A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A LÓGICA E AS CONCEPÇÕES QUE NORTEIAM O CURRÍCULO OFICIAL DA REDE ESTADUAL DE SÃO PAULO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A LÓGICA E AS CONCEPÇÕES QUE NORTEIAM O CURRÍCULO OFICIAL DA REDE ESTADUAL DE SÃO PAULO."— Transcrição da apresentação:

1 A LÓGICA E AS CONCEPÇÕES QUE NORTEIAM O CURRÍCULO OFICIAL DA REDE ESTADUAL DE SÃO PAULO

2 O QUE É CURRÍCULO entendido como um conjunto de disciplinas, programas, planos de estudos e objetivos, o currículo deve ir além de uma seleção de matérias e conteúdos. O currículo deve transmitir o legado histórico e social, adquirindo assim um saber cultural da sociedade fundamental no seu papel social.

3 CURRÍCULO Constituído de saberes ( conhecimentos): Conteúdos - que devem se aprendidos e ensinados (contexto); Práticas : como é oferecido (métodos de ensino e aprendizagem); Acompanhamento da aprendizagem significativa: Avaliação visando a promoção : Avaliação Recursos usados (ex. livros usados para ministrar os conteúdos e para o processo ensino- aprendizagem).

4 C URRÍCULO X SELEÇÃO DE CONHECIMENTOS Um currículo resulta de escolhas que devem levar em conta não apenas “o que” deve ser ensinado e “como” deve ser ensinado, mas principalmente “por que” este conhecimento deve ser ensinado.

5 T IPOS DE CURRÍCULOS CURRÌCULO FORMAL [baseia-se] em um conjunto de objetivos e resultados previstos (.) CURRÌCULO INFORMAL [diz respeito] à aprendizagem não planejada que ocorre nas salas de aula, nos espaços da escola ou quando os estudantes interagem com ou sem a presença do professor(a). O CURRÌCULO OCULTO:

6 C URRÍCULO E CULTURA Cultura Cultura é todo o conjunto de atitudes, costumes e crenças; caracteriza um grupo que o distingue dos outros, reflexos do que existe em uma sociedade. É uma experiência acumulada pela aprendizagem e que é transmissivel de geração em geração. Importância da interculturalidade, ou seja, da diferença de culturas no seu contributo para a cultura de um país. Competência Cultural Competência cultural é um conjunto de variáveis que contribuem para a organização inter- cultural.

7 CURRÍCULO ARTICULADO AS COMPETÊNCIAS PARA O CONHECER, FAZER, CONVIVER E SER. A construção do conhecimento pressupõe a construção do seu próprio saber – Tem por base as experiências vivenciadas. A construção de competências e habilidades - a mobilização destes conhecimentos e sua significação A aquisição dos saberes já construídos pela humanidade. a apropriação mediatizada pela transmissão. Os três processos são operações distintas e compete a escola atuar nesses processos. •.

8 P RINCIPIOS DA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Conteúdos escolhidos para garantir que todos tenham educação básica Prioriza as competências leitoras e escritoras Estão intimamente ligados a cultura e a diversidade Os conteúdos não tem finalidade em si mesmo. Se referem ao desenvolvimento de habilidades e competências Articula as competências para o aprender Currriculo Curriculo

9 C URRICULO X APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA É contextualizado no mundo do trabalho É comprometido com a aprendizagem efetiva do aluno Aproveitam as diversidades dos alunos para incentivar a interação Parte sempre de conhecimentos que o aluno já possui, em cada serie ou ciclo. Permite avaliar o aluno com um todo Leva em conta as necessidades dos alunos em seus aspectos sociais – afetivos e cognitivos. Insere a avaliação processual e continua como parte do processo ensino aprendizagem Curriculo curriculo

10 Objetivo da Escola Promover a formação integral dos indivíduos FUNÇÃO SOCIAL DO ENSINO Para atingir esses objetivos ou finalidades a escola precisa definir que habilidades e competências (capacidades) pretende desenvolver em seus educandos. O papel dos objetivos educacionais COLL(1986) Classificação das capacidades do ser humano : Capacidades de Cognição ou Intelectuais Capacidades Motoras Capacidades de equilíbrio e autonomia pessoal (afetivas) Capacidades de relação interpessoal Capacidades de inserção Capacidades de atuação social.

11 F UNÇÃO SOCIAL DOS EDUCADORES Compreender seu papel de mediador e facilitador no processo de desenvolvimento e amadurecimento dos educandos. Identificar os fatores que incidem no crescimento dos alunos. Aceitar o papel que podemos ter nesse crescimento e avaliar se nossa intervenção é coerente com a idéia que temos da função social da escola e de nossa função social como educadores

12 O S C ONTEÚDOS DE A PRENDIZAGEM : I NSTRUMENTOS DAS INTENÇÕES EDUCATIVAS Intenções educativas: globais e gerais O que ensinamos? ( conteúdos = conhecimentos de cada disciplina, conceitos, princípios, enunciados teoremas) O que deve se aprender? Aprendizagem ampla esta ligada a conteúdos de variadas naturezas: dados, habilidades, técnicas, atitudes, conceitos. Para que ensinamos? Desenvolvimento das habilidades e competências : gerais e especificas para que todos adquiram autonomia para saber, (conhecer), no saber fazer ( aplicar) e no saber conviver e ser ( formação)

13 T IPOLOGIA DOS CONTEÚDOS ( COLL, IN Z ABALLA ) CONCEITUAIS FATOS, CONCEITOS, PRINCÍPIOS PROCEDIMENT AIS PROCEDIMENTOS TÉCNICAS MÉTODOS ATITUDINAI S VALORES ATITUDES NORMAS

14 PROCESSOS DE APRENDIZAGEM DOS CONTEÚDOS - DIVERSIDADE COMO OS ALUNOS APRENDEM? 1- AS APRENDIZAGENS DEPENDEM DAS CARACTERÍSTICAS SINGULARES DE CADA ALUNO. 2- APRENDEM CONFORME SUAS CAPACIDADES, MOTIVAÇÕES E INTERESSES 3 – A PARTIR DO QUE JÁ SABEM. 4 – QUANDO ESTÃO MOBILIZADOS E MOTIVADOS CONTEXTOS X PERCURSOS X INTER RELAÇÕES

15 A APRENDIZAGEM DOS CONTEÚDOS SEGUNDO SUA TIPOLOGIA FATOSPROCEDIMENT OS CONCEITOS ATITUDES • TELEFONE • DATAS COMEMORATI - VAS • NOMES Dirigir carro Cozinhar Jogar FUTEBOL Pintar um QUADRO Grafia das Letras Sistema alfabético Teoremas Divisão fotossintese Responsabili dade Hábito de leitura Solidariedade Respeito Prontidão MEMÓRIA Exercitar e repetir várias vezes FREQUÊNCIA Receber ajuda daquele que sabe CONSTRUÇÂ O PESSOAL Pensar, comparar,co mpreender, estabelecer relações COERÊNCIA Vivenciar situações que representem valores

16 C OMO ENSINAR CURRÍCULO SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM MATERIAL DO ALUNO E DO PROFESSOR ATIVIDADE S

17 C OMO ORGANIZAR OS CONTEÚDOS A organização dos conteúdos Há duas formas de se organizar os conteúdos: 1 - Tomando como ponto de partida e referencial básico as disciplinas ou matérias; neste caso os conteúdos podem ser classificados conforme sua natureza em: multidisciplinares, interdisciplinares, transdisciplinares. A multidisciplinaridade - é a organização de conteúdos mais tradicionais. Os conteúdos escolares são organizados por matérias independentes umas das outras. A interdisciplinaridade – é a interação entre duas ou mais disciplinas, que pode ir desde a simples comunicação de idéias até a integração recíproca dos conceitos fundamentais e da teoria do conhecimento, da metodologia e dos dados de pesquisa. A transdisciplinaridade - é o grau máximo de relação entre as disciplinas e supõe uma integração global dentro de um sistema totalizador. É a realidade sem parcelamento.

18 2 - M ÉTODOS GLOBALIZADOS Centra-se no aluno e suas necessidades educacionais, suas capacidades, interesses, motivações. O aluno se transforma no protagonista do ensino. É o conhecimento adquirido através de visões globais e com posterior aprofundamento através da análise. Inicialmente suscita o interesse do aluno e a partir daí, a interpretação da realidade. Esta concepção psicológica da percepção humana e da necessidade de despertar o interesse dos alunos, é o primeiro desencadeante dos métodos globalizados. Existem diversos métodos que podem ser considerados globalizados: os centos de interesse de Décroly, o sistema de complexos da escola soviética, o estudo do meio do MEC, o currículo experimental de Taba, o trabalho por tópicos, os projetos de trabalho. Todos partem de uma situação real: conhecer um tema, realizar um projeto, resolver certas questões ou elaborar um dossiê. A diferença fundamental entre eles está na intenção do trabalho a ser realizado e nas fases que devem ser seguidas.

19 ATIVIDADE X BOA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM TRABALHO SEM ADEQUAÇÃO NÃO PRECISA SER DESAFIADORA NÃO EXIGE REFLEXÃO: CÓPIA, SIGA O MODELO GARANTE CIRCULAÇÃO DE INFORMAÇÕES PREVÊ DESAFIOS E TOMADAS DE DECISÃO MANTÊM AS CARACTERÍSTICAS SÓCIO CULTURAIS DO OBJETO A SER APRENDIDO FAVORECE A REFLEXÃO SOBRE O CONTEÚDO A SER TRABALHADO ATIVIDADES BOA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM

20 P RINCÍPIOS DIDÁTICOS QUE DEFINEM UMA BOA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 – Os aprendizes precisam por em jogo tudo o sabem e pensam sobre o conteúdo em torno do qual o professor organizou a tarefa 2 – os aprendizes têm problemas a resolver e decisões a tomar em função do que se propõem a produzir;

21 M ODALIDADES ORGANIZATIVAS – COMO ENSINAR Mantendo a Articulação /integração entre as áreas de conhecimento - ensino interdisciplinar Contextualizando Organização do Tempo Pedagógico que garanta o aprendizado de todos no tempo real.

22 M ODALIDADES ORGANIZATIVAS ATIVIDADES PERMANENTES ATIVIDADES INDEPENDENTES ( SISTEMATIZAÇÃO) PROJETOS SEQÜÊNCIA S DIDÁTICAS

23 A TIVIDADES PERMANENTES Situações didáticas propostas com regularidade, com o objetivo de construir atitudes, criar hábitos, etc... Ex:  Você sabia?  Noticia da hora.  Nossa semana foi assim.  No mundo da arte  Roda literária  Cantando e encantando  Comunidade muito Prazer

24 S ITUAÇÕES INDEPENDENTES SISTEMATIZAÇÃO Têm como objetivo principal a sistematização de conhecimentos EX: Pontuação Escala cartográfica Algoritmo acentuação

25 PROJETOS Prevê um produto final e planejamento com tempo definido e objetivos claros.  Periodicidade: depende das necessidades, dos objetivos e do alcance das metas previstas;  Contextualizam as atividades: ler, escrever, estudar, pesquisar...  Permitem o trabalho com diferentes linguagens  Finalidade = compartilhada por todos os envolvidos, que se expressa em um produto fina l.

26 S EQÜENCIAS DIDÁTICAS São ações didáticas articuladas, que possuem uma seqüência de realização, cujo critério principal são os níveis de dificuldade. Funcionam de forma parecida com os projetos e podem integrá- los, desenvolvem habilidades e competências mas não fornecem, necessariamente, um produto final predeterminado

27

28 Levantamento de Conheci- mentos prévios Sobre o problema Exige negociação de significados E TAPA S

29 ETAPA apresentar problemaanalisar contextualizar discutir Propor soluções

30 E TAPA SistematizaçãoNovo conhecimento

31 S EQÜÊNCIA DIDÁTICA É UMA SEQÜÊNCIA DE ATIVIDADES LEITURA S AULAS PRÁTICA S TRABALH O EM GRUPO AULAS EXPOSI - TIVAS AULAS PRÁTICA S ANÁLISE DE TEXTOS PARA PROMOVER ENSINO E APRENDIZAGEM

32 Deve promover Conflito cognitivo Meta – cognição Aprendizagem significativa compreensão Atitude favorável motivação Seqüência didática

33 SEQÜÊNCIA DIDÁTICA DEVE APRESENTAR INTERDISCIPLIN A RIDADE PODE UTILIZAR MAPAS CONCEITUAIS ANTONI ZABALA - A PRATICA EDUCATIVA – COMO ENSINAR – PAG 53 A 86 – AS SEQUENCIAS DIDATICAS E AS SEQUENCIAS DE CONTEÚDOS


Carregar ppt "A LÓGICA E AS CONCEPÇÕES QUE NORTEIAM O CURRÍCULO OFICIAL DA REDE ESTADUAL DE SÃO PAULO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google