A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Avaliação e Re-estruturação do Ambiente Doméstico do Idoso Dra. Maria de Mello Centro Interdisciplinar de Assistência e Pesquisa em Envelhecimento do Hospital.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Avaliação e Re-estruturação do Ambiente Doméstico do Idoso Dra. Maria de Mello Centro Interdisciplinar de Assistência e Pesquisa em Envelhecimento do Hospital."— Transcrição da apresentação:

1 Avaliação e Re-estruturação do Ambiente Doméstico do Idoso Dra. Maria de Mello Centro Interdisciplinar de Assistência e Pesquisa em Envelhecimento do Hospital Universitário São José CIAPE - HUSJ

2 Modelos Teóricos Sobre Relação Pessoa - Ambiente no Envelhecimento Necessidade de modelos específicos de atuação: –Relevância da dimensão temporal-longitudinal –A transformação das situações de mudanças que são produzidas –A estreita relação entre saúde e comportamento ( Ballesteros, 1989)

3 Modelo Ecológico de Lawton Lawton e colaboradores, 1975, a partir de Lavin (1951) A pressão ambiental é percebida por Lawton como a demanda do ambiente sobre o indivíduo. A qualidade positiva ou negativa da interação entre a pessoa e o ambiente, pode ser determinada em função do grau de competência do sujeito naquele ambiente.

4 Modelo Ecológico de Lawton A conduta é uma função da competência do indivíduo e da pressão ambiental da situação. O ambiente mais favorável é aquele cujo nível de exigência se situa no limite máximo de competência do sujeito.

5 Modelo da Congruência de Kahana Kahana, 1975; Kahana, Liang y Felton, 1980 A conduta de uma pessoa é função da interação de suas necessidades e as possibilidades que existem no ambiente de satisfazê-las. A dissonância entre a pressão ambiental e a necessidade do idoso levará ao abandono do ambiente por parte do sujeito.

6 Modelo da Congruência de Kahana Se o idoso não consegue abandonar o ambiente, este experimentará estresse e mal estar. O ambiente ótimo é definido a partir do grau de congruência com as necessidades do sujeito.

7 Modelo Ecológico Social de Moos Moos, 1974 Ampla aplicação e não é exclusivo para idosos Os sistemas inter-atuam entre si e influem sobre a saúde e bem estar do indivíduo através dos estímulos cognitivos e a forma que o sujeito responde às situações vitais estressantes. Por sua vez, a ocorrência de situações vitais estressantes está realcionada com as redes de apoio social da pessoa e igualmente, estas redes são influenciadas pelas situações estressantea que acontecem na vida.

8 Modelo Ecológico - Conductual Ballesteros, 1985, 1989 Modelo que propõe a explicar as influências ambientais, sociais e pessoais na saúde e na conduta de idosos. Reconhece a interação entre variáveis ambientais e pessoais. Se reconhecem dois tempos: presente e passado.

9 Modelo Ecológico - Conductual No passado, se produziu uma relação do indivíduo ( variáveis pessoais) com seu entorno ( variáveis ambientais) donde foram geradas suas crenças, atitudes, estilos de vida. Essa relação passada serve de modelo, influi no presente na interação entre as variáveis contextuais ( culturais, organizacionais, sócio-demográficas, etc.) e pessoais ( crenças e atitudes), derivando assim um nível de saúde e padrões de comportamento determinados.

10 Modelo Ecológico - Conductual Estes comportamentos gerados podem atuar sobre o ambiente ( variáveis contextuais) e sobre as pessoas ( repertórios comportamentais). Importante modelo na geração de hipóteses e predições.

11 Avaliação do Ambiente Residencial Inventário de Características Arquitetônicas e Físicas Inventário das Características de Organização e Funcionamento Inventário de Características Funcionais dos Moradores Escala de Clima Social Lista de Necessidades


Carregar ppt "Avaliação e Re-estruturação do Ambiente Doméstico do Idoso Dra. Maria de Mello Centro Interdisciplinar de Assistência e Pesquisa em Envelhecimento do Hospital."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google