A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

– coinf.cm.utfpr.edu.br 1 Prof. Reginaldo Ré Universidade Tecnológica Federal.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "– coinf.cm.utfpr.edu.br 1 Prof. Reginaldo Ré Universidade Tecnológica Federal."— Transcrição da apresentação:

1 – coinf.cm.utfpr.edu.br 1 Prof. Reginaldo Ré Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Campo Mourão COINT - Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Introdução à Programação usando Linguagem C

2 – coinf.cm.utfpr.edu.br 2 Aulas adaptadas dos materiais... Do. Prof. Rogério Aparecido Gonçalves –http://coinf.cm.utfpr.edu.br/docentes/rogerioag Do Prof. Leandro Galvão –www.dcc.ufam.edu.br/~galvao/ De Allan Diego Silva Lima –http://allanlima.wordpress.com/

3 – coinf.cm.utfpr.edu.br 3 Aula 2 - Sumário Funções Matemáticas Estruturas de Controle Estruturas condicionais (ou de seleção, ou de decisão) Simples Composta Múltipla escolha Estruturas de repetição Com condição no início Com condição no final Com variável de controle

4 – coinf.cm.utfpr.edu.br 4 abs : Valor absoluto de um número inteiro. Definida na biblioteca stdlib.h abs( ); abs(-4); abs(4); abs(num); abs(num/2); abs(-num); abs(-4); abs(4); abs(num); abs(num/2); abs(-num); Valor absoluto

5 – coinf.cm.utfpr.edu.br 5 fabs : Valor absoluto de um número real. Definida na biblioteca math.h fabs( ); fabs(-4.123); fabs(4./9.); fabs(num); fabs(num/.2); fabs(-num); fabs(-4.123); fabs(4./9.); fabs(num); fabs(num/.2); fabs(-num); 51 Valor absoluto

6 – coinf.cm.utfpr.edu.br 6 pow(base, expoente);// base^(expoente) exp(num); // e^(num) pow(base, expoente);// base^(expoente) exp(num); // e^(num) Potenciação pow : operação de potenciação. exp : número neperiano elevado ao argumento. Resultado é sempre do tipo float, independente do tipo do argumento. Definidas na biblioteca math.h

7 – coinf.cm.utfpr.edu.br 7 log(valor); log10(valor); log2_10 = log(10)/log(2); log(valor); log10(valor); log2_10 = log(10)/log(2); Logaritmo Definidas na biblioteca math.h log : logaritmo natural (base neperiana). log10 : logaritmo na base 10. Resultado é sempre do tipo float, independente do tipo do argumento.

8 – coinf.cm.utfpr.edu.br 8 sqrt(número); 52 Raiz quadrada sqrt : raiz quadrada (square root). Resultado é sempre do tipo float, independente do tipo do argumento. Definida na biblioteca math.h

9 – coinf.cm.utfpr.edu.br 9 sin(angulo); cos(angulo); tan(angulo); sin(angulo); cos(angulo); tan(angulo); Funções Trigonométricas Definidas na biblioteca math.h sin : seno de um ângulo. cos : cosseno de um ângulo. tan : tangente de um ângulo.

10 – coinf.cm.utfpr.edu.br 10 asin(valor); acos(valor); atan(valor); asin(valor); acos(valor); atan(valor); Funções Trigonométricas Definidas na biblioteca math.h asin : arco-seno de um valor. acos : arco-cosseno de um valor. atan : arco-tangente de um valor.

11 – coinf.cm.utfpr.edu.br sinh(valor); cosh(valor); tanh(valor); sinh(valor); cosh(valor); tanh(valor); Funções Trigonométricas Hiperbólicas Definidas na biblioteca math.h sinh : seno hiperbólico de um valor. cosh : cosseno hiperbólico de um valor. tanh : tangente hiperbólica de um valor.

12 – coinf.cm.utfpr.edu.br Arredondamento round : arredonda para o inteiro mais próximo. ceil : arredonda para o menor inteiro maior que o número. floor : arredonda para o maior inteiro menor que o número. Resultado é sempre do tipo float.

13 – coinf.cm.utfpr.edu.br 13 Realizam a execução de um conjunto de comandos de acordo com o valor de uma expressão. Servem para alterar o fluxo de execução de um programa baseado no valor, verdadeiro ou falso, de uma expressão lógica. Estrutura Condicional ou de Seleção

14 – coinf.cm.utfpr.edu.br 14 if ( ){ } if ( ){ } Estrutura Condicional Simples Na linguagem C, a estrutura condicional simples possui a seguinte sintaxe: Altera o fluxo de controle do programa. Uso: Quando é necessário escolher entre dois caminhos. Se a expressão for verdadeira (qualquer valor diferente de zero), serão executados os comandos

15 – coinf.cm.utfpr.edu.br 15 Na linguagem C, a estrutura condicional composta possui a seguinte sintaxe: Altera o fluxo de controle do programa. Uso: Quando é necessário escolher entre dois caminhos. Se a expressão for verdadeira, serão executados os comandos1, caso contrário (condição for falsa), seão executados os comandos2. if ( ){ } else { } if ( ){ } else { } Estrutura Condicional Composta

16 – coinf.cm.utfpr.edu.br 16 if ( ){ } else{ } else{ if ( ){ } else{ } if ( ){ } else{ } else{ if ( ){ } else{ } Estrutura Condicional Composta Quando temos estruturas condicionais presentes em blocos de comandos de outras estruturas condicionais, chamamos de estruturas aninhadas ou encadeadas:

17 – coinf.cm.utfpr.edu.br 17 x = 2; if (x < 2) if (x >= -3) printf("\n x está entre [-3;1]"); else printf("x é maior que 1"); x = 2; if (x < 2) if (x >= -3) printf("\n x está entre [-3;1]"); else printf("x é maior que 1"); x = 2; if (x < 2){ if (x >= -3) printf("\n x está entre [-3;1]"); } else printf("x é maior que 1"); x = 2; if (x < 2){ if (x >= -3) printf("\n x está entre [-3;1]"); } else printf("x é maior que 1"); Estrutura Condicional Composta Ambigüidade: na falta de chaves, a linguagem C associa o else sempre ao último if. Portanto, para que a construção funcione como desejado, pode-se resolver o problema usando bloco.

18 – coinf.cm.utfpr.edu.br 18 Exemplo

19 – coinf.cm.utfpr.edu.br 19 O operador ternário ? possui a seguinte sintaxe: Exp1 é avaliada: –Se for verdadeira, Exp2 se torna o valor da instrução. –Se for falsa, Exp3 se torna o valor da instrução. Exp1 ? Exp2 : Exp3; Operador Condicional

20 – coinf.cm.utfpr.edu.br 20 Considere um par de valores (x, y) Eles representam as coordenadas de um ponto no plano Determinar: –o quadrante ao qual pertence o ponto, ou –se está sobre um dos eixos cartesianos Exercício

21 – coinf.cm.utfpr.edu.br 21 ex01 Escrever um programa que dado 3 números inteiros como entrada, mostra como saída: –qual é o maior número –qual é o número intermediário –qual é o menor número. Parece fácil..., mas será que é ? Desafio

22 – coinf.cm.utfpr.edu.br 22 switch ( ){ case Constante1: case Constante1: break; break; case Constante2: case Constante2: break; break; default: default: } switch ( ){ case Constante1: case Constante1: break; break; case Constante2: case Constante2: break; break; default: default: } Estrutura Condicional de Múltipla Escolha Instrução de seleção de múltipla escolha:

23 – coinf.cm.utfpr.edu.br 23 Estrutura Condicional de Múltipla Escolha Funcionamento do comando switch : –Analisa a expressão ou valor. –Caso seja igual a Constante1, então executa “comandos1” e vai para o final do switch. –Caso seja Constante2, então executa “comandos2” e vai para o final do switch. –Assim sucessivamente... –Caso não seja nenhuma das alternativas, vai para o default, executa “comandosN” e encerra o switch.

24 – coinf.cm.utfpr.edu.br 24 Estrutura Condicional de Múltipla Escolha O parâmetro do switch deve ser int ou char. O valor após o case dever ser uma constante (não pode ser uma variável). Instrução break : –Faz com que aconteça a saída imediata daquela estrutura (no caso, o comando switch ). –A execução do programa continua com a primeira instrução depois da estrutura. –Sua ausência faz o controle passar ao próximo case, o que não é desejado.

25 – coinf.cm.utfpr.edu.br 25 Exercício Os funcionários de uma empresa receberam um aumento de salário: –Técnicos: 50% –Gerentes: 30% –Demais: 20% Escrever um programa que receba como entrada o salário atual e o cargo do funcionário, e apresente o novo salário após o aumento.

26 – coinf.cm.utfpr.edu.br 26 Exercício A nota final de um estudante é calculada a partir de três notas parciais. Faça um programa que receba e calcule e mostre a média aritmética e o conceito de acordo com a tabela:

27 – coinf.cm.utfpr.edu.br 27 Permite que um certo trecho de programa seja executado ENQUANTO uma certa condição for verdadeira. Enquanto condição for verdadeira (qualquer valor diferente de zero), será executado o comandos_a_repetir; caso contrário (condição for falsa), executará o primeiro comando após o while. while ( ){ } while ( ){ } Repetição por condição no início

28 – coinf.cm.utfpr.edu.br 28 Funcionamento: 1.Testar a condição. 2.Se a condição for falsa, então sair do laço. 3.Se a condição for verdadeira, então executar cada um dos comandos do interior do laço. 4.Após executar o último comando do laço while, voltar ao passo 1. Repetição por condição no início

29 – coinf.cm.utfpr.edu.br 29 O while deve ser usado sempre que: –Não soubermos exatamente quantas vezes o laço deve ser repetido –O teste deva ser feito antes de iniciar a execução de um bloco de comandos –Houver casos em que o laço não deva ser repetido nenhuma vez antes do teste da condição Atenção: –As variáveis usadas no teste devem ser inicializadas antes do teste. Repetição por condição no início

30 – coinf.cm.utfpr.edu.br 30 do{ } while ( ); do{ } while ( ); Repetição por condição no fim Permite que um certo trecho de programa seja executado ATÉ QUE uma certa condição deixe de ser verdadeira: Executará o comandos_a_repetir enquanto condição for verdadeira (qualquer valor diferente de zero); caso contrário (condição for falsa), executará o primeiro comando após o do...while.

31 – coinf.cm.utfpr.edu.br 31 Repetição por condição no fim Funcionamento: 1.Executar os comando dentro do bloco do-while. 2.Testar a condição. 3.Se a condição for falsa, então sair do laço. 4.Se a condição for verdadeira, então retornar para o passo 1.

32 – coinf.cm.utfpr.edu.br 32 O comando do-while deve ser usado sempre que: –Não soubermos exatamente quantas vezes o laço deve ser repetido –O teste deva ser feito depois da execução de um bloco de comandos –O bloco de comandos deve se executado pelo menos uma vez Repetição por condição no fim

33 – coinf.cm.utfpr.edu.br 33 Ler um número e verificar se este é ou não um número primo. Exercícios

34 – coinf.cm.utfpr.edu.br 34 for (comandos_inic; condição_teste; incre/decremento) {}; {}; Repetição por contagem Permite que um certo trecho de programa seja executado um número determinado de vezes. Executará o comandos_a_repetir enquanto o valor da variável de controle não exceder o valor máximo determinado.

35 – coinf.cm.utfpr.edu.br 35 Repetição por contagem

36 – coinf.cm.utfpr.edu.br 36 Funcionamento: 1.Executar os comandos de inicialização. 2.Testar a condição. 3.Se a condição for falsa então sair do laço for. 4.Se a condição for verdadeira então executar os comandos que estão subordinados ao for. 5.Executar os comandos de incremento/decremento. 6.Voltar ao passo 2. Repetição por contagem

37 – coinf.cm.utfpr.edu.br 37 Repetição por contagem Observações: –Os comandos de inicialização são executados apenas uma vez. –O contador é incrementado/decrementado sempre ao final da execução do bloco. –O teste é feito sempre antes do início da execução do bloco de comandos.

38 – coinf.cm.utfpr.edu.br 38 Repetição por contagem O comando for deve ser usado sempre que: –Soubermos exatamente quantas vezes o laço deve ser repetido. –O teste deva ser feito antes da execução de um bloco de comandos. –Houver casos em que o laço não deva ser repetido nenhuma vez.

39 – coinf.cm.utfpr.edu.br 39 for ( ; condição_teste; incre/decremento) Repetição por contagem Flexibilidade do comando for –Se nenhuma inicialização é necessária, pode-se omitir a declaração

40 – coinf.cm.utfpr.edu.br 40 for (comandos_inic; ; incre/decremento) Repetição por contagem Flexibilidade do comando for –Se condição_teste é omitida, o comando for pode ficar em um laço infinito.

41 – coinf.cm.utfpr.edu.br 41 for (comandos_inic; condição_teste; ) Repetição por contagem Flexibilidade do comando for –Se incre/decremento é omitido, deve-se, atualizar a variável de laço em um comando dentro do laço.

42 – coinf.cm.utfpr.edu.br 42 Repetição por contagem Comandos for aninhados –Um comando for pode ser utilizado dentro de outro comando for. –Cuidados devem ser tomados para não aumentar o tempo de execução do algoritmo.

43 – coinf.cm.utfpr.edu.br 43 Repetição por contagem Cálculo de séries 1.Determinar o termo geral. 2.Determinar valor inicial do contador. 3.Determinar valor final do contador.

44 – coinf.cm.utfpr.edu.br 44 Exercícios 1. Faça um programa para calcular e mostrar o valor de S:

45 – coinf.cm.utfpr.edu.br 45 Exercícios Faça um programa que receba como entrada um numero N qualquer. O programa deve calcular e mostrar a sequencia de Fibonacci até N. –{1,1,2,3,5,8,13,21,34,55,89,144,233,377,...}


Carregar ppt "– coinf.cm.utfpr.edu.br 1 Prof. Reginaldo Ré Universidade Tecnológica Federal."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google