A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

BRUNO BORGES HERNANDES R3 MEDICINA ESPORTIVA TRÍADE DA MULHER ATLETA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "BRUNO BORGES HERNANDES R3 MEDICINA ESPORTIVA TRÍADE DA MULHER ATLETA."— Transcrição da apresentação:

1 BRUNO BORGES HERNANDES R3 MEDICINA ESPORTIVA TRÍADE DA MULHER ATLETA

2 INTRODUÇÃO 1. Desordem Alimentar 2. Amenorréia 3. Osteoporose - A minoria das atletas apresentam os 3 componentes juntos.

3 INTRODUÇÃO Prevalência: - Desordem alimentar 15 – 62% ( pop 13-20%) - Disfç menstrual % ( 2 - 5%) - Presença de osteopenia em atletas % Etiologia: - A raiz da síndrome é a disponibilidade energética bx - Obter imagem atlética e melhores resultados

4 MANEJO Envolve uma equipe multidisciplinar e suporte de familiares, treinadores e amigos. foco principal é a correção da baixa disponibilidade de energia e fornecimento de apoio emocional (adesão) ACSM/ > 1° objetivo deve ser o aumento da disponibilidade de energia por consumo crescente e/ou redução do gasto.

5 MANEJO Redução de 10 a 20% da carga de treinos pode ser suficiente para normalizar o ciclo menstrual. Exercícios resistidos e dieta balanceada c/ suplementação de cálcio e vit D. Tem sido proposta a reposição de estrogênios/uso de ACO: - prevenir a perda óssea, - atuam no controle do ciclo em dias de competição.

6 MANEJO Deve-se ter uma estratégia de aproximação p/ atletas de alto risco ou sintomáticas --> abordagem precoce. Confidencialidade. A atleta deve ser hospitalizada dependendo da gravidade do quadro.

7 Dist Alimentares 1° passo é a avaliação nutricional determinando-se a "disponibilidade de energia" (quantidade de energia na dieta restante após o exercício) Estabelecer um peso-alvo g/sem Idealmente a atleta deve preencher um diário alimentar de 3 dias (1 dia de fds), e pesar/quantifiquar as porções dos alimentos. acelerômetro para calcular gasto calórico.

8 Dist Alimentares Psicoterapia é uma abordagem comum e eficiente pois proporciona maior compreensão das raízes psicológicas dos transtornos Identificar se o distúrbio alimentar antecedeu o envolvimento no esporte. Estratégias de enfrentamento (relaxamento, assertividade, identificar e modificar padrões de comportamento), gerenciar sintomas de distúrbios alimentares e situações de risco

9 Dist Alimentares Terapia cognitivo-comportamental (TCC): + eficaz, especialmente p/ bulimia. ISRS, antiepilépticos, antipsicóticos atípicos (olanzapina) e medicamentos antiobesidade tem mostrado redução de sintomas desses transtornos. BZD? Avaliar a proibição de diversas substâncias por diferentes órgãos de governo no contexto esportivo

10 Dist Alimentares Golden e cols,1997: 90% de adolescentes amenorréicas retomam menstruação após restaurar peso Willians e cols,2001: Aumento calórico de 20% levaria a ovulação em 2 meses e aumento de 50% em cerca de 2 semanas.

11 Dist Menstruais Presença de irregularidades menstruais: atentar p/ história, hábitos alimentares, exame físico direcionado e investigação do perfil hormonal. Disfunção menstrual + baixo peso ou aumento da intensidade dos exercicios: normalizar ingesta calórica, equilibrar treinos, recuperação adequada. Monitorizar por 6 meses antes do uso de hormônios (antes se piora da DMO) Um indicador clínico valioso é melhora da disposição e da performance.

12 Dist Menstruais Benefícios: 1.contracepção, 2.controle dos ciclos, 3. melhora da dismenorréia, 4.sd pré-menstrual, 5. profilaxia anemia ferropriva Doses iniciais associam-se a alta incidencia de efeitos colaterais: TGI, ganho de peso (retenção hídrica ou aumento de apetite -> inaceitável). Sempre associar progesterona, evitando-se hiperplasia endometrial

13 Dist Menstruais Contra-indicações à terapia estrogênica Absolutas: -AVC -DAC -Desordens tromboembólicas -Disfunção hepática -Neoplasias estrógeno-dependentes -Sangramento vaginal sem diagnóstico -CA de mama Relativas: -HAS -DM/intolerância a glicose -DLP -Doenças renais ou biliares -Enxaqueca -Depressão -Cirurgias recentes

14 Osteoporose Correção de baixa disponibilidade energética e amenorréia, ingesta adequada de Ca2+/vit.D e treinamento resistido são efetivos p/ baixa DMO Os efeitos da atividade física na massa óssea são maximizados c/ consumo de adequado de cálcio e vitamina D: - Cálcio: mg/d (11-24a) - Vit.D: UI/d

15 Osteoporose Programas de exercícios resistidos tem mostrado aumento da DMO e devem ser implementadas em todas essas atletas. Terapias anti-reabsortivas (bifosfonatos, calcitonina) não foram testadas e não são recomendadas em pacientes jovens. Considerar apenas em casos de osteoporose franca. Potencial teratogênico e podem permanecer no osso mineralizado por vários anos.

16 Disfunção endotelial Exercícios aeróbios -> potencial de restaurar vasodilatação endotélio- dependente -> aumento da biodisponibilidade de NO Rickenlund e cols, > aumento significativo da DMF após 9 meses c/ baixa dose de ACO (30 mcg etinilestradiol mcg levonorgestrel) Women's Health Iniciative (WHI) *2002: aumento de 22% no risco de eventos cardiovasculares em mulheres na pós-menopausa com reposição hormonal. *2010: aumento da incidência de ca de mama e mortalidade por ca de mama nesse mesmo grupo.

17 Disfunção endotelial Suplementação c/ ác. fólico ->regeneração endógena de tetrahidrobiopterina (cofator essencial para a produção endotelial da NO sintase) aumento do NO - efeito anti-oxidante na vasculatura - ↑ biodisponibilidade de NO - melhora DMF Ác fólico 10 mg/d, 4-6 sem --> melhora significativa da DMF (dilatação mediada por fluxo) em corredoras eumenorréicas e dançarinas

18 CONCLUSÕES manejo eficaz se baseia nos seguintes pilares: -equipe multidisciplinar -correção de baixa oferta de energia -suporte emocional

19 Situações que exigem grau elevado de suspeição: -ênfase na perda de peso -pressão excessiva (staff, individual ou familiar) -baixa auto-estima -perfeccionismo -ansiedade e atitudes obssesivo-compulsivas -atletas excessivamente magras ou com imagem corporal distorcida -amenorréia -fx por estresse incomuns

20 A equipe deve ter uma estratégia para aproximação das atletas de alto risco ou sintomáticas já que o reconhecimento precoce é crucial p/ o tratamento. Redução da carga de treinos, adequação nutricional, suporte psicológico, cálcio/vit D e reposição hormonal são as principais medidas preconizadas.


Carregar ppt "BRUNO BORGES HERNANDES R3 MEDICINA ESPORTIVA TRÍADE DA MULHER ATLETA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google