A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

LUÍS CLÁUDIO PATERNO SILVEIRA Eng. Agr. – Entomologista Professor Adjunto Universidade Federal de Lavras GET104 – Doenças e Pragas de Pastagens Aula 1.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "LUÍS CLÁUDIO PATERNO SILVEIRA Eng. Agr. – Entomologista Professor Adjunto Universidade Federal de Lavras GET104 – Doenças e Pragas de Pastagens Aula 1."— Transcrição da apresentação:

1 LUÍS CLÁUDIO PATERNO SILVEIRA Eng. Agr. – Entomologista Professor Adjunto Universidade Federal de Lavras GET104 – Doenças e Pragas de Pastagens Aula 1 – INTRODUÇÃO À ENTOMOLOGIA

2 ERA UMA VEZ, MUITOS MILHÕES DE ANOS ATRÁS... UM BICHO! ANCESTRAL DOS ARTRÓPODES Cabeça POR REDUÇÃO OU PERDA DE SEGMENTOS, SURGIRAM AS CLASSES DE ARTRÓPODES

3 Rei Filó Classificou de Ordinárias as Famílias dos Generais Espartanos Rei Filó Classificou de Ordinárias as Famílias dos Generais Espartanos I - INTRODUÇÃO Classificação dos seres vivos: REINO FILO CLASSE ORDEM FAMÍLIA GÊNERO ESPÉCIE Classificação dos seres vivos: REINO FILO CLASSE ORDEM FAMÍLIA GÊNERO ESPÉCIE Rei Fil Class Ord Família Gener Esp

4 I - INTRODUÇÃO Classificação dos seres vivos: REINO FILO CLASSE ORDEM FAMÍLIA GÊNERO ESPÉCIE Classificação dos seres vivos: REINO FILO CLASSE ORDEM FAMÍLIA GÊNERO ESPÉCIE = ANIMAL = ARTHROPODA = INSECTA

5 I - INTRODUÇÃO FILO Arthropoda

6 Universidade Federal de Lavras CABEÇA CLASSE INSECTA - um par de antenas TÓRAX - 2 pares de asas - 3 pares de pernas ABDOME - ap. digestivo - ap. reprodutor - ap. excretor

7 Organização Geral: O corpo é dividido em metâmeros Heteronomia: A-Cabeça B-Tórax C-Abdômem

8 Apêndices da Cabeça Fixos: olhos compostos e ocelos Móveis: antenas e peças bucais

9 Cabeça Principais funções: Percepção sensorial Integração nervosa Aquisição de alimento

10 Olhos compostos e Ocelos Olhos compostos: insetos adultos (omatídios); Ocelos laterais: larvas e pupas; Ocelos dorsais: insetos adultos.

11

12 Antenas Apêndices sensoriais (olfato, audição, tato e gustação) Partes de uma antena típica: - Escapo - Pedicelo - Flagelo

13 Tipos de antenas Filiforme: todos os artículos semelhantes em tamanho Ex.: esperanças, louva-a-deus, baratas. Moniliforme: Apresenta segmentos arredondados Ex.: cupins

14 Tipos de antenas Clavada: flagelo termina em uma dilatação Ex.: borboletas Capitada: semelhante a clavada, massa apical bastante dilatada Ex.: broca do café

15 Imbricada: possui artículos em forma de taças, estando a base de uma encaixada no ápice da outra Ex.: Calosoma Fusiforme: Artículos medianos dilatados, com aspecto de fuso Ex.: Lepidoptera: Hesperiidae (hábitos crepusculares)

16 Serreada: artículos com dilatações em forma de espinhos ou dentes de uma serra. Ex.: Coleoptera: Buprestidae Denteada: artículos com dilatações, mas essas não são pontiagudas com conformações de dentes. Ex.: Coleoptera: Elateridae

17 Estiliforme: Extremidade do flagelo com um pequeno estilete (recurvado ou reto) Ex.: Diptera: Brachycera e Lepidoptera: Sphingidae Plumosa: flagelos com inumeros pêlos que circundam todos os artículos (pluma) Ex.: machos de pernilongos

18 Flabelada:possui expansões laterais em forma de laminas, ou de folhas Ex.: microhimenópteros Setácea: os antenômeros vão diminuindo de diâmetro da base para a extremidade da antena Ex.: gafanhotos e serra-paus

19 Furcada: os antenômeros do flagelo estão dispostos em dois ramos em forma de Y. Ex.: machos de microhimenópteros Pectinada: os artículos apresentam uma dilatação lateral, longa e mais ou menos fina, assemelhando-se a um pente. Ex.: mariposas

20 Lamelada: dilatação nos últimos 3 segmentos, que juntos se sobrepõe. Ex.: Coleoptera: Scarabaeidae Geniculada: artículos do flagelo dobrados em ângulo com o escapo (lembra um joelho). Ex.: formigas, abelhas.

21 Aristada: flagelo globoso, achatado e apresenta apenas um pelo denominado de arista. Ex.: dípteros Composta: combinações de vários tipos. Ex.: genículo-capitadas, genículo-moniliformes

22 Dimorfismo sexual nas antenas: Tamanho: machos (maiores) Tipo: macho plumosas e fêmeas moniliformes Inserção: Número de artículos:himenopteros ♂ 13 ♀ 12

23 Peças Bucais Modificação de acordo com o hábito alimentar Partes das peças bucais: Lábio Superior ou Labro (LS): proteção e manutenção dos alimentos Mandíbulas (MD): trituradora, cortadora, além de defesa Maxilas (MX): função táctil, gustativa e mastigadora

24 Lábio Inferior (LI): tátil e retenção de alimentos Epifaringe (EP): função gustativa Hipofaringe (HIP): função gustativa e tátil Tipos de aparelho bucais…

25 Tórax Principal função: Centro de locomoção

26 Segmentos que formam o tórax Protórax Mesotórax Metatórax

27 ProtóraxMesotóraxMetatórax

28 Apêndices torácicos PERNAS Coxa (cx) Trocanter (tr) Fêmur (fm) Tíbia (tb) Tarso (ts) Pós-tarso (ptar)

29 Tipos de pernas Ambulatórias. Ex.: baratas, moscas, borboletas... Saltatórias. Ex.: 3º par de gafanhotos, grilos, pulgas. Natatórias. Ex.: baratas d’água e besouros aquáticos

30 Preensoras. Ex.: 1º par de baratas d’água Raptatórias. Ex.: 1º par de louva-a-deus e Mantispidae Fossoriais. Ex.: 1º par de paquinhas e besouros escaravelhos

31 Coletoras. Ex.: 3º par de abelhas e mamangavas Adesivas. Ex.: 1º par de machos de coleópteros aquáticos Escansoriais. Ex.: piolhos hematófagos

32 Asas

33 Tipos de asas Membranosas. Ex.: 2º par da maioria dos insetos Tégminas. Ex.: 1º par de Blattodea, Mantodea, Orthoptera e Phasmatodea

34 Hemiélitros. Ex.: 1º par de percevejos Élitros. Ex.: 1º par de Coleoptera e Dermaptera Balancins. Ex.: 2º par de Diptera

35 Franjadas. Ex.: Thysanoptera Lobadas. Ex.: microlepidópteros

36 Abdome Principais funções: Armazenamento e processamento de nutrientes Circulação da hemolinfa Bombeamento de oxigênio Desenvolvimento dos ovos Produção de espermatozóides Acasalamento

37 Apêndices abdominais Cercos Filamento mediano Estilos Sifúnculos Pernas abdominais

38

39 Tipos de abdome Séssil Livre Pedunculado

40 Universidade Federal de Lavras Sistema Digestório Introdução: Hábitos alimentares: - Fitófagos - Carnívoros - Onívoros Sistema digestório (digestivo): Sistema digestivo: Estomodeu Mesêntero Proctodeu

41

42 Tipo completo Glândulas salivares Cecos gástricos: Manutenção de simbiontes e absorção de substâncias, enzimas digestivas

43 Hemiptera: presença de câmara-filtro

44 SISTEMA EXCRETOR Formado por Túbulos de malpighi Extremidade distal fechada e a basal aberta Localizados entre o intestino médio e o posterior

45 Funções: Absorção e excreção de metabólitos secundários (difusão) presentes na hemolinfa, principalmente ácido úrico; Manutenção do equilíbrio hídrico e iônico da hemolinfa; Função secretora de seda (tecer casulos Chrysoperla -Neuroptera), cobertura para proteção de ovos em alguns crisomelídeos (Coleoptera).

46

47

48 SISTEMA NERVOSO ventral SISTEMA NERVOSO ventral cérebro gânglios Universidade Federal de Lavras

49 SISTEMA CIRCULATÓRIO dorsal SISTEMA CIRCULATÓRIO dorsal coração Universidade Federal de Lavras

50 SISTEMA RESPIRATÓRIO traquéias Universidade Federal de Lavras

51 •insetos estão evoluindo há 350 milhões de anos; •altíssima variabilidade genética – muitas mutações •são pequenos – abrigo e alimento fácil •sofrem metamorfose – adaptações ao alimento •apresentam sociabilidade – divisão de trabalho •voam – colonizam todo planeta •tem alta fecundidade – deixam muitos descendentes enfim, são tremendamente adaptados •insetos estão evoluindo há 350 milhões de anos; •altíssima variabilidade genética – muitas mutações •são pequenos – abrigo e alimento fácil •sofrem metamorfose – adaptações ao alimento •apresentam sociabilidade – divisão de trabalho •voam – colonizam todo planeta •tem alta fecundidade – deixam muitos descendentes enfim, são tremendamente adaptados I - INTRODUÇÃO

52 I – Introdução – como se desenvolvem? •Inseto cresce por metamorfose – trocas de pele –pode ser gradual ou completa •GRADUAL – Paurometabolia –ovo –ninfa –adulto •Inseto cresce por metamorfose – trocas de pele –pode ser gradual ou completa •GRADUAL – Paurometabolia –ovo –ninfa –adulto semelhantes aos adultos, porém não tem asas - não tem aparelho reprodutor semelhantes aos adultos, porém não tem asas - não tem aparelho reprodutor Percevejos, cochonilhas, gafanhotos, baratas, cupins

53 NINFAS Universidade Federal de Lavras

54 NINFAS Universidade Federal de Lavras

55 NINFAS Universidade Federal de Lavras

56 •Inseto cresce por metamorfose – trocas de pele –pode ser gradual ou completa •COMPLETA – Holometabolia –ovo –larva –pupa –adulto •Inseto cresce por metamorfose – trocas de pele –pode ser gradual ou completa •COMPLETA – Holometabolia –ovo –larva –pupa –adulto - larvas são completamente diferentes dos adultos função: alimentação - larvas são completamente diferentes dos adultos função: alimentação I – Introdução – como se desenvolvem? Borboletas, besouros, moscas, formigas

57 LARVAS Universidade Federal de Lavras

58 LARVAS Universidade Federal de Lavras

59 LARVAS Universidade Federal de Lavras

60 LARVAS Universidade Federal de Lavras

61 •Independentemente de como o inseto cresce.... –suas populações aumentam •exponencialmente? •Independentemente de como o inseto cresce.... –suas populações aumentam •exponencialmente? I – Introdução – como suas populações crescem?

62 população do inseto tempo população real população laboratório FATORES ECOLÓGICOS I – Introdução – como suas populações crescem?

63 população do inseto tempo a) temperatura b) UR (chuva) c) luz, vento... a) temperatura b) UR (chuva) c) luz, vento... população real d) alimento e) competição f) predação d) alimento e) competição f) predação CLIMA SERES VIVOS população laboratório I – Introdução – como suas populações crescem?

64 d) alimento e) competição f) predação d) alimento e) competição f) predação predação população do inseto tempo a) temperatura b) UR (chuva) c) luz, vento... a) temperatura b) UR (chuva) c) luz, vento... população real CLIMA SERES VIVOS população laboratório = inimigos naturais I – Introdução – como suas populações crescem?

65 população do inseto tempo Flutuação populacional praga inimigo natural

66 •Independentemente de como o inseto cresce.... –suas populações aumentam •exponencialmente? •não, sofrem regulação natural e flutuam –então porque existem insetos indesejáveis, pragas? •Independentemente de como o inseto cresce.... –suas populações aumentam •exponencialmente? •não, sofrem regulação natural e flutuam –então porque existem insetos indesejáveis, pragas? I – Introdução – porque alguns são indesejáveis?

67 INSETO = PRAGA? população do inseto tempo nível máximo inimigo natural inseto interferência no equilíbrio praga

68 INSETO = PRAGA? população do inseto tempo nível máximo inimigo natural inseto reestabelecendo o equilíbrio praga

69 INSETOS QUE SE ALIMENTAM DIRETAMENTE SOBRE AS PLANTAS (PRODUTORES) HERBÍVOROS ou FITÓFAGOS FITÓFAGOS = CONSUMIDOR PRIMÁRIO Universidade Federal de Lavras

70 INSETO QUE SE ALIMENTA DE UM OUTRO INSETO QUE ESTÁ SOBRE A PLANTA CARNÍVORO ou ENTOMÓFAGO ENTOMÓFAGO = CONSUMIDOR SECUNDÁRIO Universidade Federal de Lavras

71 DETRITÍVORO = RECICLAGEM INSETO QUE SE ALIMENTA DOS PRODUTORES, DOS HERBÍVOROS E DOS CARNÍVOROS DETRITÍVOROS NO SOLO Universidade Federal de Lavras


Carregar ppt "LUÍS CLÁUDIO PATERNO SILVEIRA Eng. Agr. – Entomologista Professor Adjunto Universidade Federal de Lavras GET104 – Doenças e Pragas de Pastagens Aula 1."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google