A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE INDICADORES NUMÉRICOS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE INDICADORES NUMÉRICOS."— Transcrição da apresentação:

1 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE INDICADORES NUMÉRICOS

2 - Facilita o processo produtivo de uma organização - Medida de eficiência - Monitora mudanças - Indica ineficiências em rotinas - Avalia a eficiência de melhorias implantadas - Auxilia fixar prioridades para eficiências futuras - Avalia em um determinado intervalo de tempo

3 CLASSIFICAÇÃO DE INDICADORES AMBIENTAIS POR TIPO 1. Indicadores Absolutos Informam os dados básicos sem análise ou interpretações Ex: Quilograma de resíduo gerado ou volume de emissões

4 2. Indicadores Relativos Comparam os dados com outros parâmetros. Por ex: quilogramas de resíduos por toneladas de produtos

5 3. Indicadores Agregados Agregam dados ou informações do mesmo tipo, mas de fontes diferentes Ex: quilograma de resíduos tóxicos gerados por país ou região

6 4. Indicadores ponderados Mostram a importância relativa de um indicador em relação a outro indicador

7 C ATEGORIAS DE INDICADOR SEGUNDO A ISO Indicadores de desempenho ambiental Fornecem informações sobre o desempenho ambiental de uma empresa, seja este de gerenciamento ou operacional A) Gerenciamento - Treinamento - Exigências legais - Utilização dos recursos naturais

8 - Investimento - Ação corretiva - Custo ambiental - Documentação Tudo que pode ter influência no desempenho ambiental da organização

9 B) Operacional Desempenho ambiental das operações - Equipamentos - Uso do edifício - Projetos, instalações, fabricação do produto - Resíduo: material reutilizado, descartado, etc. - Emissões (atmosféricas, resíduo no solo, ruídos, luz, radiações, etc...) -

10 2. Indicadores de condições ambientais Informam sobre as condições locais e medem as mudanças e os impactos no ambiente que podem variar com o tempo ou devido a um evento específico. - Identifica e gerencia a própria emissão - Avalia o critério de seu desempenho ambiental - Estabelece um padrão de medida para os impactos ambientais

11 O processo de avaliar e medir impacto ambiental é complexo A interação do meio ambiente com as emissões do processo são de difícil identificação.

12 Se a empresa é a única eliminar uma substância na atmosfera, torna-se possível verificar as alterações resultantes da emissão. Estas informações acumulada será útil para tomada de decisão com relação à emissão de tal substância.

13

14 A presença de outras empresas emitindo várias outras substâncias pode inviabilizar a análise.

15

16 Os indiciadores de condições ambientais são, limitados quando se consideram efeitos regionais ou globais. Um índice de desempenho nessa categoria será de interpretação controversa, pois os aspectos e efeitos ambientais de uma determinada atividade englobam muitas variáveis, cujas as interações com outras atividades determinam mudanças no resultado final da avaliação

17 CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Preocupação mundial pela qualidade ambiental dos produtos e serviços Antes a responsabilidade sobre conservação do meio ambiente era somente do poder público: licenças ambientais A certificação ambiental é uma participação voluntária em um programa de gerenciamento ambiental

18 Um programa de gerenciamento ambiental engloba: - Custos - Benefícios - Custo de modificação de processo - Custo de certificação e inscrição - Custo e benefícios a fim de melhorar a imagem da empresa - Custos e benefícios de caráter operacional - Benefício com a otimização no uso de recursos

19 - Redução dos riscos ambientais - Melhorias na segurança do ambiente de trabalho - Racionalização e simplificação de procedimentos - Manuais : ISO 14000

20 Certificação ambiental não é meta final, mas a definição das condições de início que devem ser melhoradas ao longo do caminho da restauração ambiental e do desenvolvimento sustentável

21 ACV- AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA ACV permite: - Medir os efeitos da atividade humana no meio ambiente - - Os impactos ambientais são estudados em todo o seu ciclo de produtividade - - Chamado do “berço a cova” - O ciclo nada mais é do que a história do produto

22 Definição de ACV segundo a ISO (1997) “ Compilação e avaliação das entradas, saídas e do impacto ambiental potencial de um produto através de seu ciclo de vida” O dano ambiental é considerado qualquer tipo de impacto causado no ambiente pela “existência” do produto.

23 ESTRUTURA DE UMA AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA 1. Planejamento 2. Inventário 3. Interpretação

24 I NVENTÁRIO DE GÁS DE EFEITO ESTUFA Mudanças climáticas são amplamente reconhecidas como um sério risco para o meio ambiente em todo o mundo. Quanto mais pessoas consomem combustíveis fósseis e/ou quanto mais aumenta o consumo per capita, mais aumentam as quantidades de CO2 liberados na atmosfera.

25

26

27 Emissão antropogênica 1. Carbono fóssil- emissão de CO2 Uso de combustíveis fósseis, desflorestamento e alteração dos usos do solo.

28 CH4- Metano Produção e consumo de energia; atividades agrícolas, aterros sanitários e águas residuais.

29 N2O- Óxido Nitroso Uso de fertilizantes, produção de ácido e queima de biomassa e combustíveis fósseis

30 HFC, PFC e SF6 – Hidrofluorcarbonos; perfluorcarbonos e hexafluoreto de enxofre.

31 MDL- MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO O Protocolo de Quioto consiste na possibilidade de utilização de mecanismos de mercado para que os países desenvolvidos possam atingir os objetivos de redução de gases de efeito estufa. Brasil- MDL: admite a participação voluntária de países em desenvolvimento. O MDL permite a certificação de projetos de reduções certificadas de emissão, para serem utilizados pelos países desenvolvidos como modo suplementar para cumprirem suas metas.

32 Esse mecanismo deve implicar em reduções de emissões adicionais àquelas que ocorreriam na ausência do projeto, garantindo benefícios reais, mensuráveis e de longo prazo para a mitigação da mudança do clima.

33 PEGADA ECOLÓGICA Hoje a humanidade utiliza o equivalente a 1,3 planetas para proporcionar os recursos que usamos e absorver nossos resíduos. Isto significa que a Terra tem agora um ano e quatro meses para regenerar o que usamos em um ano.

34

35 Se o crescimento continuar em 2030 deveríamos ter o equivalente a 2 planetas Terra para nos apoiar. NÃO TEMOS É CLARO! Resultado: 1. Colapso da pesca 2. Diminuição da cobertura vegetal 3. Esgotamento da água potável 4. Acumulação de poluição e resíduos 5. Alterações climáticas globais

36 A pegada ecológica foi proposta por William Rees e Mathis Wackernagel nos anos 90. É um indicador de sustentabilidade ambiental capaz de estimar os impactos ambientais de uma população, por meio da soma de terra produtivas necessárias para suprir – de forma sustentável – todos os recursos utilizados e reabsorver todas as emissões.

37 Relação de pegada ecológica e capacidade de carga Capacidade de carga: carga máxima de uma população de espécies definidas que uma região pode suportar, sem que isto venha comprometer a região em questão. Pegada ecológica: porção da capacidade de carga avaliando o território produtivo efetivo utilizado por uma população, não importando onde esta superfície está localizada.

38


Carregar ppt "ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE INDICADORES NUMÉRICOS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google