A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TUMORES ODONTOGÊNICOS Maria da Graça Naclério-Homem.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TUMORES ODONTOGÊNICOS Maria da Graça Naclério-Homem."— Transcrição da apresentação:

1 TUMORES ODONTOGÊNICOS Maria da Graça Naclério-Homem

2 TUMORES ODONTOGÊNICOS Grupo de neoplasias originárias das estruturas responsáveis pela formação dos dentes (“Neoplasia”: neo = novo / plasia = formação) Constituem um grupo de entidades patológicas heterogêneas, ocorrendo nos ossos maxilares ou nos tecidos moles que circundam os dentes É nossa obrigação diagnosticar e tratar pois alguns são significativamente freqüentes Mimetizam as fases de desenvolvimento do dente (Kramer et al., 1992; Waldron, 2002)

3 TUMORES ODONTOGÊNICOS Ectoderma  esmalte cemento Mesoderma  ligamento periodontal osso alveolar Ectomesênquima  polpa dentina

4 CURSO DE GRADUAÇÃO MATÉRIA INFORMATIVA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MATÉRIA FORMATIVA

5 NEOPLASIA Excesso irreversível de proliferação tecidual sem apresentar nenhuma finalidade útil, sendo, portanto, nociva ao organismo. (Aparici)

6 NEOPLASIA ONCOGENE ATIVO

7 Tumores benignos (comuns) Tumores malignos (raríssimos) Sem ectomesênquima Com ectomesênquima Quanto à malignidade: Quanto ao tecido odontogênico predominante: Com ou sem epitélio odontogênico Originários do epitélio odontogênico (epiteliais): Originários do ectomesênquima (mesenquimais): TUMORES ODONTOGÊNICOS Classificação OMS 1992 (Kramer et al., 1992; Waldron, 2002)

8 TUMORES ODONTOGÊNICOS OMS-1992 Benignos: A. epitélio odontogênico sem ectomesênquima 1.Ameloblastoma 2.Tumor odontogênico de células claras 3.Tumor odontogênico epitelial calcificante (Tumor de Pindborg) 4.Tumor odontogênico escamoso B. epitélio odontogênico com ectomesênquima 1.Tumor odontogênico adenomatóide 2.Cisto odontogênico calcificante 3.Fibroma ameloblástico 4.Fibro-odontoma ameloblástico e fibrodentinoma ameloblástico 5.Odontoameloblastoma 6.Odontoma composto 7.Odontoma complexo C. ectomesênquima odontogênico 1.Fibroma odontogênico 2.Tumor odontogênico de células granulares 3.Mixoma odontogênico 4.Cementoblastoma (Kramer et al., 1992; Waldron, 2002)

9 TUMORES ODONTOGÊNICOS OMS-1992 (Kramer et al., 1992; Waldron, 2002)

10 TUMORES BENIGNOS DERIVADOS DO EPITÉLIO ODONTOGÊNICO SEM A PRESENÇA DE ECTOMESÊNQUIMA

11 Ameloblastoma

12 Restos de Serres (lâmina dentária) Epitélio reduzido do órgão do esmalte 3 diferentes situações clínicas:  Sólido convencional ou multicístico 86%  Unicístico 13%  Periférico (extra-ósseo) 1% (Shafer et al., 1987; Sciubba et al., 1999; Waldron, 2002)

13 Ameloblastoma sólido Clínica  3ª a 7ª décadas  Sem predileção por sexo  Mandíbula = 85% Corpo posterior e ramo  Indolor Aumento de volume de crescimento lento  Localmente invasivo (Shafer et al., 1987; Sciubba et al., 1999; Waldron, 2002)

14

15

16 Ameloblastoma sólido Radiográfico:  Lesão radiolúcida multilocular Bolhas de sabão Favo de mel  Radiolucência unilocular com margens festonadas  Expansão de corticais/ Reabsorção de raízes/ Dente incluso associado (Shafer et al., 1987; Sciubba et al., 1999; Waldron, 2002)

17

18

19

20

21 Ameloblastoma sólido Subtipos Histológicos  Folicular (40%)  Plexiforme (30%)  Acantomatoso (11%)  De células granulares  Basalóide  Desmoplásico (Shafer et al., 1987; Sciubba et al., 1999; Waldron, 2002)

22 Ameloblastoma sólido Tratamento  Cirúrgico COM MARGEM (mais comum) Conservador (risco de recorrência)  Curetagem (55 a 90% de recorrência)  Crioterapia  Solução de Carnoy (Shafer et al., 1987; Sciubba et al., 1999; Waldron, 2002)

23

24 Ameloblastoma Ameloblastoma Unicístico  2ª década (50%)  Mandíbula (posterior)= 90%  Assintomático (tumefação) (Shafer et al., 1987; Waldron, 2002)

25

26 Ameloblastoma Ameloblastoma Unicístico  Unilocular Bem definido  3º molar retido (Shafer et al., 1987; Waldron, 2002)

27 Ameloblastoma DIAGNÓSTICO Punção Exame histopatológico

28

29 1 2 34

30

31

32

33

34

35

36

37

38 Tumor Odontogênico Epitelial Calficificante (Tumor de Pindborg) É uma neoplasia epitelial localmente invasiva e caracterizada pelo desenvolvimento de estruturas intracelulares hialinas e homogêneas, as quais podem calcificar e serem liberadas por rompimento das células

39 Características Clínicas (Idênticas ao ameloblastoma) Aspectos radiográficos (os mesmos do ameloblastoma – com áreas de calcificação)

40

41

42

43

44 Diagnóstico Exame histopatológico Terapêutica Ressecção com margem de segurança

45 TUMORES DE EPITÉLIO ODONTOGÊNICO COM ECTOMESÊNQUIMA ODONTOGÊNICO, COM OU SEM FORMAÇÃO DE TECIDO DENTÁRIO DURO

46 Cisto odontogênico calcificante (cisto de Gorlin)

47 Cisto odontogênico epitelial calcificante  Características clínicas Restos de Serres (lâmina dentária) Restos de Malassez (bainha de Hertwig) Epitélio reduzido do órgão do esmalte Lesão intra-óssea 13 a 21% extra-ósseas (periféricos) Mx = Md Expansão assintomática (Johnson et al, 1997; Waldron, 2002)

48 Cisto odontogênico epitelial calcificante  Características clínicas 65% incisivos e caninos Infância idades avançadas (33 anos) Associação com odontomas: 17 anos Variantes neoplásicas: Pacientes mais idosos (significativo?) (Waldron, 2002)

49

50 Cisto odontogênico epitelial calcificante  Características radiográficas Lesão unilocular radiolúcida bem definida Multilocular* 1/3 casos associado a dente incluso – canino Reabsorção radicular ou divergência de raízes Estruturas radiopacas (irregulares ou semelhantes a dentes) – 1/3 até ½ casos (Waldron, 2002)

51

52

53 Cisto odontogênico epitelial calcificante  Tratamento: Enucleação simples Prognóstico bom (poucas recorrências) tumor associado: tratamento = tumor associado Malignos = recorrência (Waldron, 2002)

54 Tumor Odontogênico Adenomatóide

55 Tumor odontogênico adenomatóide  Clínica  Origem: epitélio do órgão do esmalte restos de Serres  2ª década  Mulheres = 2 vezes mais  Maxila (anterior)= 2 vezes mais  Assintomático (Shafer et al., 1987; Waldron, 2002)

56

57 Tumor odontogênico adenomatóide Radiográfico  Radioluscência envolvendo coroa Cisto dentígero  Entre raízes  Focos radiopacos (Shafer et al., 1987; Waldron, 2002)

58

59

60 Tumor odontogênico adenomatóide Histopatologia  Sólido com áreas císticas  Células epiteliais fusiformes Estrutura ductiformes  Focos de calcificação (Shafer et al., 1987; Waldron, 2002)

61 Tumor odontogênico adenomatóide Tratamento  Enucleação encapsulado  Sem recorrência (Shafer et al., 1987; Waldron, 2002)

62

63

64

65

66

67

68

69 Odontoma

70 Tumor odontogênico mais comum  Hamartomas (anomalia de desenvolvimento semelhante a tumor) Composto Complexo (Shafer et al., 1987; Waldron, 2002)

71 Odontoma Clínica  1ª e 2ª décadas  Maxila Composto = anterior Complexo = região de molares  Exames de rotina  Expansão assintomática (Shafer et al., 1987; Waldron, 2002)

72

73

74

75

76

77

78

79

80

81

82

83

84

85 Odontoma Radiográfico  Massas radiopacas x dentículos  Zona radiolúcida periférica  Associação com retenção dental (Shafer et al., 1987; Waldron, 2002)

86

87

88 Odontoma Histopatologia  Composto x complexo  Tecidos dentários Duros e moles  Matriz de esmalte  Ilhas epiteliais (Shafer et al., 1987; Waldron, 2002)

89 Odontoma Tratamento  Excisão simples  Sem recorrência (Shafer et al., 1987; Waldron, 2002)

90

91

92 TUMORES DE ECTOMESÊNQUIMA COM OU SEM EPITÉLIO ODONTOGÊNICO

93 Mixoma odontogênico

94 Clínica  Origem: ectomesênquima odontogênico  Adultos jovens  Sem predileção por sexo  Mandíbula  Expansão indolor  Pode ter crescimento rápido (Shafer et al., 1987; Waldron, 2002)

95

96

97

98 Mixoma odontogênico Radiográfico  Multilocular  Reabsorção dentária  Margens irregulares  Trabéculas finas (90°)  “bolhas de sabão” (Shafer et al., 1987; Waldron, 2002)

99

100

101

102

103 Mixoma Tratamento  Pequenos curetagem  Ressecção com margens Localmente invasivo (Shafer et al., 1987; Waldron, 2002)

104

105 Cementoblastoma Benigno (Cementoma verdadeiro) Mesenquimal Neoplasia mesenquimal caracterizada pela produção de tecido semelhante ao cemento, e que mantém uma situação de continuidade com a raiz do dente

106

107 Aspectos Clínicos Crescimento lento e contínuo, determinando expansão das corticais Mais freqüentes no homem Idade inferior a 25 anos Mais freqüente na mandíbula, região de pré-molares e molares

108

109 Aspectos Radiográficos Radiopacidade confluente com a raiz do dente envolvido Presença de uma pseudocápsula

110

111 Diagnóstico Exame histopatológico Terapêutica Remoção cirúrgica do tumor e do dente envolvido no processo

112

113

114

115

116

117

118

119

120

121

122

123 Referências Crispian S. Atlas Colorido de Doenças da Boca. Revinter, Eversole LR. Contemporary Oral and Maxillofacial Pathology. Mosby, Katchburian E, Arana VE (1999). Histologia e embriologia oral. Panamericana: São Paulo. Kramer IRH, Pindborg JJ, Shear, M. (1992). The WHO histological typing of odontogenic tumors. Cancer 70: Peterson L, Ellis E, Hupp J, Tucker M. Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Kogan, Sciubba JJ, Fantasia JA, Kahn LB (1999). Atlas of tumor pathology – tumors and cysts of the jaw. AFIP: Washington DC. Shafer WG, Hine MK, Levy BM, Tomich CE. Tratado de Patologia Bucal. 4 ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara AS: Sampaio RK. Tumores Odontogênicos. Revinter, Tommasi AF. Diagnóstico em Patologia Bucal. Artes Médicas, Waldron CA (2002). Odontogenic Cysts and Tumours. In: Neville BW, Dam DD, Allen CM et al, eds. Oral & Maxillofacial Pathology. W. B. Saunders Company: Philadelphia, pp


Carregar ppt "TUMORES ODONTOGÊNICOS Maria da Graça Naclério-Homem."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google