A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Curso de Pedagogia – disciplina: Interação do mundo natural: Ciências da natureza I - Profª Lucia Helena Amim Aula-24 Revisão.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Curso de Pedagogia – disciplina: Interação do mundo natural: Ciências da natureza I - Profª Lucia Helena Amim Aula-24 Revisão."— Transcrição da apresentação:

1 Curso de Pedagogia – disciplina: Interação do mundo natural: Ciências da natureza I - Profª Lucia Helena Amim Aula-24 Revisão

2 Rotação e translação- A Terra-Orientação terrestre Meio Ambiente Relação Interespecífica Ecologia Poluição das águas

3 A Terra: Os dias e as Noites O homem e todos os animais do planeta percebem o dia e a noite. O comportamento dos seres vivos se altera de acordo com a presença ou ausência de luz solar, mas saber como ocorrem os dias e as noites foi uma descoberta bastante demorada.

4 Com o uso da luneta, foi possível verificar que a Terra girava e não o céu. Galileu observou, que haviam outras luas girando ao redor do planeta Júpiter e que este girava sobre si mesmo. A Terra: Os dias e as Noites

5 É o movimento que a Terra realiza em torno de si mesma no sentido anti-horário, leva para girar 360 graus, 23 horas 56 minutos 4 segundos e 9 centésimos e é por causa dele, que ocorrem os dias e as noites. Rotação

6 Além de rodar sobre si própria, o planeta Terra descreve um movimento de translação em torno do Sol, no sentido direto (ou contrário aos ponteiros do relógio). Translação

7 O movimento de translação do planeta Terra e a inclinação do seu eixo imaginário também têm consequências: As estações do ano (Primavera, Verão, Outono e Inverno); A desigualdade dos dias e das noites (fato de, no verão os dias serem mais longos e, no inverno, serem mais curtos). Translação

8 A Terra: as estações do ano A Terra apresenta uma inclinação cerca de 23º, e isso resulta as estações do ano. Por causa da inclinação, certas áreas do planeta recebem menos raios solares do que outras, algumas estão quentes, e outras, frias.

9 O início de cada estação é definido por dois fenômenos astronômicos: O Solstício (para o verão e o inverno) e o Equinócio (para a primavera e o outono). A Terra: as estações do ano

10 Fenômeno onde a duração do dia é idêntica à da noite e os hemisférios Norte e Sul recebem a mesma quantidade de luz, o equinócio – do Latim, aequus (igual) + nox (noite) = noites iguais – só ocorre durante duas vezes ao ano, normalmente nos dias 21 de março e 23 de setembro. Equinócio

11 Os equinócios definem as mudanças de estações do ano: no dia 21 de março, tem início a primavera no Hemisfério Norte e o outono no Hemisfério Sul; no dia 23 de setembro, ocorre o contrário – outono no Hemisfério Norte e primavera no Hemisfério Sul. Equinócio

12 Solstício (sol + sistere, que não se mexe, em latim) consiste no instante em que o Sol atinge maior declinação em latitude em relação à linha do Equador, fato que provoca maior intensidade de radiação solar em um dos hemisférios, caracterizando o solstício de verão (dia maior que a noite). Nesse momento, o outro hemisfério estará em solstício de inverno (quando a noite é maior que o dia). Solstício

13 Normalmente, entre os dias 21 ou 22 de dezembro os raios solares incidem verticalmente sobre o Trópico de Capricórnio, desencadeando o solstício de verão no Hemisfério Sul e o solstício de inverno no Hemisfério Norte. No dia 21 ou 22 de junho, os raios solares incidem verticalmente sobre o Trópico de Câncer, promovendo o solstício de verão no Hemisfério Norte e o solstício de inverno no Hemisfério Sul. Solstício

14 As variações no aquecimento determinadas pela forma da Terra e pela inclinação do eixo de rotação resultam em diferentes temperaturas na superfície terrestre e são responsáveis pelas correntes atmosféricas. Relações com o clima

15 De que modo a Terra age como um ímã ? Em 1690 Sir William Gilbert, o físico da corte da Rainha Elizabeth, fez a impressionante descoberta de que a Terra age como um gigantesco ímã. Antes disso, todos tipos de explicações foram dadas para a propriedade da bússola de apontar para o norte.

16 O núcleo da Terra é constituído por ferro e níquel líquidos, em altas temperaturas e, por estarem no estado líquido, circulam no interior da Terra por correntes de convecção, de modo que existem correntes elétricas circulando. O movimento dessas correntes provoca o aparecimento de um campo magnético na Terra.

17 A intensidade do campo magnético pode variar de um lugar para outro, como também no mesmo local. Esse fato ocorre em razão da crosta terrestre ser constituída de inúmeros minerais, sendo o ferro o mais abundante de todos eles.

18 Coordenadas geográficas  Para localizar qualquer lugar, na superfície terrestre.  É necessário usar duas indicações, uma letra e um número.  Temos que utilizar elementos de referência que nos permitam localizar com exatidão qualquer lugar da Terra.

19 As coordenadas geográficas Baseiam-se em linhas imaginárias traçadas sobre o globo terrestre:  os paralelos são linhas paralelas ao equador-a própria linha imaginária do equador é um paralelo,  os meridianos são linhas semicirculares, isto é, linhas de 180° - eles vão do Polo Norte ao Polo Sul e cruzam com os paralelos,  convencionou-se que o meridiano de Greenwich, na Inglaterra, fosse o meridiano principal.

20 Ecologia O termo eco deriva do grego oikos que significa lugar onde se vive, casa, ambiente, e logos é estudo, ciência, tratado. Ecologia seria o estudo dos seres vivos em sua casa, no seu ambiente, ou ainda, a ciência que estuda as relações dos seres vivos com o meio ambiente.

21 O que é o Desequilíbrio Ecológico O desequilíbrio ecológico ocorre quando algum elemento (animal ou vegetal) de um ecossistema é reduzido em quantidade, adicionado ou subtraído. Esta mudança pode originar reações em cadeia e repercutir diretamente no funcionamento do ecossistema.

22 Causas A ação do homem é a principal causa de desequilíbrio ecológico na atualidade. Entre estas ações, podemos citar o desmatamento, a caça e a pesca sem controle e a urbanização em áreas de matas e florestas. Desequilíbrio Ecológico

23 Ecologia Ecologia (do grego “oikos", que significa casa, e "logos", estudo, reflexão), é o ramo da biologia que estuda as interações entre os seres vivos e o meio onde vivem, envolvendo a dependência da água, do solo e do ar.

24 As relações vão além do comportamento individual e a influência causada pelos fatores ambientais (temperatura, umidade, pressão). Mas se estendem à organização das espécies em populações, comunidades, formando um ecossistema e toda a biosfera. Ecologia

25 Para a ciência ecológica, o meio ambiente é o conjunto de: condições físicas : luz, temperatura, pressão, etc, condições químicas : salinidade, oxigênio dissolvido, etc condições biológicas : relações com outros seres vivos que cercam o ser vivo, resultando num conjunto de limitações e possibilidades. MEIO AMBIENTE

26 O meio ambiente está sempre mudando e evoluindo. O clima, os seres vivos e as próprias atividades humanas modificam o ambiente e são influenciadas por essas modificações, gerando novas alterações. MEIO AMBIENTE

27 IMPACTO AMBIENTAL É a alteração no meio ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade. Estas alterações precisam ser quantificadas, pois apresentam variações relativas, podendo ser positivas ou negativas, grandes ou pequenas.

28 Impacto ambiental Nas águas – despejo de esgoto, produtos tóxicos, contaminação, coliformes fecais, doenças dermatológicas, infecção intestinal, eutrofização (excesso de nutrientes na água) crescimento excessivo de algas. Nos solos – construção irregular, uso de agrotóxicos, desmatamento, queimada No ar - partículas sólidas como sílica (provoca a silicose), doenças respiratórias, intoxicação, eliminação de monóxido de carbono, radioatividade.

29 Eutrofização Adaptado por Raven, PF, 1998.

30 Os seres vivos de uma comunidade mantêm constantes relações entre si, exercendo influências recíprocas em suas populações. Essas relações podem ocorrer entre indivíduos da mesma espécie(relações intra-específicas) ou entre indivíduos de espécies diferentes (interespecíficas). Relações entre os seres vivos

31 Intra-específicas harmônicas → sociedade e colônia; Intra-específicas desarmônicas → canibalismo e competições. Interespecíficas harmônicas → mutualismo, protocooperação, inquilinismo e comensalismo; Interespecíficas desarmônicas → amensalismo, predatismo, parasitismo e competição interespecífica. Principais relações

32 Harmônicas Sociedade: cooperação entre indivíduos da mesma espécie em que há divisão do trabalho. Exemplo: abelhas, cupins. Colônia: associação de indivíduos da mesma espécie anatomicamente unidos entre si. Exemplo: corais. Desarmônicas Canibalismo: indivíduo que mata outro da mesma espécie para se alimentar. Competição: indivíduos que disputam recursos, alimentos, espaços. Relações intra-específicas

33 Harmônicas Mutualismo: os participantes se beneficiam e mantêm uma relação de dependência.Exemplo: líquens (fungos e algas). Protocooperação: os participantes se beneficiam e podem viver de modo independente. Exemplo: ave palito e crocodilo. Inquilinismo: o indivíduo obtém proteção ao se associar a outro. Exemplo: orquídeas vivem sobre árvores. Comensalismo: apenas um participante se beneficia, sem causar prejuízo ao outro. Exemplo: peixe-piloto e tubarão. Relações interespecíficas

34 Desarmônicas Amensalismo: indivíduos que secretam substâncias que inibem o desenvolvimento de outros indivíduos. Exemplo: fungos que secretam antibióticos. Predatismo: indivíduo que mata outro para dele se alimentar. Exemplo: gaviões que comem cobras. Parasitismo: vive no corpo de outro indivíduo. Exemplo: vírus, bactérias. Competição: duas ou mais espécies disputam o mesmo recurso. Relações interespecíficas


Carregar ppt "Curso de Pedagogia – disciplina: Interação do mundo natural: Ciências da natureza I - Profª Lucia Helena Amim Aula-24 Revisão."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google