A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

 Neste trabalho, foi-nos proposto abordar o tema da Emigração. O nosso grupo irá demonstrar neste PowerPoint, a evolução da emigração Portuguesa, mais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: " Neste trabalho, foi-nos proposto abordar o tema da Emigração. O nosso grupo irá demonstrar neste PowerPoint, a evolução da emigração Portuguesa, mais."— Transcrição da apresentação:

1

2  Neste trabalho, foi-nos proposto abordar o tema da Emigração. O nosso grupo irá demonstrar neste PowerPoint, a evolução da emigração Portuguesa, mais especificamente a da Região Autónoma da Madeira. Muitos emigrantes Madeirenses encontraram, noutros países melhores condições de vida e de trabalho. A guerra foi uma das muitas razões, que fez com que os madeirenses fugissem para outros países. Um dos destino, foi a África do Sul.

3  A emigração é o acto de dar e receber como dar emigrantes para um local e receber de outros para se estabelecer numa outra região ou nação. Trata-se do mesmo fenómeno da imigração mas visto da perspectiva do lugar de origem.  A imigração é o movimento de entrada, com ânimo permanente ou temporário e com a intenção de trabalho e/ou residência, de pessoas ou populações, de um país para outro.

4 Até sensivelmente 1960 foi caracterizada por ser de carácter definitivo e intercontinental. Até ao inicio da década de 60, os destinos se concentravam no continente americano, nomeadamente no Brasil, que absorveu cerca de 70% dos emigrantes portugueses Seguiram-se os EUA e a Argentina como destinos preferenciais.

5 Entre 1960 e 1973 atinge os máximos em termos da corrente emigratória portuguesa, a qual passou a ser, na quase globalidade, intracontinental, isto e, os portugueses passaram a preferir os destinos geograficamente mais próximos, os países industrializados da Europa Ocidental. Os principais países de destino foram, neste período, a França (para onde emigraram cerca de um milhão de portugueses), a ex-República Federal da Alemanha, o Luxemburgo, o Reino Unido, a Suíça e a Holanda.

6 Neste período, as principais motivações que provocaram o desencadeamento do maior e mais importante fluxo emigratório português foram:  A carência de recursos.  A falta de emprego e de um bom nível de vida.  Os baixos salários.  A falta de estruturas de apoio às famílias e às actividades socioculturais.  O regime politico e a guerra colonial.

7  Diminuição da população activa, que levou, nas áreas rurais, ao abandono dos campos e ao esforço de mecanização dos campos agrícolas;  Aumento da taxa de analfabetismo (que era inferior na população que emigrou, cerca de 17%, contra 30% na população do país);  Diminuição do desemprego, que provocou uma subida dos salários e o investimento em nova tecnologia na indústria, sobretudo a de capital estrangeiro;  Envelhecimento demográfico;  Entrada de divisas estrangeiras.

8  Económicas - provavelmente deverá ser a causa fundamental que leva as pessoas a migrarem  Naturais - este motivo de migrações leva a que sejam migrações forçadas, devido as cheias, terramotos, secas, vulcões.  Laborais - São todas as deslocações que se efectuam por motivos profissionais. Podem também ser sazonais e dum modo geral, são temporárias.  Políticas - São dum modo geral migrações externas, que devido a mudanças nos governos de países, alguns habitantes se vêem forçados a saírem desse país.  Étnicas - esta palavra, muitas vezes confundida com racismo, tem mais a ver com diferenças entre culturas e povos, podendo ou não ser da mesma raça. Nos países receptores:  O fim da II Guerra Mundial proporcionou uma grande prosperidade económica aos países da Europa Ocidental.  Mão de obra barata para a indústria, construção civil e serviços pouco qualificados.

9 Entre 1969 e 1971, a emigração legal atingiu valores muito inferiores aos da emigração clandestina ou ilegal. Houve muitos factores foram responsáveis tais como:  Morosidade na organização dos processos.  Restrições impostas pelos países receptores.  Degradação acelerada das condições de vida dos portugueses.  Guerra colonial.  Intensificação das perseguições políticas.

10  Crise económica devido ao choque petrolífero de  25 de Abril – Melhoria da situação económica Portuguesa.  Democratização da sociedade.  Entrada de Portugal na CEE (actual U.E)  Melhoria do nível e qualidade da população

11  Jovens, entre os 15 e os 39 anos.  Baixa instrução, muitas vezes apenas com o ensino básico.  Vão trabalhar para a agricultura, construção civil, industria hoteleira, e serviços.  Temporariamente, mão de obra qualificada. A emigração portuguesa, apesar de todos os entraves continuou até aos nossos dias, embora numa dimensão mais modesta, assumindo agora um carácter temporário, e cada vez mais ligada a investimentos económicos, realização de estudos, actividades profissionais,

12 De acordo com o relatório da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), os portugueses continuam a emigrar para a Suíça, Andorra, Luxemburgo e França. Novos fluxos migratórios são registados para Espanha e Reino Unido. A OCDE explica que existem fundamentalmente dois tipos de emigrantes portugueses. Os que vão à procura de trabalho mais duradouro e partem para a Suíça e Reino Unido, e aqueles que são recrutados por agências de trabalho temporário para Espanha, França e Holanda. O estudo revelado pelo Diário de Notícias indica que o maior número de portugueses fora do país está nos EUA (1,3 milhões), França (800 mil) e Brasil (700 mil).

13 A Emigração madeirense para a África do Sul começou nos anos 40, durante a Segunda Guerra Mundial. Muitos Madeirenses embarcavam nos barcos ingleses que aportavam no Funchal, saíam na Cidade do Cabo e vinham de comboio para o Transvaal, a província onde ficavam Joanesburgo, a capital económica, e Pretória, a capital política. A África do Sul é o país mais meridional de África, ocupando a maior parte da extremidade sul do continente, desde o Oceano Atlântico, a oeste, e o Oceano Índico, a leste. A maior cidade é Joanesburgo.

14 A Madeira viveu tempos conturbados com a ditadura, e os madeirenses sofreram na pele os efeitos desse regime. Muitas famílias viviam na pobreza, pois a maior parte do capital foi investido na Guerra das Colónias. Perante este cenário de miséria a agravar-se cada vez mais, a solução que os madeirenses encontraram foi a emigração, em busca de melhores condições de vida. As décadas de 60 e 70, foram o período que registou o maior crescimento da emigração na Ilha sendo a Venezuela, o Brasil, o Canadá, a Austrália e a África do Sul os principais destinos. Muitos emigraram ilegalmente, para escapar ao recrutamento militar para combater na guerra do ultramar (Angola e Moçambique), e também porque não conseguiam suportar os elevados custos do processo de saída pelos meios legais.

15  Podemos concluir que a emigração foi indispensável para muita população madeirense e ainda hoje é, mas hoje em dia, a África do Sul já não é um destino muito aliciante para os madeirenses. Agora os Portugueses procuram, países que lhes garanta trabalhos com bons salários, investimentos económicos, realização de estudos, actividades profissionais, e boas condições de trabalho, como Espanha e Reino Unido.

16      Trabalho elaborado por: Cesaltina Jesus Hélio Henriques Susete JesusData:


Carregar ppt " Neste trabalho, foi-nos proposto abordar o tema da Emigração. O nosso grupo irá demonstrar neste PowerPoint, a evolução da emigração Portuguesa, mais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google