A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A Cruz da Esperança Vigília de oração.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A Cruz da Esperança Vigília de oração."— Transcrição da apresentação:

1 A Cruz da Esperança Vigília de oração

2 Deixa Deus entrar Deixa Deus entrar na tua própria casa Deixa-te tocar pela Sua graça Dentro em segredo, reza-lhe sem medo: Senhor, Senhor! Que queres que eu faça Só no fundo do ser eu vou encontrar As razões de viver, as razões de amar É bem dentro de nós que está a raiz Que nos faz amar e ser feliz.

3 O CÉU E O INFERNO

4 Um discípulo perguntou certo dia ao mestre:

5 - Mestre, qual é a diferença entre o céu e o inferno ?

6 O Mestre respondeu: - Vi um grande monte de arroz, cozido e preparado como alimento.

7 Ao redor dele estavam muitos homens famintos.

8 Eles não se podiam aproximar do arroz, mas possuíam longos palitos de dois a três metros de comprimento.

9 Pegavam no arroz, mas não o conseguiam levar à própria boca porque os palitos eram demasiado longos

10 E assim estavam famintos e moribundos… Embora juntos, permaneciam solitários passando uma fome eterna, diante de uma inesgotável fartura.

11 ISSO ERA O INFERNO.

12 Vi outro grande monte de arroz, cozido e preparado como alimento.

13 Ao redor dele muitos homens famintos, mas cheios de vitalidade

14 Eles também não se podiam aproximar do arroz, mas possuíam longos palitos de dois a três metros de comprimento.

15 Pegavam no arroz, mas não conseguiam levá-lo à própria boca porque os palitos eram demasiado longos

16 Mas invés de levarem os palitos à própria boca, serviam-no uns aos outros...

17 E assim matavam a sua fome insaciável numa grande comunhão fraterna, juntos e solidários

18 ISSO ERA O CÉU.

19 Somos nós que criamos o nosso próprio, inferno ou céu.

20 Deus, pode guiar-nos, mas a nada nos obriga.

21 No final a responsabilidade é nossa.

22 O que escolheremos?

23 Vede Senhor Vede, Senhor, quanta gente nunca ouviu falar de vós Quanta gente não sabe que deve amar alguém; Senhor, aceitai-nos assim. (bis) Vede, Senhor, nós chegámos prontos a dar o que temos: a vida alegre ou triste, o amor que em nós existe, Senhor, aceitai-nos assim. (bis)

24 A CRUZ PESADA

25 Há muitos anos um Homem partiu em direção a Jerusalém, carregando uma cruz grande e pesada

26 O Homem seguia passo a passo, lentamente, carregando a cruz cuja ponta inferior se arrastava pelo chão, fazendo um risco na terra

27 Depois de muitas horas de caminhada, o Homem avistou um monte
Depois de muitas horas de caminhada, o Homem avistou um monte. Esgotado como estava, teve dúvidas se conseguiria vencer aquela subida acentuada

28 Enquanto meditava na dificuldade à sua frente, alguém que passava sugeriu que cortasse um pedaço da cruz, tornando-a mais leve 

29 E o Homem assim fez…

30 A caminhada foi-se tornando cada vez mais cansativa… O terreno era sinuoso, em ambiente arenoso, seco, muito quente durante o dia e muito frio durante noite

31 E o Homem, com medo de não conseguir chegar ao seu destino voltou a cortar a sua cruz tornando-a mais leve

32 O seu cansaço era assim balançado com a diminuição do peso da sua cruz… E o Homem estava feliz porque a caminhada tinha-se tornado fácil

33 Tudo parecia correr muito bem até que surgiu no caminho um rio caudaloso, cujas águas desciam volumosas do alto da montanha para banhar os vales.

34 A ponte sobre o rio estava partida, faltando-lhe exatamente um pedaço de quase três metros no vão central

35 Diante do obstáculo, o peregrino fez a seguinte oração:
— Senhor, Tu sabes que o meu maior desejo é chegar a Jerusalém. Venho de longe e agora que me aproximo de realizar o meu sonho, não sei como poderei fazer para, sem arriscar a vida, chegar ao outro lado do rio. Vês, Senhor, que a ponte está rompida e não tenho como atravessá-la.

36 Então uma voz do céu respondeu:
— Meu filho, para transpor este obstáculo com segurança, basta usares a cruz que eu te dei!

37 Muito triste o Homem constatou que a cruz se tinha tornado pequena demais e que não era suficiente para o ajudar a atravessar o rio

38 O Homem percebeu então que a cruz do início, com os seus três metros, tinha exatamente a medida que ele precisava para transpor a ponte que estava partida

39 Cada um de nós carrega a cruz necessária para nos preparar e vencer os obstáculos que surgem durante a jornada da vida.

40 A CRUZ QUE DEUS NOS DÁ NÃO É MAIOR OU MENOR…
É EXATA

41 Ninguém te ama como Eu Quanto esperei este momento Quanto esperei que estivesses aqui Quanto esperei que me falasses Quanto esperei que viesses a mim Sei bem o que tens vivido Sei bem porque tens chorado Eu sei o que tens sofrido Sempre estive a teu lado Ninguém te ama como eu Ninguém te ama como eu Olha pra cruz é a minha maior prova Ninguém te ama como eu Ninguém te ama como eu Ninguém te ama como eu Foi por ti só por ti porque te amo Ninguém te ama como eu

42 Pegadas na Areia

43 Uma noite tive um sonho... Sonhei que estava a andar na praia com o Senhor, e através do céu, passavam imagens da minha vida.

44 Para cada cena que se passava, percebi que eram deixados dois pares de pegadas na areia, um era meu e outro era do Senhor.

45 Quando a última cena da minha vida passou diante de nós, olhei para trás, para as pegadas na areia, e notei que muitas vezes no caminho da vida havia apenas um par de pegadas.

46 Notei também que isto aconteceu nos momentos mais difíceis e angustiosos do meu viver.

47 Isso aborreceu-me, então perguntei ao Senhor:

48 Senhor, Tu disseste-me que uma vez que resolvi seguir-Te, Tu andarias sempre comigo, em todo o meu caminho, mas notei que durante as maiores tribulações do meu viver, havia apenas um par de pegadas na areia.

49 Não compreendo porque é que nas horas em que precisava de Ti, Tu me deixaste...

50 O Senhor respondeu: - Meu precioso filho, Eu Amo-te e jamais te deixaria nas tuas horas de sofrimento.

51 Quando viste na areia apenas um par de pegadas, foi exatamente aí, que Eu te carreguei nos braços.

52 Deus estará sempre contigo, não importando o momento, ele vai sempre acompanhar-te, deixando ao teu lado o Seu par de pegadas no percurso da tua vida…

53 Voa a grande altitude Não fiques na praia Com o barco amarrado E medo do mar Tudo aqui é miragem Mas na outra margem Alguém a esperar Como onda que morre Sozinha na praia Não fiques brincando No mar confiante Ensina o teu canto De ave voando Voa bem mais alto Livre sem alforge Sem prata nem ouro Amando este mundo Esta vida que é campo E esconde um tesouro

54 Pai Nosso Galego Junto ao mar eu ouvi hoje , Senhor, Tua voz que me chamou e me pediu que me entregasse a meu irmão. Essa voz me transformou, a minha vida ela mudou e só penso agora, Senhor, em repetir-Te. Pai nosso, em Ti cremos, Pai nosso, Te oferecemos, Pai nosso, nossas mãos de irmãos (bis) PAI NOSSO

55 O Nosso Símbolo

56 O Senhor é meu pastor 1. Confiarei nessa voz que não se impõe, mas que eu ouço bem cá dentro no silêncio a segredar. Confiarei, ainda que mil outras vozes corram muito mais velozes, para me fazer parar. E avançarei, avançarei no meu caminho. Agora eu sei que tu comigo vens também. Aonde fores, aí estarei, sem medo avançarei: O Senhor é meu pastor, sei que nada temerei. Ele guia o meu andar, sem medo avançarei. (2x)  2. Confiarei na Tua mão que não me prende, mas que aceita cada passo do caminho que eu fizer. Confiarei, ainda que o dia escureça não há mal que me aconteça, se conTigo eu estiver. E avançarei, avançarei no meu caminho. Agora eu sei que tu comigo vens também. Aonde fores, aí estarei, sem medo avançarei:


Carregar ppt "A Cruz da Esperança Vigília de oração."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google