A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Escola Superior de Tecnologia e Educação de Porto Ferreira Curso: PROCESSAMENTO DE MATERIAS CERÂMICOS Alunos: Rafael Francisco Cantero Rodrigo Reducino.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Escola Superior de Tecnologia e Educação de Porto Ferreira Curso: PROCESSAMENTO DE MATERIAS CERÂMICOS Alunos: Rafael Francisco Cantero Rodrigo Reducino."— Transcrição da apresentação:

1 Escola Superior de Tecnologia e Educação de Porto Ferreira Curso: PROCESSAMENTO DE MATERIAS CERÂMICOS Alunos: Rafael Francisco Cantero Rodrigo Reducino Nepomuceno PROCESSO DE QUEIMA – CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS

2 PROCESSO DE QUEIMA •Tipos de Fornos; •Queima; •Defeitos de Queima; •Conclusão; •Bibliografia.

3 O QUE É UM FORNO? •O forno é um aparelho em que o material é aquecido sob condições controladas. •O controle pode incluir: •Velocidade de aquecimento; •Temperatura máxima; •Temperatura de aquecimento; •Rapidez de esfriamento. Alumina + Água

4 TIPOS DE FORNOS •Forno intermitente: material de alta qualidade onde o controle exato de temperatura e da atmosfera são importantes.

5 TIPOS DE FORNOS •Forno contínuo: são usados para a produção elevada de material que precisa condições semelhantes de aquecimento e corridas em que é necessário um bom controle; •Exemplos: forno de tratamento térmico, forno de cimento, alto forno, forno de vidro.

6 QUEIMA •Produtos adquirem suas propriedades finais; •São submetidas a um tratamento térmico a temperaturas elevadas, na qual situa-se entre 800 ºC a 1700 ºC, em fornos contínuos ou intermitentes que operam em três fases: •Aquecimento da temperatura ambiente até a temperatura desejada; •Patamar durante certo tempo na temperatura especificada; •Resfriamento até temperaturas inferiores a 200 ºC.

7 QUEIMA •O ciclo de queima compreendendo as três fases, dependendo do tipo de produto, pode variar de alguns minutos até vários dias. •Durante o tratamento ocorre uma série de transformações em função dos componentes da massa, tais como: •Perda de massa; •Desenvolvimento de novas fases cristalinas; •Formação de fase vítrea; •Soldagem dos grãos.

8 QUEIMA •Pode-se realizar duas classificações distintas: •A primeira delas é em função da duração da etapa: rápida ou lenta; •A segunda é em referência à queima, realizada ou não simultaneamente com o esmalte: monoqueima ou biqueima.

9 QUEIMA •A monoqueima é um procedimento na qual são queimados, simultaneamente, a base e o esmalte, em temperaturas que giram em torno de 1000ºC a 1200ºC; •Maior ligação do esmalte ao suporte (base); •A baixa ou alta absorção de água depende do produto produzido; •Maior resistência e Durabilidade.

10 QUEIMA •Biqueima: essa técnica é usada mais em azulejos; •O biscoito e o esmalte são queimados em duas etapas distintas; •Propicia maior riqueza em detalhes decorativos;

11 QUEIMA •Terceira queima; •Utilizada nas linhas nobres decoradas de azulejos; •Consegue maior riqueza de detalhes usando materiais especiais como ouro e platina.

12 DEFEITOS LIGADOS AO PROCESSO DE QUEIMA •Coração negro; •Causas: •Associado à presença de matéria orgânica e óxidos de ferro; •Associado pela baixa permeabilidade; •Potencializado por curvas de queima inadequadas. •Efeitos: •Inchamento das peças; •Deteriorização dos esmaltes; •Alteração da tonalidade do suporte e/ou esmalte.

13 DEFEITOS LIGADOS AO PROCESSO DE QUEIMA •Coração Negro; •Porcentagem de carbono orgânico: •Argilas brancas < 0,5%; •Argilas vermelhas < 1,0%; C = 0.020% C = 0.095% C = 0.100% C = 0.13%C = 0.22%C = 0.40% C = 0.74%

14 DEFEITOS LIGADOS AO PROCESSO DE QUEIMA •Deplacamento; •Camada de esmalte desprende-se do corpo cerâmico queimado;

15 DEFEITOS LIGADOS AO PROCESSO DE QUEIMA •Curvatura; •Curvatura central •Curvatura lateral •Empeno

16 CONCLUSÃO •Esse trabalho foi capaz de nos mostrar que o processo de queima, se torna indispensável no processo cerâmico, pois, quando se trata em qualidade e nas mais diversas resistências, consegue-se obter com essa técnica. •Portanto, fica claro que, o processo de queima nos ajudam a manter nossas casas decoradas e bem seguras.

17 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS •Cerâmica. Disponível em:. Acesso em: 10/11/2012. •Processos. Disponível em:. Acesso em: 10/11/2012. •Fornos. Disponível em:. Acesso em: 10/11/2012. •Queima. Disponível em:. Acesso em: 10/11/2012.

18 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS •Fornos. Disponível em:. Acesso em: 10/11/2012.


Carregar ppt "Escola Superior de Tecnologia e Educação de Porto Ferreira Curso: PROCESSAMENTO DE MATERIAS CERÂMICOS Alunos: Rafael Francisco Cantero Rodrigo Reducino."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google