A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MBA – CASTELO ECONOMIA APLICADA A moeda e o sistema financeiro.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MBA – CASTELO ECONOMIA APLICADA A moeda e o sistema financeiro."— Transcrição da apresentação:

1 MBA – CASTELO ECONOMIA APLICADA A moeda e o sistema financeiro

2 O BANCO CENTRAL E A OFERTA DE MOEDA • Bacen – órgão central de governo responsável pela emissão monetária; • Faz isso com o objetivo de financiar o déficit público; ou, • Pode fazê-lo com a finalidade de estabilizar a economia, mediante o compromisso de cumpri as metas de inflação; • Por isso, é considerado um banco central independente; • O Banco Central do Brasil (Bacen), recentemente se comprometeu com um programa de metas de inflação, e não tem financiado o déficit orçamentário do governo.

3 O REGIME DE METAS DE INFLAÇÃO • Muitos países explicitam que a missão de manter a inflação sob controle é de responsabilidade de seus bancos centrais; • Nos países que adotam o chamado regime de metas (caso do Brasil desde 1999), o banco central para manter os índices de inflação controlada (dentro de intervalos de tolerância), utiliza a administração da taxa de juros básica (a Selic, para o Brasil); • Com o objetivo de cumprir sua missão o banco central vem monitorando o ciclo econômico (comportamento do PIB – desvios “os gaps ”); • Existe uma relação entre inflação e taxa de juros.

4 A MOEDA BANCÁRIA • A moeda nasceu do aumento do intercâmbio de mercadorias; • O dinheiro é o meio de pagamento e de recebimento, intermediário de (quase) todas as trocas na economia, por todos aceito e desejado; • Para um objeto tornar-se moeda, basta ser aceito generalizadamente pela população, que o adota através de uma grande convenção social implícita; • Exemplos atuais utilizados no Brasil: o vale- transporte, o vale-refeição e os depósitos bancários sujeitos a cheque; • São estas as diversas formas monetárias aceitas por boa parte da população, além do próprio dinheiro emitido pelo governo.

5 A MOEDA BANCÁRIA - O BALANÇO DE UM BANCO • A composição do balanço patrimonial de qualquer empresa tem duas listas: a do ativo e a do passivo; • O ativo (haveres e direitos) são: a sede e os empréstimos concedidos; • O passivo (deveres e obrigações) são: depósitos feitos pelos clientes e pelo capital do próprio banco; • Os bancos e os intermediários financeiros em geral captam recursos a uma determinada taxa de juros(taxa de captação), e emprestam (ou aplicam em títulos) a uma taxa de aplicação mais elevada; • Nestas operações, os bancos embutem um spread – a diferença entre a taxa de aplicação e a taxa de captação.

6 O MULTIPLICADOR DA BASE MONETÁRIA • Os bancos multiplicam o total de moeda na economia, multiplicam a base monetária. Exemplo; • Base monetária – algumas definições importantes: • Depósitos compulsórios – percentual sobre os depósitos à vista, a prazo e de poupança que os bancos repassam obrigatoriamente para o banco central a juros baixos ou nulos; • Base monetária – compreende o total de papel-moeda emitido em poder do público e as reservas bancárias; • M1 – compreende o papel-moeda em poder do público, ou seja, o dinheiro (cédulas e moedas) efetivamente detido pelos indivíduos e pelas empresas não financeiras; • M2 – compreende além do M1, os depósitos de poupança e os títulos privados (depósitos a prazo, letras de câmbio, letras hipotecárias e letras imobiliárias); • O governo frequentemente faz uso de medidas monetárias ainda mais amplas para controlar os rumos da economia. É o caso de definições de maior escopo – M3 e M4 (títulos federais, estaduais e municipais).

7 INFLAÇÃO E ÍNDICES DE PREÇOS • Inflação e variação de preços relativos: • Na economia de qualquer país é “normal” a ocorrência de oscilações de preços em resposta aos movimentos, nem sempre simétricos, entre a oferta e a demanda; • Inflação significa um aumento geral dos preços, que pode ser contínuo, ou ocorrer durante um certo tempo apenas; é uma alta generalizada de preços dos bens e serviços durante um certo período (que pode ser bem longo); • Quando ocorrem quedas persistentes e generalizadas dos preços, configura-se a deflação.

8 CONSEQUÊNCIAS DA INFLAÇÃO • Para a sociedade a consequência do movimento inflacionário é perversa; • A moeda ao perder seu poder de compra, eleva os custos nominais dos produtos, e como todos os preços e salários não são reajustados na mesma proporção, a inflação acaba impondo custos elevados e desiguais para os mais diversos segmentos da economia; • A inflação deteriora o salário nominal no mercado de trabalho; • A inflação dificulta o cálculo dos custos empresariais e suas projeções de preços futuros; portanto, ao aumentar a incerteza, a inflação reduz o investimento e o crescimento da economia.

9 POLÍTICAS CONTRA A INFLAÇÃO • As políticas antiinflacionárias sugere duas possibilidades: • Políticas ortodoxas- atuam no componente do gap (são as políticas empregadas ou sugeridas pelo FMI), ou seja, promovem uma recessão para combater a inflação; • O Plano Collor se enquadra como política ortodoxa de combate a inflação, pois cortou violentamente a demanda agregada. A economia brasileira mergulhou em recessão. • Políticas heterodoxas – atuam no componente referencial da inflação, procurando eliminar a memória inflacionária, ou seja, exigem normalmente mudanças institucionais extensas e profundas. • O Plano Cruzado e o Plano Real são exemplos de políticas heterodoxas de combate à inflação ;

10 A INFLUÊNCIA CAMBIAL NA INFLAÇÃO • Alguns preços têm seu preço formado no mercado doméstico, são os produtos domésticos que não são comercializados internacionalmente; • Bens internacionais – aqueles cujos preços se formam em mercados fora do Brasil. Exemplo: soja e petróleo; • A influência da taxa de câmbio no Brasil é pequena, permitindo ao país adotar um regime de câmbio flutuante sem desestabilizar substancialmente a inflação; • A história da inflação no país; • Planos de estabilização no Brasil;

11 P RINCIPAIS ÍNDICES DE PREÇOS • A alta do nível de preços é medida por meio de inúmeros índices, obtidos a partir do comportamento dos preços coletados em certos intervalos constantes de tempo (final do mês, nos primeiros 10 dias do mês ou, ainda, relativos à primeira quinzena de cada mês); • No Brasil são elaborados e publicados por vários instituições e servem para objetivos específicos; têm abrangência setorial, regional e nacional. • Os principais índices são:  INPC, IPCA, IPC, IGP-M, IGP-10 e IGP-DI, IPA e INCC.

12 PRINCIPAIS ÍNDICES DE PREÇOS • INPC (restrito) – índice nacional de preços ao consumidor, elaborado pela Fibge, abrange uma cesta de bens e serviços consumidos por famílias com renda de um a oito salários mínimos em 11 regiões metropolitanas (Rio, POA, BH, Recife, SP, BSB, Belém, Fortaleza, Salvador, Curitiba e Goiânia); • IPCA (amplo) – elaborado pela Fibge, o índice de preços ao consumidor amplo abrange uma cesta de bens e serviços consumidos por famílias com renda de um a 40 salários mínimos em 11 regiões metropolitanas (Rio, POA, BH, Recife, SP, BSB, Belém, Fortaleza, Salvador, Curitiba e Goiânia); • IPC – elaborado pela Fipe/USP, o índice de preços ao consumidor abrange famílias com rendas entre um e 40 salários mínimos, residentes na Região Metropolitana de São Paulo, e tem periodicidade semanal; • IGP-M – elaborado pela FGV, o índice geral de preços do mercado tem a seguinte composição:  Índice de preços no atacado (IPA) = 60%;  Índice de preços ao consumidor – Brasil (IPC-BR) = 30%;  Índice nacional da construção civil (INCC) = 10%. • Este índice é publicado segundo dois conceitos: 1. Oferta global – produção interna, ou seja, PIB + importações; 2. Disponibilidade interna – oferta global, ou seja, PIB + importações – exportações = consumo agregado + investimento bruto + gastos públicos.

13 P RINCIPAIS ÍNDICES DE PREÇOS • IGP-10 e IGP-DI – elaborado pela GFV, esses índices gerais de preços têm metodologia idêntica à do IGP-M. compreende o período entre o dia 11 do mês anterior ao de referência e o dia 10 do mês de referência. Já o IGP-DI,(índice geral de preços – disponibilidade interna) refere-se à coleta de preços do mês pleno; • IPA – elaborado pela FGV, o índice de preços no atacado é mensal, contemplando 477 produtos industriais e agropecuários, matérias-primas agrícolas e industriais, intermediários (semielaborados) e produtos finais. Abrange 23 regiões metropolitanas; • INCC – elaborado pela FGV, o índice nacional da construção civil é mensal e contempla 701 itens, dos quais 640 são relativos a materiais e serviços correlatos e 61 à mão de obra. Abrange 23 regiões metropolitanas;

14 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO (REVISÃO) 1. Quais os conceitos de inflação e variações de preços relativos? 2. O que são índices de preços e qual a importância de conhecê-los? 3. Por que o combate ortodoxo à inflação vem acompanhado de recessão? Boa sorte!


Carregar ppt "MBA – CASTELO ECONOMIA APLICADA A moeda e o sistema financeiro."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google