A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

As Leis Morais Lei Divina ou Natural •Lei de Adoração (649 a 673) •Lei do Trabalho (674 a 685) •Lei de Reprodução (686 a 701) •Lei da Conservação (702.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "As Leis Morais Lei Divina ou Natural •Lei de Adoração (649 a 673) •Lei do Trabalho (674 a 685) •Lei de Reprodução (686 a 701) •Lei da Conservação (702."— Transcrição da apresentação:

1 As Leis Morais Lei Divina ou Natural •Lei de Adoração (649 a 673) •Lei do Trabalho (674 a 685) •Lei de Reprodução (686 a 701) •Lei da Conservação (702 a 727) •Lei da Destruição (728 a 765) •Lei da Sociedade (766 a 775) •Lei do Progresso (776 a 802) •Lei da Igualdade (803 a 824) •Lei da Liberdade (825 a 872) •Lei da Justiça, Amor e Caridade (873 a 892)

2 Igualdade Natural 803. Todos são iguais perante Deus? — Sim, todos tendem para o mesmo fim e Deus fez as suas Leis para todos. Todos são submetidos às mesmas Leis Naturais, nascem com a mesma fragilidade, sujeitos às mesmas dores e o corpo do rico se destrói como o do pobre. Deus não concedeu superioridade a nenhum homem, nem pelo nascimento, nem pela morte: todos são iguais diante Dele. “O sol brilha para todos”

3 Desigualdade de Aptidões Aptidões: Habilidade ou capacidade resultante de conhecimentos adquiridos Dic. Aurélio 804. Por que Deus não deu as mesmas aptidões a todos? — Deus criou todos os Espíritos iguais, mas cada um deles viveu mais ou menos tempo, e por conseguinte realizou mais ou menos aquisições; a diferença está no grau de experiência e na vontade, que é o livre-arbítrio: daí decorre que alguns se aperfeiçoem mais rapidamente, o que lhes dá aptidões diversas.

4 Diversidade de Aptidões • O Espírito ao unir-se ao corpo conserva os atributos da sua natureza espiritual, trazendo faculdades que lhe são próprias. • O corpo físico é o instrumento de manifestação da alma. • Essa manifestação está subordinada ao desenvolvimento e ao grau de perfeição dos órgãos físicos. • As qualidades do Espírito constituem um princípio da diversidade de aptidões, mas é necessário ter em conta a influência da matéria, que pode dificultar o exercício dessas faculdades. • Um Espírito elevado necessita de um corpo perfeito para sua plena desenvoltura. Por outro lado, um corpo perfeito jamais fará de um Espírito inferior um gênio. LE, 367 a 370a

5 Igual e Desigual Somos todos iguais Somos todos desiguais

6 Alteridade • Respeito a diversidade, pelo que é diferente. • Colocar-se no lugar do outro, com consideração, valorização e diálogo. • A diversidade é tão indispensável à harmonia quanto as variadas finalidades dos órgãos o são para o equilíbrio do nosso organismo. • Não nos cabe o preconceito e a intolerância, pois somos pó. Gn 2, 7 • Ante a diversidade, buscamos a solidão, pois queremos os iguais, queremos espelhos, queremos conforto. As leis morais – Rodolfo Calligaris

7 Zonas de Conforto • Durante a vida as pessoas costumam refugiar-se numa certa rotina determinando um modo de vida, no âmbito familiar, social e profissional. • Série de comportamentos com os quais estamos acostumados que não nos trazem ansiedades, contrariedades ou riscos. • A vida é essencialmente dinâmica, é preciso adaptar-se continuamente a mudanças. • Mudanças são desconfortáveis, trazem insegurança e ansiedade, mas são necessárias. • Sair da concha é uma providência necessária ao nosso aprendizado, à nossa evolução.

8 Harmonia nas diferenças • Há muitos que se alimentam da raiva, do rancor, da impaciência com as idéias dos outros. • Temem no fundo pela sua própria verdade; que seu pensar seja rejeitado ou que suas verdades sejam questionadas. • Orgulho ferido! O orgulho mata. Mata a convivência, a temperança, mata até o amor porque é irmão gêmeo da indiferença, do ódio. • É preciso respeitar os espaços e as opiniões alheias. É assim que Deus procede no Universo, respeita as diferenças, nosso livre-arbítrio. • Façamos como Jesus que respeitou a diferença dos judeus e de outros povos, superando as intolerâncias, as incompreensões que teimam em reinar em nossos relacionamentos. • Quando fizermos isso, estaremos nos tratando como irmãos e viveremos em paz. Novas Utopias (D. Hélder Câmara - Reflexões de um padre depois da Morte)

9 Desigualdades Sociais 806. A desigualdade das condições sociais é uma Lei natural? — Não; é obra do homem e não de Deus... Desaparecerá juntamente com a predominância do orgulho e do egoísmo, restando então somente a desigualdade do mérito. • Desigualdade social ocorre quando a distribuição de renda é feita de forma que a maior parte fica nas mãos de poucos. PoucosMuito PoucoMuitos

10 Desigualdades Sociais 807. Que pensar dos que abusam da superioridade social para oprimir o fraco em seu proveito? — Infelizes deles! Serão oprimidos por sua vez e renascerão numa existência em que sofrerão tudo o que fizeram sofrer.

11 Desigualdade das Riquezas 811. A igualdade absoluta das riquezas é possível e já existiu alguma vez? — Não, não é possível. A diversidade das faculdades e dos caracteres se opõe a isso. (...) Combatei o egoísmo, pois essa é a vossa chaga social, e não correi atrás de quimeras.

12 Provas da Riqueza e da Miséria 815. Qual das provas é mais difícil: miséria ou riqueza? — As duas! A miséria provoca a murmuração contra a Providência, a riqueza leva a todos os excessos. • Deus experimenta o pobre pela sua resignação e o rico pelo uso que faz de seus bens e do seu poder. • A riqueza e o poder nos prendem à matéria. “Em verdade vos digo, é mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus” Mt, 19,16; Mc 10,17; Lc 18,18

13 A Vida • A vida é dádiva do Criador, mas a condição de vida é obra da criatura. • O homem é responsável pela existência de pessoas que morrem de fome, de crianças condenadas por subnutrição. • Semelhantes limitações não devem ser debitadas aos desígnios divinos, mas à omissão duma sociedade regida pelo egoísmo. • Jesus não foi um visionário empolgado por sonhos irrealizáveis. Deixou claro que o Reino de Deus não se estabelece por decreto, mas pela adesão da criatura humana aos princípios de solidariedade e fraternidade. A constituição divina – Richard Simonetti

14 Igualdade dos Direitos do Homem e da Mulher • Deus deu a ambos a inteligência do bem e do mal e a faculdade de progredir. • A mulher é mais fraca fisicamente para lhe assinalar funções particulares. • Deus deu a força a uns para proteger o mais fraco e não para o escravizar. LE, 817 a 822a “E da costela que tinha tomado do homem, o Senhor Deus fez a mulher e levou-a para junto do homem”. Gênesis, 2, 22

15 Estágios A mulher construía a cabana, lenhava, cozinhava, fazia as vestes, cuidava dos filhos, transportava toda bagagem nas mudanças, se não fosse capaz era abandonada pelo caminho. Nômades Sedentário Agricultura, cestos, esteiras, tecelagem, cerâmica. Propriedade Castidade antes do casamento e fidelidade depois, para que a herança só fosse transmitida a filhos legítimos. Adultério passa de pecado venial para mortal.

16 Reflexos Culturais Ocidental Podia ser repudiada; devolvida; dada em pagamento de dívidas sem conhecer o objetivo da transação; repudiada caso não concebesse filhos homens; esposa principal e concubinas era sinal de prosperidade. Oriente Adultério pago com a morte; não tinha o direito de sobreviver ao marido devendo suicidar-se ou ser morta; proibição de mostrar o rosto, os cabelos. Judeus Podia ser comprada; o profeta Oséias pagou 15 peças de prata e cevada (Os 3, 2); Jacob pagou Lia e depois Raquel com 14 anos de trabalho. (Gn, 29, 18-30) Rússia Roma Por ocasião do casamento o pai aplicava algumas chicotadas (de leve) e depois entregava o chicote ao marido. Crianças do sexo feminino eram abandonadas em pântanos onde eram devoradas por aves de rapina, cães ou feras. As que se salvavam eram apanhadas por mercadores de escravos.

17 Igualdade dos Direitos do Homem e da Mulher 821. As funções da mulher têm tanta importância como as dos homens? — Sim, e até maior; é ela quem dá ao homem as primeiras noções da vida. Os sexos só existem na organização física.

18 A Mulher Não podemos esquecer que, um dia, buscando alguém no mundo para exercer a necessária tutela sobre a vida preciosa do embaixador divino, o supremo poder do Universo não hesitou em recorrer à abnegada mulher, escondida num lar apagado e simples... Humilde, ocultava a experiência dos sábios; frágil como o lírio, trazia consigo a resistência do diamante; pobre entre os pobres, carreava na própria virtude os tesouros incorruptíveis do coração, e, desvalida entre os homens, era grande e prestigiosa perante Deus. Eis o motivo pelo qual, sempre que o raciocínio nos induza a ponderar quanto à glória do Cristo, nós nos inclinaremos, reconhecidos e reverentes, ante a luz da estrela de Nazaré. Emmanuel - Religião dos Espíritos

19 Igualdade Perante o Túmulo • A tumba é o lugar de encontro de todos os homens. • Nela se findam todas as diferenças humanas. • A lembrança das boas ou más ações será menos perecível que o túmulo. Julius II João Paulo, II LE, 823 a 824

20 Passaporte “Aprende a bem viver e bem saberás morrer”. Confúcio – 551 a 479 a.C. • Somos Espíritos eternos! Já existíamos antes do berço e continuaremos a existir após o túmulo! É preciso viver em função dessa realidade, superando mesquinhas ilusões, a fim de buscarmos os valores inalienáveis da virtude e do conhecimento, nosso passaporte para as gloriosas moradas do infinito! Quem tem medo da morte – Richard Simonetti

21 Muito Obrigado


Carregar ppt "As Leis Morais Lei Divina ou Natural •Lei de Adoração (649 a 673) •Lei do Trabalho (674 a 685) •Lei de Reprodução (686 a 701) •Lei da Conservação (702."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google