A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ARTEMIR BEZERRA Óptico e Optometrista Bacharelando em Optometria Professor de Óptica Oftálmica Autor de Optometria no Brasil (2011)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ARTEMIR BEZERRA Óptico e Optometrista Bacharelando em Optometria Professor de Óptica Oftálmica Autor de Optometria no Brasil (2011)"— Transcrição da apresentação:

1 ARTEMIR BEZERRA Óptico e Optometrista Bacharelando em Optometria Professor de Óptica Oftálmica Autor de Optometria no Brasil (2011)

2 UM PROFESSOR DEVE SER CAPAZ DE ENSINAR, MAS TAMBÉM DE APRENDER COM OS ALUNOS EM SALA DE AULA. PARA QUE, PORÉM, QUEM SABE POSSA ENSINAR A QUEM NÃO SABE É PRECISO QUE: 1. QUEM SABE SAIBA QUE NÃO SABE TUDO; 2. QUE QUEM NÃO SABE, SAIBA QUE NÃO DEVE IGNORAR NADA. – Paulo Freire.

3 PRISMA Prisma é um triângulo refrativo transparente constituído por: Base Face Ápice Eixo ou bissetriz Ângulo prismático

4 Os prismas têm diversas aplicações na óptica. Os Ópticos e Optometristas utilizam prismas para medir os desvios oculares. PRISMA

5 FORÇA PRISMÁTICA Chama-se de força prismática ao poder de refração que uma lente pode possuir em função apenas do ângulo LONGEESFCILEIXODNPΔ OD+ 3,5––30 mm1,5 BN OE+ 3,5––32 mm1,5 BN FÓRMULA ÓPTICA: formado por suas duas superfícies.

6 Toda lente portadora de qualquer força dióptrica, seja ela esférica ou cilíndrica, possui também consequentemente, determinada força prismática. FORÇA PRISMÁTICA

7 Uma lente afocal, ou plana, também pode possuir qualquer força prismática. LONGEESFCILEIXODNPΔ OD0,0–––5,0 BT OE0,0–––4,0 BT FÓRMULA ÓPTICA:

8 UNIDADE DE MEDIDA A unidade de medida da força prismática é a dioptria prismática, adotada por Prêntice e representada pela letra grega delta (  ).

9 Prêntice determinou que uma dioptria prismática é a força capaz de desviar um raio luminoso em um centímetro, na distância de um metro. 1,0 ∆ 1 cm 1 m Raio incidente Raio emergente PRISMA

10 Existem dois motivos que podem exigir um efeito prismático na elaboração de uma lente: 1. A Fórmula Óptica exige; 2. Há necessidade de descentralizar o centro óptico da lente a fim de que o mesmo coincida na armação com as medidas do usuário.

11 DIFERENÇA DE BORDAS O trabalho de obtenção do efeito prismático é feito através da elaboração de uma determinada diferença de bordas – DB. = = Lente oftálmica com espessuras de bordas diferentes

12 FÓRMULA DBΔ = Δ x Ø 100 (n – 1) Nesta igualdade:  DBΔ – Diferença de bordas do prisma  Ø – Diâmetro  n – Índice de refração

13 EXEMPLO 1 Qual a DB necessária para gerar 2,0Δ BN numa lente de n 1,499 e Ø 60 mm? RESOLUÇÃO: DBΔ = Δ x Ø 100 x (n – 1) DBΔ = 2,0 100 DBΔ = DBΔ = ,9 2,4 mm x 60 x (1,499 – 1) x 0,499 DBΔ =

14 EXEMPLO 2 Qual a DB necessária para gerar 4,0Δ BS numa lente com – 3,0 DE, n 1,56 e Ø 65 mm? RESOLUÇÃO: DBΔ = Δ x Ø 100 x (n – 1) DBΔ = 4,0 100 DBΔ = DBΔ = ,64 mm x 65 x (1,56 – 1) x 0,56 DBΔ =

15 ATENÇÃO O exemplo 2 demonstra que o cálculo para obtenção de qualquer efeito prismático independe da existência ou não de qualquer força esférica ou cilíndrica na lente.

16 EXEMPLO 3 Qual a DB necessária para gerar 1,0Δ BT numa lente com – 3,0 DE + 1,0 x 45°, n 1,67 e Ø 65 mm? RESOLUÇÃO: DBΔ = Δ x Ø 100 x (n – 1) DBΔ = 1,0 100 DBΔ = DBΔ = ,97 mm x 65 x (1,67 – 1) x 0,67 DBΔ =

17 DESCENTRAÇÃO Também é possível calcular determinado efeito prismático a partir da descentração do centro óptico. Centro geométricoCentro óptico LENTE DESCENTRADA

18 Nas lentes divergentes o centro óptico descentra em direção à borda mais delgada. Nas lentes convergentes o centro óptico descentra em direção à borda mais espessa. DESCENTRAÇÃO

19 CG CO + –– + CG CO DS do CO em direção à borda mais delgada numa lente negativa. DS do CO em direção à borda mais espessa numa lente positiva. DESCENTRAÇÃO

20 FÓRMULA DS = 10 x Δ D NESTA IGUALDADE:  DS – Descentração  Δ – Prisma  D – Dioptria Com a fórmula ao lado é possível calcular a descentração do CO necessária para gerar determinado efeito prismático.

21 EXEMPLO 4 Qual a DS necessária para gerar 6,0Δ BT numa lente com + 2,5 DE? RESOLUÇÃO: DS = 10 x Δ D DS = 10 2,5 x 6 DS = 60 2,5 DS = 24 mm

22 EXEMPLO 5 Qual a DS necessária para gerar 6,0Δ BI numa lente com + 0,5 DE? RESOLUÇÃO: DS = 10 x Δ D DS = 10 0,5 x 6 DS = 60 0,5 DS = 120 mm

23 Os exemplos 4 e 5 demonstram que, quanto maior o valor da força de vértice menor o deslocamento do CO a fim de gerar determinado efeito prismático e vice-versa.

24 1 mm 4 mm 1 mm 4 mm Sejam as seguintes lentes e suas respectivas espessuras nas bordas: LENTE A + 1,0 D LENTE B + 3,5 D CG CO CG DS Considerando que o n e o Ø das lentes ao lado são iguais, o prisma gerado é: a) Δ de A > Δ de B b) Δ de A < Δ de B c) Δ de A = Δ de B Atenção: DB de A = DB de B

25 DS EM LENTES CILÍNDRICAS O cálculo da DS nas lentes pl/cil e esf/cil é feito em função da força esférica que atua no sentido da DS. IMAGEM FONTE: blogdopaulus.blogspot.com.br

26 Qual a DS necessária para gerar 2,5Δ BN numa lente com + 2,0 – 0,5 x 45°? RESOLUÇÃO: DS = 10 x Δ D DS = 10 1,75 x 2,5 DS = 25 1,75 EXEMPLO 6 FORÇA ATUANTE A 0°: Dx° = cil /eixo – mer. X°/ ÷ 90 + esf Dx° = + 1,75 D – 0,5//45 – 0 ÷ 90+ 2,0 – 0,5 x 45÷ 90+ 2,0 – 22,5÷ 90+ 2,0 – 0,25 + 2,0 DS =14,28 mm

27 Qual a DS necessária para gerar 4,5Δ BS numa lente com – 4,0 – 2,0 x 30°? RESOLUÇÃO: DS = 10 x Δ D DS = 10 5,33 x 4,5 DS = 45 5,33 EXEMPLO 7 FORÇA ATUANTE A 90°: Dx° = cil /eixo – mer. X°/ ÷ 90 + esf Dx° = – 5,33 D – 2,0//30 – 90 ÷ 90+ – 2,0 x 60÷ 90– 4,0 – 120÷ 90– 4,0 – 1,33 – 4,0 DS =8,44 mm (– 4,0)

28 Também é possível calcular a força prismática causada a partir de determinada DS do CO. Para tanto, utilizamos a seguinte igualdade: Δ = D x DS 10 NESTA IGUALDADE:  DS – Descentração  Δ – Prisma  D – Dioptria

29 Qual o prisma provocada por uma DS de 2,0 mm, numa lente com – 2,25DE? RESOLUÇÃO: Δ = D x DS 10 Substituindo os valores na igualdade, temos: Δ = 2,25 10 x 2,0 Δ = 4,5 10 Δ =0,45 Δ EXEMPLO 8

30 Qual o prisma provocado por uma DS horizontal de 1,5 mm, numa lente com – 1,75 – 2,0 x 90°? RESOLUÇÃO: Δ = D x DS 10 Δ = 3,75 10 x 1,5 Δ = 5,62 10 Δ =0,56 Δ EXEMPLO 9 Neste exemplo o prisma deve ser calculado em função da força atuante a 0°. TRANSPONDO: – 3,75 + 2,0 x 180° Força atuante à 0°

31 Qual o prisma provocado por uma DS vertical de 3,7 mm, numa lente com + 2,5 – 1,5 x 30°? RESOLUÇÃO: Δ = D x DS 10 Δ = 1,5 10 x 3,7 Δ = 5,55 10 Δ =0,55 Δ EXEMPLO 10 Neste exemplo o prisma deve ser calculado em função da força atuante a 90°. Dx° = cil /eixo – mer. X°/ ÷ 90 + esf Dx° = + 1,5 D – 1,5//30 – 90 ÷ 90+ – 1,5 x 60÷ 90+ 2,5 – 90÷ 90+ 2,5 – 1,0 + 2,5 (+ 2,5)

32


Carregar ppt "ARTEMIR BEZERRA Óptico e Optometrista Bacharelando em Optometria Professor de Óptica Oftálmica Autor de Optometria no Brasil (2011)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google