A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

USO DE LEITE HUMANO PASTEURIZADO NA ALIMENTAÇÃO DO PREMATURO

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "USO DE LEITE HUMANO PASTEURIZADO NA ALIMENTAÇÃO DO PREMATURO"— Transcrição da apresentação:

1 USO DE LEITE HUMANO PASTEURIZADO NA ALIMENTAÇÃO DO PREMATURO
                                                                                                                 Maria José Guardia Mattar BLH-HMLMB /SES-SP

2 Breastfeeding and the use of Human milk.
American Academy of Pediatrics Work group on Breastfeeding. Pediatrics 100: , 1997 Recomendações sobre a prática do aleitamento materno: 1) O leite humano é a dieta preferencial para todas as crianças, inclusive prematuros e recém-nascidos doentes, com raras exceções ...

3 Benefícios do leite humano para o pré-termo
Defesa Redução de infecção Gastrintestinal Desenvolvimento intestinal Tolerância alimentar Nutrição Perfil lipídico Perfil de aminoácidos Antioxidantes Desenvolvimento neurológico Prognóstico relacionado à duração do uso de leite humano Schanler RJ, Ped Clin North Am, 48:207, 2001

4 Desenvolvimento intra-útero
Nutrição do RNPT Desenvolvimento intra-útero Formação TGI – semanas Aspecto morfológico / imaturidade enzimática

5 Nutrição do RNPT Aspecto nutricional – Terapêutico
Funções - Respiratória - Imunológica - Metabólica - Hemodinâmica

6 TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL

7 PRINCIPAIS DIFICULDADES NUTRICIONAIS RNPT
Imaturidade dos reflexos sucção / deglutição necessidades calóricas capacidade gástrica reflexo da tosse aspiração Imaturidade esfincter esofágico RGE secreção enzimática absorção de nutrientes NP bloqueio da resposta hormonal intestinal Fletcher, 1994

8 MOMENTO IDEAL PARA INÍCIO DA NUTRIÇÃO ENTERAL EM UTI
RNPT > 1500g e RNT: após estabilização RNPT MBP ? Estudos experimentais: involução das vilosidades intestinais com 3 dias de jejum Deglutição de líquido amniótico Fletcher, 1994 ; Lucas, 1987

9 ALIMENTAÇÃO ENTERAL MÍNIMA
Utilização precoce, em RNMBP, de pequenos volumes de alimentos enterais, juntamente com nutrientes fornecidos pela NPP Alimentação sem função nutritiva Função trófica do enterócito Pequenos volumes: suficientes para prevenir atrofia intestinal insuficientes para  risco ECN Ziegler, 1999

10 Imaturidade neurológica X Terapia nutricional enteral
Sucção ( 23s) /deglutição – coordenação (±34s) motilidade intestinal : - esôfago - ondas peristálticas fracas - antiperistalse esvaziamento gástrico mais demorado < capacidade gástrica freqüência, amplitude, duração -  IG Berseth et al, 1992, 1993

11 QUANDO INICIAR A ALIMENTAÇÃO ENTERAL MÍNIMA(TRÓFICA)
desde 24 horas até 7- 8 dias vida não existem dados sobre a melhor ocasião para início maioria: início quando RNMBP estável, mas ainda não é possível utilizar alimentação nutritiva RNMBP com pletora e/ou asfixia perinatal grave: início no mínimo após 72 horas utilizada para início alimentação ou para a realimentação de RNMBP, em especial RNMMBP criticamente doentes La Gamma;Browne, 1994 / Newell, 2000

12 COMO INICIAR A ALIMENTAÇÃO ENTERAL MÍNIMA
volume variável: 1 a 24 ml/kg/dia (média: 4 a 15 ml/kg/dia) duração AEM: depende estabilidade / tolerância RN SOG: adm.intermitente ou contínua / infusão lenta (BIC) RN < 34 sem., depressão SNC, insuf. respiratória Intermitente: + próxima padrão fisiológico digestão estimula contração vesícula biliar /  colestase melhor aproveitamento gordura do L.H. ( x contínua) medir resíduo antes administração completar decúbito elevado: ventral / lateral E após mamadas PROGRESSÃO : < 20 ml/kg /dia Berseth, 1992 e 1995 / La Gamma ; Browne, 1994 / Ziegler, 1999

13 QUANDO INICIAR A ALIMENTAÇÃO ENTERAL MÍNIMA
Critérios de “prontidão” intestinal 1) ausência distensão abdominal 2) ausência sinais peritonite 3) ausência fluxo retrógrado: sem drenagem biliosa por SOG, sem vômitos (nl: 5-8 ml/kg/dia) 4) evidência atividade peristáltica: RHA / fezes (RN < 1000g : > 70%  fezes após 1 sem !) 5) ausência sinais obstrução / ausência massas abdominais 6) estabilidade respiratória / cardiovascular / hematológica / neurológica durante V.M. (1-2 alt.ventilador/dia) La Gamma ; Browne, 1994

14 NUTRIÇÃO ENTERAL MÍNIMA
Leite a ser utilizado LM O fresco da própria mãe Leite pasteurizado de BLH Observar distensão abdominal,vômitos,evacuações Medir e descontar resíduos Resíduos crescentes Íleo Obstrução ECN

15 ADEQUAÇÕES NUTRICIONAIS DO LEITE MATERNO ÀS NECESSIDADES DO RNPT
MELHOR QUALIDADE PROTÉICA prot. soro / caseína: 90: :40 < fenilalanina / metionina / tirosina > cistina / taurina / glutamina/ arginina CARBOIDRATOS lactose fezes amolec./ > flora bífida (abs >90%) > abs. minerais oligossacarídeos  fator bífido / fat. de defesa COMPOSIÇÃO LIPÍDICA melhores digestão organização do glóbulo e absorção padrão AG (16-18C) / distrib. AG lipase estim. SB (termolábil) AG cadeia muito longa (20:4 6 / 22:6 3) / carnitina

16 ADEQUAÇÕES NUTRICIONAIS DO L.M. ÀS NECESSIDADES
DO RNPT COMPOSIÇÃO DO LMPT RESULTADOS UNÂNIMES > proteínas / > energia e lípides > fatores de defesa (s Ig A ) > sódio / > cloro primeiras sem. lactação RESULTADOS NÃO UNÂNIMES > % AG cadeias média / intermed. (10-14C) > AG poliinsaturados / > fosfolípides e colesterol < lactose ( 15% < ) > vit.A (6º-37º dias) / > vit.D > vit. E em l. trans. e l. maduro ( 1o mês ) > zinco / > cálcio Gross et al., 1980 e 1981/ Anderson et al.,1981 / Barros;Carneiro-Sampaio, 1983/ Bitman et al,1983 / Lepage et al., 1984/ Costa, 1989/ Grumach, 1990 / Schanler,1998 / Schanler et al.,1999 / Atkinson,2000

17 ADEQUAÇÕES DO LEITE MATERNO AO RNPT
PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES IMEDIATAS sepse, infecção hospitalar (50% <) intolerância alimentar / fatores tróficos GI enterocolite necrosante (5 a 6x <) retinopatia da prematuridade ( 2,3 x <) reforço do vínculo mãe-filho desenvolvimento neurológico ( > QI RNPT) redução doenças atópicas / alérgicas /auto-imunes redução doenças do adulto /obesidade EVOLUÇÃO A LONGO PRAZO Mayer et al., 1988 / Koletzko et al., 1989/ Lucas;Cole, 1990 /Lucas et al., 1990, 1992 e 1996/ Hylander et al.,1995 e 1997/ Schanler et al., 1999)

18 SUPORTE PARA LACTAÇÃO EM MÃES DE RN EM UTI
INÍCIO DA ORDENHA deve ser o mais precoce possível VOLUME DE L.H  diretamente relacionado à freqüência do estímulo e ao grau de esvaziamento mamário EXPRESSÃO MANUAL < trauma mamilar, < contaminação BOMBA MECÂNICA (dupla saida ,nas primeiras 72h para aumentar o estimulo mamário ) Davies, 1945 / Macy,1949 / Hytten / Boutte et al., 1985/ Wennergren et al., 1985 / Schanler et al., 1999

19 TÉCNICA DA EXPRESSÃO MANUAL

20 ORDENHA MANUAL

21 ORDENHA MANUAL

22 ESTRATÉGIAS PARA AUMENTAR PRODUÇÃO LÁCTEA
Técnicas relaxamento antes da ordenha (massagem, técn. respirat.,música suave ) Assegurar a freqüência das sessões de ordenha Prosseguir ordenha por vários min.: após interrupção fluxo Massagens mamárias periódicas: durante sessões de ordenha

23 ESTRATÉGIAS PARA AUMENTAR PRODUÇÃO LÁCTEA
Considerar uso de preparações seguras à base de ervas para aumentar produção láctea Considerar uso de medicação que  prolactina ( metoclopramida, domperidona, sulpiride) Grupos de mães: para estímulo

24 LACTAÇÃO x SUPORTE PSICOLÓGICO
Assim que possível: contato mãe / RN pegar no colo Método Mãe Canguru estimula produção láctea  termorregulação , sat. O2 produção ac. no LM contra bactérias da unidade neonatal observação dos reflexos RN  sucção sonda / busca POSSIBILITAM INÍCIO TRANSIÇÃO PARA VO

25 Leite Materno Fresco Via SOG - nutrição trófica
- alimentação por gavagem OBS: Todo leite ordenhado em outras unidades ou no domicílio - Processamento e controle de qualidade antes da liberação para o consumo

26 Cuidados com o Leite Materno in Natura
Usar o Leite Materno fresco ou de ordenha imediata,SOB SUPERVISÃO (4 a 12hs no máximo) Células do sangue e 100% dos Fatores de proteção perdem atividade in vitro após 4 horas. Aliquotar de imediato, após a ordenha. Manter sobre refrigeração OBS: Todo leite ordenhado em outras unidades ou no domicílio deverá ser pasteurizado e submetido aos controles de qualidade , antes da liberação para o consumo, mesmo que seja de mãe para filho

27 Leite Humano Ordenhado
Mama Embalagem Processamento Receptor LHO manipulado em condições higiênico-sanitárias insatisfatórias pode ser contaminado secundariamente por microrganismo ambientais e comprometer a qualidade do Leite Cuidado na administração por SOG ou BOMBA DE INFUSÃO

28

29 EFEITOS DA PASTEURIZAÇÃO
(Goes, 1998 )

30 MATTAR,MJG;MARIANI NETO, C;KUZUHARA,JSW;GOMES,AMC-2001-O uso do Crematócrito em BLH para atender às necessidades do PT na Unidade Neonatal. TABELA 1 - CONTEÚDO DE GORDURA(g/dl) E TEOR CALORICO (kcal/l) NOS DIFERENTES TIPOS DE LEITE VALOR COLOSTRO L.TRANSIÇÃO L.MADURO G Cal G Cal G Cal 212,44 MINIMO 0,57 384,85 0,25 354,13 0,58 9,23 MÁXIMO 1229,21 7,08 1020,00 7,65 1075,56 MÉDIO 2,57 579,92 2,65 587,47 2,44 567,06 109,16 1,17 110,96 1,02 99,39 1,10 D.PADRÃO 2,57 579,91 2,76 597,94 2,39 562,37 MEDIANA VALOR p* , , , , , ,000 TOTAL AMOSTRA 1261 137 810 n= p<0, BLH-HMLMB, julho 2000-maio 2001 * Teste t-Student

31 QUADRO 1– Valores médios do Teor de Gorduras (g/dl) e Conteúdo Energético (kcal/L) nos diferentes tipos de leite em relação a Idade Gestacional. Kruskal Wallis* PT= 0, T=0, p<0, n = 2251 614 97 24 271 739 Total 556,86 +100,05 618,66 +128,77 587,89 +108,45 588,40 +84,32 548,48 +110,14 600,14 +110,58 dp Calorias (kcal/L) 2,34 +1,01 3,00 +1,22 2,65 +1,11 2,70 +0,86 2,25 +1,13 2,78 +1,14 Gorduras (g/dl) T PT I. Gestacional Maduro L. Transição Colostro Tipo Leite t- Student - G e Cal= 0,000 (Mattar e cols,2001)

32 GRÁFICO 1 – Conteúdo Energético (Kcal/l) em relação às fases do leite
n=2251amostras Fonte:BLH-HMLB/2001 500 kcal/l-L.Anterior >700 kcal/l-L.Posterior

33 GRÁFICO 2:VALORES DE ACIDEZ TITULÁVEL ( º
GRÁFICO 2:VALORES DE ACIDEZ TITULÁVEL ( º.D ) DO LEITE HUMANO ORDENHADO N=836 amostras (Mattar e cols,2001) Valores superiores à 8,0 ºD desqualificam o produto para consumo Priorizar leites com acidez < 6.0 ºD para PT

34 ANÁLISE DE REGRESSÃO LOGISTICA EM RELAÇÃO À ACIDEZ ( Mattar,Mariani-Neto;2002 )
Variável Categoria Or Ajustada IC p Idade Gestacional Pré-termo Termo Pós-termo 1,0 1,8 1,97 1,15 ;97 0,88; 4,38 0,O12 0,097 Tipo de Leite C T M 1,2 1,9 0,51; 2,83 1,17; 3,20 0,673 0,010 Local de Ordenha Residência BLH 1,48 0,94; 2,32 0,093 Tipo de Ordenha Manual mecânica 2,3 1,43;3,67 0,001 Pré-estocagem Refrigerado congelado 1,13 0,65; 1,95 0,660 Volume continua 1,002 1,001; 1,004 <0,001 Teste de Hosner-Lemeshow: p: 0,541 Fonte: BLH-HMLMB-2001

35 Proteínas Leite de mães de RNPT - 3,24g/dl
Leite de mães de RNT - 1,42g/dl Colostro - 2,29 g/dl Gross e cols.,1988 amostras de leite 1047 amostras com mais de 700 kcal /L 360 amostras com mais de 2g/dl de proteínas (34.3 %) (Técnica do Biureto ) Aprile; M.M. - H.M.U.S.B.C. , Feferbaum;R –ICRFMUSP , 2004

36 Equipe de Terapia de Suporte Nutricional
Prescrição Médica Equipe de Terapia de Suporte Nutricional Respeita as características físicas e clínicas do receptor Tipo de leite Forma de administração

37 ALIMENTAÇÃO DO RN PREMATURO
FORMA: Gavagem, Translactação e Sucção CUIDADOS: manuseio da SOG e Bomba de Infusão- para minimizar perdas calóricas . Uniformizar a amostra e bisel da seringa para cima. (Martinez, 1996 e 2001 ) ALIMENTO: Leite Matermo Ordenhado fresco ( LMOf ) Leite Materno Pasteurizado ( LMP) Leite Humano Homólogo (L H h) Leite Anterior ou Posterior (Materno ou Humano) Leite H.Hipercalórico ( > 700 kcal/ L ) Quanto menor o aporte energético maior a quantidade de imunobiólógicos

38 ALIMENTAÇÃO DO RN PREMATURO NUTRIÇÃO TRÓFICA ( ENTERAL MÍNIMA )
Leite da própria mãe PT fresco ou LMP(leite anterior) ou LHP de idade compatível, de baixo teor calórico (< 500kcal/L) Leite Anterior Rico em fatores de proteção Aumenta hormônios intestinais Fatores de crescimento epitelial Substâncias antioxidantes,quinonas Ideal:

39 ALIMENTAÇÃO DO RN PREMATURO NUTRIÇÃO ENTERAL PLENA
Depende das necessidades e das intercorrências clínicas do Recém-Nascido. Ideal: Leite da Própria Mãe do PT (Fresco ou LMP >700 kcal/L) ou - Leite Humano Pasteurizado homólogo para IG, hipercalórico (leite posterior>700 kcal/L)

40 Seleção do Leite Humano ou Materno a ser distribuido para o RN Prematuro
De acordo com prescrição médica Exclusivo de Mãe-Filho L.H.Homólogo IG Quanto ao Crematócrito: L.H. Hipocalórico (< 500 kcal/L) L.H. Hipercalórico (> 700 kcal/L) Quanto à Acidez Titulável: Valores adequados para o Prematuro -menores que 6,0º D, para o maior aproveitamento do Cálcio e Fósforo.

41 RN ou Lactente Estável Leite Mãe- Filho Translactação
Técnica de Amamentação : Visando atender o aporte calórico e proteíco Ordenha do L. Anterior Sucção no peito Complementação com leite anterior

42 Ganho de Peso do RNPT em AME
Em torno de 15 g/kg/dia (AAP) Atenção na 32 a 34 semanas -Atentar ao aporte calórico - Canal de Crescimento - Observar a mamada - Manejo da Técnica

43 O uso do Crematócrito e da Acidez Titulável em BLH é importante para atender as necessidades do prematuro na Unidade Neonatal, adequando a oferta do leite da própria mãe, às necessidades inerentes a fase do desenvolvimento, para tal é necessário um trabalho integrado dos Neonatologistas com o Banco de Leite Humano.

44 Trabalho integrado da equipe interdisciplinar
Sucção Desenvolvimento Sensório-Motor Oral (musculatura / lábio / língua /mandíbula) Trabalho integrado da equipe interdisciplinar

45 SUCÇÃO NÃO-NUTRITIVA (SNN) (dedo enluvado, seio materno esvaziado)
Desenvolvimento do SSMO Alimentação por via oral mais precoce Coordenação SDR

46 IG: maioria por volta de 34 semanas + precoce nos RN estimulados
TRANSIÇÃO PARA VIA ORAL Transição para VO mais precoce Técnicas: copinho; translactação Favorece : aleitamento materno bem sucedido, ganho de peso, alta hospitalar mais precoce, vínculo mãe-bebê, ganho psicológico IG: maioria por volta de 34 semanas + precoce nos RN estimulados

47 Programa de alimentação
47

48 Programa de alimentação
Produção de leite Capacidade de sucção Retirada de leite da mama Presença ou ausência da mãe

49 Programa de Alimentação Imaturidade na sucção
Presença da mãe Sonda oro ou nasogástrica Translactação Vol. Inicial: 10 a 20 mL/kg/dia 49

50 Programa de Alimentação Imaturidade de sucção
Ausência da mãe Sonda oro ou naso-gástrica 50

51 Programa de Alimentação Maturidade de sucção
Ausência da mãe: copinho Presença da mãe: seio materno em livre demanda

52 ADMINISTRAÇÃO DO LEITE MATERNO POR COPINHO

53 ADMINISTRAÇÃO DO LEITE MATERNO
POR TRANSLACTAÇÃO

54 ADMINISTRAÇÃO DO LEITE PELO MÉTODO “FINGER FEEDING”

55 ALEITAMENTO MATERNO Possível ao final da transição SOG VO
Posições: tradicional, cavaleiro, invertida (bola de futebol americano) Representa um ganho psicológico e emocional para a mãe e para o RN Sucção regular  estímulo para produção láctea Interfere positivamente na evolução do RN Acelera o desenvolvimento do SSMO Complementos : no início, se necessários (por copinho ou translactação) Ordenha do leite anterior para aumentar ganho ponderal ( oferecê-lo no fim, como complemento)

56 TRANSIÇÃO PARA VIA ORAL BEM ORIENTADA SUPORTE ADEQUADO À NUTRIZ
FUNDAMENTAIS PARA ALEITAMENTO MATERNO BEM SUCEDIDO

57 Avaliação Nutricional de RNPT
Os diversos parâmetros antropométricos são os meios mais adequados para uma avaliação criteriosa do crescimento dos recém nascidos; A utilização das curvas é fundamental para acompanhar o crescimentos dos RN, podendo verificar os possíveis desvios nutricionais; A avaliação antropométrica fornece informações preciosas capaz de nortear de maneira satisfatória as estratégias nutricionais utilizadas no período neonatal; Para informações mais detalhadas é necessário a avaliação bioquímica

58 Avaliação do Crescimento
58

59 Avaliação do crescimento de RN prematuros e muito baixo peso alimentados com leite humano de BLH, selecionado segundo teor calórico e proteíco Em RNMBP alimentados com leite de banco de leite humano previamente selecionado quanto ao valor calórico-protéico e em RNMBP alimentados com o leite da própria mãe descrever: O crescimento pós-natal até o peso de dois quilos A evolução clínica e avaliação laboratorial durante a internação Prevalência do aleitamento materno na alta e aos 6m de IGC O estado nutricional aos seis meses de IGC APRILE,2006:

60 Características da Casuística Grupo I
10 RNMBP Peso nascimento ≤ 1500g Sem restrição do crescimento intra- uterino Leite materno cru ou pasteurizado APRILE,2006:

61 Características da Casuística Grupo II
30 RNMBP Peso nascimento ≤ 1500g Sem restrição do crescimento intra-uterino LH de BLH classificado >60% vol. total ingerido APRILE,2006:

62 Valor Calórico Analisadas 15. 283 amostras de leite humano
Selecionadas 1370 com mais de 700 kcal/L sendo: 62 amostras de colostro (4,56%) 50 amostras de leite de transição (3,64 %) 1258 amostras de leite maduro (91,8%) Aprile,2006

63 Classificação do leite - Valor Protéico
Selecionadas 1370 amostras com mais de 700kcal/L sendo: 827 amostras (60,3%) tinham mais de 2g/dL de proteína Técnica do Biureto (Cannon e col. 1974) Aprile,2006

64 Seleção do Leite 64

65 Seleção do Leite Enteral mínima:
Colostro cru ou pasteurizado da própria mãe Colostro pasteurizado de BLH 65

66 Seleção do Leite Crescimento estável:
Leite da própria mãe cru ou pasteurizado Leite de BLH selecionado segundo o valor calórico-protéico 3. Meta de oferta calórica: - 120 a 140 Kcal/kg/dia e - conteúdo protéico de 3,8g/kg/dia (Rose,1992) 66

67 Avaliação do Crescimento
Idade gestacional Data da última menstruação confirmada pela ultra-sonografia fetal até a vigésima semana de IG New Ballard Antropometria: avaliação semanal peso comprimento perímetro cefálico Aprile,2006

68 Avaliação Clínica Tempo de internação (semanas)
Incidência de ECN (critérios de Bell modificados por Kliegmann, 1986) Episódios de sepse (Bone et al., 1991) Incidência de Displasia Broncopulmonar (Ehrenkranz, 2005) Aprile,2006

69 Avaliação Laboratorial
Cálcio, fósforo, creatinina sérica e urinária entre a terceira e quarta semana de vida Fosfatase alcalina Uréia sérica Hematócrito Hemoglobina Aprile,2006

70 Curvas de crescimento Dados antropométricos colhidos semanalmente
Curvas de crescimento para cada criança Equações de regressão não linear Software CurvExpert 1.3 Idade exata de cada criança  média dos parâmetros Curvas de regressão para cada grupo Coeficiente de correlação menor erro padrão Polinômio de terceiro grau Aprile,2006

71 Idade gestacional corrigida (semanas)
Valores estimados do percentil 5, 50 e 95 do comprimento (comp) dos RNMBP dos grupos I e II 50 Comp GII p95 45 Comp GII p50 Comp GII p5 40 Comp (cm) Comp p95 GI Comp p50 GI 30 Comp p5 GI 30 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Idade gestacional corrigida (semanas) Aprile, Feferbaum,2006 71

72 Idade gestacional corrigida (semanas)
Valores estimados do percentil 5, 50 e 95 do perímetro cefálico (PC) dos RNMBP do grupo I (controles) e grupo II (casos), PC GII p95 34 PC GII p50 PC GII p5 31 PC (cm) PC p95 GI 28 PC p50 GI 25 PC p5 GI 22 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Idade gestacional corrigida (semanas) Aprile, Feferbaum,2006 72

73 Idade gestacional corrigida (semanas)
Valores estimados do percentil 5, 50 e 95 do peso dos RNMBP dos grupos I e II 2.500 Peso GII p95 2.250 Peso GII p50 2.000 Peso GII p5 1.750 Peso (g) 1.500 Peso p95 GI 1.250 Peso p50 GI 1.000 Peso p5 GI 750 500 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Idade gestacional corrigida (semanas) crescimento 73

74 Prevalência de aleitamento no momento da alta nos GI e GII
Grupo I Grupo II AME – Aleitamento materno exclusivo AM – Aleitamento materno (leite materno + fórmula láctea ou alimentos complementares) SLM – Sem leite materno

75 Alimentação no 6º mês de idade gestacional corrigida
Grupo I Grupo II AME – Aleitamento materno exclusivo AM – Aleitamento materno (leite materno + fórmula láctea ou alimentos complementares) SLM – Sem leite materno

76 Crescimento no 6º mês de IGC
Os dados de peso, comprimento e perímetro cefálico demonstraram: Adequação nutricional Ausência de diferença estatística significativa entre GI e GII Conclusões

77 Evolução Clínica A incidência de complicações clínicas foi baixa e semelhante em ambos os grupos Conclusões

78 Avaliação laboratorial durante a internação
A deficiência de fósforo deve ser monitorada em ambos os grupos Os níveis de uréia permaneceram dentro dos limites da normalidade, sugerindo que não há sobrecarga protéica As alterações do hematócrito e hemoglobina não tiveram correlação aparente com o uso de leite de BLH Conclusões

79 Prevalência do Aleitamento Materno
No momento da alta hospitalar e no 6º mês de IGC foi alta em GI e GII Conclusões

80 Conclusão É possível nutrir recém-nascido de muito baixo peso com leite de banco de leite humano selecionado quanto ao valor calórico-protéico ID: 11 meses IGC: 9 meses IG: 31s PN: 1080g

81 OBRIGADA


Carregar ppt "USO DE LEITE HUMANO PASTEURIZADO NA ALIMENTAÇÃO DO PREMATURO"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google