer 73,6% (9.800 TW.h) até 2025, com predominância nos países em desenvolvimento (EIA/DOE, 2004). • Como os países irão atender a este crescimento ? • Fatores Críticos Gerais: Viabilidade Econômica Autonomia (Redução de dependência externa) Proteção ao Meio Ambiente (redução da contribuição para o efeito estufa – Protocolo de Kyoto). Demanda Mundial de Eletricidade A decisão é função de condições sócio-político-econômicas de cada país

4 17% 8% 39% 17% 2% Nuclear Gás Óleo Carvão Hidro Fonte: OECD, 2000 Participação das Fontes de Geração Elétrica Outras

5 Desafios para o Futuro da Energia Nuclear • Aceitação Pública • Viabilidade Econômica • Segurança • Deposição de Rejeitos • Não-Proliferação

6 Usina a Carvão 955g Usina a Óleo 818g Usina a Gás 446g Usina Nuclear: 4g!!! Emissões de gases por Centrais Térmicas Emissão de CO 2 por kW.h de energia elétrica gerada •Caso todas as usinas a carvão em operação no mundo fossem substituídas por usinas nucleares, deixariam de chegar a atmosfera cerca de : 5 bilhões de toneladas de CO 2 /ano (o mundo produz um total de 20 a 25 bilhões de toneladas/ano), 40 milhões de toneladas de SO x /ano, e 18 milhões de toneladas de NO x /ano.

7 Desenvolvimento de Tecnologia Futura Programas de Cooperação Internacional  Projeto IRIS - International Reactor Innovative and Secure Coordenação: Westinghouse  GIF - Generation IV International Forum Coordenação: US DOE  INPRO - International Project on Innovative Nuclear Reactors and Fuel Cycles Coordenação: AIEA

8 Contexto no Brasil Geração Elétrica por Tipo de Fonte Fonte: ONS

9  Capacidade Instalada de Geração de Eletricidade em 2002: GW (Excluindo auto-produtores) (MME, BEN, 2003).  Capacidade instalada em 2025 com 4% de crescimento anual: GW.  Demanda média de expansão da capacidade instalada de MW /ano. De que forma atender a esta demanda do país? Expectativa de Demanda até 2025

10 A Opção Nuclear Fonte: OECD NEA & IAEA, 2001 Reservas mundiais de urânio recuperáveis com baixo custo: até US$ 80 / KgU toneladas: 6 a reserva mundial Aprox reatores (1.000 MWe)-ano de autonomia! (30 reatores operando por 35 anos) Austrália = 28% Cazaquistão = 15% Canadá = 14% África do Sul = 10% Namíbia = 8% Brasil = 6% Rússia = 4% EUA = 3% Uzbequistão = 3% Resto = 9% Brasil

11 Em fase de implantação Conversão CTMSP Enriquecimento INB Reconversão INB Pastilhas INB Elemento Combustível INB Geração ETN Ciclo do Combustível Nuclear no Brasil Mineração INB

12 O TNP e o Protocolo Adicional de Salvaguardas TNP: Entrou em vigor em 1970, com revisões a cada 5 anos Proíbe a possessão de armas nucleares pelos países não nuclearmente armados na época do Tratado, enquanto reconhece a retenção de tais armas pelos cinco países que já as possuíam (China, França, Reino Unido, EUA, Rússia), que compõem o grupo de países nuclearmente armados. Existência de Atividades Não Declaradas: Acordo de Protocolo Adicional de Salvaguardas (1997) que confere à AIEA a autoridade legal para implementar medidas adicionais de salvaguardas. (INSC, 2003)

13 Rejeitos de Alta Radioatividade Guarda em piscina no interior da unidade Rejeitos de Baixa e Média Radioatividade Até 2009: Depósito Inicial, em fase de ampliação e melhorias, junto às unidades Após 2009: Depósito Final, em fase de estudo de local Deposição de Rejeitos Radioativos no Brasil Nas usinas nucleares, os rejeitos são tratados e acondicionados para confinamento seguro.

14 Empresas de Engenharia Estrangeiras Organismos Internacionais Empresas de Engenharia Nacionais Universidades Institutos de Pesquisa Indústria Nacional Fornecedores estrangeiros de know-how Empresas de Construção Civil e Montagem Suporte Tecnológico

15 Brasil: Condições Gerais • Dimensões continentais • População de 180 milhões de pessoas, com taxa de crescimento de 0,87% a.a, chegando a 216 milhões em 2025 • Programas de Desenvolvimento Econômico e Social • Melhoria da qualidade de vida da população Energia elétrica é insumo básico para o desenvolvimento nacional Nenhuma opção viável de geração de energia elétrica deve ser descartada

16  Não contribui para o efeito estufa nem para chuva ácida  Geração próxima aos locais de consumo  Reservas de urânio para reatores-ano de operação  Domínio tecnológico do ciclo do combustível  Autonomia energética e soberania nacional  Posição estratégica no contexto internacional  Parque industrial instalado e pessoas capacitadas  Grupo de Discussão sobre a Conclusão de Angra 3  Ações para a definição de um Programa Nuclear Brasileiro Oportunidades para a Opção Nuclear no Brasil

17  Aceitação da opção nuclear pela sociedade brasileira  Necessidade de grandes investimentos iniciais do governo  Equacionamento dos rejeitos de alto nível de radiação  Tarifa cobrada para a geração nucleoelétrica  Envelhecimento do pessoal capacitado do setor e falta de reposição  Decisão político-estratégica: geração nucleoelétrica como um programa de Estado Desafios para a Opção Nuclear no Brasil

18 Muito Obrigado FIM


Carregar ppt "Comissão Nacional de Energia Nuclear PERSPECTIVAS DA ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL Alfredo Tranjan Filho X CBE Outubro / 2004."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google