A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Reprodução: Ciclo Estral em Éguas. Anatomia Cavidades abdominal e pélvica Formado por dois grupos de órgãos – Estruturas intrínsecas ao trato reprodutivo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Reprodução: Ciclo Estral em Éguas. Anatomia Cavidades abdominal e pélvica Formado por dois grupos de órgãos – Estruturas intrínsecas ao trato reprodutivo."— Transcrição da apresentação:

1 Reprodução: Ciclo Estral em Éguas

2 Anatomia Cavidades abdominal e pélvica Formado por dois grupos de órgãos – Estruturas intrínsecas ao trato reprodutivo Ovários Genitália tubular – Estruturas envolvidas no controle dos eventos reprodutivos Gl.pineal, hipotálamo, hipófise, retina

3 Anatomia Vulva: abertura externa do trato genital, protegendo entrada para a vagina; lábios; comissuras Vestíbulo – prega transversa – vagina propriamente dita Clitóris: fossa clitoridiana; 3 seios clitoridianos Vagina: estrutura tubular cm comp., ligando vulva à cérvix; assoalho situado sobre ísquio; paredes normalmente apostas e colapsadas (selo vestibular)

4 Anatomia Cérvix Situada à entrada do útero; Musculatura espessa; Pregas continuam-se com as dobras endometriais; permitem a distensão durante parto Tônus, coloração, secreção variam de acordo com o estágio do ciclo estral

5 Anatomia Útero Órgão muscular; une cérvix às tubas uterinas (ovidutos; trompas de Falópio) Preso à região lombar pelo ligamento largo do útero (dobras de peritôneo), de cada lado da coluna – 3 áreas: mesométrio, mesosalpíngeo, mesovário Dividido em 2 áreas: – Corpo do útero, 18-20cm comp., 8-12cm diâmetro; divide-se em 2 cornos, cada qual 25cm comp., diâmetro reduz gradualmente de 4-6cm para 1-2cm à medida que se aproxima das tubas uterinas

6 Anatomia Tubas uterinas 25-30cm comprimento, tortuosas, contínuas com os cornos uterinos Diâmetro 2-5mm istmo (próx.cornos) – 5-10mm ampola 3 camadas: – Serosa, contínua com mesosalpíngeo – Muscular longitudinal/circular – Mucosa Fímbrias – atraem e guiam óvulos para a ampola. Local da fecundação

7 Anatomia Ovários Citogênicos (gametas) Endócrinos (hormônios) Estruturas em forma de feijão – 4ª- 5ª vért. Lombares Superfície convexa – mesovário; superfície côncava – fossa Polo caudal – ligamento ovárico – corno uterino; polo cranial Cortical interna, medular externa – fossa ovulatória 2 tipos de células – Estroma (sustentação) – Germinativas - oogônias

8 Anatomia Ovários Antes puberdade: Folículos primordiais – folículos primários Puberdade: fol.primários completam estágios finais da meiose a razões variadas Secreção de líquido folicular pelas células da granulosa – cavidade – crescimento Folículos secundários

9 Fisiologia do ciclo estral Estação ovulatória Transição de outono Fase anovulatória de inverno Transição vernal

10 Fisiologia do ciclo estral Reprodutora de dia longo Comprimento do fotoperíodo

11 Fisiologia do ciclo estral Percepção estímulo luminoso pela retina Transporte informação Diminuição produção melatonina pela pineal Produção e liberação GnRH pelo hipotálamo Liberação FSH e LH hipófise Recrudescência ovariana

12 Fisiologia do ciclo estral Recrutamento – Folículos responsivos ao hormônio folículo estimulante (FSH) Seleção – Inibina; aparecimento folículos dominantes, enquanto outros sofrem atresia; estrógeno Dominância – Divergência: Razão de crescimento maior determina folículo dominante – pré- ovulatório

13 Fisiologia do ciclo estral Sinais ESTRO – Para – Ergue cauda – Expõe clitóris – Urina Variação individual Modificações uterinas cervicais e vaginais

14 Fisiologia do ciclo estral Produção de FSH – crescimento folículos Ocorrência da divergência – folículo dominante Produção de estradiol e inibina Feedback positivo estradiol sobre LH LH desencadeia ovulação Últimas 24-48h do cio – duração do cio varia conforme estação do ano

15 Fisiologia do ciclo estral Após ovulação, desenvolvimento do corpo lúteo – diestro – 24h após ovulação Corpo lúteo produz progesterona Fase lútea Comportamento Duração corpo lúteo Lise corpo lúteo Reinício fase folicular

16 Fisiologia do ciclo estral Fase anovulatória de inverno – Ausência de ovulações – Indiferença ao garanhão – Comportamento estral errático – Níveis plasmáticos de progesterona abaixo de 1ng/dl

17 Fisiologia do ciclo estral Fase transicional de primavera Fase transicional de outono

18 Fisiologia do ciclo estral Puberdade Senescência – Éguas idosas – Ciclos longos – Baixa responsividade ovariana e folicular – Oócitos (qualidade)

19 Gestação Estro – ovulação – cobertura Não retorno ao cio em 21 dias Alterações comportamentais; alterações cérvix e vagina Concepção – entrada do embrião no útero Reconhecimento materno de gestação Implantação Corpos lúteos acessórios

20 Gestação Dia até dia : cálices endometriais PMSG/eCG Mantém gestação até placenta produzir P4 eCG: formação de novos CL; manutenção CL primário eCG x perda gestacional: – Até dia 40 – Após dia 40

21 Gestação Dia – Degeneração de todos os corpos lúteos – Placenta produz progestina Duração gestação – dias – Época do ano – Sexo fetal – Idade da égua – Gestação gemelar – Infecções

22 Parto Processo contínuo 3 estágios – Estágio 1: 30´- 4h

23 Parto Estágio 2: ruptura do corio-alantóide

24 Parto Estágio 2

25 Parto Estágio 2

26 Parto Estágio 2

27 Parto Estágio 3 – Expulsão da placenta 1,5h

28 Primeiras horas de vida

29

30

31 Cio do potro 5-14 dias após o parto Fertilidade? – Involução uterina: 4-7dd epitélio – 15dd limpeza fluido – 32dd cornos involuem

32 Obrigada!


Carregar ppt "Reprodução: Ciclo Estral em Éguas. Anatomia Cavidades abdominal e pélvica Formado por dois grupos de órgãos – Estruturas intrínsecas ao trato reprodutivo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google