A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

e.mail: “Conjunto de Normas jurídicas reguladoras da atividade do Poder Público destinada a ordenar os.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "e.mail: “Conjunto de Normas jurídicas reguladoras da atividade do Poder Público destinada a ordenar os."— Transcrição da apresentação:

1 e.mail: “Conjunto de Normas jurídicas reguladoras da atividade do Poder Público destinada a ordenar os espaços habitáveis.” José Afonso da Silva "Ramo do Direito Público, que diz respeito à disciplina de espaços para fins de ocupação do homem, com vistas ao atendimento das necessidades de habitação, trabalho, lazer e circulação em comunidades organizadas." Márcio Cammarosano

2 e.mail: a) O Urbanismo é Uma Função Pública Arts. 6º, 21 IX, 30 VIII, 182 e 183 da CF b) Da Conformação da Propriedade Urbana c) Da Coesão Dinâmica das Normas Urbanísticas d) Da Afetação das Mais Valias ao custo da Urbanificação e) Da Justa Distribuição dos Benefícios e Ônus Derivados da Atuação Urbanística

3 Política Urbana Prevista na Constituição Federal Brasileira Artigos 182 e 183 e.mail:

4 DA POLÍTICA URBANA Art A política de desenvolvimento urbano, executada pelo Poder Público municipal, conforme diretrizes gerais fixadas em lei, tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem- estar de seus habitantes. § 1º - O plano diretor, aprovado pela Câmara Municipal, obrigatório para cidades com mais de vinte mil habitantes, é o instrumento básico da política de desenvolvimento e de expansão urbana. § 2º - A propriedade urbana cumpre sua função social quando atende às exigências fundamentais de ordenação da cidade expressas no plano diretor. § 3º - As desapropriações de imóveis urbanos serão feitas com prévia e justa indenização em dinheiro.

5 e.mail: A POLÍTICA URBANA Art § 4º - É facultado ao Poder Público municipal, mediante lei específica para área incluída no plano diretor, exigir, nos termos da lei federal, do proprietário do solo urbano não edificado, subutilizado ou não utilizado, que promova seu adequado aproveitamento, sob pena, sucessivamente, de: I - parcelamento ou edificação compulsórios; II - imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana progressivo no tempo; III - desapropriação com pagamento mediante títulos da dívida pública de emissão previamente aprovada pelo Senado Federal, com prazo de resgate de até dez anos, em parcelas anuais, iguais e sucessivas, assegurados o valor real da indenização e os juros legais.

6 Art Aquele que possuir como sua área urbana de até duzentos e cinqüenta metros quadrados, por cinco anos, ininterruptamente e sem oposição, utilizando-a para sua moradia ou de sua família, adquirir-lhe-á o domínio, desde que não seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural. § 1º - O título de domínio e a concessão de uso serão conferidos ao homem ou à mulher, ou a ambos, independentemente do estado civil. § 2º - Esse direito não será reconhecido ao mesmo possuidor mais de uma vez. § 3º - Os imóveis públicos não serão adquiridos por usucapião. e.mail:

7 Lei /01 Estatuto da Cidade Lei do Meio Ambiente Artificial - Trata-se de uma norma geral - Veio regulamentar os artigos 182 e 183 da Constituição Federal - Condiciona o direito de propriedade à sua função social e.mail:

8 Diretrizes do Estatuto – Art. 2º – garantia do direito a cidades sustentáveis – gestão democrática por meio da participação da população – cooperação entre os governos e a iniciativa privada – planejamento do desenvolvimento das cidades, da distribuição espacial da população e das atividades econômicas do Município – oferta de equipamentos urbanos e comunitários, transporte e serviços públicos e.mail:

9 Diretrizes do Estatuto – Art. 2º – integração e complementaridade entre as atividades urbanas e rurais – adoção de padrões de produção e consumo de bens e serviços e de expansão urbana compatíveis com os limites da sustentabilidade ambiental – justa distribuição dos benefícios e ônus decorrentes do processo de urbanização – adequação dos instrumentos de política econômica, tributária e financeira e dos gastos públicos – recuperação dos investimentos do Poder Público de que tenha resultado a valorização de imóveis urbanos e.mail:

10 Diretrizes do Estatuto – Art. 2º – proteção, preservação e recuperação do meio ambiente natural e construído e do patrimônio cultural – audiência do Poder Público municipal – regularização fundiária e urbanização de áreas ocupadas por população de baixa renda – simplificação da legislação de parcelamento, uso e ocupação do solo e das normas edilícias – isonomia de condições para os agentes públicos e privados na promoção de empreendimentos e atividades relativos ao processo de urbanização, atendido o interesse social. e.mail:

11 O Estatuto Busca Evitar: a) a utilização inadequada dos imóveis urbanos b) a proximidade de usos incompatíveis ou inconvenientes c) o parcelamento do solo, a edificação ou o uso excessivos ou inadequados em relação à infra-estrutura urbana d) a instalação de empreendimentos ou atividades que possam funcionar como pólos geradores de tráfego e) a retenção especulativa de imóvel urbano f) a deterioração das áreas urbanizadas g) a poluição e a degradação ambiental e.mail:

12 DOS INSTRUMENTOS Do parcelamento, edificação ou utilização compulsórios– Art. 5º Lei municipal específica para área incluída no plano diretor poderá determinar o parcelamento, a edificação ou a utilização compulsórios do solo urbano não edificado, subutilizado ou não utilizado, devendo fixar as condições e os prazos para implementação da referida obrigação. Os prazos não poderão ser inferiores a: - um ano, a partir da notificação, para que seja protocolado o projeto no órgão municipal competente - dois anos, a partir da aprovação do projeto, para iniciar as obras do empreendimento e.mail:

13 O IPTU Progressivo no Tempo Art. 7º - Permite ao governo municipal aumentar, progressivamente, o valor da alíquota do IPTU de um imóvel, caso seu proprietário não lhe dê a utilização conforme o previsto no Plano Diretor. - A medida consiste em uma espécie de “desincentivo” aos proprietários em manter imóveis abandonados, terrenos vazios sem edificação - O objetivo é combater a especulação imobiliária e induzir a utilização de áreas da cidade já dotadas de infra-estrutura urbana - As áreas passíveis de aplicação do IPTU progressivo no tempo devem ser previamente especificadas no Plano Diretor, que deve também definir os critérios que estabeleçam o que é subutilização, para cada região da cidade - Pode gerar a desapropriação – Art. 8º e.mail:

14 DO DIREITO DE PREEMPÇÃO Arts. 25 a 27 O principal objetivo é facilitar a aquisi ç ão de á reas para a realiza ç ão de projetos de interesse p ú blico, inclusive a implanta ç ão de á reas de prote ç ão ambiental e á reas verdes. e.mail:

15 Outorga Onerosa do Direito de Construir - Art. 28 O plano diretor poderá fixar áreas nas quais o direito de construir poderá ser exercido acima do coeficiente de aproveitamento (CA) básico adotado, mediante contrapartida a ser prestada pelo beneficiário. CA = Área Edificável Área do Terreno e.mail:

16 Operação Urbana Consorciada Arts. 32 a 34 É um conjunto de medidas coordenadas pelo município, com a participação de proprietários e moradores, a fim de se alcançar em uma área melhorias sociais, valorização ambiental e transformações urbanísticas estruturais. A fim de garantir que todos tenham existência digna e que a propriedade tenha seu domínio exercido no interesse da sociedade e não apenas em face dos interesses dos proprietários e.mail:

17 DO ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHAN Ç A Arts. 36. a 38 O Estudo de Impacto de Vizinhan ç a (EIV) é um instrumento que visa atenuar os conflitos de uso e ocupa ç ão do solo, criando uma nova possibilidade de intermedia ç ão entre os interesses dos empreendedores urbanos e a popula ç ão diretamente impactada, de modo a resguardar padrões m í nimos de qualidade de vida. Os impactos de vizinhan ç a mais comuns referem-se à s altera ç ões nas condi ç ões de trânsito e ao sossego p ú blico. A elaboração do EIV não substitui a elaboração do EIA e.mail:

18 DO PLANO DIRETOR Arts. 39 ao 42 Por ser o instrumento b á sico da pol í tica urbana municipal configura-se, tamb é m, como o instrumento fundamental da pol í tica ambiental urbana. Deve fixar as diretrizes de urbaniza ç ão e expansão urbana com base num referencial geogr á fico de uso e ocupa ç ão do solo que defina o macrozoneamento municipal (as zonas rural, urbana e de expansão urbana) e o zoneamento urbano conforme princ í pios locacionais que levem em conta a compatibilidade urban í stica e ambiental dos usos, com base nas caracter í sticas de suporte do meio f í sico e da infra-estrutura instalada. e.mail:

19 A Gestão Democrática da Cidade Arts. 43 ao 45 - É considerada como um dos pressupostos para a promo ç ão do desenvolvimento sustent á vel. - A falta de transparência é, talvez, a principal causa da m á gestão p ú blica - Vale destacar a importância da cria ç ão de ó rgãos colegiados de pol í tica urbana em n í vel local, ou seja, dos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Urbano que, associados aos Conselhos Municipais de Meio Ambiente (e dos demais ó rgãos colegiados), criariam a estrutura necess á ria para a gestão urbana participativa, atrav é s das consultas populares, debates, audiências p ú blicas e, principalmente, as conferências municipais de desenvolvimento urbano. e.mail:


Carregar ppt "e.mail: “Conjunto de Normas jurídicas reguladoras da atividade do Poder Público destinada a ordenar os."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google