A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ensinar é Investigar ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO JEAN PIAGET - ARCOZELO COMPLEMENTO DE FORMAÇÃO CIENTÍFICA E PEDAGÓGICA PARA EDUCADORES DE INFÂNCIA METODOLOGIA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ensinar é Investigar ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO JEAN PIAGET - ARCOZELO COMPLEMENTO DE FORMAÇÃO CIENTÍFICA E PEDAGÓGICA PARA EDUCADORES DE INFÂNCIA METODOLOGIA."— Transcrição da apresentação:

1 Ensinar é Investigar ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO JEAN PIAGET - ARCOZELO COMPLEMENTO DE FORMAÇÃO CIENTÍFICA E PEDAGÓGICA PARA EDUCADORES DE INFÂNCIA METODOLOGIA DIDÁCTICA GERAL E ESPECÍFICA DOCENTE: DRº CARLOS JORGE DE SÁ CORREIA Discentes: Alcina Rodrigues Jacinta Estrela Teresa Almeida Outubro 2011

2 Sumário 2 Origem do Modelo Introdução Características do modelo Fundamentação Teórica Princípios operativos mais importantes neste Modelo Pedagógico Estudo do meio Criar na aula um espaço de conhecimento partilhado Papel do professor Características do ambiente Institucional Conteúdos e Métodos Diagrama do Modelo Pedagógico Sistema Teórico Sistema Pedagógico/ Didático Quadro síntese do Modelo adaptado ao Pré - Escolar Considerações finais

3 Origem do Modelo “…necessidade de enfrentar a prática pedagógica munida de “instrumentos” bem mais rigorosos e eficazes do que aqueles que então estavam à disposição do professor português…” Maria da Luz Leitão 3

4 Introdução Com este trabalho pretendemos analisar o modelo pedagógico “Ensinar é Investigar”, que ao ter início no 1º ciclo do ensino básico, foi mais tarde adaptado ao pré escolar, servindo como uma ótima base de trabalho, uma vez que promove constantemente o sentido de aprender investigando. 4

5 Características do Modelo  O Modelo”Ensinar é Investigar” surgiu entre 1978 e 1987, coordenado pela Dr.ª Maria da Luz leitão.  A tese sustentada e verificada, defendia que os resultados das aprendizagens do 1ºciclo melhoravam, se os professores alterassem a prática pedagógica.  Foi criado então, o modelo para ser aplicável com qualquer programa, para esta faixa etária de crianças, tendo em conta as diferentes necessidades educativas das mesmas. A metodologia pode ser aplicada a qualquer nível de ensino (metodologia de projeto). 5

6 Fundamentação Teórica 6 TEORIAS DE MEDIAÇÃO  Teoria da aprendizagem social, condicionamento por imitação de modelos (Bandura,…)  Teorias cognitivistas - Teoria da Gestalt e Psicologia Fenomenológica (Kofka, Köhler,…) - Teoria genetico-cognitiva (Piaget; Bruner; Ausubel;…) - Teoria genético-dialéctica (Vigotsky; Luria; Wallon;…) - Teoria do processamento de informação (Neisser; Newell e Simon;…)

7 Fundamentação Teórica 7 O papel das teorias genético-cognitiva e genético-dialética no modelo  O processo de desenvolvimento individual tem carácter construtivo e dialéctico.  A atividade do aluno é considerada essencial ao desenvolvimento das capacidades cognitivas superiores.  A distinção entre desenvolvimento e aprendizagem, e a sua vinculação, é de capital importância no processo de ensino.  A estreita ligação entre as dimensões estrutural e afetiva da conduta do sujeito é igualmente relevante nesse mesmo processo.  O conflito sócio-cognitivo é o grande motor do processo de desenvolvimento do aluno.  A aprendizagem em cooperação assume maior relevo no desenvolvimento das estruturas cognitivas da criança.

8 Princípios operativos mais importantes neste modelo pedagógico Atividade do sujeito Relação dialéctica entre desenvolvimento e aprendizagem Fomento do conflito e do contraste entre parceiros (conflito sócio – cognitivo ) Desenvolvimento das capacidades formais operativa 8

9 Orienta-se em função dos conteúdos programáticos Desta Forma Sustenta-se numa metodologia de trabalho de projeto Transdisciplinaridade Tema1 - Eu e os outros Tema2 - Grupo das brincadeiras Tema3 - Grupo família Tema4 - comunidade escolar Transdisciplinaridade Tema1 - Eu e os outros Tema2 - Grupo das brincadeiras Tema3 - Grupo família Tema4 - comunidade escolar Blocos Temáticos 9

10 Estudo do meio – suporte de aprendizagem de “processos de investigação” A abordagem do Estudo do Meio deverá fomentar em cada criança a aprendizagem da: Observação – pesquisa de informação sobre os “objectos”, ou os “fenómenos” tal como se oferecem aos “sentidos” do observador, ou tal como se produzem efetivamente sem intenção de os modificar, isto é, em recurso à experimentação; Experimentação – pesquisa de variáveis relativas a uma questão e seu tratamento controlado (“observação provocada”) Análise documental – pesquisa e interpretação de informação sobre um “objecto” (sentido lato do termo) produzida pelo homem e registada em documentos (icónicos, escritos,…) 10

11 Estudo do meio – Catalisador da construção de “atitudes científicas” Estudo Meio Curiosidade Abertura aos outros Pensamento Critico A confiança em si mesmo Criatividade 11

12 Estudo do meio – catalisador da construção de “atitudes científicas” A abordagem de Estudo do Meio deverá fomentar em cada criança: A curiosidade – capacidade de levantar questões e desejo de conhecer as respostas; A criatividade – capacidade para recombinar os dados da experiência pessoal imaginar novas soluções para um determinado problema; A confiança em si mesmo – capacidade para tomar decisões em vez de aguardar diretrizes para agir; 12

13 Estudo do meio – catalisador da construção de “ atitudes científicas” O pensamento crítico – capacidade para pôr em questão as suas próprias representações bem como a informação por outrem; A concentração e a perseverança na criatividade – capacidade para levar até ao final um projeto mau grado as dificuldades e eventuais fracassos; A abertura aos outros – capacidade para respeitar as regras de comunicação no interior de um grupo e para ter em conta os dados da discussão a fim de reformular os seus próprios conhecimentos. 13

14 Estudo do meio: suporte e objeto da aprendizagem A abordagem do Estudo do Meio deverá fornecer a cada criança:  A estruturação do conceito do “EU” nas suas relações com o “OUTRO”;  A organização das noções de “espaço” e de “tempo”;  A descoberta do meio físico e cultural; 14

15 Estudo do meio: suporte e objeto da aprendizagem  O conhecimento dos seres vivos e dos equilíbrios biológicos;  A apreensão das grandes linhas do processo de humanização;  A tomada de consciência da acção do homem sobre a natureza e ;  Da emergência dos problemas nascidos dessa ação (de recursos, de urbanização, ambientais,…) 15

16 Criar na aula um espaço de conhecimento partilhado  A aprendizagem na aula não é nunca meramente individual, limitada às relações “cara a cara” de um professor com um aluno. É claramente uma aprendizagem dentro de um grupo social com vida própria, com interesses, necessidades e exigências que vão configurando uma cultura peculiar.  Ao mesmo tempo, é uma aprendizagem limitada pelas funções sociais que esta cumpre: uma função avaliadora que legitima socialmente a aquisição do conhecimento e as capacidades humanas que se consideram úteis na comunidade.  Como harmonizar tantos e tão diversos interesses na complexa vida da aula para provocar uma assimilação criativa da cultura pública por parte da criança? Criar na aula, como contexto de comunicação, um espaço de conhecimento compartilhado (referentes comuns). 16

17 O Papel do Professor Observador Orientador Dinamizador Organizador 17

18 Características do ambiente institucional Potenciam a liberdade de escolha, experimentação, segurança, autonomia e a capacidade de tomar decisões. Promovendo o desenvolvimento numa perspetiva sócio construtivista.  Espaços agradáveis  Espaços divididos em áreas  Áreas de interesse diversificadas  Materiais e objetos variados  Organização dos materiais 18

19 Conteúdos e Métodos Os conteúdos respeitam os do currículo do 1º ciclo do Ensino Básico em que a adaptação do modelo ao ensino pré - escolar seguirá a mesma estrutura Actividade Nuclear Actividades decorrentes Privilegia a àrea do estudo do meio Parte de temas que são mais familiares para a criança Possibilitam aprendizagens na matemática, no português e nas expressões 19

20 Conteúdos e Métodos Métodos Decorrem de uma epistemologia construtivista São metodologias de descoberta e investigação Que levam a criança á construção do seu próprio conhecimento 20

21 Conteúdos e Métodos Resultados da aplicação deste método:  Maior dinamismo nas aulas;  Atividades sistematicamente mais organizadas;  Planeamento, realização e discussão das atividades pelos alunos; 21

22 Conteúdos e Métodos  Interesse mais acentuado sobre o estudo do meio por parte dos professores;  Envolvimento das crianças é maior e mais fácil, alimentando deste modo a sua curiosidade;  Alunos apresentam-se mais despertos e motivados para as atividades; 22

23 Componentes Psicológica e Pedagógica Componentes Psicológica e Pedagógica Sistema Pedagógico Didático Sistema de referencia Componentes Epistemológica e cientifica Objetivos Atividades Em Tempo de Reencontro/Readapt ação Tempo de sistematização Tempo não estruturado Tempo de acabamento Diagrama do Modelo Pedagógico Atividade Nuclear Atividades decorrentes Atividade Nuclear 23

24 Componente Epistemológica Interação do sujeito com o seu próprio mundo e os outros Valorizando a experimentação e a descoberta da criança Componente Psicológica Respeito pelo processo de desenvolvimento do aluno Componente Pedagógica Coerência entre o processo de ensino e os dois elementos referidos anteriormente Componente Científica Relação entre diferentes fontes de conhecimento Sistema Teórico 24

25 Objetivos Atividades Avaliação Sistema Pedagógico/Didático 25

26 OBJETIVOS Os objetivos são considerados como linhas orientadoras da construção das atividades. Trata-se de construir uma pedagogia com objetivos e não uma pedagogia por objetivos. Sistema Pedagógico/Didático 26

27 A organização do tempo nas atividades desenvolvidas é fundamental e encontra-se demarcado em três etapas: O tempo de reencontro/readaptação Preparação do clima psicológico ao desenvolvimento do processo de aprendizagem sistematizada. O tempo de sistematização Centra-se nas atividades nucleares e decorrentes. Tempo forte de aprendizagem dos conteúdos programáticos. Tempo de Acabamento  Tempo não estruturado - Momento em que a criança termina o trabalho ou fazem outros trabalhos não programados.  Tempo de Acabamento - Encerra o conjunto de atividades e tem lugar a avaliação. É um momento de grande valor psicopedagógico. Sistema Pedagógico/Didático 27

28  A avaliação das aprendizagens centra-se na avaliação formativa influenciadora do processo de desenvolvimento  Utiliza as modalidades de diagnóstico e sumativa, e apostam na auto avaliação;  Tem em vista a progressão pessoal e a autonomia das crianças, que se encontram diretamente implicadas no processo;  Permite ao educador orientar, reformular e adequar as atividades pedagógicas; Sistema Pedagógico/Didático Avaliação 28

29 Avaliação Diagnóstica Ocorre no início do projeto a desenvolver, não tem qualquer interação classificativa, e o seu objetivo é o de identificar o posicionamento das crianças em relação ao seu desenvolvimento naquele contexto e acontece o mesmo com a formativa. Avaliação Formativa Assume um grande relevo possibilitando a compreensão do processo de ensino – aprendizagem, a fim de nele poder intervir oportunamente e eficazmente. Paralelamente assume-se como uma ferramenta que orienta o processo de produção de “informação útil para a gestão da aprendizagem”. Sistema Pedagógico/Didático 29

30 Quadro síntese do modelo adaptado ao pré- escolar Modelo Valores e teorias científicas Características do ambiente Conteúdos e métodos utilizados Formas de avaliação Ensinar é investigar Contexto: Princípios operativos: 1.Atividades sujeito; 2.Relação dialética entre o desenvolvimento e a aprendizagem; 3.Fomento do conflito e do contraste entre pareceres; 4.Desenvolvimento das capacidades formais e operativas; Teorias científicas • Pedagogia construtivista • Conhecimentos científicos de várias áreas • Espaços agradáveis • Espaços divididos em áreas • Áreas de interesse diversificado • Materiais e objetos variados • Organização dos materiais Conteúdos: • Formação pessoal e social • Expressão e comunicação • Conhecimento do mundo • Conteúdos programáticos Métodos: • Metodologia de projeto • Métodos específicos das áreas disciplinares (método global na aprendizagem da leitura/escrita) Diagnóstica Formativa 30

31 Considerações finais Este modelo foi construído para o ensino básico, mas a sua estrutura pode e deve aplicar-se a todos os níveis de ensino, mantendo os princípios orientadores, a metodologia e alterar os programas a desenvolver em qualquer nível de ensino. 31

32 Bibliografia Leitão, Maria da Luz -Um itinerário pedagógico “Da criança ao aluno” Diálogo e Documentação fornecida pela Dra Dulce Lavajo Sitografia: inar-%C3%A9-Investigar 32

33 Visualização de Filme Itinerário Pedagógico 33


Carregar ppt "Ensinar é Investigar ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO JEAN PIAGET - ARCOZELO COMPLEMENTO DE FORMAÇÃO CIENTÍFICA E PEDAGÓGICA PARA EDUCADORES DE INFÂNCIA METODOLOGIA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google