A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MODELO DE DECISÃO DE SIMON GRUPO: Luciana Hraiz Marina Sales Marina Sales Taciana Marques Taciana Marques Ytauana Lima Ytauana Lima Tomás Mamede Tomás.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MODELO DE DECISÃO DE SIMON GRUPO: Luciana Hraiz Marina Sales Marina Sales Taciana Marques Taciana Marques Ytauana Lima Ytauana Lima Tomás Mamede Tomás."— Transcrição da apresentação:

1 MODELO DE DECISÃO DE SIMON GRUPO: Luciana Hraiz Marina Sales Marina Sales Taciana Marques Taciana Marques Ytauana Lima Ytauana Lima Tomás Mamede Tomás Mamede

2 MODELO DA RACIONALIDADE LIMITADA O QUE É RACIONALIDADE? O QUE É RACIONALIDADE?

3 MODELO DECISÓRIO RACIONAL DA ECONOMIA CLÁSSICA MODELO DECISÓRIO RACIONAL DA ECONOMIA CLÁSSICA CONCEPÇÃO ABSOLUTA DE RACIONALIDADE CONCEPÇÃO ABSOLUTA DE RACIONALIDADE CONHECIMENTO DAS OPÇÕES DISPONÍVEIS CONHECIMENTO DAS OPÇÕES DISPONÍVEIS ESCOLHA DA OPÇÃO ÓTIMA ESCOLHA DA OPÇÃO ÓTIMA MODELO DA RACIONALIDADE LIMITADA

4 ETAPAS DO MODELO DECISÓRIO RACIONAL ETAPAS DO MODELO DECISÓRIO RACIONAL MODELO DA RACIONALIDADE LIMITADA

5 CRÍTICAS AO MODELO DECISÓRIO RACIONAL CRÍTICAS AO MODELO DECISÓRIO RACIONAL NÃO CONSIDERA AS INCERTEZAS NÃO CONSIDERA AS INCERTEZAS A AMBIGUIDADE OS CONFLITOS OS JOGOS DE PODER MODELO DA RACIONALIDADE LIMITADA

6  MODELO DECISÓRIO DE SIMON  MODELO RACIONAL  A tomada de decisões é um ato orientado para objetivos e guiado por problemas, e o comportamento de escolha, regulado por normas e rotinas – a organização pode agir de modo procedimental e intencionalmente racional;  RACIONALIDADE LIMITADA  A idéia central da racionalidade limitada é a de que embora o homem, no contexto organizacional, seja pretensamente racional, suas ações são restringidas por capacidades cognitivas limitadas e falta de informações completas(March, 1994);

7 ELEMENTOS CLÁSSICOS NA TOMADA DE DECISÃO  TOMADOR DE DECISÃO  OBJETIVOS  PREFERÊNCIAS  ESTRATÉGIA  SITUAÇÃO  RESULTADO

8 FASES DA TOMADA DE DECISÃO  Inteligência ou investigação – Qual é o problema?;  Desenho ou concepção – Quais são as soluções possíveis?;  Escolha – Qual é a melhor alternativa?;  Feedback – Funcionou?.

9 MODELO DA RACIONALIDADE LIMITADA  Decisões satisfatórias, mas não “ótimas”;  Impossibilidade material de obter todas as informações, dados os problemas de tempo e de custo;  Limitação do ser humano em ter acesso e processar cognitivamente todas as opções;  Pressões afetivas, culturais e jogos de poder influenciam o conteúdo das decisões;  As alternativas e as consequências são descobertas gradualmente, por meio de processos de busca;  Considera a otimização de decisões uma ficção.

10 Solução satisfatória  Otimização de algumas dimensões e solução satisfatória em outras;  Escassez da capacidade de dar atenção à informação;  Critérios e padrões ajustados ao longo do tempo.

11 Simplificações cognitivas  Toda a racionalidade baseia-se em previsões – crenças e expectativas sobre a probabilidade de fatos incertos ou consequências que ainda não aconteceram;  Princípios:  Representatividade – semelhança com estereótipos;  Disponibilidade – experiências passadas;  Ancoragem e ajuste – estimativas razoáveis.

12 Principais conseqüências da limitação de processar informações  A percepção não é inclusiva, mas seletiva;  As pessoas processam a informação de uma maneira predominantemente sequencial;  Depende de operações que simplifiquem a tarefa de julgamento e reduzam o esforço mental;  Capacidade de memória limitada.

13 LÓGICA DE DECISÃO  Efeito de posição – depende da posição que o indivíduo ocupa em um contexto específico e que condiciona seu acesso às informações;  Efeito de disposição – depende das características mentais, cognitivas e afetivas do indivíduo(ator social). A ação humana é indeterminada, variada e depende das condições do momento em que a decisão é tomada.

14 MODELO DE SIMON Pesquisa sobre condições organizacionais e sociais do processo decisório; Pesquisa sobre condições organizacionais e sociais do processo decisório; Pesquisa sobre a estruturação do campo cognitivo dos atores sociais e o processo decisório. Pesquisa sobre a estruturação do campo cognitivo dos atores sociais e o processo decisório.

15 Pesquisa Sobre Condições Organizacionais e Sociais do Processo Decisório: Estruturação do Espaço de Ação dos Atores Sociais: Estruturação do Espaço de Ação dos Atores Sociais: - Regras; - Regras; -Procedimentos; -Procedimentos; -Equilíbrios de Poder; -Equilíbrios de Poder; -Sistemas de Aliança Política. -Sistemas de Aliança Política. Diversidade de Interesse dos Setores: Diversidade de Interesse dos Setores: -Constante negociação pela alocação de recursos; -Constante negociação pela alocação de recursos; -Múltiplos Interesses. -Múltiplos Interesses.

16 Os Quatro Conceitos dos Tomadores de Decisão: Os Quatro Conceitos dos Tomadores de Decisão: Quase-Resolução de Conflitos; Quase-Resolução de Conflitos; Tendência a Evitar Incertezas; Tendência a Evitar Incertezas; Busca Seqüencial de Resolução de Problemas; Busca Seqüencial de Resolução de Problemas; Aprendizagem Organizacional Aprendizagem Organizacional

17 Quase-Resolução de Conflitos: Quase-Resolução de Conflitos: -Organização como esfera de negociação permanente; -Organização como esfera de negociação permanente; -Conflitos devem ser arbitrados; -Conflitos devem ser arbitrados; -Lógicas de Ator; -Lógicas de Ator; - A behavioral theory of the firm; - A behavioral theory of the firm; - O slack organizacional. - O slack organizacional.

18 II. Tendência a Evitar Incertezas: II. Tendência a Evitar Incertezas: -Prioridade para objetivos de curto prazo; -Prioridade para objetivos de curto prazo; -Estabelecimento de rotinas e padrões de decisão; -Estabelecimento de rotinas e padrões de decisão; -Estruturas organizacionais como Programas Rotineiros de Ação; -Estruturas organizacionais como Programas Rotineiros de Ação; -Não “reinventar a roda”; -Não “reinventar a roda”; -Concentrar a atenção na resolução de problemas novos. -Concentrar a atenção na resolução de problemas novos.

19 III. Busca Seqüencial de Resolução de Problemas: III. Busca Seqüencial de Resolução de Problemas: -Adote-se primeiro as soluções mais simples; -Adote-se primeiro as soluções mais simples; -Adote-se soluções complexas apenas se as simples não funcionarem; -Adote-se soluções complexas apenas se as simples não funcionarem; -Busca de soluções influenciada pelas “lógicas de ator”. -Busca de soluções influenciada pelas “lógicas de ator”.

20 IV Aprendizagem Organizacional: IV Aprendizagem Organizacional: -Grupo Organizacional apresenta um comportamento adaptativo no decorrer do tempo; -Grupo Organizacional apresenta um comportamento adaptativo no decorrer do tempo; -Aprendizagem através da experiência; -Aprendizagem através da experiência; -Aprendizagem por comparação e observação das ações de terceiros. -Aprendizagem por comparação e observação das ações de terceiros.

21 Estudos no campo cognitivo

22 Teoria cognitiva Decisões sofrem limitações devido a aspectos psicológicos Decisões sofrem limitações devido a aspectos psicológicos Aspectos cognitivos  opiniões, crenças, conhecimento sobre ambiente, sobre as próprias ações e sentimentos. Aspectos cognitivos  opiniões, crenças, conhecimento sobre ambiente, sobre as próprias ações e sentimentos.

23 Dissonância cognitiva Tensão entre pensamentos e atitudes Tensão entre pensamentos e atitudes Desconforto psicológico Desconforto psicológico Eliminar o conflito interno  buscar itens que concorde com nossas atitudes Eliminar o conflito interno  buscar itens que concorde com nossas atitudes Racionalizar para reduzir ou eliminar essa dissonância Racionalizar para reduzir ou eliminar essa dissonância

24 Maneiras para se lidar com a dissonância Maneiras para se lidar com a dissonância - Substituir uma ou mais crenças, opiniões ou comportamentos envolvidos na dissonância; - Adquirir novas informações ou crenças que irão aumentar a consonância existente, reduzindo a dissonância; - Esquecer ou reduzir a importância daquelas cognições que mantêm um relacionamento dissonante.

25 Crenças não são determinantes na tomada de decisão Crenças não são determinantes na tomada de decisão Pode-se adquirir novas atitudes e valores Pode-se adquirir novas atitudes e valores Novos comportamentos não, necessariamente, significam novos valores Novos comportamentos não, necessariamente, significam novos valores

26 Critérios de decisão e preferências dos indivíduos Critérios de decisão e preferências dos indivíduos Preferências não são precisas, coerentes e determinantes  múltiplas, flexíveis e ambíguas Preferências não são precisas, coerentes e determinantes  múltiplas, flexíveis e ambíguas Critérios de decisão Critérios de decisão - Influenciados pelo contexto - Influenciados por fatores conscientes e subconscientes - Não pode ser previsto  sujeitos a novos elementos

27 Desconhecimento da ação  novos comportamentos Desconhecimento da ação  novos comportamentos Toda decisão tem um risco inerente  toda ação é influenciada por elementos incertos Toda decisão tem um risco inerente  toda ação é influenciada por elementos incertos

28 CRÍTICAS  Segundo Blau e Scott, o enfoque de Simon restringe ao campo sociopsicológico;  James Earley critica a idéia de Simon de que as empresas não buscam maximizar os seus resultados e sim torná-los satisfatórios.

29 CONCLUSÃO


Carregar ppt "MODELO DE DECISÃO DE SIMON GRUPO: Luciana Hraiz Marina Sales Marina Sales Taciana Marques Taciana Marques Ytauana Lima Ytauana Lima Tomás Mamede Tomás."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google