A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Diagnóstico diferencial de cocos Gram positivos: Staphylococcus spp, Streptococcus spp, Enterococcus spp Microbiologia Clínica.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Diagnóstico diferencial de cocos Gram positivos: Staphylococcus spp, Streptococcus spp, Enterococcus spp Microbiologia Clínica."— Transcrição da apresentação:

1 Diagnóstico diferencial de cocos Gram positivos: Staphylococcus spp, Streptococcus spp, Enterococcus spp Microbiologia Clínica

2 CGP em cachos, anaeróbios facultativos Patógenos humanos e de animais Gênero destaque absoluto: Staphylococcus Staphy divide-se em 2 grupos com base na sua capacidade de coagular o plasma (reação de coagulase) Staphy Coag + = S. aureus (principalmente) Staphy Coag - = + de 30 sp (Destaque S. epidermidis e S. saprophyticcus) Staphylococcus

3 Morfologia Células esféricas que se dispõem em cachos irregulares, cocos isolados, aos pares, em tétrades. Cocos jovens são fortemente Gram ( + ) e com o envelhecimento tornam-se Gram ( - ) São imóveis Não formam esporos Staphylococcus

4 Cultura Crescimento rápido em condições aeróbicas ou microaerófilas. Em meios sólidos, as colônias são redondas, lisas, elevadas e brilhantes. As colônias de S.aureus são acinzentadas a amarelo dourado intenso. As colônias de S.epidermidis apresentam coloração de cinza a branca. Staphylococcus

5 S. aureusS. epidermidis

6 Característica de crescimento Fermentam carboidratos produzindo ácido láctico (não gás!!!) São relativamente resistentes ao ressecamento e ao calor. Apresentam sensibilidade variável a muitos agentes antimicrobianos (produção de B-lactamases, resistência à meticilina e oxacilina, tolerância e plasmídios ) Staphylococcus

7 Comensais comuns da pele Oportunistas –S. aureus (narinas e pele) –S. epidermidis (narinas e pele) –S. saprophyticcus (pele) Cepas multirresistentes –S. aureus MRSA (meticilina/oxacilina resistente) –S. aureus VISA (sensibilidade reduzida à vancomicina) Staphylococcus

8 Restritos à porta de entrada Folículo piloso e vias aéreas Lesões, suturas, catéteres Causador das seguintes infecções: Furunculose, conjuntivites, infecções epiteliais, pneumonias, abscessos profundos, endocardites, mastites, meningites, ITU (infecção trato urinário), infecções Hospitalares. Doenças causadas pelas toxinas como síndrome do choque tóxico Staphylococcus aureus

9 S. aureus: Patogênese Proteínas de superfície e extracelulares sendo potentes fatores de Virulência Produção de laminina e fibronectina que são proteínas que promovem a sua ligação ao hospedeiro. Fibronectina também atua como componente do coágulo.

10 S. aureus: Patogênese Toxinas e enzimas Catalase Conversão do peróxido de hidrogênio em água e oxigênio. Coagulase Impede a cascata normal da coagulação do plasma. Deposição de fibrina na superfície dos estafilococos. Hialuronidase enzima que quebra acido hialurônico.

11 Toxinas e enzimas Estafiloquinase Ação semelhante a estreptoquinase, resultando em fibrinólise. Proteinases Lipases B-lactamases Exotoxinas: Causam necrose na pele S. aureus: Patogênese

12 Toxinas e enzimas Exotoxinas Contêm hemolisinas solúveis (toxina alfa - proteína capaz de lisar eritrócitos e lesar plaquetas; ação sobre musculatura lisa vascular; toxina beta; toxina gama e delta). Leucocidina Pode destruir leucócitos. São termoestáveis. O gene que sintetiza essa substancia pode estar localizado no cromossomo ou ser transportado por plasmídios. S. aureus: Patogênese

13 S. aureus: defesas Polissacarídeo capsular (cápsula): função de dificultar a fagocitose Proteína A: proteína de superfície que se liga às moléculas de IgG impedindo a fagocitose Leucocidina: toxina que age nos PMN causando danos aos leucócitos Hemolisinas: causam lise nos eritrócitos

14 Staphylococcus Coagulase negativa S. epidermidis: infecção Próteses, cateteres e o mais frequente mcgo encontrado em hemoculturas. S. saprophyticcus: ITU em mulheres Geralmente infecções subclínicas e/ou crônicas devido à pequenas quantidades de fatores de virulência e toxinas (mulheres jovens)

15 Streptococcus e Enterococcus Cocos Gram positivos com 0,5 - 1  m Imóveis Crescimento na faixa de 37ºC Crescem com dificuldade nos meios usuais S. pneumoniae se dispõe como diplococos lanceolados e infecta exclusivamente o homem Não possuem a enzima catalase Maioria anaeróbios facultativos e alguns anaeróbios obrigatórios e microaerófilos

16 Streptococcus e Enterococcus Destaques: –Streptococcus pyogenis –Streptococcus agalactieae –Enterococcus Cocos gram + em cadeias, imóveis, não esporulados

17 Streptococcus pyogenes

18 Streptococcus agalactiae

19 Hemólise no Agar Sangue Alfa – hemólise parcial Beta – hemólise total Gama – ausência Rebecca Lancefield classificou os strep. beta-hemolíticos em grupos de A a G de acordo com antígenos encontrados em casa um deles. Preferencialmente usa-se sangue de carneiro, pois em sangue humano alguns Strep Grupo D produzem beta-hemólise* e não produzem em sangue de carneiro. *GRUPO D não são beta-hemoliticos. Streptococcus e Enterococcus

20

21 Fatores de virulência Proteína R e T: marcador epidemiológico Proteína M: impede a fagocitose, existem mais de 50 tipos Cápsula: anti-fagocitária (S. pneumoniae) Estreptolisina O: citolisina lábil ao oxigênio Estreptolisina S: citolisina estável ao oxigênio (Ambas leucotóxicas) Estreptoquinase: lise da fibrina

22 Fatores de virulência Exotoxinas pirogênicas : A, B e C provocam a erupção cutânea da escarlatina. Difosfopiridina- nucleotidase : Relacionada com a capacidade de destruir leucocitos. Estreptoquinase (fibrinolisina) Transforma o plasminogênio em plasmina (enzima que digeri a fibrina ) Estreptodornase : Despolimeriza o DNA dando viscosidade aos exsudatos. Hialuronidase : Cliva o ácido hialurônico

23 Streptococcus e Enterococcus Strep B, C e G patógenos e FBN, muito associados a sepse em RN (Pesquisa-se Strep B na vagina da gestante antes do parto) Strep C, D (Enterococcus), F e G, causam doenças humanas moderadas e severas, mais associadas com infecções disseminadas profundas, endocardites

24 Streptococcus e Enterococcus Strep Grupo viridans: infecções orais, gastrointestinais, ITU, endocardites, placa dental, (S. mutans e S. sanguis = cariogênicos) Strep A: febre reumática, erisipela

25

26 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL

27

28 Catalase Enzima que os Staphylococcus possuem que degrada o peróxido de hidrogênio Colocar uma gota de água oxigenada (10 volumes) na lâmina Pescar uma colônia da bactéria e homogeneizar com a água oxigenada Ocorrendo borbulhamento, a reação é positiva. Desprendimento de oxigênio e água

29 Coagulase Enzima que o S. aureus possui e realiza a coagulação na presença de plasma sanguíneo Colocar uma gota de plasma sanguíneo na lâmina ou tubo Pescar uma colônia da bactéria e homogeneizar com o plasma sanguíneo Ocorrendo aglutinações, a reação é positiva e confirma S. aureus

30 Coagulase

31 Novobiocina e Optoquina Discos de antibióticos Para Coagulase negativa, realizar a novobiocina – Resistente: Staphylococcus saprophyticcus – Sensível: Staphylococcus epidermidis Para lise parcial, realizar a optoquina – Resistente: Streptococcus grupo viridans – Sensível: Streptococcus pneumoniae

32 Novobiocina e Optoquina

33 Hemólise Alfa: lise parcial das hemácias ao redor da colônia no ágar sangue Beta: lise total das hemácias ao redor da colônia no ágar sangue Gama: ausência de lise ao redor da colônia no ágar sangue

34 PYR (pyrolidonyl aminopeptidase) O teste da PYR é um procedimento qualitativo para determinação da capacidade dos estreptococos beta hemoliticos e Enterococcus para hidrolisarem enzimaticamente a L- pirrolidonil-B-Naftilamida (PYR). Kit que utiliza a reação de mudança de cor em papel filtro quando na presença de Strep. pyogenis beta hemolítico Quando ocorre a mudança de cor do papel filtro para rosa trata-se de um Strep. Beta hemolítico

35 PYR

36 Identificação - Estreptococos Teste da Bacitracina Semear em Agar sangue Incubar a 35°C Qualquer zona de inibição  positivo Identificação de S. pyogenes (grupo A) Teste do Sulfametoxazol Trimeptoprina (SXT) Agar sangue + disco STX Se sensível a essa droga  streptococcus não pertencente aos grupos A,B ou D de Lancefield

37 Teste da bile esculina e do NaCl 5,6% O ágar bile-esculina é um meio seletivo e diferencial recomendado para a diferenciação de bacterias do grupo D (enterococos e Streptococcus bovis) A esculina é hidrolisada produzindo esculetina e glicose. A esculetina reage com o citrato férrico da fórmula formando um complexo marrom escuro ou negro (+). NaCl 6,5%  somente enterococos são (+) Identificação - Estreptococos

38 Hidrolise do Hipurato S. agalactiae (grupo B) são capazes de hidrolizar hipurato em glicina + acido benzóico. Identificação presuntiva dos estreptococos beta-hemolíticos grupo A, B e D. Identificação – Estreptococos beta-hemolíticos

39 Somente estreptococos dos grupo B (S. agalactiae) e D (Enterococcus ssp e Streptococcus bovis) podem não apresentar hemólise, denominada gama hemólise. Identificação – Estreptococos gama-hemolíticos

40 Identificação não deve ser feito por métodos sorológicos, pois a maioria não possui antígenos de Lancefield. Teste da optoquina Em ágar sangue semear a bactéria teste (35°C) e colocar o disco de optoquina  zona de inibição 14mm ou mais  S. pneumoniae Teste da Bile solubilidade Indica presença de S. pneumoniae Incubar caldo + bactéria teste a 35°C por 3 horas Inocular suspensão de desoxicolato 10% Clareamento reflete lise bacteriana  resultado + Identificação – Estreptococos alfa-hemolíticos


Carregar ppt "Diagnóstico diferencial de cocos Gram positivos: Staphylococcus spp, Streptococcus spp, Enterococcus spp Microbiologia Clínica."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google