A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Treinamento para Docentes

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Treinamento para Docentes"— Transcrição da apresentação:

1 Treinamento para Docentes
Programação e Operação em Torno CNC – Ergomat com comando Fanuc 0i-TB Carlos Alberto Pereira CFP-101

2 Conteúdo do Treinamento
Normas para programação Sistema de referência e fixação de ferramentas Sistema de coordenadas absolutas e incremental Funções prepararatórias de deslocamento Funções auxiliares miscelâneas Controle linear e circular de deslocamento Introdução à programação Elaboração de programas Simulador EMCO WINNC32 GE Fanuc series 21T Compensação do raio de corte Ciclos automáticos de usinagem Preparação e operação do Torno TND-180 da Ergomat Transmissão de programas via Ethernet Usinagem de peça sugerida Carlos Alberto Pereira CFP-101

3 Carlos Alberto Pereira CFP-101

4 Revolver com 12 posições para ferramentas
Carlos Alberto Pereira CFP-101

5 ATC – para cálculo automático de ferramentas (pre-set)
Carlos Alberto Pereira CFP-101

6 Carlos Alberto Pereira CFP-101
Conceitos básicos Norma ISO 6983 A Norma ISO 6983 descreve o formato das instruções do programa para máquinas de Controle Numérico. Trata-se de um formato geral de programação e não um formato para um tipo de máquina específica. A flexibilidade desta norma não garante intercambiabilidade de programas entre máquinas. Os objetivos desta norma são : unificar os formatos-padrões anteriores numa Norma Internacional para sistemas de controle de posicionamento, movimento linear e contorneamento; introduzir um formato-padrão para novas funções, não descritas nas normas anteriores; reduzir a diferença de programação entre diferentes máquinas ou unidades de controle, uniformizando técnicas de programação; desenvolver uma linha de ação que facilite a intercambiabilidade de programas entre máquinas de controle numérico de mesma classificação, por tipo, processo, função, tamanho e precisão; Carlos Alberto Pereira CFP-101

7 Carlos Alberto Pereira CFP-101
Conceitos básicos (Norma DIN-66217) Este sistema garante que a ferramenta pode ser comandada exatamente através dos percursos que realize, porque os pontos na área de trabalho da máquina estão definidos. Podemos definir pontos através de um sistema de coordenadas Nas máquinas ferramenta, o sistema de coordenadas determinadas pela regra da mão direita, pode variar de posição em função do tipo de máquina, mas sempre seguirá a regra da mão direta, onde os dedos apontam o sentido positivo dos eixos imaginários; e o eixo “Z” será coincidente ou paralelo ao eixo árvore principal. ( ISO 841 ) A nomenclatura dos eixos e movimentos está definida na norma internacional ( ISO 841 ) (Numerical control of machines) e é aplicável a todo tipo de máquina-ferramenta. Os eixos rotativos são designados com as letras A, B e C; os eixos principais de avanço com as letras X, Y e Z. Carlos Alberto Pereira CFP-101

8 Regra da Mão Direita (conforme DIN-66217)
Sistema Principal Carlos Alberto Pereira CFP-101

9 Fresadoras e Centros de Usinagem
Eixo árvore na Vertical Eixo árvore na Horizontal Carlos Alberto Pereira CFP-101

10 Eixos Rotativos “eixo A” - rotação em torno do eixo X
“eixo B” - rotação em torno do eixo Y “eixo C” - rotação em torno do eixo Z Carlos Alberto Pereira CFP-101

11 Carlos Alberto Pereira CFP-101
Sistema Secundário Em máquinas com acionamento duplo, por exemplo, duas torres, é necessário diferenciar para o comando, qual o revólver-ferramenta que será movimentado. Para este fim, usa-se um sistema de eixos, igual ao sistema principal, mas que recebe outras letras para a designação dos seus eixos, que são U, V e W, sendo: Eixo U paralelo ao eixo X do sistema principal Eixo V paralelo ao eixo Y Eixo W paralelo ao eixo Z. Carlos Alberto Pereira CFP-101

12 Eixos auxiliares de programação
Usados por exemplo, para localizar o centro dos raios de curvatura quando se usinam segmentos de arco (trechos curvilíneos do contorno das peças em usinagem), sendo estes eixos designados pelas letras I, J e K. Eixo I é paralelo ao eixo X. Eixo J relaciona-se aos movimentos executados em paralelo ao eixo Y. Eixo K representa os deslocamentos paralelos ao eixo Z. Carlos Alberto Pereira CFP-101

13 Carlos Alberto Pereira CFP-101
Tornos CNC Simertia Inferior Simertia Superior Carlos Alberto Pereira CFP-101

14 Carlos Alberto Pereira CFP-101
Pontos de referência Ponto Zero da Máquina : M Ponto de Referência: R Ponto Zero da Peça: W Carlos Alberto Pereira CFP-101

15 Pontos zeros e de referências
Carlos Alberto Pereira CFP-101

16 Carlos Alberto Pereira CFP-101
Ponto zero peça Carlos Alberto Pereira CFP-101

17 Coordenadas Absolutas
Coordenadas absolutas com o ponto zero no encosto das castanhas e torre traseira Coordenadas Absolutas Pontos X Z P1 60 P2 20 P3 40 P4 P5 P6 P7 Carlos Alberto Pereira CFP-101

18 Coordenadas Absolutas
Coordenadas absolutas com o ponto zero na face da peça e torre traseira Coordenadas Absolutas Pontos X Z P1 P2 20 P3 -20 P4 40 P5 -40 P6 60 P7 -60 Carlos Alberto Pereira CFP-101

19 Coordenadas Incrementais
Coordenadas incrementais com o ponto zero no encosto das castanhas e torre traseira Coordenadas Incrementais Pontos X Z P1 60 P2 20 P3 -20 P4 P5 P6 P7 Carlos Alberto Pereira CFP-101

20 Exercício de coordenadas absolutas
Pontos X Z P1 P2 P3 P4 P5 P6 P7 P8 P9 P10 Carlos Alberto Pereira CFP-101

21 Exercício de coordenadas incrementais
Pontos X Z P1 P2 P3 P4 P5 P6 P7 P8 P9 P10 Carlos Alberto Pereira CFP-101

22 Listas das funções preparatórias de deslocamento
G00 Interpolação linear com avanço rápido G01 Interpolação linear com avanço programado G02 Interpolação circular sentido horário G03 Interpolação circular sentido anti-horário G04 Tempo de permanência com endereço X G28 Deslocamento em relação ao ponto de referência da máquina G33 Ciclo básico de roscamento G40 Desativa a compensação do raio de corte G41 Ativa a compensação do raio de corte à esquerda G42 Ativa a compensação do raio de corte à direita G53 Deslocamento a partir do ponto zero máquina G54 Ativa o primeiro deslocamento de ponto zero G55 Ativa o segundo deslocamento de ponto zero G56 Ativa o terceiro deslocamento de ponto zero G57 Ativa o quarto deslocamento de ponto zero Carlos Alberto Pereira CFP-101

23 Carlos Alberto Pereira CFP-101
G58 Ativa o quinto deslocamento de ponto zero G59 Ativa o sexto deslocamento de ponto zero G65 Chamada de sub-programa (macro) G70 Ciclo de acabamento G71 Ciclo de desbaste longitudinal G72 Ciclo de desbaste transversal G76 Ciclo de abertura de roscas G80 Cancela ciclo de furação G83 Ciclo de furação profunda G84 Ciclo de rosca com macho rígido G90 Coordenadas em valores absolutos G91 Coordenadas em valores incrementais G92 Limitação de rotação do fuso G94 Define o avanço em mm/min G95 Define o avanço em mm/rotação G96 Define o valor de giro em velocidade de corte constante G97 Define o valor de giro em rotações por minuto Carlos Alberto Pereira CFP-101

24 Listas das funções miscelâneas
M00 Interrompe a execução do programa e desliga a placa M01 Parada opcional do programa M03 Liga o eixo árvore no sentido horário M04 Liga o eixo árvore no sentido anti-horário M05 Desliga o eixo árvore M07 Liga o óleo refrigerante M09 Desliga o óleo refrigerante M10 Fechar placa M11 Abrir placa M28 Avançar mangote M29 Recuar mangote M30 Fim de Programa M98 Chamada de sub-rotina ou sub-programa M99 Fim de sub-rotina ou sub-programa M129 Ativar rosca rígida M901 Ativar modo de tombar o revolver com as setas direcionais Carlos Alberto Pereira CFP-101

25 Funções auxiliares para programação
Função O Número de programa ou sub-programa, composto por até 4 digitos, podendo variar de 0001 até 9999. Ex.: O1965 – Programa número 1965 Função N Número da sentença, do bloco ou da linha. Exemplo: N50 – Sentença número 50 Função T Selecionar as ferramentas no revólver informando à máquina o seu zeramento (PRE-SET), raio do inserto, sentido de corte e corretores. Exemplo : T01 01 Função S S – Speed – RPM ou VCC dependendo da função G92 , G96 ou G97 Carlos Alberto Pereira CFP-101

26 Carlos Alberto Pereira CFP-101
Função F F – Feed – Avanço Exemplo : F0.2 Avanço de 0,2 mm por rotação Função / / – Utilizamos a função ( / ) barra quando for necessário inibir a execução de blocos no programa, sem alterar a programação, somado a acionar o botão que ativa este comando. exemplo : / N35 Função ; ; - Função EOB (End of Block) é utilizada no final de cada bloco ou sentença com o intuito de finaliza-la para que outra possa ser aberta. Exemplo : N50 X100 Z50 ; Função ( ) ( ) – Os caracteres parênteses permitem a inserção de comentários. Exemplo : O1965 ( PEÇA PROVA) ; Carlos Alberto Pereira CFP-101

27 Exemplo de programação utilizando interpolações Lineares
Coordenadas Absolutas Pontos X Z P1 240 300 P2 3 P3 P4 30 P5 -30 P6 50 -40 P7 53 Carlos Alberto Pereira CFP-101

28 Estrutura do Programa CNC
O0001 (EXEMPLO-01); N05 G53 G00 X240 Z300 T00; N10 G54; N15 T0101 (ACAB. EXT.); N20 G96 S400 M4; N25 G92 S5000; N30 G00 X0 Z3 M07; N35 G01 X0 Z0 F0.3; N40 G01 X30 Z0 F0.3; N45 G01 X30 Z-30 F0.3; N50 G01 X50 Z-40 F0.3; N55 G01 X53 Z-40 F0.3; N60 G53 G00 X240 Z300 T00 M09; N65 M30; Carlos Alberto Pereira CFP-101

29 Estrutura do Programa CNC otimizado
O0001 (EXEMPLO-01); N05 G53 G00 X240 Z300 T00; N10 G54; N15 T0101 (ACAB. EXT.); N20 G96 S400 M4; N25 G92 S5000; N30 G00 X0 Z3 M07; N35 G01 Z0 F0.3; N40 X30; N45 Z-30; N50 X50 Z-40; N55 X53; N60 G53 G00 X240 Z300 T00 M09; N65 M30; Carlos Alberto Pereira CFP-101

30 Sistemas de interpolações circulares
Função G02 - Interpolação circular (raio) – Sentido HORÁRIO Função G03 - Interpolação circular (raio) – Sentido ANTI-HORÁRIO Sintaxe Comando Fanuc 0i-TB: N100 G02 / G03 X_ _ _ Z_ _ _ R_ _ _ F_ _ _ ; ou N100 G02 / G03 X_ _ _ Z_ _ _ I_ _ _ K_ _ _ F_ _ _ ; onde: X = posição final do arco Z = posição final do arco R = valor do raio I = coordenada do centro do arco K = coordenada do centro do arco F = avanço de trabalho (opcional) Carlos Alberto Pereira CFP-101

31 Carlos Alberto Pereira CFP-101

32 Exemplo de programação utilizando interpolações Circulares
Coordenadas Absolutas Pontos X Z I K P1 240 300 P2 3 P3 P4 10 P5 30 -10 P6 -30 P7 50 -40 P8 53 Carlos Alberto Pereira CFP-101

33 Estrutura do Programa CNC
O0002 (EXEMPLO-02); N05 G53 G00 X240 Z300 T00; N10 G54; N15 T0101 (ACAB. EXT.); N20 G96 S400 M4; N25 G92 S5000; N30 G00 X0 Z3 M07; N35 G01 Z0 F0.3; N40 G01 X10; N45 G02 X30 Z-10 I10 K0; ou N45 G02 X30 Z-10 R10; N50 G01 Z-30; N55 G03 X50 Z-40 I0 K-10; ou N55 G03 X50 Z-40 R10; N60 G01 X53; N65 G53 G00 X240 Z300 T00 M09; N70 M30; Carlos Alberto Pereira CFP-101

34 Simulador EMCO-WINNC32 GE Fanuc series 21 T
Carlos Alberto Pereira CFP-101

35 Carlos Alberto Pereira CFP-101

36 Clicar com o botão direito do mouse
Carlos Alberto Pereira CFP-101

37 Carlos Alberto Pereira CFP-101
Cilcar em REF Carlos Alberto Pereira CFP-101

38 Carlos Alberto Pereira CFP-101
Desabilitar a tecla NUM LOCK e apertar a tecla de número 5 para Referenciar a máquina Carlos Alberto Pereira CFP-101

39 Compensação do raio de corte da ponta da ferramenta
Carlos Alberto Pereira CFP-101

40 Compensação do raio de corte da ponta da ferramenta
Função G40 - Cancela compensação do raio da ponta da ferramenta Função G41 - Compensação do raio da ponta da ferramenta à esquerda Função G42 - Compensação do raio da ponta da ferramenta à direita Carlos Alberto Pereira CFP-101

41 Ponta da ferramenta Simetria superior
Carlos Alberto Pereira CFP-101

42 Carlos Alberto Pereira CFP-101
Exemplo de programação com compensação de raio de corte da ponta da ferramenta O0003 (EXEMPLO-03); N05 G53 G00 X240 Z300 T00; N10 G54; N15 T0202 (ACAB. EXT.); N20 G96 S400 M4; N25 G92 S5000; N30 G00 X0 Z3 M07; N35 G42 G01 Z0 F0.2; N40 G01 X20; N45 G03 X30 Z-5 I0 K-5; ou R5 N50 G01 Z-30; N55 G01 X50 Z-40; N60 G40 G01 X53; N65 G53 G00 X240 Z300 T00 M09; N70 M30; Carlos Alberto Pereira CFP-101

43 Ciclos de desbaste longitudinal comando Fanuc 0i-TB
Função G71 Aplicação: Ciclo automático de desbaste longitudinal. A função G71 deve ser programada em dois blocos subseqüentes, visto que os valores relativos a profundidade de corte e sobremetal para acabamento nos eixos transversal e longitudinal são informados pela função “U” e “W”, respectivamente. A função G71 no primeiro bloco requer: N100 G71 U_ _ _ R_ _ _ ; onde: U = valor da profundidade de corte durante o ciclo (raio) R = valor do afastamento no eixo transversal para retorno ao Z inicial (raio) A função G71 no segundo bloco requer: N105 G71 P_ _ _ Q_ _ _ U_ _ _ W_ _ _ F_ _ _; onde: P = número do bloco que define o início do perfil Q = número do bloco que define o final do perfil U = sobremetal para acabamento no eixo “X” (positivo para externo e negativo para o interno/ diâmetro) W = sobremetal para acabamento no eixo “Z” (positivo para sobremetal à direita e negativo para usinagem esquerda) F = avanço de trabalho Carlos Alberto Pereira CFP-101

44 Carlos Alberto Pereira CFP-101
Ciclo de acabamento Função G70 Aplicação: Ciclo de acabamento. Este ciclo é utilizado após a aplicação dos ciclos de desbaste o G71, G72 e G73 para dar o acabamento final da peça sem que o programador necessite repetir toda a sequencia do perfil a ser executado. A função G70 requer: G70 P_ _ _ Q_ _ _ ; onde: P = número do bloco que define o início do perfil Q = número do bloco que define o final do perfil NOTAS: • Após a execução do ciclo, a ferramenta retorna automaticamente ao ponto posicionado. Carlos Alberto Pereira CFP-101

45 Exemplo de programação utilizando G70 e G71 usinagem externa
O0004 (EXEMPLO-04); N05 G53 G00 X240 Z300 T00; N10 G54; N15 T0101 (DESBASTE EXTERNO); N20 G96 S400 M4; N25 G92 S5000; N30 G00 X63 Z0 M07; N35 G01 X-1.5 F0.25; N40 G00 X63 Z3; N45 G71 U2 R1; N50 G71 P55 Q105 U0.5 W0.2 F0.25; N55 G00 X15 Z3 (INICIO DO PERFIL); N60 G01 Z0; N65 X20 Z-2.5; N70 Z-29; N75 G02 X26 Z-32 I3 K0; N80 G01 X34; N85 X40 Z-35; N90 Z-53; N95 G02 X50 Z-58 I5 K0; N100 G01 X54; N105 X60 Z-61 (TERMINO DO PERFIL); N110 G53 G00 X240 Z300 T00; N115 T0202 (ACAB. EXTERNO); N120 G96 S500 M04; N125 G92 S5000; N130 G42; N135 G70 P55 Q105 F0.18; N140 G40; N145 G53 G00 X240 Z300 T00 M09; N150 M30; Carlos Alberto Pereira CFP-101

46 Ciclos automático de roscamento G76
Esta função permite abrir roscas externas e internas, paralelas ou cônicas N100 G76 P (m) (r) (a) Q.. R.. ; N105 G76 X... Z... P... Q... R... F... ; Onde: G76 = Chamada do ciclo P(m) (r) (a) (m) = número de repetições do último passe (r) = comprimento da saída angular da rosca [(r: passo) x 10] uma vez o passo da rosca ex.: [(1.5 : 1.5) x 10 = 10] (a) = Penetração pelo flanco ou radial Q = mínima profundidade de corte R = Sobre metal para acabamento no fundo do filete X = Diâmetro final da rosca (X = Ø externo – H) H= (0.65 x passo) x 2 Z = Ponto final da rosca P = Altura do filete da rosca (raio sem ponto decimal) (0.65 x passo) x 1000 Q = Profundidade de 1ª passada (Q = 0.65 x passo) / pela raiz quadrada do nº de passadas * (vezes 1000) F = Passo da rosca Carlos Alberto Pereira CFP-101

47 Carlos Alberto Pereira CFP-101
Exemplo de programação com Ciclo automático de roscamento G76 Operação: Executar a rosca M30 x 2,5 utilizando 11 passadas e RPM = 1000 O0007 (EXEMPLO-07); N05 G53 G00 X240 Z300 T00; N10 G54; N15 T0404 (ROSCA EXTERNA); N20 G97 S1000 M3; N25 G00 X35 Z7.5 M07; N30 G76 P Q100 R0.05; N35 G76 X26.75 Z-26 P1625 Q489 F2.5; N40 G53 G00 X240 Z300 T00 M09; N45 M30; Carlos Alberto Pereira CFP-101

48 Carlos Alberto Pereira CFP-101
Exemplo de programação com Ciclo automático de roscamento G76 Operação: Executar a rosca M30 x 2,5 (2 Entradas) utilizando 11 passadas e RPM = 500 O0008 (EXEMPLO-08 DUAS ENTRADAS); N05 G53 G00 X240 Z300 T00; N10 G54; N15 T0404 (ROSCA EXTERNA); N20 G97 S500 M3; N25 G00 X35 Z7.5 M07; N30 G76 P Q100 R0.05; N35 G76 X26.75 Z-26 P1625 Q489 F5; N40 G00 X35 Z10; N45 G76 P Q100 R0.05; N50 G76 X26.75 Z-26 P1625 Q489 F5; N55 G53 G00 X240 Z300 T00 M09; N60 M30; Carlos Alberto Pereira CFP-101

49 Ciclo de furação profunda G83
N100 G83 Z... R... Q... P... F...; Onde: G83 = Chamada do ciclo Z = Profundidade final de furação R = Distância do posicionamento Inicial (antes do ciclo) até o Início do furo Q = Profundidade de corte para cada avanço de corte (em microns) P = Tempo de espera na base do furo F = Avanço de corte Carlos Alberto Pereira CFP-101

50 Carlos Alberto Pereira CFP-101
Exemplo de programação com Ciclo furação simples G81 e profunda G83 Ferramentas : Broca de centro Ø3 x 8 mm VC = 20 m/min Av = 0,08 mm/rpm Broca Ø 20mm VC = 20 m/min Av = 0.1 mm/rpm O0009 (EXEMPLO-09); N05 G53 G00 X240 Z300 T00; N10 G54; N15 T0505 (BROCA DE CENTRO); N20 G97 S1270 M3; N25 G00 X0 Z5 M07; N30 G81 Z-7 R-3 F0.08; N35 G53 G00 X240 Z300 T00 M09; N40 T0606 (BROCA DIAM=20MM); N45 G97 S318 M3; N50 G00 X0 Z5 M07; N55 G83 Z-50 R-3 Q15000 F0.1; N60 G53 G00 X240 Z300 T00 M09; N65 M30; Carlos Alberto Pereira CFP-101

51 Elaborar exercício proposto para usinar e Bom Divertimento!!!
Carlos Alberto Pereira CFP-101


Carregar ppt "Treinamento para Docentes"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google