A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Capítulo 14 Mercado para Fatores de Produção. Capítulo 14Slide 2 Tópicos para Discussão Mercados de Fatores Competitivos Equilíbrio em um Mercado de Fatores.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Capítulo 14 Mercado para Fatores de Produção. Capítulo 14Slide 2 Tópicos para Discussão Mercados de Fatores Competitivos Equilíbrio em um Mercado de Fatores."— Transcrição da apresentação:

1 Capítulo 14 Mercado para Fatores de Produção

2 Capítulo 14Slide 2 Tópicos para Discussão Mercados de Fatores Competitivos Equilíbrio em um Mercado de Fatores Competitivos Mercados de Fatores com Poder de Monopsônio Mercados de Fatores com Poder de Monopólio

3 Capítulo 14Slide 3 Mercado de Fatores Competitivos Características 1)Grande número de vendedores do fator de produção 2) Grande número de compradores do fator de produção 3) Os compradores e vendedores do fator de produção são tomadores de preços

4 Capítulo 14Slide 4 Mercado de Fatores Competitivos Demanda por um Fator de Produção Quando Apenas um Deles é Variável A demanda por fatores de produção é uma demanda derivada…  …dos custos dos fatores e da demanda pela produção

5 Capítulo 14Slide 5 Mercado de Fatores Competitivos Suponha:  Dois insumos: capital (K) e mão-de-obra (L)  O custo de K é r e o custo da mão-de- obra é w  K é fixo e L é variável Demanda por um Fator de Produção Quando Apenas um Deles é Variável Demanda por um Fator de Produção Quando Apenas um Deles é Variável

6 Capítulo 14Slide 6 Mercado de Fatores Competitivos Problema  Quanto contratar de mão-de-obra? Demanda por um Fator de Produção Quando Apenas um Deles é Variável Demanda por um Fator de Produção Quando Apenas um Deles é Variável

7 Capítulo 14Slide 7 Mercado de Fatores Competitivos Medição do Valor da Produção de um Trabalhador Receita do produto marginal da mão-de- obra (RMgP L ) RMgP L = (PMg L )(RMg) Demanda por um Fator de Produção Quando Apenas um Deles é Variável Demanda por um Fator de Produção Quando Apenas um Deles é Variável

8 Capítulo 14Slide 8 Mercado de Fatores Competitivos Suponha um mercado em competição perfeita Logo, RMg = P Demanda por um Fator de Produção Quando Apenas um Deles é Variável Demanda por um Fator de Produção Quando Apenas um Deles é Variável

9 Capítulo 14Slide 9 Mercado de Fatores Competitivos Pergunta O que acontecerá com o valor da RMgP L quando mais trabalhadores forem contratados? Demanda por um Fator de Produção Quando Apenas um Deles é Variável Demanda por um Fator de Produção Quando Apenas um Deles é Variável

10 Capítulo 14Slide 10 Receita do Produto Marginal Horas trabalhadas Salário ($ por hora) RMgP L = PMg L x P Mercado Competitivo de Produto (P = RMg) RMgP L = PMg L x RMg Mercado monopolístico de produto (RMg

11 Capítulo 14Slide 11 Mercado de Fatores Competitivos Escolha da quantidade de mão-de-obra maximizadora de lucro Se RMgP L > w (custo marginal de contratação de um trabalhador): contrata-se o trabalhador Se RMgP L < w: contrata-se menor quantidade de mão-de-obra Se RMgP L = w: quantidade de mão-de-obra maximizadora de lucro Demanda por um Fator de Produção Quando Apenas um Deles é Variável Demanda por um Fator de Produção Quando Apenas um Deles é Variável

12 Capítulo 14Slide 12 w*SLSL No mercado competitivo de mão-de-obra, uma empresa se defronta com uma oferta perfeitamente elástica de mão-de-obra e pode contratar quantos trabalhadores desejar, com o salário w*. Contratações da Empresa no Mercado de Mão-de-obra (com capital fixo) Quantidade de Mão-de-obra Preço da Mão-de-obra Por que não contratar um número de trabalhadores menor ou maior do que L*? RMgP L = D L L* A empresa maximizadora de lucros contratará a quantidade L* de unidades de mão-de-obra no ponto em que a receita do produto marginal da mão-de-obra for igual à taxa do salário.

13 Capítulo 14Slide 13 Mercados de Fatores Competitivos Se a oferta de mão-de-obra do mercado aumentasse relativamente à demanda (p.ex., devido à emancipação feminina ou a uma explosão demográfica como a que gerou os chamados baby boomers), haveria um excedente de mão-de-obra e a taxa do salário cairia. Pergunta Como isso afetaria a quantidade demandada de mão-de-obra? Demanda por um Fator de Produção Quando Apenas um Deles é Variável Demanda por um Fator de Produção Quando Apenas um Deles é Variável

14 Capítulo 14Slide 14 Um Deslocamento na Oferta de Mão-de-obra Quantidade de Mão-de-obra Preço da Mão-de-obra w1w1 S1S1 RMgP L = D L L1L1 w2w2 L2L2 S2S2

15 Capítulo 14Slide 15 Mercados de Fatores Competitivos Comparação entre os Mercados de Fatores e de Produção

16 Capítulo 14Slide 16 Mercados de Fatores Competitivos Comparação entre os Mercados de Fatores e de Produção Em ambos os mercados, as escolhas dos fatores e do nível de produção ocorrem quando RMg = CMg  RMg da venda do produto  CMg da aquisição do fator

17 Capítulo 14Slide 17 Mercados de Fatores Competitivos Situação Produção de equipamento agrícola com dois insumos variáveis:  Mão-de-obra  Maquinário da linha de montagem Suponha que a taxa de salário caia Demanda por um Fator de Produção Quando Diversos são Variáveis Demanda por um Fator de Produção Quando Diversos são Variáveis

18 Capítulo 14Slide 18 Mercados de Fatores Competitivos Pergunta De que maneira a queda na taxa de salário afetará a demanda por mão-de-obra? Demanda por um Fator de Produção Quando Diversos são Variáveis Demanda por um Fator de Produção Quando Diversos são Variáveis

19 Capítulo 14Slide 19 RMgP L1 RMgP L2 Quando dois ou mais fatores de produção são variáveis, a demanda da empresa por um fator de produção depende da receita do produto marginal de ambos os fatores. Curva de Demanda de Mão-de-obra de uma Empresa (com variação de capital) Horas trabalhadas Salários ($ por horas) Quando o salário é $20, A vem a ser um ponto da curva de demanda da empresa por mão-de-obra. Quando o salário cai para $15, a curva RMgP desloca-se, gerando um novo ponto C na curva de demanda por mão-de-obra da empresa. Sendo assim, A e C estão na curva de demanda por mão-de-obra, porém B não está. DLDL A B C

20 Capítulo 14Slide 20 Suponha que todas as empresas reajam ao nível mais baixo de salário Todas as empresas contratam mais trabalhadores. A oferta de mercado aumenta. O preço de mercado cai. A quantidade de mão-de-obra demandada pela empresa diminui. Mercados de Fatores Competitivos Demanda por Mão-de-obra na Indústria

21 RMgP L1 A Demanda por Mão-de-obra pelo Setor Mão-de-obra (horas trabalhadas) Mão-de-obra (horas trabalhadas) Salário ($ por hora) Salário ($ por hora) L0L0 L2L2 D L1 Soma Horizontal se o preço do produto ficasse inalterado 120 RMgP L2 L1L1 Curva de demanda da indústria D L2 Empresa Indústria

22 Capítulo 14Slide 22 A Demanda por Mão-de-obra pelo Setor Pergunta Como uma modificação em um mercado não competitivo afetaria a demanda de mercado por mão-de-obra?

23 Capítulo 14Slide 23 A Demanda por Combustível de Jatos Observações Combustível de jatos é um custo de fator (insumo) Custo do combustível de jatos  1971– O custo do combustível de jatos perfazia 12,4% do custo operacional total  O custo do combustível de jatos perfazia 30,0% do custo operacional total  1990’s-- O custo do combustível de jatos perfazia 15,0% do custo operacional total

24 Capítulo 14Slide 24 A Demanda por Combustível de Jatos Observações As companhias aérea reagiram aos altos preços nos anos 70 reduzindo a quantidade de combustível de jatos utilizada A produção do setor aéreo, medida em toneladas por milha, elevou-se em 29,6% & o combustível consumido aumentou em 8,8%

25 Capítulo 14Slide 25 A Demanda por Combustível de Jatos Observações A demanda por combustível de jatos afeta as companhias aéreas e as refinarias de petróleo A elasticidade-preço da demanda por combustível de jatos é muito inelástica no curto prazo

26 Capítulo 14Slide 26 Elasticidades Preço da Demanda por Combustível de Jatos no Curto Prazo American-0,06Delta-0,15 Continental-0,09TWA-0,10 Northwest-0,07United-0,10 Empresa Elasticidade

27 Capítulo 14Slide 27 A Demanda por Combustível de Jatos Pergunta De que maneira se comparariam a elasticidade preço da demanda no curto prazo e no longo prazo?

28 Capítulo 14Slide 28 A Demanda por Combustível de Jatos a curto e a longo prazos Quantidade de combustível de jatos Preço RMgP LP RMgP CP

29 Capítulo 14Slide 29 Mercados de Fatores Competitivos Oferta de Fatores de Produção para uma Empresa Determinação da quantidade de fator a ser adquirida  Suponha um mercado de fatores perfeitamente competitivo

30 S Oferta de mercado de tecido Oferta de Fatores para uma Empresa em um Mercado de Fatores Competitivo Jardas de tecido (milhares) Jardas de tecido (milhares) Preço ($ por jarda) Preço ($ por jarda) D Demanda de mercado de tecido 100 DMg = DMe 10 Oferta de tecido com a qual a empresa se defronta 50 Demanda de tecido RMgP Observações 1)A empresa toma o preço de $10 como dado. 2) S = DMe = DMg = $10 3) DMg = RMgP para 50 unidades

31 Capítulo 14Slide 31 Mercados de Fatores Competitivos Oferta do Mercado de Fatores de Produção A oferta de mercado de fatores de produção físicos apresenta inclinação positiva  Exemplos: combustível de jatos, tecidos, aço A oferta de mercado de mão-de-obra pode apresentar inclinação positiva ou negativa em determinados trechos

32 Capítulo 14Slide 32 Mercados de Fatores Competitivos Oferta de Mão-de-obra A escolha da quantidade ofertada de mão-de-obra baseia-se em um problema de maximização de utilidade A utlidade dos trabalhadores depende de lazer e trabalho O salário mede o preço do lazer Salários mais elevados significam preços mais altos do lazer

33 Capítulo 14Slide 33 Mercados de Fatores Competitivos Oferta de Mão-de-obra Salários mais elevados incentivam os trabalhadores a substituir lazer por trabalho (efeito substituição) Salários mais elevados permitem que os trabalhadores comprem mais bens, inclusive lazer, o que implica redução das horas trabalhadas (efeito renda)

34 Capítulo 14Slide 34 Mercados de Fatores Competitivos Oferta de Mão-de-obra Quando o efeito renda supera o efeito substituição, a curva de oferta apresenta curvatura para trás

35 Capítulo 14Slide 35 Efeito Renda < Efeito Substituição Efeito Renda > Efeito Substituição Oferta de Mão-de-obra com Curvatura para Trás Horas de trabalho por dia Salário ($ por hora) Oferta de Mão-de-obra

36 12 C O trabalhador escolhe o ponto A: 16 horas de lazer, 8 horas de trabalho Renda = $80 16 Q P A w = $10 Efeito Substituição e Efeito Renda de um Aumento de Salário Horas de Lazer Renda ($ por dia) B w = $20 Suponha um aumento do salário em $20 Efeito substituição Efeito renda Após o aumento do salário em $20, o trabalhador escolhe: 20 horas de lazer, 4 horas de trabalho Renda = $80

37 Capítulo 14Slide 37 Oferta de Mão-de-obra de Famílias com Um e Dois Assalariados Participação das Mulheres na Força de Trabalho % %

38 Elasticidades da Oferta de Mão-de-obra (Horas Trabalhadas) Horas trabalhadas pelo Horas trabalhadas Horas trabalhadas chefe da família/pelo cônjuge/pelo chefe da família/ GrupoSalárioSalárioSalário do cônjuge Homens solteiros0,026 (sem crianças) Mulheres solteiras 0, 106 (com crianças) Mulheres solteiras 0, 011 (sem crianças) Famílias com um - 0, 078 assalariado (com crianças) Famílias com um 0, 007 assalariado (sem crianças) Famílias com dois - 0, , , 004 assalariados (com crianças) Famílias com dois - 0, , , 059 assalariados (sem crianças)

39 Capítulo 14Slide 39 Equilíbrio em um Mercado de Fatores Competitivo Um mercado de fatores competitivo está em equilíbrio quando o preço do fator iguala a quantidade ofertada à quantidade demandada.

40 S L = DMe D L = RMgP L P * PMg L Equilíbrio no Mercado de Trabalho Número de Trabalhadores Salário Mercado de produto competitivoMercado de produto monopolista wCwC LCLC wMwM LMLM vMvM A B

41 Capítulo 14Slide 41 Equilíbrio no Mercado de Trabalho Equilíbrio em um Mercado de Produto Competitivo D L (RMgP L ) = S L w C = RMgP L RMgP L = (P)(PMg L ) O mercado é eficiente Equilíbrio em um Mercado de Produto Monopolista RMg < P RMgP = (RMg)(PMg L ) Contrata L M pelo salário w M v M = benefício marginal para os consumidores w M = custo marginal para a empresa

42 Capítulo 14Slide 42 Equilíbrio no Mercado de Trabalho Equilíbrio em um Mercado de Produto Competitivo D L (RMgP L ) = S L w C = RMgP L RMgP L = (P)(PMg L ) O mercado é eficiente Equilíbrio em um Mercado de Produto Monopolista Os lucros são maximizados A quantidade de fator utilizada é menor que o nível eficiente

43 Capítulo 14Slide 43 Renda Econômica Em um mercado de fatores, renda econômica é a diferença entre o pagamento realizado por um fator de produção e o valor mínimo necessário para contratar o uso de tal fator. Equilíbrio em um Mercado de Fatores Competitivo

44 Capítulo 14Slide 44 A despesa total (salários) é o retângulo 0w* AL* Renda Econômica A renda econômica is ABW* B Renda Econômica Número de Trabalhadores Salário S L = DMe D L = RMgP L w* L* A 0 A renda econômica associada ao emprego da mão-de-obra é o excedente de salário pago além do valor mínimo necessário para a contratação dos trabalhadores.

45 Capítulo 14Slide 45 Renda Econômica Pergunta Qual será a renda econômica se S L for perfeitamente elástica ou perfeitamente inelástica?

46 Capítulo 14Slide 46 A Terra: Um Caso de Oferta Perfeitamente Elástica Quando a oferta de terra é perfeitamente elástica, as variações no preço de mercado dependem exclusivamente da demanda, pelo menos no curto prazo. Equilíbrio em um Mercado de Fatores Competitivo

47 Capítulo 14Slide 47 Economic Rent s1s1 Renda Econômica s2s2 Renda da Terra Número de Acres Preço ($ por acre) Oferta de Terra D2D2 D1D1

48 Capítulo 14Slide 48 Soldo dos Militares Durante a Guerra Civil, 90% das forças armadas constituíam-se de trabalhadores não qualificados envolvidos em combates de terra. Atualmente, os soldados envolvidos em combates de terra constituem apenas 16% do total.

49 Capítulo 14Slide 49 Soldo dos Militares Tem se verificado escassez de pessoal qualificado nas forças armadas. Qual será a razão disso? Dica: Quando há escassez, o salário deve estar abaixo de…?

50 Capítulo 14Slide 50 A Escassez de Pessoal Militar Qualificado Número de Trabalhadores Qualificados Salário SLSL D L = RMgP L w* w0w0 Escassez

51 Capítulo 14Slide 51 Soldo dos Militares A remuneração dos militares baseia-se nos anos de serviço, e não na RMgP. A remuneração dos trabalhadores qualificados é menor que a RMgP e que os salários que eles poderiam obter no setor privado. Conseqüentemente, muitos trabalhadores qualificados abandonam as forças armadas.

52 Capítulo 14Slide 52 Soldo dos Militares Solução Gratificações diferenciadas Remuneração baseada na RMgP

53 Capítulo 14Slide 53 Mercado de Fatores com Poder de Monopsônio Suponha que: O mercado de produto é perfeitamente competitivo. O mercado de fator é um monopsônio.

54 Capítulo 14Slide 54 S L = Despesa Média (DMe) Despesa Marginal (DMg) Por que a despesa marginal é maior que S L ? D = RMgP L Despesa Marginal e Despesa Média Unidades de insumo Preço (por unidade de insumo) w* = 13 L* wcwc LcLc C

55 Capítulo 14Slide 55 Mercado de Fatores com Poder de Monopsônio Exemplos de Poder de Monopsônio Governo  Soldados  Mísseis  Bombardeiros B2 NASA  Astronautas Empresas que sejam as principais empregadoras em certas comunidades

56 Capítulo 14Slide 56 Poder de Monopsônio no Mercado de Jogadores de Beisebol Os donos das equipes de beisebol operavam um cartel monopsonista Cláusula de restrição impedia a competição pelos jogadores A partir de 1975, os jogadores passaram a ter o passe livre após 6 anos de contrato Em 1969, o salário médio dos jogadores era $ ($ em dólares de 1999) Em 1997, o salário médio era $

57 Capítulo 14Slide 57 Os donos das equipes de beisebol operavam um cartel monopsonista Em 1975, os salários correspondiam a 25% das despesas totais das equipes Em 1980, os salários correspondiam a 40% das despesas totais das equipes Poder de Monopsônio no Mercado de Jogadores de Beisebol

58 Capítulo 14Slide 58 Mercado de Trabalho para Adolecentes e o Salário Mínimo Quando o salário mínimo aumentou em Nova Jersey, em 1992, passando de $4,25 para $5,05, uma pesquisa descobriu que o emprego aumentou 13%.

59 Capítulo 14Slide 59 Explicações Redução dos benefícios indiretos Salários menores para trabalhadores mais produtivos Mercado monopsonista Mercado de Trabalho para Adolecentes e o Salário Mínimo

60 Capítulo 14Slide 60 Resultados empíricos Os resultados da pesquisa não validam essas explicações São necessários mais estudos Mercado de Trabalho para Adolecentes e o Salário Mínimo

61 Capítulo 14Slide 61 Mercado de Fatores com Poder de Monopólio Assim como os compradores de insumo podem ter poder de monopsônio, os vendedores de insumo podem ter poder de monopólio. O exemplo mais importante de poder de monopólio no mercado de fatores envolve os sindicatos de trabalhadores.

62 Capítulo 14Slide 62 SLSL DLDL RMg Quando um sindicato de trabalhadores é um monopolista,ele escolhe ofertar em pontos da curva de demanda por mão-de-obra do comprador. Poder de Monopólio dos Fornecedores de Mão-de-obra Número de Trabalhadores Salário por trabalhador A L*L* w*w* O vendedor pode maximizar o número de trabalhadores contratados, L*, ao concordar que os trabalhadores recebam o salário w*.

63 Capítulo 14Slide 63 Renda Econômica w1w1 L1L1 A quantidade de mão-de-obra L 1 que maximiza a renda que os empregados recebem é determinada pela interseção das curvas de receita marginal e de oferta de mão-de-obra; os membros do sindicato recebem, então, uma remuneração w 1. SLSL DLDL RMg Poder de Monopólio dos Fornecedores de Mão-de-obra Número de Trabalhadores Salário por trabalhador A L2L2 w2w2 Finalmente, se o sindicato desejasse maximizar o valor total dos salários pagos aos trabalhadores, deveria permitir que um número L 2 de membros do sindicato aceitasse empregos com a remuneração w 2,pois, assim, a receita marginal para o sindicato seria igual a zero. L*L* w*w*

64 Capítulo 14Slide 64 O controle da oferta de mão-de-obra é o principal determinante do controle do salário e da renda econômica. Mercado de Fatores com Poder de Monopólio

65 Capítulo 14Slide 65 Modelo Bissetorial do Emprego de Mão- de-obra O poder de monopólio dos sindicatos afeta também os setores não sindicalizados da economia. Mercado de Fatores com Poder de Monopólio

66 Capítulo 14Slide 66 Determinação do Nível de Remuneração no Setor Sindicalizado e no Setor não Sindicalizado Número de Trabalhadores Salário por trabalhador DUDU D NU DLDL SLSL w* wUwU Quando um sindicato monopolístico aumenta a remuneração no setor sindicalizado da economia de w* para w U, o emprego nesse setor cai. Para que a oferta total mão-de-obra permaneça inalterada, a remuneração no setor não sindicalizado deve cair de w* para w NU.. w NU

67 Capítulo 14Slide 67 Monopólio Bilateral Mercado no qual um monopolista vende para um monopsonista. Mercado de Fatores com Poder de Monopólio

68 Capítulo 14Slide 68 Monopólio Bilateral Número de Trabalhadores Salário por trabalhador D L = RMgP L RMg S L = DMe DMg Possibilidades de salário wCwC

69 Capítulo 14Slide 69 Monopólio Bilateral Número de trabalhadores Salário por trabalhador D L = RMgP L RMg S L = (DMe) DMg wCwC Observações Contratação sem o poder de monopólio dos sindicatos  RMgP = DMg com 20 trabalhadores e w = $10/hr Objetivo do sindicato  RMg = CMg com 25 trabalhadores e w = $19/hr

70 Capítulo 14Slide 70 Monopólio Bilateral Quem sairá vencedor dessa negociação? O sindicato vencerá se sua ameaça de greve for crível. A empresa vencerá se sua ameaça de contratar trabalhadores não sindicalizados for crível. Se ambas fizerem ameaças críveis, a remuneração será w c.

71 Capítulo 14Slide 71 Declínio do Sindicalismo no Setor Privado Observações O número de membros e o poder de monopólio dos sindicatos vêm caindo. Inicialmente, durante os anos 70, a diferença entre a remuneração dos trabalhadores sindicalizados e a dos não sindicalizados diminuiu.

72 Capítulo 14Slide 72 Trabalhadores sindicalizados como Percentagem do Total INSERIR FIGURA 14.18

73 Capítulo 14Slide 73 Observações Nos anos 80, houve uma estabilização da remuneração dos trabalhadores sindicalizados em relação à dos não sindicalizados. Nos anos 90 o número de membros caiu e a diferença salarial permaneceu estável. Declínio do Sindicalismo no Setor Privado

74 Capítulo 14Slide 74 Explicação Os sindicatos têm se empenhado em maximizar a remuneração individual em vez da remuneração total paga. A demanda de empregados sindicalizados tem se tornado cada vez mais elástica à medida que a substituição de mão-de-obra especializada por capital se torna mais fácil. Declínio do Sindicalismo no Setor Privado

75 Capítulo 14Slide 75 Desigualdade Salarial — Os Computadores Provocaram Mudanças no Mercado de Trabalho? A relação entre o salário de trabalhadores com formação superior e o de trabalhadores com o ensino médio praticamente não mudou O salário relativo cresceu rapidamente

76 Capítulo 14Slide 76 Desigualdade Salarial — Os Computadores Provocaram Mudanças no Mercado de Trabalho? Em 1984, 25,1% de todos os trabalhadores usavam computadores Em 1993 – 46,6% Em aproximadamente 60%

77 Capítulo 14Slide 77 Desigualdade Salarial — Os Computadores Provocaram Mudanças no Mercado de Trabalho? Alteração percentual do uso de computadores entre 1984 e 1993 Trabalhadores com curso superior  De 42 para 70% Trabalhadores com menos do que o ensino médio  De 5 para 10% Trabalhadores com ensino médio  De 19 para 35%

78 Capítulo 14Slide 78 Desigualdade Salarial — Os Computadores Provocaram Mudanças no Mercado de Trabalho? Aumento salarial Trabalhadores com formação superior que utilizam computadores - 11% Trabalhadores que não utilizam computadores – menos de 4%

79 Capítulo 14Slide 79 Desigualdade Salarial — Os Computadores Provocaram Mudanças no Mercado de Trabalho? Trabalhadores com o ensino médio incompleto, que abandonaram a escola há menos de 10 anos, ganhavam 29% menos do que os trabalhadores com o curso completo. Em 1963, a diferença era de apenas 19%

80 Capítulo 14Slide 80 Desigualdade Salarial — Os Computadores Provocaram Mudanças no Mercado de Trabalho? O salário médio semanal de trabalhadores com curso superior (que completaram o curso há menos de 10 anos) era 96% mais alto do que o de trabalhadores com o ensino médio. O prêmio do curso universitário mais do que dobrou.

81 Capítulo 14Slide 81 Resumo Em um mercado competitivo de fatores, a demanda de um insumo é determinada pela RMgP, ou seja, pelo produto da receita marginal da empresa pelo produto marginal do insumo. Uma empresa em um mercado competitivo de mão-de-obra contratará trabalhadores até o ponto em que a receita do produto marginal da mão-de-obra seja igual à remuneração paga.

82 Capítulo 14Slide 82 Resumo A demanda do mercado por um determinado insumo é a soma horizontal das demandas das indústrias pelo insumo. Quando os mercados de fatores são competitivos, o comprador de um insumo presume que suas aquisições não terão influência sobre o preço do insumo.

83 Capítulo 14Slide 83 Resumo A oferta de mercado de um fator como a mão-de-obra não deve, necessariamente, ter inclinação ascendente. A renda econômica é a diferença entre os pagamentos dos fatores de produção e o pagamento mínimo necessário à utilização de tais fatores.

84 Capítulo 14Slide 84 Resumo Quando o comprador de um insumo tem poder de monopsônio, a curva de despesa marginal está situada acima da curva de despesa média. Quando o vendedor de insumos é um monopolista, como o sindicato dos trabalhadores, o vendedor escolhe o ponto na curva da receita do produto marginal que melhor satisfaz seus objetivos.

85 Capítulo 14Slide 85 Resumo Quando um sindicato monopolístico negocia com um empregador monopsonístico, o nível de remuneração dependerá da natureza do processo de negociação.

86 Fim do Capítulo 14 Mercado para Fatores de Produção


Carregar ppt "Capítulo 14 Mercado para Fatores de Produção. Capítulo 14Slide 2 Tópicos para Discussão Mercados de Fatores Competitivos Equilíbrio em um Mercado de Fatores."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google