A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AULA 01. CURSINHO POPULAR PAULO FREIRE "Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda.” ( Paulo Freire ) cursinhopopularpaulofreire.wordpress.com.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AULA 01. CURSINHO POPULAR PAULO FREIRE "Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda.” ( Paulo Freire ) cursinhopopularpaulofreire.wordpress.com."— Transcrição da apresentação:

1 AULA 01

2 CURSINHO POPULAR PAULO FREIRE "Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda.” ( Paulo Freire ) cursinhopopularpaulofreire.wordpress.com

3 A GEOGRAFIA NOS VESTIBULARES Nos últimos anos,acompanhando as inovações colocadas a disposição da produção e ensino da ciência geográfica,as questões de vestibulares estão abandonando a dedução e a necessidade de saber de cor números,datas e nomes. A geografia crítica está substituindo a geografia tradicional. Provas modernas são interpretativas. As questões apresentam mapas,tabelas e textos, e o candidato é levado a refletir e analisar causas e conseqüências. O conteúdo programático dos vestibulares incorpora atualidades e procura aproximar-se da realidade local.

4 A STRONOMIA - A T ERRA NO ESPAÇO Movimentos Entre os movimentos que a terra apresenta no espaço,destacam-se: rotação,translação e precessão dos equinócios.

5 R OTAÇÃO Corresponde ao movimento que a Terra faz girando ao redor de seu próprio eixo. Sentido: oeste para leste. Duração: cerca de 24 horas (23 h 56 min). Conseqüência: sucessão dos dias e noites.

6 R OTAÇÃO

7 M OVIMENTO A PARENTE DO S OL (MAS) É o movimento que o Sol aparenta realizar diariamente, deslocando-se de leste para oeste, devido ao movimento de rotação da Terra. Zênite: é o ponto mais alto do MAS e corresponde as 12 horas.

8 T RANSLAÇÃO Movimento que a terra executa, girando ao redor do Sol, em órbita elíptica. Sentido: oeste parta leste. Duração: aproximadamente 365 dias e 6 horas (365 dias, 5 horas e 40 minutos). Conseqüência: duração do ano e estações do ano.

9 E STAÇÕES DO A NO Considerando o movimento de translação, pode- se observar que os raios solares não incidem de maneira igual em toda a superfície terrestre no decorrer do ano, ou seja, incidem com maior ou menor intensidade, determinando as diferenças de aquecimento.

10 T RANSLAÇÃO E E STAÇÕES DO A NO

11 S OLSTÍCIO Momento em que os raios solares incidem perpendicularmente sobre um dos trópicos. Nos solstícios, verificam-se as maiores diferenças de duração entre os dias e as noites. Os solstícios ocorrem em 21 de dezembro – solstício de verão no hemisfério Sul (maior dia e menor noite do ano) – e 21 de junho – solstício de inverno no hemisfério Sul (menor dia e maior noite do ano).

12 E QUINÓCIO Momento em que os raios solares incidem perpendicularmente sobre a linha do Equador. Os equinócios ocorrem durante as entradas do outono e da primavera, em 21 de março e 23 de setembro, respectivamente, no hemisfério Sul. Nos equinócios, os dias e as noites tem a mesma duração em toda a Terra.

13 O RIENTAÇÃO E C OORDENADAS G EOGRÁFICAS Norte ( N ): extremidade superior do eixo terrestre. Sul ( S ): extremidade inferior do eixo terrestre. Leste ( L ou E ): local onde o Sol nasce. Oeste ( O ou W ): local onde o Sol se põe.

14 R OSA DOS V ENTOS

15 F ORMAS DE O RIENTAÇÃO Astros ; Bússola ; Global Positioning System ( GPS ).

16 C OORDENADAS G EOGRÁFICAS Um ponto na superfície terrestre é localizado por meio da latitude e da longitude, tendo como pontos de referencia a Linha do Equador e do Meridiano de Greenwich. Linha do Equador: divide a Terra em hemisfério Norte ou Setentrional e hemisfério Sul ou Meridional. Linha do Meridiano de Greenwich: divide a terra em hemisfério Leste ou Oriental e hemisfério Oeste ou Ocidente.

17 L ATITUDE A latitude terrestre é a medida angular entre a Linha do Equador e qualquer ponto situado na superfície da Terra, no sentido norte ou sul. As latitudes terrestres variam de 0 a 90 graus de latitude norte ou sul.

18 Z ONAS T ÉRMICAS Zona Intertropical ( tropical ou tórrica ): Entre os trópicos de Câncer e de Capricórnio ( áreas de baixa latitudes), sendo atravessada ao centro pela linha equatorial. Constitui a zona mais quente do globo, onde não se observa as estações do ano. Zonas Temperadas: aparecem nas áreas de médias latitudes, a partir dos trópicos até os círculos polares. Nestas zonas a ocorrência das 4 estações é bem observada. Zonas Polares (frias ou glaciais): situam-se em áreas de grandes latitudes e constituem as regiões mais frias do globo, quase que permanentemente cobertas de gelo.

19 Z ONAS TÉRMICAS

20 L ONGITUDE Medida angular entre o Meridiano de Greenwich e qualquer ponto na superfície terrestre, no sentido leste ou oeste, variando de 0 a 180 graus. Os principais meridianos traçados a cada 15 graus correspondem aos fusos horários. Observe o mapa abaixo:

21

22 N OÇÕES DE C ARTOGRAFIA Todas as projeções cartográficas tendem a apresentar deformações, dada a transformação de um corpo de revolução num plano, motivo pelo qual existem várias projeções cartográficas desenvolvidas para evidenciar determinadas áreas, como continentes ou porções menores, e formas de representação, como física, política, etc. Porém, ao se representar o globo por inteiro, ou seja, o mapa – múndi, sempre ocorrerão áreas com deformações.

23 P RINCIPAIS P ROJEÇÕES C ARTOGRÁFICAS As projeções cartográficas podem ser divididas de várias maneiras. As mais utilizadas são: Cilíndricas ; Cônicas ; Polares ; Estereográficas.

24 P ROJEÇÃO C ILÍNDRICA Entre as projeções cilíndricas, uma das mais conhecidas é a de Mercator. Nela, os paralelos e os meridianos se cruzam em linha reta e perpendicularmente. As regiões equatoriais são representadas na verdadeira grandeza e as altas latitudes são deformadas com as dimensões exageradas. A projeção de Mercator é uma das mais utilizadas para a representação do mapa – múndi.

25

26

27 P ROJEÇÃO C ÔNICA Utilizada para representar regiões de médias latitudes. Os paralelos são curvos e os meridianos são retos. As regiões de altas e baixas latitudes sofrem deformação. A projeção cônica é utilizada para a representação de médias latitudes, como os mapas da Europa e América do Norte.

28

29

30 P ROJEÇÃO P OLAR OU A ZIMUTAL Na realidade, é um tipo de projeção azimutal em que um dos pólos ocupa o centro de projeção. É a mais utilizada para a representação dos pólos. Os paralelos são círculos concêntricos e os meridianos são retos, convergindo para os pólos. A projeção azimutal polar é também utilizada para representações geoestratégicas e geopolíticas.

31

32 P ROJEÇÃO E STEREOGRÁFICA É projetada a partir de um ponto de vista nos antípodas do ponto central, o que permite teoricamente representar todo um hemisfério. Os paralelos e os meridianos são curvos. As projeções estereográficas são utilizadas para a representação dos globos em hemisférios opostos.

33

34

35 O UTRAS PROJEÇÕES A projeção do historiador Arno Peters aumenta visivelmente as zonas localizadas nas proximidades do Equador. Nessa projeção, o comprimento original da África no sentido norte-sul passa de 8013,6 km para 10622,3 km, e a imagem tradicional do continente fica quase irreconhecível. O mesmo acontece com a América do Sul. Projeção de Peters ficou conhecida como “ Mapa para um Mundo Solidário”.

36

37 C URVAS DE N ÍVEL As curvas de nível ou isoípsas são linhas que unem pontos de igual altitude num mapa. As curvas de nível podem ser comparadas com degraus de uma escada. A partir de um conjunto de curvas de nível é possível obter do relevo ( perfil topográfico).

38

39

40 E SCALAS Escala de um mapa é a relação existente entre as distância medidas no mapa a as distâncias lineares correspondentes no terreno. A escala pode ser numérica ou gráfica. A escala numérica é representada por uma fração em que o numerador representa a distância no mapa e o denominador a distância correspondente no terreno, sempre utilizando a mesma medida. Assim num mapa de 1 : , 1 cm no mapa representa cm, ou seja, 1 km no terreno. A escala gráfica é representada por uma linha reta graduada, dividida em partes iguais, cada uma delas representando a unidade de comprimento escolhida para as distancias do terreno.

41 E SCALA N UMÉRICA

42

43 E SCALA G RÁFICA

44 E XTRA C LASSE Lista de exercícios 1: referente a “Astronomia - A Terra no espaço”. Lista de exercícios 2: referente a “ Orientação e Coordenadas Geográficas”. Lista de exercícios 3: referente a “ Noções de Cartografia”.

45 P ARA L EMBRAR : Constará em nosso site todo o material das minhas aulas e as listas de exercícios extra classe.


Carregar ppt "AULA 01. CURSINHO POPULAR PAULO FREIRE "Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda.” ( Paulo Freire ) cursinhopopularpaulofreire.wordpress.com."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google