A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CURSO SOBRE AVALIAÇÃO E CONTROLE DOS RISCOS DO CHUMBO Introdução Gilmar da Cunha Trivelato Pesquisador Titular FUNDACENTRO – Centro Regional de Minas Gerais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CURSO SOBRE AVALIAÇÃO E CONTROLE DOS RISCOS DO CHUMBO Introdução Gilmar da Cunha Trivelato Pesquisador Titular FUNDACENTRO – Centro Regional de Minas Gerais."— Transcrição da apresentação:

1 CURSO SOBRE AVALIAÇÃO E CONTROLE DOS RISCOS DO CHUMBO Introdução Gilmar da Cunha Trivelato Pesquisador Titular FUNDACENTRO – Centro Regional de Minas Gerais Curitiba, 9 e 10 de maio de 2007.

2 Conceito de risco e gestão de risco Paradigmas da Higiene Ocupacional Considerações gerais sobre chumbo e baterias chumbo-ácido. Tópicos a serem abordados

3 CONCEITO DE RISCO E GESTÃO DE RISCOS

4 O QUE É RISCO? O RISCO PODE SER OBSERVADO?

5 Dimensão técnica POSSIBILIDADE de uma perda ou dano (relação causal, que implica em necessidade) PROBABILIDADE de que tal perda ou dano ocorra (incerteza da ocorrência, distribuição no tempo) e a GRAVIDADE do resultado adverso. O QUE É RISCO?

6 RISCO = CENÁRIO, PROBABILIDADE, GRAVIDADE DANO RISCO = Exposição X Potencial de dano (hazard) Conceitos básicos sobre Avaliação de Risco

7 Formas de avaliação do risco Quantitativa: definir uma taxa (número provável de ocorrências em um ano para uma determinada população). Ex. morte no trânsito: ~ 1 x Qualitativa: definir a chance em termos de categorias de probabilidade (baixa, média, alta ou improvável, pouco provável e provável, etc.)

8 RISCO..considerações gerais Dimensão técnica: possibilidade e probabilidade de ocorrência de um dano e a magnitude ou gravidade do dano. (R = P X G) Dimensão abrangente de risco: entram em jogo valores, crenças, experiências, interesses, etc. Dano = prejuízo ou perda - as pessoas podem valorizar uma mesma perda de forma diferente. Não existe risco zero ou situação totalmente segura. A aceitabilidade do nível de risco é uma questão social e não técnica.

9 O risco pode ser observado?

10 Risco não é observável. É uma inferência, isto é, depende do raciocínio dedutivo. Portanto, risco é uma representação simbólica da nossa mente atribuída a uma situação do mundo real. Os fatores de riscos ou perigos podem ser observados - pelos sentidos ou com auxílio de instrumentos. Ex. radiação, contaminantes atmosféricos (poeira contendo chumbo), atmosfera deficiente de oxigênio, atmosfera explosiva, etc

11 RISCO A representação simbólica do risco (ou de uma situação de risco) depende de: –conhecimentos –valores As pessoas têm diferentes níveis de conhecimento e experiências – portanto representam os riscos (“percebem” os riscos) de diferentes maneiras. Para a gestão adequada dos riscos, em particular no processo de tomada de decisão, é necessário confrontar diferentes representações dos riscos, isto é, representações de diferentes atores sociais.

12 Gestão de riscos Processo global de avaliar e controlar os riscos a níveis aceitáveis e, no caso de não ser possível a eliminação ou redução dos riscos, inclui também o financiamento dos riscos através de dois mecanismos: retenção e transferência.

13 AVALIAÇÃO DE RISCO É o processo global de estimar a magnitude do risco para um indivíduo, grupo, sociedade e meio-ambiente e decidir se o risco é ou não tolerável ou aceitável.

14 CONTROLE DE RISCOS É o processo de selecionar e implementar medidas para alterar os níveis de risco, e mantê-los a níveis aceitáveis ou toleráveis.

15 Reconhecimento do risco Estimativa do risco Risco aceitável? Opções de Controle Tomada de decisão Implementação Monitoramento e Avaliação Risco aceitável Manutenção e Revisão Informações adicionais Sim Incerto Não CONSULTAECOMUNICAÇÃOCONSULTAECOMUNICAÇÃO CONTROLE AVALIAÇÃO

16 Avaliação de Risco X Gestão de Risco Avaliação de riscos gradual ou por camadas (tiers) visando a precaução e prevenção Tratamento do risco Avaliação exploratória Avaliação aprofundada “tiers”

17 Abordagem ATUAL – avaliação gradual ou por camadas (tiers approach) : Medir ou tomar ações corretivas diretamente?

18

19 PARADIGMAS DA HIGIENE OCUPACIONAL

20

21 Higiene Ocupacional Conceituação: Reconhecimento Avaliação Controle Dos fatores de riscos / riscos à saúde relacionados ao trabalho + Antecipação (avaliação e controle antecipada dos riscos)

22 Higiene Ocupacional DETERMINAÇÃO DO DANO DANO OU EFEITO ADVERSO À SAÚDE Fatores de risco ambientais Fatores de risco individuais

23 Paradigmas da Higiene Ocupacional Efeito 1 Efeito 2 Efeito 3 Dose Capacidade Age nte Exigência da tarefa INDIVÍDUO AMBIENTE DE TRABALHO Exposição Efeito

24 Paradigmas da Higiene Ocupacional EXPOSIÇÃOEXPOSIÇÃO E F E I T O Saúde Doença Y X X = Efeito aceitável Y = Limite de Exposição

25 Paradigmas da Higiene Ocupacional Limites de Exposição Ocupacional Doses ou condições sob as quais acredita-se que a maioria dos trabalhadores possa estar exposta, repetidamente, dia após dia, sem sofrer efeitos adversos à sua saúde.

26 Paradigmas da Higiene Ocupacional: modelo básico para o controle FONTE (emissão) TRAJETÓRIA (propagação) RECEPTOR (trabalhador) AMBIENTE DE TRABALHO

27 Paradigmas da Higiene Ocupacional: Medidas de controle Hierarquia das medidas de controle Eliminação do risco (substituição do processo ou material) Controle da fonte (emissão) Controle na trajetória Controle no Indivíduo

28

29 Paradigmas da Higiene Ocupacional Programas de Avaliação e Controle Processo sistematizado e contínuo Melhoria contínua (cliclo PDCA proposto por Deming)

30

31 CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE O CHUMBO E BATERIAS CHUMBO- ÁCIDO

32 CHUMBO O chumbo, na sua forma elementar, é extremamente maleável – ele pode ser fundido, remodelado ou trabalhado para atender várias necessidades. O chumbo, como bem consumível, é uma fênix – assim que um dos seus usos desaparece através da obsolescência ou proscrição por razões de saúde, outro uso surge das cinzas do forno metalúrgico. (WARREN, 2000, p.258, tradução nossa)

33 CHUMBO Metal (ponto de fusão 327 o C) – – puro (sólido metálico maleável, brilho metálico) – ligas (solido metálico menos maleável) Compostos inorgânicos (sólidos cristalinos de cores variáveis, solubilidade variável)

34 Possíveis riscos relacionados ao Pb Contaminação ambiental (solo, água, ar), incluindo o ambiente de trabalho. Ameaças à saúde humana ( “perigo silencioso” ). População sob risco: Trabalhadores Populações vizinhas de empreendimentos que usam Pb (dependendo da localização do empreendimento e sistema de tratamento das emissões atmosféricas)

35 Possíveis riscos relacionados ao Pb Exposição no ambiente de trabalho Inalação de poeiras Inalação de fumos (processos onde há fusão de chumbo) Ingestão (deglutição da poeira inalada e hábitos inadequados de higiene)

36 Possíveis riscos relacionados ao Pb Ação tóxica é devido à presença de íons Pb 2+, portanto qualquer forma de chumbo inorgânico tem os mesmos tipos de efeitos no organismos humano.

37 CHUMBO Panorama geral Fabricação de baterias é o principal uso do chumbo (> 70%) Não há substitutos viáveis a curto e médio prazo para as baterias chumbo-ácido. O consumo de Pb para BCA está aumentando – taxa anual de crescimento –Europa, USA – 2% ao ano –China – 3,4% ao ano. Pb reciclado (secundário) ≈ Pb primário

38 Componentes das Baterias Chumbo- Ácido veiculares

39 Placas de baterias chumbo ácido GRELHA COM PASTA = PLACA SEPARADOR

40

41 Baterias Chumbo-Ácido BCA esgotadas energeticamente ou usadas são consideradas resíduo perigoso, mas também matéria prima. Componentes potencialmente perigosos Chumbo (metal e compostos inorgânicos) – 70% em peso Solução de ácido sulfúrico (50%), contaminada com chumbo. Polipropileno, contaminado com chumbo.

42 Reciclagem de BCA As BCA tem elevadas taxas de reciclagem dos seus componentes (Pb e polipropileno) Principais motivos Econômico – suprir em parte a demanda de chumbo como matéria prima para fabricação de BCA novas. Proteção ambiental (preocupação mais recente, a partir dos anos 1980).

43 PRODUÇÃO DE BATERIAS E PLACAS DE BATERIAS CONSUMO DE BATERIAS TRANSPORTE / DIS- TRIBUIÇÃO DE BATERIAS E PLACAS PRODUÇAO SECUNDÁRIA DE PB RECICLAGEM DE BATERIAS REFORMA OU RECONCIONAMENTO DE BATERIAS Bateria nova Bateria usada e sucata com Pb PRODUÇAO PRIMÁRIA DE CHUMBO COLETA/TRANS-PORTE DE BATERIAS USADAS e SUCATA Pb MINERAÇÃO DE CHUMBO Transformação química do Pb Produção de bens contendo Pb ou seus compostos Uso dispersivo de bens contendo Pb Uso não dispersivo de bens contendo Pb Pb puro Bateria usada Carro com Bateria nova Bateria nova Placa de bateria Bateria usada e sucata com Pb Pb puro e ligas Pb puro e ligas Pb puro, ligas e óxidos de Pb Bateria nova Bateria reformada Placa de bateria Bateria usada Óxidos de Pb Compostos de Pb Pb puro Pb puro, ligas e compostos de Pb Sucata com Pb Resíduos Pb Pb e ligas Minério de Pb MERCADO NACIONAL Bens contendo Pb metálico ou seus compostos Sucata de bateria Resíduos ou sucata Pb MERCADO EXTERNO Bateria usada Pb / ligas Pb puro Bateria usada não reciclada SETOR BCA CICLO DE VIDA DO PB E BCA NO BRASIL

44

45


Carregar ppt "CURSO SOBRE AVALIAÇÃO E CONTROLE DOS RISCOS DO CHUMBO Introdução Gilmar da Cunha Trivelato Pesquisador Titular FUNDACENTRO – Centro Regional de Minas Gerais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google