A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Cesarianas desnecessárias: Causas, conseqüências e estratégias para sua redução GRUPO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Cesarianas desnecessárias: Causas, conseqüências e estratégias para sua redução GRUPO."— Transcrição da apresentação:

1 Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Cesarianas desnecessárias: Causas, conseqüências e estratégias para sua redução GRUPO DE PESQUISA: Epidemiologia e Avaliação de Programas sobre Saúde Materno-infantil COORDENAÇÃO: Maria do Carmo Leal – ENSP/Fiocruz EQUIPE DE PESQUISADORES: Silvana Granado Nogueira da Gama – ENSP/Fiocruz Rosa Maria Soares Madeira Domingues - ENSP/Fiocruz Sandra Costa Fonseca - UFF Marcos Augusto Bastos Dias – IFF/Fiocruz Mariza Miranda Theme Filha – SMS/RJ Penha Maria Mendes da Rocha – SMS/RJ Sonia Duarte Azevedo Bittencourt – ENSP/Fiocruz Ana Paula Esteves Pereira – ENSP/Fiocruz Arthur Orlando Correa Schilithz - ENSP/Fiocruz

2 ALGUNS RESULTADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS E PERFIL REPRODUTIVO  Foram entrevistadas 254 puérperas na unidade 1 (Município do RJ) e 183 na unidade 2 (Região Metropolitana do RJ), totalizando 437 mulheres, com um percentual de perdas de apenas 3%.  A média de idade foi de 28 anos, com maior proporção de adolescentes na unidade 2.  Mais de 80% das mulheres apresentavam ensino fundamental completo; entretanto, observou-se o dobro de mulheres com fundamental incompleto na unidade 2 e uma proporção muito maior de mulheres com ensino superior na unidade 1.

3 ALGUNS RESULTADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS E PERFIL REPRODUTIVO  Mais de 90% das mulheres nas duas unidades referiam ser casadas ou viver com companheiro.  Em relação à cor da pele, mais de 50% das mulheres, se auto declararam pardas ou negras, sendo, com maior proporção de brancas na unidade 1.  Mais de 60% das entrevistadas declararam ter ocupação remunerada, um pouco mais freqüente na unidade 1.

4

5 ALGUNS RESULTADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS E PERFIL REPRODUTIVO  Quase 20% das mulheres da unidade 2 informaram uma renda familiar inferior a dois salários mínimos, enquanto na unidade 1, mais de 10% relataram renda superior a dez salários mínimos.  Na unidade 2, observou-se maior proporção de primigestas e de primíparas. Em ambas as unidades, para aquelas com histórias de partos anteriores, verificou-se elevada proporção de cesarianas pregressas.

6 DADOS GESTAÇÃO ATUAL  Quase a totalidade das mulheres realizou sua assistência pré-natal em consultório particular.  Mais de 90% das mulheres, nas duas unidades, relataram início precoce da assistência pré-natal e realização de exame de ultra-sonografia no primeiro trimestre gestacional.  O número de consultas também foi elevado, com quase 100% das mulheres tendo acesso ao mínimo de seis consultas de pré-natal.

7 DADOS GESTAÇÃO ATUAL  O acesso à informação durante a gestação foi bastante diferenciado nos dois grupos. As mulheres da unidade 1 relataram se sentir mais informadas sobre as vantagens e desvantagens do diferentes tipos de parto em comparação às mulheres da unidade 2.  Em relação às intercorrências apresentadas ao longo da gestação, verificam-se poucas diferenças entre as duas unidades. Dentre as mulheres, das duas unidades, que relataram hipertensão na gravidez, cerca de 65% faziam uso de medicação para tratamento dessa patologia.

8 Preferência inicial pelo tipo de parto  Mais de 36% das mulheres na Unidade 1 e 32,8% na unidade 2 preferiam parto cesáreo desde o início da gestação.  Quando analisamos apenas as primíparas, a proporção de preferência por cesariana foi menor, 20% e 23%, respectivamente, nas unidades 1 e 2.

9

10 Decisão pelo tipo de parto ao final da gestação  Cerca de 70% das mulheres relataram que, ao final da gestação, já havia a decisão de realizar cesariana.  Na unidade 1, em quase metade dos casos a escolha foi da mulher, enquanto na unidade 2, na maioria das vezes, essa foi uma decisão conjunta da mulher e do médico.  Quando a decisão foi apenas da mulher, os principais fatores relatados foram: o desejo de ligar as trompas, não querer sentir a dor do parto, e histórico de cesariana anterior. Quando foi exclusiva do médico ou conjunta com a mulher, os mais citados foram: a presença de circular de cordão, histórico de cesariana anterior, o relato de um bebê grande, e a presença de complicações na gravidez, sobretudo a hipertensão.

11 Decisão no momento do parto  Os resultados sugerem que a decisão por cesariana no final da gestação foi o maior preditor de cesariana no momento do parto.  Deve-se ressaltar, entretanto, que o número de mulheres que entraram em trabalho de parto foi muito pequeno.  Observa-se que no momento do parto, a maioria das trajetórias terminou em parto cesáreo, independente do desejo inicial.

12 Assistência ao parto e indicação de cesariana  Foi encontrada uma proporção de 88,1% de partos cesáreos e 11,9% de partos normais, com distribuição semelhante nas duas maternidades.  92% das cesarianas foram realizadas eletivamente, antes da entrada da mulher em trabalho de parto.

13

14 Assistência ao parto e indicação de cesariana  Após revisão e análise de todos os partos cesáreos com indicação médica, não foi possível avaliar a adequação da indicação em 10,2% por ausência de informações no prontuário. Nos casos em que foi possível a avaliação, concluiu-se que 91,8% foram inadequadas e apenas 8,2% adequadas. A principal razão para a inadequação da indicação da cesariana foi a ausência de uma prova de trabalho de parto para várias condições que não constituem indicações absolutas para um parto cesáreo.  Em relação ao manejo do trabalho de parto, avaliou- se que 64,9% das mulheres tiveram manejo inadequado do trabalho de parto, 10,4% parcialmente adequado e nenhum adequado.

15 I – Estratégias voltadas para as mulheres e população geral  Campanhas educativas sobre as vantagens e desvantagens dos diferentes tipos de parto e sobre as práticas assistenciais disponíveis. É importante que essas campanhas valorizem o desejo existente das mulheres de ter um parto normal e informem sobre as práticas benéficas para o acompanhamento do trabalho de parto

16 II – Estratégias voltadas para os gestores  Implantação do cartão da gestante nos serviços do sistema de saúde suplementar, como forma de aumentar a informação e o controle da mulher sobre a sua gestação, bem como melhorar a qualidade da informação disponível nesses serviços por ocasião da internação hospitalar. Pode-se adotar o próprio cartão do Ministério da Saúde, cuja última versão foi implantada este ano, ou outro modelo que se julgue adequado;

17 II – Estratégias voltadas para os gestores  Implantação de registro hospitalar padronizado, baseado em recomendações da Organização Mundial de Saúde, que permita o adequado acompanhamento do trabalho de parto e parto;  Estabelecimento de sistema de informação composto por cartão da gestante e prontuário hospitalar, que permita monitorar características da gestação, intervenções obstétricas, além de desfechos perinatais das mulheres atendidas no sistema de saúde suplementar;

18 II – Estratégias voltadas para os gestores  Implantação de equipes plantonistas (obstetras e enfermeiras obstetras) nos hospitais/maternidades permitindo ao profissional utilizar esta equipe como apoio para o atendimento às gestantes que necessitem de assistência continuada (trabalho de parto inicial, indução do parto, etc...);  Realização de estudos que avaliem o impacto financeiro (custos) e na saúde da população do modelo de assistência ao parto no sistema de saúde suplementar, uma vez que o mesmo está relacionado com um cuidado que resulta numa taxa de 90% de cesarianas;

19 II – Estratégias voltadas para os gestores  Inclusão do pagamento, pelos planos de saúde, de partos domiciliares, partos assistidos por enfermeiras obstetras e assistência por doulas;  Incentivo aos hospitais que integram o sistema de saúde suplementar para que adotem medidas que favoreçam a implantação de práticas consideradas humanizadoras da assistência ao parto, inclusive com adequações das estruturas físicas das áreas de centro obstétrico (ex: adoção de quartos PPP - pré-parto/parto/ puerpério imediato);

20 II – Estratégias voltadas para os gestores  Implantação de certificação das unidades hospitalares com assistência humanizada, a exemplo do título “Galba Araújo” concedido pelo Ministério da Saúde às maternidades que prestam assistência humanizada ao parto e nascimento.

21 III – Estratégias voltadas para os profissionais  Estabelecimento de protocolos de assistência ao pré-natal, ao parto e ao recém-nato no sistema de saúde suplementar, visando alcançar padrão de qualidade assistencial que resulte em melhores indicadores de saúde da clientela atendida nesses serviços;  Promover capacitação dos profissionais no cuidado obstétrico baseado em evidências científicas, buscando parcerias com entidades médicas e universidades;

22 III – Estratégias voltadas para os profissionais  Elaboração de periódico próprio da ANS, direcionado a todos os profissionais que atuam no sistema de saúde suplementar, como meio de divulgação de evidências científicas sobre as boas práticas;  Estabelecimento de patamares progressivamente menores de taxas de cesariana para cada profissional conveniado, entendendo que taxas elevadas desta cirurgia implicam em riscos e custos desnecessários às consumidoras dos serviços de seguro saúde. Essa iniciativa poderia ser acompanhada por auditoria médica, já realizada pelas seguradoras;

23 III – Estratégias voltadas para os profissionais  Estabelecimento de métodos de avaliação periódica da atualização profissional dos médicos conveniados e de sua adesão a protocolos de atendimento baseados em evidências cientificas. Adotar essa avaliação periódica como critério para renovação de credenciamento.


Carregar ppt "Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Cesarianas desnecessárias: Causas, conseqüências e estratégias para sua redução GRUPO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google