A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Lubrificação Superfícies metálicas deslocando-se, apóiam-se sobre picos gerando alta pressão ocasionando micro soldas e cisalhamento (desgaste) Com lubrificante.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Lubrificação Superfícies metálicas deslocando-se, apóiam-se sobre picos gerando alta pressão ocasionando micro soldas e cisalhamento (desgaste) Com lubrificante."— Transcrição da apresentação:

1 Lubrificação Superfícies metálicas deslocando-se, apóiam-se sobre picos gerando alta pressão ocasionando micro soldas e cisalhamento (desgaste) Com lubrificante entre as superfícies, trocamos o cisalhamento das micro soldas pelo cisalhamento do filme de lubrificação, reduzindo o atrito (calor gerado e o desgaste)

2 Tipos de Atrito  de deslizamento  de rolamento  fluido

3 Tipos de Lubrificante  Gasosos - névoa de óleo  Sólidos – grafite, mica, bi-sulfeto de Mo  Pastosos – graxas  Líquidos – óleos lubrificantes

4 Lubrificação de Bombas Graxa Óleo - lubrificação forçada - banho ou nível - por névoa

5 Lubrificação com graxa Não encher completamente a caixa de mancal com graxa. Limitar em 2 / 3 do volume da caixa. Ao lubrificar, abrir o dreno da caixa de mancais. Certifique-se de que está ocorrendo a saída da graxa velha. Preferencialmente lubrificar com o equipamento girando.

6 Lubrificação Forçada a Óleo É usada geralmente com mancais de deslizamento. O sistema de lubrificação forçada é constituído principalmente por:  um reservatório  bomba de lubrificação (pode ter reserva).  resfriador de óleo, usando água ou ar, podendo ter reserva.  filtro de óleo ( pode ser com reserva)  alarmes e/ou cortes para proteção.

7 Lubrificação por Nível de Óleo Entre 1/3 e 1/2 esfera inferior

8 Caixa de Mancais

9 Nível de Óleo nos Rolamentos

10 Copo Nivelador de Óleo

11

12 Lubrificação por Anel Pescador

13 Lubrificação com anel pescador

14 Vida dos Rolamentos Apenas 9% dos rolamentos falham por desgaste normal. Principal causa de falha : contaminante no lubrificante. - Sujeira - Pós - Água - Vapor condensado

15 ÁGUA NO ÓLEO Existe sob 3 formas:  Livre  Emulsionada  Dissolvida

16 VIDA DO ROLAMENTO % de Água no Óleo Mineral Básico Redução vida do rolamento por fadiga 0,002 % 48 % 6 %83 %

17 Vida do Óleo x Temperatura

18 Vida Relativa do Mancal x Teor Água no Óleo

19 Redução da vida devido teor de água no óleo

20 Pressão na Zona de Carga de um Rolamento Pode atingir até P = psi = kg/cm 2 A lubrificação é elasto-hidrodinâmica

21

22 Água no óleo O problema da água no óleo é devido ao hidrogênio. A molécula de água quando submetida a altas pressões libera íons de H 2 que nos poros e micro trincas existentes abaixo das pistas dos rolamentos, ocasionam o empolamento por hidrogênio (hidrogen embrittlement), predispondo a falha por fadiga.

23 RETENTORES

24 API a. Ed Caixas de mancais devem ser equipadas com selos tipo labirintos e defletores renováveis; retentores não são aceitos. Selos e defletores devem ser de material não faiscante. O projeto dos selos e defletores devem efetivamente reter óleo na caixa e prevenir a entrada de material estranho.

25 Bearing Guard

26 Selos para Mancais - Tipo Selo Mecânico

27 Selos de Mancais Tipo Labirintos

28 Selos de Mancais - Magnético

29 Lubrificação por Névoa

30 Gerador de Névoa VORTEX O princípio “vortex”, é o sistema mais confiável para geração de névoa lubrificanteO princípio “vortex”, é o sistema mais confiável para geração de névoa lubrificante Sem Partes Móveis, livre de manutençãoSem Partes Móveis, livre de manutenção A mistura limpa de óleo e ar comprimido é seca, sai a uma pressão de 20” H 2 O (O,O5 Kg/cm2) e a uma temperatura de 16º CA mistura limpa de óleo e ar comprimido é seca, sai a uma pressão de 20” H 2 O (O,O5 Kg/cm2) e a uma temperatura de 16º C AR SECO, FILTRADO E PREAQUECIDO NÉVOA DE OLEO CÂMARA VORTEX DEFLETOR NIVEL DE OLEO NÉVOA DE ÓLEO AR AR AR AR AR AR AR

31 3 Micra NEVOA HUMIDA PARA LUBRIFICAR NEVOA HUMIDA PARA LUBRIFICAR NÉVOA SECA PARA SER TRANSPORTADA NÉVOA SECA PARA SER TRANSPORTADA CARACTERÍSTICAS DA NÉVOA LUBRIFICANTE 1 Parte de Óleo a cada 200,000 partes de ar. Mistura limpa Não inflamável Atóxica Pode ser transportada até 150 mts.

32 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO TÍPICO TANQUE DE ALIMENTAÇÃO DE ÓLEO TANQUE DE ALIMENTAÇÃO DE ÓLEO CONSOLE GERADOR DE NEVOA CONSOLE GERADOR DE NEVOA

33 DERIVAÇÃO DA NÉVOA PARAEQUIPAMENTOS TUBO GALVANIZADO DE 3/4”TUBO GALVANIZADO DE 3/4” UMA DERIVAÇÃO PARA CADA EQUIPAMENTOUMA DERIVAÇÃO PARA CADA EQUIPAMENTO TERMINA COM UM DISTRIBUIDOR (MANIFOLD)TERMINA COM UM DISTRIBUIDOR (MANIFOLD) TUBO GALVANIZADO DE 3/4”TUBO GALVANIZADO DE 3/4” UMA DERIVAÇÃO PARA CADA EQUIPAMENTOUMA DERIVAÇÃO PARA CADA EQUIPAMENTO TERMINA COM UM DISTRIBUIDOR (MANIFOLD)TERMINA COM UM DISTRIBUIDOR (MANIFOLD) HEADER DE 2” TUBO DE 3/4” RECLASIFICADORES DISTRIBUIDOR (MANIFOLD)

34 MANIFOLD

35 TIPOS DE RECLASSIFICADORES CONTROLA A QUANTIDADE DE LUBRIFICANTE PARA CADA PONTO A LUBRIFICAR. CONVERTE A NÉVOA SECA EM NÉVOA ÚMIDA. DEFINE O “TIPO” DE LUBRIFICAÇÃO. UM RECLASSIFICADOR POR CADA PONTO A LUBRIFICAR SPRAYNÉVOA CONDENSADO DIRECIONAL

36 LUBRIFICAÇÃO CONVENCIONAL O nível constante deve chegar no máximo a metade do rolamento inferior. Alta contaminação, incrementa o coeficiente de atrito e conseqüentemente a temperatura. A vida dos rolamentos se reduz até 60%.

37 APLICAÇÃO DE NÉVOA PURA EM BOMBAS TUBING COLETOR ECOLOGICO RECLASIFICADOR MANIFOLD

38 SEGUNDO A NORMA API 610, 8ª EDIÇÃO TUBING ACO INOXIDAVEL COLETOR ECOLOGICO RECLASSIFICADOR DISTRIBUIDOR APLICAÇÃODE NÉVOA PURA EM BOMBA OVERHUNG ENTRADADENEVOA DRENONEVOA

39 BOMBA BALANCEADA RECLASSIFICADORES DIRECIONAIS DE NÉVOA PURA COLETOR ECOLOGICO DRENO DE VENT RECLASSIFICADORES DIRECIONAIS DE NÉVOA PURA

40 NEVOA PURA ELIMINAÇÃO DE ANEL PESCADOR. ELIMINAÇÃO DE NIVEL DE LUBRIFICANTE. ELIMINAÇÃO DE COPO INDICADOR DE NIVEL.

41 NEVOA DE PURGA O NIVEL DE LUBRIFICANTE SE MANTEM CONSTANTE. A ENTRADA DE NEVOA É NA PARTE SUPERIOR. PRESSURIZA E MANTEM LIVRE DE CONTAMINANTES A CAIXA DE MANCAL. DIMINUI A TEMPERATURA DE OPERAÇÃO.

42 MOTOR ELÉTRICO APLICAÇÃO DE NÉVOA PURA ALIMENTAÇÃO DE NÉVOA ALIMENTAÇÃO DRENO SELOS TUBING AO COLETOR ECOLOGICO

43

44 MOTOR ELÉTRICO COM NÉVOA PURGA NÉVOA PURGA ALIMENTAÇÃO DE NÉVOA DRENO DE VENT

45 PILLOW BLOCK (CAIXA DE ROLAMENTO)

46 SISTEMA AUTOMÁTICO DE ALIMENTAÇÃO DE ÓLEO TANQUE DEPÓSITO BST DE 110 GALOES. TANQUE DEPÓSITO BST DE 110 GALOES. BOMBA PNEUMÁTICA. BOMBA PNEUMÁTICA. FILTRAÇÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA. FILTRAÇÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA.

47 EFEITOS E BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE NÉVOA PURA REDUÇÃO DE TEMPERATURA OPERAÇÃO EM ROLAMENTOS – MÉDIA DE 15%. REDUCAO DOS COEFICIENTE DE FRICÇÃO EM 25%. REDUÇÃO ATÉ EM 90% DOS REPAROS POR FALHAS DE LUBRIFICAÇÃO. ELIMINAÇÃO DA TOTALIDADE DOS CONTAMINANTES EM ROLAMENTOS. INCREMENTO ATÉ EM 6 VEZES A VIDA DOS ROLAMENTOS. REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA.


Carregar ppt "Lubrificação Superfícies metálicas deslocando-se, apóiam-se sobre picos gerando alta pressão ocasionando micro soldas e cisalhamento (desgaste) Com lubrificante."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google