A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A influência afro na produção musical do Brasil, do século XVI a nossos dias Prof. Dr. Marcos Câmara de Castro Departamento de Música Escola de Comunicações.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A influência afro na produção musical do Brasil, do século XVI a nossos dias Prof. Dr. Marcos Câmara de Castro Departamento de Música Escola de Comunicações."— Transcrição da apresentação:

1 A influência afro na produção musical do Brasil, do século XVI a nossos dias Prof. Dr. Marcos Câmara de Castro Departamento de Música Escola de Comunicações e Artes Universidade de São Paulo Campus de Ribeirão Preto

2 Projeto Pedagógico Cultural Consciência Negra o Ano Inteiro Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto Secretarias Municipais da Cultura e da Educação Câmara Municipal de Ribeirão Preto, 9 de novembro de 2009, 19h30

3 Faixa 1:

4 Culturas Brasileiras (cf. RIBEIRO, 1995) •Negro: terras frescas e férteis do nordeste (cana) •Caipira: mamelucos paulistas do sudeste (caça, ouro e diamantes, café e indústria) •Sertaneja: gado no nordeste árido (sertão) e cerrados do centro-oeste •Cabocla: borracha e ervas na Amazônia •Sulina: gado por gaúchos e gringos (Açorianos, alemães e italianos)

5 Ocupação do território •Capitanias de São Vicente e Pernambuco, anos 30 do século XVI •1538: primeiros escravos

6 Portugueses •Técnicas de cultivo da cana, fabricação do melaço e e refino do açúcar nas ilhas do Atlântico, com mão-de-obra africana •Herdeiros das técnicas de navegação dos árabes •Portugueses: “Euro-africanos” no plano cultural e racial, afeitos ao convívio com povos morenos

7 Açúcar: de especiaria a produto comercial comum •Cidades-porto: Olinda, Recife e Salvador •América=assentamento; África=provedora de força de trabalho e Europa=consumidor privilegiado e sócio principal do negócio •Fórmula nova de organização da produção: fazenda •Senhor de engenho: posição dominadora; ganha uma autoridade que a própria nobreza jamais tivera no reino

8 •Trabalho escravo: onerava em 70% os resultados da exportação •Estrutura socioeconômica arcaica e pré- capitalista, totalmente distinta da feudal •Ordenação econômica segundo solicitações externas, servindo não a quem produz, mas ao enriquecimento do proprietário e ao abastecimento do mercado mundial. •Assim, a música não é solicitada.

9 Duas categorias de escravos: •“Ladinos”, que já falavam a língua e assumiam a religião do branco, além de hábeis nos serviços cotidianos •Os recém-chegados da África, o “negro- novo”, conhecidos também como “caramutanjes”

10 •Oriundos de nações africanas distintas, os quais se juntavam ainda entre “ladinos” no mesmo local de trabalho •Dificultando o entrosamento imediato e facilitando o controle efetuado pelos brancos.

11 “Verdade histórica” •“As classes dominantes, por sua vez, têm entre suas características mais essenciais – e isto vale para todos os períodos da história - a elaboração de documentos mentirosos, sempre de acordo com seus interesses”. •“A ausência de vozes contrárias facilita ainda mais a incorporação destes relatos tendenciosos à crônica, que acaba se estabelecendo como “verdade histórica” (Ricciardi, 2000).

12 Batuque Debret: Batuque

13 Kalimba

14 Origem •Primeiros tempos do tráfico negreiro •Participa qualquer indivíduo aqui nascido, de qualquer origem étnica. •Baterias de escolas de samba do Carnaval Carioca remontam àqueles ritmos – provavelmente mais lentos, marcados com palmas e estalos de língua.

15 Sotto Voce (voz baixa) •Aqueles batuques continham enormes diferenças não só rítmicas como também timbrísticas, se comparados com os de hoje. •Quase a cappella ou até sotto voce

16 •Talvez a mais antiga proibição das manifestações de dança e música dos negros remonte à metrópole, por ocasião de um Alvará datado em 28 de agosto de 1559, “sob o cetro de D. Sebastião”, de acordo com pesquisa de Mozart de Araújo. •Parecia ser difícil o efetivo cumprimento de tal proibição, tanto que a mesma reaparece, tantas outras vezes.

17 •Dom Tomás de Melo (em 1796) respondia que os negros “não devem ser privados de semelhante função porque para eles é o maior gosto que podem ter em todos os dias de sua escravidão” •As famílias permitiam nos seus engenhos e fazendas, contanto que fosse lá na senzala, porque, como ficou na cantiga tradicional: “Batuque na Cozinha, Sinhá num qué”. (Andrade, 1989 p.54).

18 Faixa 2: Lundu das mulatinhas •Outra dança negra muito conhecida é o “lundu”, também dançada pelos portugueses, ao som da guitarra, por um ou mais pares. •Talvez o “fandango” ou o “bolero” dos espanhóis, não passam de uma imitação aperfeiçoada dessa dança (Rugendas, 1998 p.157). •A Umbigada, que parece exprimir o ato sexual, tem muita semelhança com o batuque etiópico, e talvez tenha passado dos negros para os indígenas americanos (Spix e Martius, 1981 pp ).

19 O ciclo da mineração ( ) •A corrida para o ouro das Geraes, naquele século, atraiu mais de seiscentos mil portugueses do gênero masculino. •A escassez de mulheres estimula a mestiçagem com a índia e com a africana, em grande escala. •Permitiu decuplicar a população colonial, pois, além do fluxo migratório lusitano, foi "importado“ mais de um milhão de africanos, como escravos, para as Geraes.

20 •No caso dos negros, ao longo do século XVIII, tentava-se permitir as manifestações culturais – como dança e música – apenas quando incorporadas aos festejos oficiais, o “folguedo honesto”, ou seja, aqueles “integrados à mentalidade e às regras dos colonizadores brancos”.

21 Manuel Dias de Oliveira (Comarca do Rio das Mortes?, 1734/5 – Vila de São José, 1813) •Mestre compositor de música na Comarca do Rio das Mortes, capitão de pardos libertos no Arraial da Laje e calígrafo. •“Obra católica, cantada em latim, materiais musicais do pré-classicismo e da transição do barroco para o clássico, e poucas referências concretas trazia dos grandes mestres europeus” •“Periferia da periferia da Europa, (...) a qualidade artística de nosso repertório musical colonial reflete, de certo modo, esta fatalidade. (cf. Ricciardi, 2000) •“Melodia sinuosa e errática [que] retrata um estado de desespero e abandono” no estilo andaluz (saetas)” (cf. Dottori, 1992) – [faixa 3]

22 Cultura Negra RUGENDAS (missão científica do Barão de Langsdorff, )

23 Rugendas •Reúnem alguns negros e logo se ouve a batida cadenciada das mãos: é o sinal de chamada e de provocação à dança. •O batuque é dirigido por um figurante; consiste em certos movimentos do corpo que talvez pareçam demasiado expressivos; são principalmente as ancas que se agitam; enquanto o dançarino faz estalar a língua e os dedos, acompanhando um canto monótono, os outros fazem círculo em volta dele e repetem o refrão... •Acontece muitas vezes que os negros dançam sem parar noites inteiras, escolhendo, por isso, de preferência, os sábados e as vésperas dos dias santos.

24 Fontes/Tranferências •Transmissão oral (folclore) •Projetos de preservação: MPF (1938), FUNARTE; Centros Culturais; universidades etc •Música erudita* •MPB

25 Ritmos negros dramáticos e coreográficos trazidos para a América •Trazidos para a América misturados, sem os laços históricos locais que davam unidade à sua cultura, baseada na visão ritualístico-religiosa comum da vida comunitária •Generalizados como Batuques •Novas criações (reconstruções): negro- americano, negro-cubano, caribenho, afro- brasileiro •Umbigada: herança africana dos batuques: lundu (ou baiano), coco, bambelô, tambor de crioula, jongo, caxambu, bate-baú, batuque, batucada e partido-alto, carimbó (lambada)

26 Característica africana •Momentos particulares: nascimento, puberdade, casamento, morte; •Comunitários: cataclismas, lutas de guerras, vitórias, caçadas, confraternizações •Canções propiciatórias: canções trabalho, para obter chuva, para a terra não secar, para a semente crescer, colheita etc

27 •Sonoridade e gestual negro-africano marcado pelo ritmo •Tambores, movimentos corporais coreográficos, cantos coletivos (solo e coro): ritos de caráter religioso •Ligação simbólica entre a realidade e sua projeção sobrenatural

28 Influências •Enriquecimento da língua brasileira através de sonoridades e flexões de sintaxe e dicção (linha melódica) •Congos e maracatus com palavras africanas •“Dilúvio de instrumentos musicais” (M de A): ganzá, cuíca, atabaque •Lundu: “dança indecente”, “jeito lascivo” •Maxixe, samba, habanera, tango, foxtrote

29 •A associação do maxixe com o tango ocorria no Brasil como uma tentativa de escapar dos julgamentos que o condenavam – toda a musicalidade considerada africana no Brasil – como lascivo e de baixa qualidade.

30 •O maxixe – uma dança e um gênero musical – teria surgido nos bailes da chamada “pequena África do Rio de Janeiro”, por volta da década de 1870, tendo se vulgarizado em princípios do século XX. •O maxixe provocou protestos moralistas por parte de autoridades civis e eclesiásticas devido a sua volúpia e lascívia, pois os casais requebravam-se, dançando colados um ao outro todo o tempo. •Seria, no entanto, levado a Paris, no começo do século XX, por Duque, membro de uma família baiana abastada que se celebrizaria juntamente com suas partenaires nos requebros de la matchiche, a chamada “dança nacional” do Brasil.

31 Música: derivativo principal dos africanos [MPF – faixa 4]

32 •Os brancos, cuja vida não tinha onde gastar dinheiro, mostravam a riqueza pelos número de escravos •Os que sobravam em casa eram mandados para ganhar dinheiro para seus patrões, transportar coisas (cantando) •Especializavam-se na música nas horas vagas

33 •“Quem quiser comprar um escravo (...) que sabe tocar piano e marimba e alguma coisa de música e com princípio de alfaiate” (apud. M de A) •“Cabra tão bravo no violão que deixa longe qualquer guitarrista europeu” (ibid.) •Xisto Baía: maior compositor mulato de modinhas do séc. XIX

34 Urbanização: “Barbeiro Músico” •“Escuros filhos da harmonia” •Contribuição dos negros das cidades (alforriados) “dolência penetrada de sensualidade” •Ascenção social: abdicação de parte da originalidade e identidade em favor das expectativas de gosto de quem pagava o serviço •Bossa Nova: desvinculação entre a classe média e a música do povo

35 Faixa 5 •Marimba é o nome do Berimbau no norte do Brasil •Marinhêro gravado no Maranhão – dança carimbó da Amazônia

36 Berimbau (Angola)

37 Faixa 6: Ziriguidum do além

38

39 Faixa 7: Berimbrown

40

41 Faixa 8: Concerto para computador e orquestra (2000) Rodolfo Coelho de Souza (USP/Ribeirão Preto) foto: Carla Vannucchi

42 Faixa 9: Samba (MPF-20) •“Dança nacional” que penetrou todas as regiões do país, inclusive o sertão e adquiriu estilos regionais; •Paraíba, com viola sertaneja, descendente da viola de Braga (caipira)

43 Marlos NOBRE (1939) Nobre com Dutilleux

44 Agô Lonã, opus 16, 1964 •Faixa 10: •Baseado no folclore bahiano sur le folklore de Bahia recolhido por Roquete Pinto •BACHIANA CD , Cia Bachiana Brasileira, regência Ricardo ROCHA, 1994

45 Fructuoso VIANNA ( ) •Faixa 11: Mme. Cortot. Cortot, Guarnieri, Souza-Lima e Vianna

46

47 Camargo Guarnieri ( ) •Faixa 12: Dança Brasileira: Orquestra Filarmônica de New York, direção Leonard Bernstein, CBS, 1976 Avec Koechlin à Paris, 1939

48 Faixa 13: MODINHA •Com a progressiva ascensão da burguesia e, consequentemente, com a mudança de hábitos da nobreza, surgiu uma prática musical doméstica ou de salão destinada a um entretenimento mais leve e menos erudito que aquele proporcionado pela ópera e pela música religiosa. •Assim, a música doméstica urbana, praticada por amigos e familiares em festas ou momentos de lazer, privilegiou formas de pequeno número de intérpretes, de fácil execução técnica e de restrito apelo intelectual.

49 •Na segunda metade do séc. XVIII desenvolveu-se, inicialmente em Portugal e posteriormente no Brasil, um estilo peculiar de canção camerística, que acabou sendo denominada modinha. •A origem dessa designação está ligada à moda, que foi, em todo o séc. XVIII, palavra portuguesa para qualquer tipo de canção camerística a uma ou mais vozes, acompanhada por instrumentos.

50 •Já no século XX, ao repudiar as doutrinas e práticas racistas européias, o Brasil assumiu ser mestiço. •A ideologização de uma coexistência sem atritos étnicos conduziu o discurso a agregar às qualidades do brasileiro a de não ter preconceitos. •O povo nacional, que minimiza e cancela diferenças religiosas, regionais, culturais, étnicas, é especial nessa dimensão. •O orgulho de ser mestiço o leva a assimilar, sem resistências culturais, as contribuições dos outros povos.

51 •O Estado brasileiro não vivenciou nenhum desastre coletivo. O conservadorismo inicial de sua formação será uma constante ao longo de sua evolução. •O Brasil conseguiu abolir a escravidão sem nenhum conflito social relevante; •Proclamou a República o herdeiro da coroa portuguesa Pedro I

52 •Os pobres da cidade foram expelidos para subúrbios distantes e para os morros e pântanos sem infra-estrutura, dando origem às faveIas cariocas. •Tudo foi feito para que o Rio fosse "a Paris dos trópicos”.

53 O cartão postal

54 A favela

55 Faixa 14: “Lá tem Jesus, que está de costas...” (Chico Buarque)

56 Subúrbio, de 2006 Lá não tem brisa Não tem verde-azuis Não tem frescura nem atrevimento Lá não figura no mapa No avesso da montanha, é labirinto É contra-senha, é cara a tapa Fala, Penha Fala, Irajá Fala, Olaria Fala, Acari, Vigário Geral Fala, Piedade Casas sem cor Ruas de pó, cidade Que não se pinta Que é sem vaidade Vai, faz ouvir os acordes do choro-canção

57 Traz as cabrochas e a roda de samba Dança teu funk, o rock, forró, pagode, reggae Teu hip-hop Fala na língua do rap Desbanca a outra A tal que abusa De ser tão maravilhosa Lá não tem moças douradas Expostas, andam nus Pelas quebradas teus exus Não tem turistas Não sai foto nas revistas Lá tem Jesus E está de costas Fala, Maré Fala, Madureira

58 Fala, Pavuna Fala, Inhaúma Cordovil, Pilares Espalha a tua voz Nos arredores Carrega a tua cruz E os teus tambores Vai, faz ouvir os acordes do choro-canção Traz as cabrochas e a roda de samba Dança teu funk, o rock, forró, pagode, reggae Teu hip-hop Fala na língua do rap Fala no pé Dá uma idéia Naquela que te sombreia Lá não tem claro-escuro

59 A luz é dura A chapa é quente Que futuro tem Aquela gente toda Perdido em ti Eu ando em roda É pau, é pedra É fim de linha É lenha, é fogo, é foda Fala, Penha Fala, Irajá Fala, Encantado, Bangu Fala, Realengo... Fala, Maré Fala, Madureira Fala, Meriti, Nova Iguaçu Fala, Paciência...

60 •A música popular brasileira tem sido um espaço privilegiado de discussão das principais questões do país. •O Estado tem sido um de seus temas centrais.

61 •O Brasil plasmou uma economia nacional muito antes de ser uma nação. Prescindiu de um discurso nacionalista e pôde manter à sombra a idéia de povo. •Posteriormente, isso facilitou a incorporação e a assimilação do caldo cultural popular, quando descobriu que havia um povo no Brasil.

62 Faixa 15: Samba de Levy •A cultura no Brasil sempre refutou a idéia de exportar exotismos superficiais; na produção artística, o conteúdo pode ser local, mas a forma sempre procura estar sintonizada com o tempo do mundo.

63 Fascinação pela África •A vanguarda, particularmente o surrealismo, mantinha um relacionamento próximo com a antropologia e tinha a África como universo privilegiado de interesse. •Em termos musicais, o jazz estava no centro deste interesse, sendo considerado o filho prestigioso de uma África negra generalizada, nascido nos Estados Unidos.

64 •Esta fascinação pela África e por manifestações culturais tidas como de origem africana, alcançou não só a vanguarda artística e áreas da antropologia, mas também consideráveis contingentes da classe média parisiense que, emulando a sensibilidade da vanguarda, formavam um público cada vez maior, ávido por experimentar, na noite, todos os tipos de exotismo, vivenciando-os como viagens simbólicas. •Busca intensa pela vivência do exótico na noite, avaliando de modo positivo a forte presença de negros na cidade – africanos, norte-americanos, latino-americanos.

65 Faixa 16: Pelo telefone •Em 1922, Os Batutas passaram seis meses em Paris, tocando em casas noturnas e festas. •O grupo era dirigido por Pixinguinha e incluía Donga, autor da música de Pelo Telefone.

66 Pelo Telefone •Denúncia cínica e brincalhona do conluio entre a ordem e a desordem, o que corrobora a proposição de Antônio Candido sobre a presença da ética da “dialética da malandragem” na sociedade brasileira.

67 •O chefe de polícia/ Pelo telefone/Mandou avisar/ Que na Carioca/ Tem uma roleta/ Para se jogar…/ Ai, ai, ai/ O chefe gosta da roleta/ Ó maninha/ Ai, ai ai/ Ninguém mais fica forreta/ É maninha/ Chefe Aurelino/ Sinhô, sinhô/ É bom menino/ Sinhô, sinhô/ Pra se jogar/ Sinhô, sinhô/ De todo jeito/ Sinhô, sinhô/ O bacará/ Sinhô, sinhô/ O pinguelim/ Sinhô, sinhô/ Tudo é assim

68 “Pelo telefone”: a indústria fonográfica amplifica a voz do samba •Em 1916 foi feita a gravação do samba Pelo Telefone. A canção saiu pela Casa Édison, na voz do cantor Baiano, no final de 1916, com a finalidade de lançá-la para o carnaval que se aproximava. •Foi registrada na Biblioteca Nacional, em dezembro daquele mesmo ano, como samba carnavalesco, com música de autoria de Donga e letra do jornalista Mauro de Almeida (Peru dos Pés Frios). •O retumbante sucesso do Pelo Telefone fez dele um divisor de águas na música popular brasileira. •O tema central da canção é certamente um dos fatores que mais concorreram para essa grande repercussão. Trata-se de uma sátira à cumplicidade entre um delegado da polícia e o jogo ilícito, cuja denúncia, aliás, era recorrente na cidade do Rio de Janeiro.

69 A versão registrada é assim: •O chefe de folia/ Pelo telefone/ Manda avisar/ Que com alegria/ Não se questione/ Para se brincar/ Ai, ai, ai/ É deixar mágoas pra trás/ É rapaz/ Ai, ai ai,/ Fica triste se és capaz/ E verás/ Tomara que tu apanhes/ Pra não tornar a fazer isso/ Tirar amores dos outros/ Depois fazer seu feitiço/ Ai, ai, rolinha/ Sinhô, sinhô/ Se embaraçou/ Sinhô, sinhô/ É que a avezinha/ Sinhô, sinhô/ Nunca sambou/ Sinhô, sinhô/ Porque esse samba/ Sinhô, sinhô/ De arrepiar/ Sinhô, sinhô/ Põe perna bamba/ Sinhô, sinhô/ Mas faz gozar/ Sinhô, sinhô/ O “Peru” me disse/ Se o “Morcego” visse/ Eu fazer tolice/Que eu então saísse/Dessa esquisitice/De disse que não disse/ Ai, ai, ai/ Aí está o canto ideal/ Triunfal/ Viva o nosso Carnaval/ Sem rival/ Se quem tira amor dos outros/ Por Deus fosse castigado/ O mundo estava vazio/ E o inferno só habitado/ Queres ou não/ Sinhô, sinhô/ Vir pro cordão/ Sinhô, sinhô/ Do coração/ Sinhô, sinhô/ Por este samba

70 Tia Ciata •É aceito pelos estudiosos da música popular que a canção teria sido composta nas rodas de samba da casa da tia Ciata, uma espécie de embaixada do samba da “pequena África” do Rio de Janeiro em princípios do século. •Ciata era sacerdotisa do candomblé de João Alabá e em sua casa realizava também cerimônias religiosas e lúdicas. •Além disso, era quituteira e ainda costurava fantasias de baianas para o carnaval e o teatro de revistas. •A atividade profissional do marido de Ciata, a crescente ascendência que ela própria foi ganhando no meio negro, além da presença de pessoas influentes nas festas, garantem uma certa “imunidade” ao local que marcaria a memória cultural negra da cidade.

71 “Samba é como passarinho, é de quem pegar” •Os protestos dos co-autores de Pelo Telefone, bem como a apropriação indevida da música por Donga, testemunham uma nova ética que se impunha aos músicos populares e a que o sambista Sinhô (o mesmo, aliás, cuja co-autoria em Pelo telefone havia sido omitida) definiria de forma lírica: “samba é como passarinho, é de quem pegar”. •O nascente e promissor mercado fonográfico, trazido pelos novos ventos da modernidade, introduziu mudanças. A antiga criação coletiva e improvisada das rodas de partido alto tinha que conviver agora com a projeção de valores individuais que a profissionalização do samba possibilitava. •As acusações mútuas de plágios eram constantes. O próprio Sinhô foi por mais de uma vez acusado de plagiário por Hilário Jovino, um de seus parceiros em Pelo telefone, e Heitor dos Prazeres, que, gozando da alcunha de “rei do samba” dedicada ao grande compositor, escreveu uma canção intitulada Rei dos Meus Sambas.

72 “Les Batutas” e Duque, Em pé: Pixinguinha, José Alves de Lima, José Monteiro, Sizenando Santos “Feniano” e Duque. Sentados: China, Nelson dos Santos Alves e Donga.

73 Os Oito Batutas, 1922 (Bastos, 2005) •Desde sua fundação Os Oito Batutas geraram polêmica. O fato de serem em sua maioria negros e o tipo de música que faziam eram motivos para controvérsia. •Identificá-los à genuína musicalidade nacional, significava para muitos uma desqualificação em termos de uma pretensa universalidade – equacionada com o cânone da música clássico- romântica ocidental – e um veredicto de provincianismo.

74 •Além disso, a negritude era vista como sinal de inferioridade sociocultural. •Após a viagem a Paris, essas questões tenderam a ser absorvidas positivamente, e o choro foi assumindo um papel central em nossa cultura até se consagrar, vinculado ao samba, como o símbolo da música popular brasileira, ao tempo em que se tornava compatível com o jazz, nova linguagem musical do sistema mundial.

75 •Pixinguinha era o apelido do compositor, arranjador, regente, flautista e saxofonista Alfredo da Rocha Viana Filho ( ) •Donga, o apelido do compositor, violonista e banjoísta Ernesto dos Santos ( ), autor da música de Pelo telefone (1917). •Talvez Monteiro seja o autor (conhecido como Zé Boiadêro) do tango brasileiro O boi no telhado, lançado no Rio de Janeiro durante o carnaval de 1918, música que deu nome ao Le boeuf sur le toit, de Darius Milhaud

76 •A viagem é um episódio pouco conhecido da história da música popular brasileira, com fortes conseqüências para a carreira de Pixinguinha e o futuro dessa música. •Consagração de Pixinguinha, apontando para a necessidade de compreender a música popular como linguagem estratégica do sistema de relações dos Estados-nações modernos, com nexos locais, regionais, nacionais e globais. •Aí, as músicas erudita, folclórica e popular são vistas como universos em comunicação e a fonografia como processo constitutivo de todas.

77 •O esforço conjunto das elites e do governo oligárquico da Primeira República ia no sentido de contenção das assim denominadas “classes perigosas”, especialmente no tocante à sua herança africana. •Apesar das tentativas de reprimi-la, a presença negra foi, pouco a pouco, se fazendo sentir na cidade sob as formas culturais sensíveis da música, da festa, do canto, da dança. •Havia a popular Festa da Penha, a festa do Carnaval, as rodas de samba na casa das “tias” baianas (em especial a da “tia” Ciata), as sedes das sociedades carnavalescas (ranchos e cordões), os salões de bailes populares e o teatro de revistas, dentre outros divertimentos.

78 As tradições culturais negras: entre a repressão e a exaltação •No período que medeia entre o final do século XIX e as primeiras três décadas do século XX, observa-se um enfoque ambivalente por parte de literatos, intelectuais e políticos brasileiros em relação à cultura negra. Deparamos com uma condenação de práticas consideradas “bárbaras” e, simultaneamente, com um enaltecimento das mesmas, exaltadas como produtos da “originalidade nacional”. •Por um lado, a cultura negra é apreendida pelo critério da falta: as danças e os ritmos negros não têm “estética nem arte”, não possuem “tom nem som” e tampouco gozam de “espírito e gosto”, os instrumentos musicais dos negros são “rudes”, “bárbaros” e fazem uma “algazarra infernal”.

79 •Diante do suposto perigo de descontrole social provocado pelas hordas de negros “bárbaros”, recém-egressos da escravidão, a República vacilou em incorporar o negro como integrante do corpo político da nação.

80 Capoeira

81 •A capoeira, ao mesmo tempo em que é criminalizada pelo Código Penal de 1890, surge uma representação positiva dessa luta que deplora os que vêem nela apenas o que tem de “mau e bárbaro” e a reclama como “nossa ginástica nacional, herança da mestiçagem no conflito de raças”

82 •Naquele momento, os critérios darwinistas sociais eram um empecilho à plena incorporação do negro à esfera pública. •Porém, em contrapartida, as tradições culturais negras, preteridas como sinal de “decadência”, eram já parte constituinte da expressão do nacional.

83 A pouco estudada metamorfose do samba de música negra em música nacional •O samba carioca, do modo como o conhecemos atualmente, consagrado de norte a sul do país (e mesmo no exterior) como o ritmo nacional por excelência, na verdade parece ter se constituído enquanto tal muito recentemente. •Entretanto, ainda que pensemos no samba como um símbolo nacional reconhecido no nível interno, é duvidoso que tenha conquistado plena aceitação. •Além do mais, esse processo de legitimação, ainda em curso, é ambíguo, como o é o lugar do negro (ou das manifestações culturais negras) na sociedade brasileira, oscilando ainda entre a exaltação e a detração.

84 •Processo vinculado ao reconhecimento social do negro no Brasil •Legitimação do samba carioca durante as três primeiras décadas do século XX. •Esse ritmo deixa os redutos negros e vai se firmando como nacional.

85 •A conquista da legitimidade do samba foi (e ainda o é) árdua e carregada de conflitos. •E isso porque não se pode desvinculá-la do processo de reconhecimento social do negro no Brasil.

86 •No final do século XIX, a abolição da escravidão pôs fim às antigas relações senhoriais de domínio. •Com a ampliação da cidadania para os ex-escravos, a temperatura da tensão racial entre negros e brancos tende a se elevar.

87 Efeito Montesquieu? •Não se pode ignorar que, desde as últimas décadas do século XIX até o princípio do século XX, predominava um modelo racial de análise que via na miscigenação um sinal de degeneração. •Um caminho para o aperfeiçoamento da raça negra foi apontado pela chamada “teoria do branqueamento”. Adeptos do darwinismo social, seus propositores propugnarão pelo branqueamento da população brasileira a ser obtido através de um processo gradativo de seleção natural e social, que conduziria a uma “mestiçagem eugênica”, isto é, à depuração das características negras dos mestiços.

88 •Parece portanto que, tanto no caso do samba, quanto no da capoeira e das religiões afro-brasileiras, não há oposição absoluta entre os personagens da trama. •Cumplicidade entre os círculos eruditos e populares: domesticação da herança negra e africanização da herança branca.

89 •O samba e o candomblé, dois itens originalmente elaborados pelos negros sob dominação, teriam sido posteriormente apropriados pelos produtores de símbolos nacionais e da cultura de massas.

90 Rio de Janeiro (1920): uma profusão de ritmos nacionais e internacionais •Maxixe, tango, tango argentino, tango carnavalesco, toada sertaneja, batuque, embolada, valsa, mazurca, xote, samba, samba carnavalesco, lundu, corta-jaca, marcha carnavalesca, charleston, one step, fox-trot, rag-time, cateretê, samba- canção, choro, choromodinha, choro- canção, modinha, toada, marcha, marcha- rancho, dentre outros.

91 •A visita oficial do casal real da Bélgica ao Rio de Janeiro, em 1920, por exemplo, é um episódio que nos revela como esse ritmo servia tanto para que as elites expressassem a imagem que queriam construir para o Brasil, como também para que as classes populares o fizessem a sua maneira. •Assim, supostamente por evocarem a brasilidade com sua música, os 8 Batutas serão convidados a apresentar-se para tocar durante o almoço oferecido ao rei Albert e à rainha Elizabeth da Bélgica no palácio presidencial. •Mas os Batutas também aproveitaram o mesmo evento para dar suas arranhadas naquela imagem idílica do Brasil das elites. Em 1921, montaram a revista O que o Rei não Viu. •Seu título troçava com a visita do par real belga ao Rio de Janeiro, pois naquela ocasião as autoridades, com a intenção de causar uma boa impressão, empenharam-se na limpeza urbana e, arbitrariamente, efetuaram inúmeras prisões preventivas

92 A Mulata Brasileira •No exterior ia aos poucos se difundindo a imagem da mulata brasileira. •A letra do samba alude à mulata, companheira na folia carnavalesca: Vem, mulata ter comigo/ Vamos ver o Carnaval/ Eu quero gozar contigo/ Esta festa sem rival/ Vem cá, vem cá, vem cá/ meu bem/ Como eu não há, não há/ ninguém/ Pula, pula, perereca/ E segura esta boneca/ Vem cá, vem cá, vem cá (bis)/Olá/ Segura o cabrito/O boi é bem manso/Mulata cutuba (bis)/ Agüenta o balanço.

93 •Na revista Forrobodó, a “mulata” é cantada como uma mulher constantemente assediada, nossa “frutinha nacional”, mas que podia ser fatal se ingerida: •Sou mulata brasileira/ feiticeira/ frutinha nacional/ Sou perigosa e matreira/ sou arteira/ como um pecado mortal /[...]/ Tenho sempre uns renitente/ pela frente/ mas em todos dei a lata/ Nesta terra, francamente/ minha gente/ não se pode ser mulata!

94 •Mas, além de servir para expressar a representação de um símbolo nacional popular, o tipo da “mulata” servia também para abordar um outro tema corriqueiro no cotidiano da cidade: as relações afetivo-sexuais interétnicas. •Dessa forma, em várias composições a mestiçagem racial, principalmente entre o clássico par mulata-português, é tematizada através da figura da mulata.

95 •Mas “mulata” podia ser também a sedutora favela, como no samba Minha Favela (Sá Pereira e Marques Porto), interpretado também por Araci Cortes na revista Pensão Meira Lima, de •Nessa bela composição, a mesma favela que envergonhava o “Rio da Regeneração” era motivo de orgulho para o “Rio das malocas”: Minha doce companheira/ És mulata, és brasileira/ És minha fascinação!/ Minha favela/ Tens na luz pálida, amena/ Todo cheiro da morena/ Que embriaga o coração. •Além disso, também a cor da “mulata” e sua brasilidade podiam servir como metáfora política para expressar a alternância de presidentes paulistas e mineiros durante a Primeira República, como no maxixe Café com Leite (Freire Júnior), de 1926:

96 •Nosso mestre Cuca movimentou/ O Brasil inteiro/ Pois cada um Estado pra cá mandou/ O seu cozinheiro/ Mexeu-se a panela, fez-se a comida/ Com perfeição/ Assim foi a bóia bem escolhida/ Com perfeição/ Café paulista/ Leite mineiro (bis)/ Nacionalista/ Bem brasileiro/ É preto com branco café com leite/ Cor democrata/ É preto com branco meu bem aceite/ Cor da mulata/Oleite é bem grosso, o café é forte/ Agüenta a mão/ As novas comidas têm que dar sorte/ Na situação.

97 •Vemos assim que, nesse registro popular, o tema da mestiçagem é protagonizado pela imagem polissêmica da mulata. Mulher sedutora e objeto do desejo de negros e brancos, ela é também representante da brasilidade, nossa “fruta nacional”, da política nacional do café com leite, ao mesmo tempo que é identificada com o local de moradia, a “favela mulata”. •Assim, lida nesta chave, a imagem da mestiçagem é difusa e a “mulata” parece funcionar como uma categoria explicativa para uma mestiçagem que é vivenciada no nível das relações pessoais do cotidiano.

98 •Porém, apesar da indefinição do termo, o samba, mais precisamente o samba carioca, surgido no caldeirão de ritmos presentes naquele começo de século, vai se firmando enquanto tal ao longo da década de 20 e, nas duas décadas posteriores, se tornará o mais legítimo representante da música popular brasileira para fora e para dentro do país.

99 •Há também um outro movimento de fora para dentro que aprecia as manifestações populares do Brasil, em especial aquelas de raízes negras. •Isso ocorre, quer por meio da vinda para o Brasil de artistas estrangeiros, ávidos por conhecê-las, quer através de brasileiros (incluindo-se aí os artistas) que parecem ter, em suas viagens ao exterior, uma revelação sobre um Brasil que lhes era praticamente desconhecido.

100 •Na privacidade das casas das tias baianas – como a da tia Ciata –, no recato da mansão dos Guinle ou mesmo nos jardins do palácio presidencial do Catete tinha lugar uma interseção desses dois mundos, o erudito e o popular, que certamente dinamizou e formou o samba que explodiria nas décadas seguintes.

101 •Finalmente, talvez possamos dizer que a incorporação da herança negra à esfera pública correspondeu a uma opção política feita pelo governo Vargas, agora em um novo contexto histórico no qual o velho fantasma da “ressurreição da barbaria” já não rondava mais a elegante Avenida Central.

102 DANÇA DE NEGRO •Segundo Luciano Gallet (Estudos de folclore, 1934, p. 61), várias foram as “danças negras implantadas no Brasil”. Delas dá o autor uma lista (17 danças), entre as quais o cataretê, o caxambu, o batuque, o samba, o jongo, o candomblé, o coco de zambê e o velho lundu, referindo, quase sempre, a localização das mesmas: Bahia, Minas, Rio, São Paulo, Pernambuco, Estado do Rio, Rio Grande do Norte.

103 •"A grande maioria dos pesquisadores concorda que a primeira vez em que a palavra "samba" apareceu em letra de fôrma, na imprensa brasileira, foi no jornal satírico O Carapuceiro, editado no Recife entre 1832 e 1842, por um religioso, o padre Lopes Gama. •Os escravos chamavam sua dança de semba, que significaria "umbigada" ou "união do baixo ventre", referindo-se àquilo que no Brasil era designado, no século XVI e começo do século XVII, como Batuque, englobando todos os ritmos e danças originários da África.

104 •Sob nome mais diversos, ganharam estilos e andamentos próprios, sotaques regionais, assumiram caráter romântico, jocoso, boêmio, patriótico. •Centraram-se em instrumentos de sons diferentes, alguns preferindo as cordas dos violões, outros os foles das sanfonas, outros mais, a marcação fundamental dos couros.

105 O TERMO “SAMBA”: •Possivelmente o termo “Samba” é uma corruptela de “Semba” (umbigada), palavra de origem africana, provavelmente do Congo ou Angola, donde vieram a maior parte dos escravos para o Brasil. Uma das grafias mais antigas do termo “Samba” foi publicada por Frei Miguel do Sacramento Lopes Gama, em fevereiro de 1838 na revista pernambucana “Carapuceiro”, não se referindo ao gênero musical, mas sim a um tipo de folguedo popular de negros da época. Segundo o pesquisador Hiram Araújo, na Bahia, ao longo dos séculos, as festas de danças dos negros escravos eram chamadas de “Samba”. Com o passar dos anos, a dança “Samba”, sempre conduzida por diversos tipos de batuques, assumiu características próprias em cada estado, não só pela diversidade das tribos de escravos, como pela peculariedade da região em que foram assentados. Entre os tipos de danças populares mais conhecidas, destacamos Samba-lenço, Samba-rural, Tiririca, Miudinho e Jongo (São Paulo); Tambor-de-crioula ou Ponga (Maranhão); Samba-corrido, Samba-de-roda, Bate-baú, Samba-de-Chave e Samba-de-barravento (Bahia), Bambelô (Rio Grande do Norte), Coco (Ceará), Trocada, Coco-de-parelha, Samba de coco e Coco-travado (Pernambuco) e Partido-alto, Miudinho, Jongo e Caxambu (Rio de Janeiro). Quanto ao vocábulo “samba”, existem várias versões de seu nascedouro. Uma delas diz ser originário do árabe, mais precisamente mouro, quando da invasão desse povo à Península Ibérica no século VIII, sendo o termo original “Zambra” ou “Zamba”. Há quem diga que é originário de um dos muitos dialetos africanos, possivelmente do Quimbundo: “Sam” = dar, “Ba” = receber, ou ainda “Ba” = coisa que cai.

106 ALGUNS DESDOBRAMENTOS RÍTMICOS DO SAMBA: •O samba ao longo dos anos tem se apresentado com muitas variantes rítmicas. Dentre as mais conhecidas, destacamos, o samba-de-breque, samba-exaltação, samba-de- terreiro, samba-enredo, sambalanço, samba-de- quadra, sambalada, samba-chulado, samba- raiado, samba-coco, samba-choro, samba- canção, samba-batido, samba-funk, samba-de- partido-alto e samba de gafieira.

107 PAGODE NO FINAL DA DÉCADA DE 1970 •No final da década de 1970 um grupo de cantores e compositores fazia uma roda de samba embaixo da tamarineira, na quadra do Bloco Carnavalesco Cacique de Ramos, no subúrbio carioca de Ramos. Entre os que ficariam conhecidos anos depois, estavam Jorge Aragão, Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz, Sombrinha, Deni de Lima, Luiz Carlos da Vila, Carlos Sapato, Neoci, Dida, Bira Presidente, Ubirani, Almir Guineto, Sereno, entre outros. •Alguns instrumentos davam uma sonoridade peculiar àquele grupo, como banjo com braço de cavaquinho •A própria formação sonora era um pouco diferente com tantã e repique-de-mão.

108 •Alguns desses músicos viriam a ser reconhecido quando Beth Carvalho os convidou para participar de seu disco “Pé no chão”, de 1978, produzido por Rildo Hora. •Dois anos depois o grupo, com o nome de Fundo de Quintal, lançava o primeiro disco pela RGE e estava formatado o pagode carioca, que viria a influenciar todas as gerações de sambistas posteriores. •Na década de 1980 despontaram para o sucesso Zeca Pagodinho, Jorge Aragão, Fundo de Quintal, Dona Ivone Lara.

109 Século XXI •No início do século XXI o samba retoma a tradição do partido-alto a partir do ano 2000, quando surgiram diversos artistas em vários estados. No Rio de Janeiro surgiram Teresa Cristina e Grupo Semente, Marquinhos de Oswaldo Cruz e tantos outros que contribuíram para a revitalização da Lapa, no Rio de Janeiro. •Em São Paulo o samba retomou a tradição com shows no Sesc Pompéia e ainda através do trabalho de vários grupos, entre eles, o grupo Quinteto em Branco e Preto que desenvolvia o evento “Pagode da Vela”, tudo isso fez com que vários artistas do Rio de Janeiro, além de shows, fixassem residência em São Paulo, São Matheus, Santos e pequenas cidades e bairros periféricos da capital.

110 O SAMBA – PATRIMÔNIO CULTURAL DA HUMANIDADE: •No ano de 2004 o Ministro da Cultura, Gilberto Gil, apresentou à UNESCO o pedido de tombamento do gênero “Samba”, sob o título de “Patrimônio Cultural da Humanidade”. •O Samba (bem imaterial), assim como a “Festa do Círio de Nazaré”, de Belém do Pará, faz parte das 13 manifestações artísticas, religiosas e gastronômicas do Brasil que disputam no Instituto Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) receber a consagração nacional. •Segundo Márcio Vieira – Secretário de Articulação Institucional do Ministério da Cultura – a característica mais importante para a Unesco é a singularidade. •Ou seja, tem que ser uma coisa realmente única e especial para merecer o título de “Patrimônio da Humanidade”.

111 Faixa 17: Maracatu de Chico Rei (Mignone)


Carregar ppt "A influência afro na produção musical do Brasil, do século XVI a nossos dias Prof. Dr. Marcos Câmara de Castro Departamento de Música Escola de Comunicações."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google