A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Algoritmos de Processamento e Otimização de Consultas Adriano Douglas Girardello Ana Paula Fredrich Tiago Alexandre Schulz Sippert.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Algoritmos de Processamento e Otimização de Consultas Adriano Douglas Girardello Ana Paula Fredrich Tiago Alexandre Schulz Sippert."— Transcrição da apresentação:

1 Algoritmos de Processamento e Otimização de Consultas Adriano Douglas Girardello Ana Paula Fredrich Tiago Alexandre Schulz Sippert

2 1 Introdução Este trabalho aborda as técnicas utilizadas por um Sistema Gerenciador de Banco de Dados para processar, otimizar e executar consultas de alto nível

3 2 Passos do Processamento de uma Consulta Análise Léxica Análise Sintática Validação das análises Otimizador de Consulta Gerador de código Processador em tempo de execução Pode ser gerado erro nesta etapa

4 2 Passos do Processamento de uma Consulta: Quatro Estágios Moldar a Consulta em Alguma Forma Interna Converter para a Forma Canônica Escolher Procedimentos Candidatos de Baixo Nível Gerar Planos de Consultas e Escolher o mais Econômico

5 2.1 Moldar a Consulta em Alguma Forma Interna Conversão da consulta original para manipulação pela máquina, eliminando peculiaridades Podem ser escolhidas Árvore de Sintaxe Abstrata Árvore de Consulta Em geral é escolhida álgebra relacional

6 2.2 Converter para a Forma Canônica Otimizações não referentes aos valores dos dados ou aos acessos físicos Regras de transformação Várias formas de escrita de uma consulta Converter a representação original para uma mais eficiente

7 2.3 Escolher Procedimentos Candidatos de Baixo Nível Como executar a consulta Levar em consideração Existência de índices, caminhos de acesso Agrupamento físico, distribuição dos valores Para cada operação de baixo nível existem vários procedimentos implementados Cada procedimento tem a fórmula de custo O otimizador escolhe qual procedimento implementar para cada operação de baixo nível

8 2.4 Gerar Planos de Consultas e Escolher o mais Econômico Elaborado um conjunto de planos de consulta Escolhido o melhor desses planos Muitos planos candidatos Tarefa de escolha demorada Limite de planos gerados Atribuição de peso de execução (soma dos custos individuais) Avaliação dos resultados individuais

9 3 Traduzindo Consultas SQL para Álgebra Relacional Linguagem SQL utilizada na maioria dos bancos comerciais Cada consulta SQL é composta de blocos de consultas, que formam as unidades básicas Unidade básica é transformada e otimizada

10 4 Algoritmo para Ordenação Externa Ordenação é um dos algoritmos principais Utilizado quando ocorre ORDER BY Também utilizado em: JOIN UNION INTERSECTION PROJECT Adequada para registros grandes que não cabem totalmente em memória

11 4 Algoritmo para Ordenação Externa Utiliza ordenação sort-merge Ordena primeiramente sub-arquivos Após faz a fusão nos sub-arquivos Exige espaço de buffer na memória

12 5.1 Implementação da Operação SELECT Várias opções de implementação Podem ser divididos em: Métodos de busca para seleção simples Métodos de busca para seleções complexas O otimizador deve escolher o método apropriado para cada operação SELECT Escolha do método com o menor custo estimado

13 5.1.1 Métodos de Busca para Seleções Simples S1 Busca Linear: Força Bruta S2 Busca Binária S3 Utilização de Índice Primário: Chave Hash S4 Utilização de Índice Primário para Recuperar Registros Múltiplos S5 Utilização de um Índice Cluster para Recuperação de Múltiplos Registros S6 Utilização de um Índice Secundário em uma Comparação de Igualdade

14 5.1.2 Métodos de Busca para Seleções Complexas S7 Seleção Conjuntiva Utilizando um Índice Individual S8 Seleção Conjuntiva Utilizando um Índice Composto S9 Seleção Conjuntiva por Meio da Integração de Registros

15 5.1 Implementação da Operação SELECT Se existir caminho de acesso direto O método correspondente é utilizado Se não existir caminho É utilizado força bruta para escolha Otimizar consultas de seleção conjuntiva (AND) Otimizador sempre escolhe a consulta que retorna o menor número de registros Seleção disjuntiva é muito mais difícil de otimizar (OR)

16 5.2 Implementação da Operação JOIN Uma das operações que mais consome tempo de consulta Possibilidade de duas ou mais vias (dois ou mais arquivos) O número de maneiras para executar as junções múltiplas aumenta rapidamente

17 5.2.1 Métodos para a Implementação de Junções J1 Junção de Laços Aninhados J2 Junção de Laço Único J3 Junção Sort-Merge J4 Junção-Hash

18 5.2.2 Efeitos da Disponibilidade de Espaço de Buffer Efeito importante sobre operações de junção Tamanho do buffer Ler para a memória a quantia máxima de blocos do arquivo Reduz o número de acessos ao disco Quando o buffer está cheio ele é escrito no disco

19 6 Combinação de Operações Usando Pipelines Cada SQL é traduzida em uma expressão composta de várias operações Cada operação gera arquivos temporários gerando sobrecarga excessiva Utilizar códigos de execução correspondentes que realizem uma só consulta Criar dinamicamente código de execução Conforme resultado é produzido pode ser utilizado para as próximas operações

20 7 Utilização de Heurísticas na Otimização de Consultas Regras heurísticas para muda representação interna Otimizado a partir da análise sintática Uma das principais heurísticas é utilizar SELECT e PROJECT antes de aplicar o JOIN As operações SELECT e PROJECT reduzem o tamanho do arquivo de entrada para o JOIN

21 7.1 Notações de Árvores de Consulta e de Grafos de Consultas Árvore de consulta: Estrutura de dados de árvore correspondente a uma expressão algébrica relacional Representa relações de entrada como nós folhas e operações como nós internos Execução dos nós internos até chegar à raiz No final produz a relação de resultados da consulta

22 7.2 Conversões de Árvores de Consulta em Planos de Execução de Consultas O plano de execução inclui informações sobre os métodos de acesso disponíveis para cada relação Inclui algoritmos a serem utilizados na computação dos operadores

23 8 Utilização de Seletividade e Estimativa de Custo na Otimização de Consultas Otimizador não deve depender somente de heurísticas Estimar e comparar custos usando diferentes estratégias Escolher a estratégia com menor custo Estimativas precisas são necessárias Comparação de maneira correta e realista Limitar número de estratégias

24 8.1 Componentes do Custo para a Execução de uma Consulta 1. Custo de Acesso ao Armazenamento Secundário 2. Custo de Armazenamento 3. Custo de Computação 4. Custo de Uso de Memória 5. Custo de Comunicação

25 9 Otimização Semântica de Consultas Utilização de restrições no banco de dados para tornar uma consulta mais eficiente Pode ser utilizada em conjunto com as outras técnicas Otimizador semântico verifica a existência de restrições. Dependendo das restrições ele modifica a consulta ou nem a executa Economiza tempo considerável de processamento

26 9 Otimização Semântica de Consultas Número de restrições X Tempo de execução Pesquisar muitas restrições para ver quais são aplicadas realmente Bancos de Dados Futuros: Técnicas de otimização semântica podem ser incorporadas totalmente ao SGBD

27 10 Otimização Física Pode ser dividido em dois discos Permite acessos paralelos Escolha de boa distribuição dos dados Fatiamento de disco: Divide as tuplas de relações individuais entre os diversos discos Ligação física ótima difere entre consultas Administrador do BD escolhe melhor ligação

28 11 Estatísticas de Bancos de Dados Utilizado na seleção de caminhos de acesso Uso das chamadas estatísticas no catálogo Listamos estatísticas em dois exemplos: DB2 Ingres Tais estatísticas são usadas para entender como o banco é usado e como otimizá-lo

29 11.1 Estatísticas do BD2 Para cada tabela básica: Cardinalidade Número de páginas ocupadas por esta tabela Fração de "espaço de tabela" ocupado Para cada coluna de cada tabela básica: Número de valores distintos nesta coluna Segundo valor mais alto nesta coluna Segundo valor mais baixo nesta coluna Somente para colunas indexadas, os dez valores que ocorrem com maior freqüência nesta coluna

30 11.1 Estatísticas do BD2 Para cada índice: Uma indicação quanto a ser este um "índice de agrupamento" (isto é, um índice usado para agrupar dados logicamente relacionados em posições fisicamente contíguas no disco). Se for o caso, a fração da tabela indexada ainda em seqüência de agrupamento em cluster. Número de páginas por folhas neste índice. Número de níveis neste índice.

31 11.2 Estatísticas do Ingres Para cada tabela básica: Cardinalidade Número de páginas primárias para esta tabela Número de páginas de overflow para esta tabela Para cada coluna de cada tabela básica: Número de valores distintos nesta coluna Valores máximo, mínimo e médio para esta coluna Valores efetivos nesta coluna e o número de vezes em que eles ocorrem.

32 Conclusões Existem muitos métodos de otimização Métodos de otimização são importantes: Reduzem tempo de execução Reduzem custos de processamento Melhoram o desempenho em geral Existem muitos inibidores ao tentar realizar otimizações no processamento de consultas Inibidores impedem que o otimizador faça uma consulta tão boa quanto poderia


Carregar ppt "Algoritmos de Processamento e Otimização de Consultas Adriano Douglas Girardello Ana Paula Fredrich Tiago Alexandre Schulz Sippert."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google