A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Reforma da Atenção Primária Primary Health Care Reform PARA DISCUSSÃO Daniel Soranz Panorama Atual da Atenção.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Reforma da Atenção Primária Primary Health Care Reform PARA DISCUSSÃO Daniel Soranz Panorama Atual da Atenção."— Transcrição da apresentação:

1 Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Reforma da Atenção Primária Primary Health Care Reform PARA DISCUSSÃO Daniel Soranz Panorama Atual da Atenção Primária no Rio de Janeiro Daniel Soranz Subsecretário de Atenção Primária Vigilância e Promoção da Saúde VIII Ciclo de Debates – Conversando sobre a Estratégia de Saúde da Família, promovido pela ENSP. Na pauta, a conferência Metas e efetividade na avaliação de qualidade da ESF: e a promoção da saúde?

2 Capitais % despesa assistência hospitalar % cob Saúde da Família Rio de Janeiro ,13,3 Belo Horizonte ,768,7 São Paulo ,426,6 Vitória ,266,4 Porto Alegre ,122,3 Curitiba ,232,6 Florianópolis-20073,275,5 Aracaju ,487,4 Recife ,652,2 Salvador ,111,7 Maceió ,126,9 Fortaleza ,826,6 São Luis ,729,7 João Pessoa ,991,9 Teresina ,794,3 Rio de Janeiro Fonte: Para dados de cobertura da Estratégia de Saúde da Família, DAB/MS. Para dados do percentual da despesa liquidada em assistência hospitalar, SIOPS/MS, Cobertura de Saúde da Família X Despesa Hospitalar

3 21-ago-142 O Caso Rio de Janeiro O Caso Rio de Janeiro (THE CASE OF RIO DE JANEIRO) –Um dos maiores gasto per capita em saúde do País. –(one of the highest per capita health budget in Brazil). –Os piores indicadores do País até –(the worst health indicators in Brazil up to 2008). –O menor financiamento publico municipal entres as Capitais em –(the lowest public financing amog all capital municipalities in Brazil in 2008).

4 21-ago-143 Caminhos a escolher (Pathways to choose)

5 21-ago-144 Evolução (%) do Saúde da Família Município do Rio de Janeiro – 2008 a 2016 Fonte: CNES e Plano Estratégico da Prefeitura do Rio ( ). Categorias (%) cobertura (eq completas)3,58,918,227,339,845,055,060,070,

6 21-ago-145 Evolução do número de ACS e AVS do Município do Rio de Janeiro a 2016 ACS AVS Fonte: CNES e Plano Estratégico da Prefeitura do Rio ( ).

7  2011 situação recente (Recent Situation) Entre 2009 e 2011, a cidade do Rio de Janeiro representa maior ampliação de acesso do País, do total de 804 equipes implantadas, 476 (59,2%) são da SMSDC/RJ ! (Between Rio de Janeiro city had the greatest expansion of PHC teams, of the 804 teams, 476 (59,2%) were created there) O SUS na cidade do Rio de Janeiro tem seu maior crescimento registrado na historia ! In Rio de Janeiro, “SUS” had the highest growning of all history. 21-ago-146

8 21-ago-147 RCSP - Cidade do Rio de Janeiro A Reforma Atenção Primária (RCSP) na Cidade do Rio de Janeiro foi iniciada em 2009 com alicerce na mudança organizacional da SMSDC, que coloca a Atenção Primária como ordenadora das Redes de Atenção Primary Health Care Reform (PHCR) in Rio de Janeiro has begun in 2009 supported by organizational change of SMSDC, which introduced PHC as the coordenator of local care nets. Daniel Soranz

9 Onde queremos chegar? Maior expectativa de vida com qualidade. Desejamos que o carioca possa viver mais e melhor! 21-ago-148

10 PROMOÇÃO DA SAÚDE OS ÚLTIMOS 35 ANOS (1970 – 2005) - I 21-ago-149 Década de 70 – Crise dos sistemas de saúde: Ineficácia, ineficiência, ineqüidades e crise de credibilidade, face à transição demográfico- epidemiológica: envelhecimento e mudança nos padrões nosológicos, medicalização, desenvolvimento tecnológico e explosão de custos e gastos. Novas concepções do processo saúde-doença-cuidado, mais globalizantes, articulando saúde e qualidade de vida. Informe Lalonde (1974) – Campo da saúde: Biologia humana, meio ambiente, estilo de vida e organização da atenção à saúde. “ Até agora, quase todos os esforços da sociedade canadense destinado a melhorar a saúde, assim como os gastos setoriais diretos, concentraram-se na assistência médica. Entretanto, as causas principais de adoecimento e morte têm origem nos outros três componentes do conceito” (A New Perspective on the Health of Canadians). Buss PM; Promoção da Saúde no Brasil Conferência apresentada ao, I Seminário Brasileiro de Efetividade da Promoção da Saúde, Rio de Janeiro, 2005

11 Conferência - Internacional sobre Atenção Primária de Saúde (1978) – Declaração de Alma Ata Oito elementos essenciais para alcançar saúde para todos: educação dos problemas de saúde prevalentes; prevenção e controle. promoção do suprimento de alimentos e nutrição adequada. abastecimento de água e saneamento básico apropriados. atenção materno-infantil, incluindo o planejamento familiar. imunizações contra as principais doenças infecciosas. prevenção e controle de doenças endêmicas. tratamento apropriado das doenças comuns e dos acidentes. distribuição de medicamentos básicos. 21-ago-1410 Buss PM; Promoção da Saúde no Brasil Conferência apresentada ao, I Seminário Brasileiro de Efetividade da Promoção da Saúde, Rio de Janeiro, 2005

12 Carta de Ottawa: 1986; VIII Conferência Nacional de Saúde: 1986; Constituição Federal: 1988; Leis do SUS (8.080 e 8.142): 1990 Art. 196: “A saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doenças e outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”. Lei (art.2º): “A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, entre outros, a alimentação, o saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a educação, o transporte, o lazer e o acesso a bens e serviços sociais; os níveis de saúde da população expressam a organização social e econômica do país (par. 3º). CONSTITUIÇÃO FEDERAL - LEI DO SUS Buss PM; Promoção da Saúde no Brasil Conferência apresentada ao, I Seminário Brasileiro de Efetividade da Promoção da Saúde, Rio de Janeiro, 2005

13 Saúde: as iniqüidades O principal problema de saúde no Brasil são as iniqüidades nas condições sociais e de saúde e no acesso aos serviços sociais e de saúde Iniqüidades em saúde entre grupos e indivíduos são as desigualdades de saúde que além de sistemáticas e relevantes são também evitáveis, injustas e desnecessárias (Whitehead)

14 Taxa de mortalidade infantil no Município do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro e Brasil, para o período ago-1413

15 Taxa de mortalidade neonatal no Município do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro e Brasil para o período ago-1414

16 Distribuição dos Óbitos de Residentes do Município do Rio de Janeiro segundo Tipo de Causa Externa, ago-1415

17 Média da ação coletiva de escovação dental supervisionada (nº de procedimentos) Aumento de 58,6% Aumento de 67,2% Metas e efetividade na avaliação de qualidade da ESF BRASIL IDSUS

18 Proporção nascidos vivos de mães com 7 ou mais consultas de pré-natal Nº de procedimentos de pré-natal: Aumento de 51,5% Aumento de 32% Metas e efetividade na avaliação de qualidade da ESF BRASIL IDSUS

19 Razão de exames citopatológicos do colo do útero em mulheres de 25 a 59 anos e a população da mesma faixa etária Nota IDSUS 2008/2010: 2, Aumento de 93% Aumento de 40% Total de exames citopatológico cérvico-vaginal na cidade do Rio: Metas e efetividade na avaliação de qualidade da ESF BRASIL IDSUS

20 Aumento 255% Aumento de 124% Razão de exames citopatológicos do colo do útero em mulheres de 25 a 59 anos e a população da mesma faixa etária Nota IDSUS 2008/2010: 2, Total de exames citopatológico cérvico-vaginal na cidade do Rio em unidades básicas: Metas e efetividade na avaliação de qualidade da ESF BRASIL IDSUS

21 Razão de exames de mamografia realizados em mulheres de 50 a 69 anos e a população da mesma faixa etária Nota IDSUS 2008/2010: 0,98 Nº de exames de mamografia: Metas e efetividade na avaliação de qualidade da ESF BRASIL IDSUS

22 Cobertura vacinal com a vacina tetravalente (%) Nota IDSUS 2008/2010: 7, %92%89%94% Metas e efetividade na avaliação de qualidade da ESF BRASIL IDSUS

23 Fonte: Assessoria de Atividade Física/SPS/SUBPAV/SMSDC-RJ Metas e efetividade na avaliação de qualidade da ESF

24 Fonte: Assessoria de Atividade Física/SPS/SUBPAV/SMSDC-RJ (Dados Primários) Metas e efetividade na avaliação de qualidade da ESF

25 Fonte: Assessoria de Atividade Física/SPS/SUBPAV/SMSDC-RJ (Dados Primários) Metas e efetividade na avaliação de qualidade da ESF BRASIL IDSUS

26 Fonte: Assessoria de Atividade Física/SPS/SUBPAV/SMSDC-RJ Metas e efetividade na avaliação de qualidade da ESF

27 Reforma da Atenção Primaria Sistemas de saúde com bom desempenho na Primeira Infância tem características em comum: 1.Vinculação pessoa a pessoa: Os profissionais tem uma lista de pacientes da qual são responsáveis. Os pacientes sabem quem é a equipe responsável pelo seu cuidado. 21-ago-1426

28 Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil 21/8/201427

29 Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil 21/8/201428

30 Reforma da Atenção Primaria Sistemas de saúde com bom desempenho na Primeira Infância tem características em comum: 21-ago Longitudinalidade do cuidado Sempre a mesma equipe cuida da mesma Família.

31 30 Avaliação dos Profissionais Em Domicílio (MAPEAR n=10.350) Em relação ao último atendimento domiciliar, quase todos receberam agentes de saúde. 15% foram atendidos por enfermeiros, técnicos ou auxiliares de enfermagem; 11% por médicos; 5% por dentistas e 2% por técnicos ou assistentes de dentista.

32 Variáveis Variável 02

33 Reforma da Atenção Primaria Sistemas de saúde com bom desempenho tem características em comum: 21-ago Coordenação do cuidado Os serviços de Saúde da Família coordena os demais níveis de atenção. Papel de gatekeeper. Proteger a criança de intervenções desnecessárias

34 Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil 21/8/201433

35 Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil 21/8/201434

36 EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS MARCADOS PELO SISREG – MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO JANEIRO A JULHO DE /8/ Fonte: SISREG III, Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro, em 28 de setembro de 2012

37 Carteira de Serviços Sistemas de saúde com bom desempenho características em comum: 4. Serviços de atenção primária resolutivos. 21-ago-1436

38 Pagamento por desempenho Reformas dos Cuidados de Saúde Primários de Portugal. (2005/2010) (Primary Health Care Reform in Portugal) Reforma do NHS ( ) (NHS Reform) Pagamento por desempenho Rio de Janeiro 1995 (Payment for performance in Rio de Janeiro – 1995) Acordo de resultados Casa Civil Prefeitura do Rio/ (Result Deal – Municipality of Rio 2010/2012) 21-ago-1437

39 Variáveis Variável 01  incentivo institucional à gestão do TEIAS ;  objetivo induzir boas práticas na gestão da OSS e alinhá-las às prioridades definidas pela SMSDC  Este recurso somente pode ser utilizado no objeto do contrato de gestão  80 a 100%  80 a 100% - 2% dos recursos orçamentários pré-definidos a OSS  60 a 79%  60 a 79% - 1% dos recursos orçamentários pré-definidos a OSS 1% dos recursos em investimentos pela CAP (distrito sanitário) na Rubrica “adaptação de unidades de atenção primária”  <60%  <60% - 2% dos recursos orçamentários à CAP

40 Variáveis Variável 01

41

42 Variáveis Variável 02 equipe de SF  Valor trimestral de R$ 3.000,00 por equipe de SF; própria unidade de saúde  Deve ser aplicado na própria unidade de saúde;  Não atingimento metas implica aplicação recursos na rubrica “adaptação e manutenção da unidade”; contratualizada com as equipes  Matriz de indicadores deve ser contratualizada com as equipes; ACESSO (4) DESEMPENHO ASSISTENCIAL (8)SATISFACAO USUARIOS (1)CUSTO-EFETIVIDADE (5)  18 indicadores agrupados em ACESSO (4), DESEMPENHO ASSISTENCIAL (8), SATISFACAO USUARIOS (1), CUSTO-EFETIVIDADE (5).

43 Variáveis Variável 03 salário dos profissionais (10% salário base a cada mes)  Corresponde a variável do salário dos profissionais (10% salário base a cada mes); cada equipe de SF  São avaliados em grupo para cada equipe de SF; especificidades locais e de perfil epidemiológico  Leva em consideração as especificidades locais e de perfil epidemiológico;  Grande liberdade de composição da variável;  Avaliação trimestral;  Unidades contábeis (teto 100 UC=10%do salário)

44 Variáveis Variável 03

45 Variáveis Variável 03

46 21-ago-1445

47 Reforma da Atenção Primaria Sistemas de saúde com bom desempenho na tem características em comum: 21-ago Monitoramento/lei dos cuidados inversos Os que mais necessitam de cuidados em saúde são os menos por eles beneficiados. Assim, os programas de saúde atingem maiores coberturas nos grupos populacionais que deles menos necessitam 2 1. Hart JT. The inverse care law. Lancet 1971 (Feb); Dias-da-Costa J, Victora CG, Barros FC, Halpern R, Horta BL, Manzolli P. Assistência médica materno-infantil em duas coortes de base populacional no Sul do Brasil: tendências e diferenciais. Cad Saúde Pública 1996; 12 (S1):

48 Reforma da Atenção Primaria Sistemas de saúde com bom desempenho na tem características em comum: 21-ago Integração Vigilância e Atenção Primária Apresentação dos dados por unidade e por equipe. Inserção dos agentes de endemias as equipes Alertas dos prontuários eletrônicos

49

50

51

52

53 Reforma da Atenção Primaria Sistemas de saúde com bom desempenho na tem características em comum: 21-ago Regras e prazos claros para os profissionais e usuários

54 Reforma da Atenção Primaria Sistemas de saúde com bom desempenho na tem características em comum: 21-ago Regras e prazos claros para os profissionais e usuários

55 Leitos Hospitalares por hab DIMINUIÇÃO DO SETOR HOSPITALAR Leitos Hospitalares por hab

56 21-ago-1455 Fonte: SIOPS / MS. Distribuição das despesas da saúde em capitais selecionadas – Brasil

57  situação futura ago-1456 Cariocas tem a maior expectativa de vida do País! Redução de leitos hospitalares ocorre espontaneamente devido melhoria da resolutividade do SF. Prontuários das ESF do Rio tronam-se principal referencia para pesquisa clinica e construção de protocolos terapêuticos. Fichas A são uma das principais fontes de informação para formulação de politicas Inter setoriais. Redução expressiva nas desigualdades entre os indicadores sociais.

58 NHS UM VALOR OLÍMPICO (NHS : an Olympic Value) 21-ago-1457

59 21-ago-1458

60 Obrigado! Thank you! Je vous remercie! Daniel Soranz Subsecretario de Atenção Primária, Vigilância e Promoção da Saúde Undersecretary for Primary Care, Surveillance and Health Promotion Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil City Department of Health and Civil Defense Prefeitura do Rio de Janeiro City of Rio de Janeiro 21-ago-1459 Rio Meta de 70% de Cobertura de Saúde da Família o maior legado Olímpico que uma Cidade pode alcançar ! 2016 Games: Our goal: 70% of Primary Health Care – the greatest olympic legacy that a City can reach !!


Carregar ppt "Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Reforma da Atenção Primária Primary Health Care Reform PARA DISCUSSÃO Daniel Soranz Panorama Atual da Atenção."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google