A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Organização do Cuidado do Paciente. DOCENTE: CERES NEIDE DISCENTES: ANTONIO MENEZES JUNIOR CLAIS MIRANTE DA SILVA MARIA DO CARMO BARBOSA VIEIRA MARIANA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Organização do Cuidado do Paciente. DOCENTE: CERES NEIDE DISCENTES: ANTONIO MENEZES JUNIOR CLAIS MIRANTE DA SILVA MARIA DO CARMO BARBOSA VIEIRA MARIANA."— Transcrição da apresentação:

1 Organização do Cuidado do Paciente

2 DOCENTE: CERES NEIDE DISCENTES: ANTONIO MENEZES JUNIOR CLAIS MIRANTE DA SILVA MARIA DO CARMO BARBOSA VIEIRA MARIANA CALASANS COSTA CAETITE MIRIAM MARTINS FERRAZ RUTH DE SOUZA CELESTINO

3 Introdução A hospitalização pode desencadear no indivíduo sentimentos negativos, pois ao deparar-se com um problema de saúde vê-se impedido de desempenhar suas atividades. A distância do convívio familiar e o fato de ter que permanecer, mesmo que temporariamente, em um ambiente com normas e rotinas a que não está habituado podem gerar insatisfação e ansiedade no paciente. A expectativa que o indivíduo tem em relação à hospitalização, ao tratamento e à qualidade do cuidado é um fator que pode repercutir na assistência que virá a receber. Quando o indivíduo é hospitalizado, passa a participar de um grupo social específico de pessoas internadas, onde são impostos papéis caracterizados por acentuada dependência da equipe de saúde.

4 Aspectos importantes :  Receber atenção por parte do enfermeiro;  Amizade;  Bom ouvinte;  Demonstração de carinho;  Competência;  Habilidade e ensino sobre o cuidado;  Receber atendimento rápido às chamadas;  Respeito às necessidades;  Tratamento agradável;  Ser envolvido no próprio cuidado.

5 Como acontece a organização do cuidado do paciente?  Administradores de nível primário e intermediário exercem sua maior influência na fase de organização do processo administrativo de sua unidade ou departamento.  O líder/administrador da unidade determina a melhor maneira de planejar as atividades para que as metas organizacionais sejam alcançadas com efetividade e eficiência.

6 Habilidades de liderança e funções administrativas Habilidades de liderança: 1. Avaliar periodicamente a eficiência da estrutura organizacional; 2. Determinar a existência ou não de recursos adequados antes da realização de mudanças dos cuidados do paciente; 3. Considerar as pessoas envolvidas no processo do cuidado;

7 4. Inspirar o grupo de trabalho a ser parte de uma equipe; 5. Incentivar os funcionários a alcançar níveis de formação mais altos; 6. Apoiar o pessoal de enfermagem nos cuidados diretos; Habilidades de liderança:

8 Habilidades de liderança e funções administrativas Funções Administrativas: 1. Examinar a filosofia da unidade; 2. Selecionar um sistema de cuidados mais apropriado às necessidades dos clientes atendidos; 3.Acompanhar as mudanças no cuidado ao paciente; 4. Maximizar os recursos humanos, materiais e o tempo para melhor atender o paciente;

9 Funções Administrativas: 5.Treinar os funcionários com capacitação e supervisionar os cuidados; 6.Organizar as atividades de trabalho; 7. Agrupar atividades para facilitar o trabalho; 8.Realizar mudanças sempre que preciso para alcançar metas estabelecidas.

10 A ESCOLHA DO MODO ORGANIZACIONAL Cada cuidado desses passou por modificações ao longo dos anos, resultando em novas terminologias. A opção da escolha vai depender das habilidades e dos conhecimentos do corpo funcional, da disponibilidades de enfermeiros, dos recursos econômicos da organização e da acuidade dos pacientes.

11 Modos de Organização Do Cuidado do paciente Os cincos modos primários de organização dos cuidados em enfermagem oferecidos ao paciente são cinco, sendo eles: 1. Cuidado Total. 2. Enfermagem Funcional. 3. Enfermagem em Equipe ou Modular. 4. Enfermagem Primaria. 5. Cuidado Gerenciado.

12 1. Enfermagem no cuidado total do paciente  Este é um modo antigo de organização e nele os enfermeiros assumem total responsabilidade de todas as necessidades do paciente.  Cuidados assim costumavam ser na casa do paciente e o enfermeiro responsável tinha que cozinhar, limpar a casa e satisfazer também as necessidades até da família do paciente.

13 Enfermagem no cuidado total do paciente  Vale ressaltar que todos os cuidados em casa era somente oferecido em pacientes de classes altas e os pobres e doentes graves utilizavam os hospitais.  Na década de 1930 houve uma crise em que as pessoas começaram a utilizar mais os hospitais pois não tinha como pagar o atendimento domiciliar.

14 Enfermagem no cuidado total do paciente  Uma das desvantagens desse tipo de cuidado é que muitas vezes o profissional não é treinado, nem preparado para esse tipo de assistência, que para eles teriam um custo menor. Mas isso resultava em cuidados sem segurança.

15 Estrutura do método de designação de casos ou cuidado total ao paciente

16 2. Enfermagem Funcional  Esse método de cuidado teve uma grande evolução em consequência da Segunda Guerra Mundial e da construção rápida de hospitais.  Com isso houve uma carência de profissionais tendo a necessidade de contratar pessoas não habilitadas e treiná-las para serem auxiliares que iriam realizar tarefas simples.

17 Enfermagem Funcional Já os funcionários ficariam apenas com cuidados específicos como:  Verificação da pressão sanguínea;  Administração de medicamentos;  Troca de roupas de cama;  Banho e higienização dos pacientes. O enfermeiro tornou gerente de casos, em lugar de provedores diretos de cuidados.

18 Enfermagem Funcional  Muitos administradores entende a enfermagem funcional como um recurso econômico de oferecimento de cuidados.  Ela possibilita que seja oferecido cuidados ao paciente com o mínimo de enfermeiros, podendo levar a uma fragmentação dos cuidados possibilitando uma diminuição da atenção prestada ao paciente.

19 Estrutura de Organização da Enfermagem Funcional

20 3. Enfermagem em equipe  Foi criada na tentativa de reduzir os problemas associados á organização dos cuidados do paciente.  Como líder da equipe o enfermeiro é responsável em conhecer a condição e as necessidades de todos os pacientes.

21 Enfermagem em equipe  É dado aos membros do grupo o máximo possível de autonomia na realização das tarefas a eles confiadas, embora seja da equipe a responsabilidade e o comprometimento. (Marquis e Huston, 2010).

22 Enfermagem em equipe  Os membros da equipe podem colaborar com suas habilidades e conhecimentos técnicos.  O líder deve ser capaz de reconhecer as capacidades individuais de cada colaborador e designar as atividades.  Portanto o líder deverá ter habilidades de comunicação, organização, administração e liderança para implantar a enfermagem em equipe.

23 Estrutura da organização da Enfermagem em equipe

24 4. Enfermagem Primária  A enfermagem primária utiliza alguns conceitos do atendimento integral ao paciente, trazendo a figura do enfermeiro novamente para o cuidado direto com o paciente.  É organizada para que o paciente seja o centro da estrutura.  De acordo com a configuração original, a enfermagem primária exige funcionários composto somente por enfermeiros.

25 Enfermagem Primária  O enfermeiro primário tem responsabilidade de planejar o atendimento 24 horas, de um ou mais pacientes, desde a internação hospitalar, ou início do tratamento até a alta, ou término do tratamento.  Cabe ao enfermeiro primário estabelecer comunicação com todos os profissionais que atendem ao paciente.

26 Enfermagem Primária  A vantagem desse método reside no atendimento holístico proporcionado por um trabalho consistente e direto ao paciente prestado por um número reduzido de pessoas.

27 Enfermagem Primária  O objetivo principal é a humanização dos cuidados e a descentralização das tomadas de decisão, garantindo assistência qualificada e individualizada.  Os enfermeiros associados são responsáveis pela continuidade do atendimento quando o enfermeiro primário está ausente.

28 Estrutura de Enfermagem primária

29 5. Gerenciamento de casos É definido como um processo colaborativo que levanta dados, planeja, implementa, coordena, monitora e avalia opções e serviços para que sejam atendidas as necessidades de saúde individuais, por meio da comunicação e dos recursos disponíveis á promoção de resultados qualificados e eficientes em termos de custo. (Glettlere Leen, 1996).

30 Gerenciamento de casos Powell(1996) identifica três modelos básicos de gerenciamento de casos: 1.Gerenciamento com corretagem; 2. Gerenciamento de serviços; 3.Cuidado gerenciado.

31 1.Gerenciamento com corretagem; O gerente identifica os serviços necessários e faz encaminhamentos a varias fontes, mas não oferece diretamente os serviços. 2. Gerenciamento de serviços; Neste caso o gerente lida com os orçamentos de serviços para o cliente, quanto com a disponibilização direta da maioria ou de todos os serviços. 3. Cuidado gerenciado. Aqui os provedores são pagos posteriormente, pelos serviços, desta forma, os serviços oferecidos centralizam nos custos, não nos lucros em todos os modelos, o gerente trabalha de forma que todos recebam recursos apropriados, de forma eficiente e assegurar a continuidade do atendimento. Gerenciamento de casos

32 Organizações de outras atividades da unidade O administrador da unidade coordena a forma como outros deveres e métodos a serem executados para que o trabalho seja mais simples e eficiente. Podemos exemplificar tarefas comuns para o dia a dia, como:  Como estabelecer uma forma de guardar os suprimentos;  Determinar os horários para o almoço;  Outros intervalos para os funcionários;

33 Mudança no local de trabalho e no projeto de trabalho em grupo O líder administrativo de enfermagem precisa estar consciente de que com a reformalização do trabalho, poderá resultar em insatisfação considerando pessoas que depende do fracasso e do sucesso de uma mudança.

34 O agente de mudança deve considerar:  De que forma a reorganização alterará a autonomia e a tomada de decisão individual e do grupo? Quem será afetado? Autonomia diminuirá ou aumentará?  Como as interações sociais e as relações interpessoais mudaram?  A mudança ira requerer uma ampla ou mais limitada de habilidades e de capacidade dos provedores de cuidados?  Os padrões de comunicação serão mudados?  É necessário uma avaliação para concretizar a eficácia da mudança.

35 Seleção do método de Excelência para a Organização do cuidado do paciente  Instituições utilizam o método de organização do cuidado ao paciente é a que está mais sendo usado, ou por indicação de outras instituições, e não o método mais adequado para instituição.  Em caso de mudança ou alteração de um método para outro, é necessário a avaliação da eficácia do modelo escolhido.

36 Não deve se tratar de uma mudança insignificante.!! O líder deve levar em conta o seguinte:  O método facilita ou cria obstáculos para outras metas da organização?  O oferecimento de cuidados de enfermagem esta distribuído de maneira satisfatória em relação aos custos?  O sistema permite a implementação do processo de enfermagem?  O sistema promove e apóia a profissão do enfermeiro como independente e interdependente, (dependente)?  As mudanças afetam outros departamentos, como os médicos e os consumidores de saúde.

37 Opa. !!! Os administradores devem, fazer pesquisas adequadas e entender a implementação do sistema se desejam o sucesso da mudança. É necessário que haja um compromisso de parte da administração para que se obtenha sucesso em uma mudança.

38 Referências Marquis, Bessie L. Administração em enfermagem e prática – 4 ed._ porto Alegre 2005.

39 Fim..


Carregar ppt "Organização do Cuidado do Paciente. DOCENTE: CERES NEIDE DISCENTES: ANTONIO MENEZES JUNIOR CLAIS MIRANTE DA SILVA MARIA DO CARMO BARBOSA VIEIRA MARIANA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google