A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Tour Fisiológico Discussão Casos – Função Pulmonar João Marcos Salge InCor – HC / FMUSP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Tour Fisiológico Discussão Casos – Função Pulmonar João Marcos Salge InCor – HC / FMUSP."— Transcrição da apresentação:

1 Tour Fisiológico Discussão Casos – Função Pulmonar João Marcos Salge InCor – HC / FMUSP

2 Predito (L) Valor (% pred) CVF (L)3,494,08 (117) VEF1 (L)2,973,49 (118) VEF1/CVF (%)0.850,85 (100)

3 Predito (L) Valor (% pred) CVF (L)4,135,60 (136) VEF1 (L)3,352,17 (65) VEF1/CVF (%)0,810,39 (48) FEF 25-75% (L/s)3,481,76 (50) PEF (L/s)8,284,87 (59) A.B.C., masculino, 54 anos Dispneia e chiado no tórax há 4 anos

4 Predit o (L) Valor (% pred) CVF (L)4,135,60 (136) VEF1 (L)3,352,17 (65) VEF1/CVF (%) 0,810,39 (48) FEF 25-75% (L/s) 3,481,76 (50) PEF (L/s)8,284,87 (59)

5 Pólipo Fibroepitelial traqueal

6 Predito (L) Valor (% pred) CVF (L)4,135,33 (130) VEF1 (L)3,354,42 (133) VEF1/CVF (%)0,810,83 (102) FEF 25-75% (L/s) 3,484,76 (138) PEF (L/s)8,289,34 (113)

7 Morfologia Alça Fluxo-Volume Papel Diagnóstico

8 Predito (L) Valor (% pred) CVF (L)4,652,53 (54) VEF1 (L)3,551,12 (32) VEF1/CVF (%)0,760,44 (58)

9 Predito (L) Valor (% pred) CVF (L)4,794,24 (88) VEF1 (L)3,932,91 (74) VEF1/CVF (%)0,820,69 (83)

10 Predito (L) Valor (% pred) CVF (L)2,392,59 (108) VEF1 (L)2,151,62 (75) VEF1/CVF (%)0,900,62 (69)

11

12 Predito (L) Valor (% pred) CVF (L)2,773,17 (114) VEF1 (L)2,402,77 (115) VEF1/CVF (%)0,870,87 (100)

13 Predito (L) Valor (% pred) CVF (L)2,911,63 (56) VEF1 (L)2,200,47 (21) VEF1/CVF (%)0,760,29 (23)

14 Predito (L) Valor (% pred) CVF (L)4,432,84 (64) VEF1 (L)3,532,25 (63) VEF1/CVF (%)0,800,80 (98) D.C., masculino, 58 anos, 177 cm, 88 kg Doença reumatoide – piora dispneia

15 Predito (L) Valor (% pred) CVF (L)4,432,84 (64) VEF1 (L)3,532,25 (63) VEF1/CVF (%)0,800,80 (98) CPT (L)6,606,75 (102) VR (L)2,323,82 (165) CRF (L)3,584,57 (128) DLCO mL/min/mmHg 27,123,1 (85) VA6,604,86 (74) D.C., masculino, 58 anos, 177 cm, 88 kg Doença reumatoide – piora dispneia

16 D.C., masculino, 58 anos, 177 cm, 88 kg Doença reumatoide – piora dispneia

17 Laboratório de Função Pulmonar Dr. André Albuquerque Dra. Carla Valeri S.A.V. - Masculino, 57 anos, 178 cm, 80kg Ex-tabagista Dispnéia aos pequenos esforços / piora recente

18

19

20 Real % Previsto Real % Previsto VEF1 (L) 2,7878 1,2040 CVF (L) 4,2494 1,9532 VEF1/CVF 0,6683 0,6181 FEF (L/s) 1,5145 0,5518 CRF_N2 (L)1,9855 CPT_N2 (L)3,3567 VR_N2(L)1,4348 VTG_plets (L)4,96137 CPT_plets (L)6,3290 VR_plets (L)4,44204 VA (L)2,8541 DLco10,934 Exame Prévio Exame Atual

21 24/07/08

22

23 Pré Gestação 2º Tri3º Tri Variação Pré x 3ºT CVF (L)4,33 (114%)4,38 + 0,05 L (1,5%) VEF 1 (L)3,39 (106%)3,443,48+ 0,09 L (2,6%) VEF 1 /CVF0,78 (94%)0,79 FEF 25-75% (L/s)2,93 (103%)3,003,06 CPT (L)6,02 (111%)5,75 - 0,27 L (-5,5%) VR (L)1,62 (101%)1,321,39- 0,23 L (-14%) CI (L)3,42 (132%)3,363,44+ 0,02 L (0,5%) CRF (L)2,60 (92%)2,392,31- 0,29 L (-11%) VRE (L)0,98 (81%)1,070,92-0,06 L (-6%) D L CO (mL/min.mmHg) 26,1 (92%)25,026,6 Função Pulmonar e Gestação

24

25 Masculino Idade: 35 anos Atleta amador – Natação Queixas: Cansaço excessivo ao final do treino Queda de desempenho

26 Caso : jovem atleta amador com dispnéia ao final dos treinamentos e piora de desempenho esportivo Obtido% Previsto CVF (L)4,7097% VEF1 (L)3,9097% VEF1/CVF0,8399% FEF 25-75% (L/s) 4,2095% Espirometria

27 VO2VCO2VEFR Tempo (min) VE/VO2VE/VCO2FCCarga Tempo (min) Caso : jovem atleta amador com dispnéia ao final dos treinamentos e piora de desempenho esportivo

28 PrevistoRepousoL.AP.C.RPico% Previsto Carga (W) VO2 (L/min) VO2 (mL/Kg/min) 37,79,319,332,844,6118 FC (bpm) VO2/FC (mL/bat) VE (L/min)15616,731,765,5122,678 VT (L)-0,601,602,562,47- VE/VO VE/VCO spO Caso : jovem atleta amador com dispnéia ao final dos treinamentos e piora de desempenho esportivo

29 VCO2VE/VCO2VE/VO2PET CO2 VO2 LA Limiares Ventilatótios PCR

30 Hipótese diagnóstica ? Caso : jovem atleta amador com dispnéia ao final dos treinamentos e piora de desempenho esportivo

31 VO2VCO2VEFR Tempo (min) VE/VO2VE/VCO2FCCarga Tempo (min) Qual sua hipótese diagnóstica ? a)Descondicionamento físico b)Síndrome de Hiperventilação / Ansiedade c)Asma d)Miocardiopatia Hipertófica (Coração de Atleta) Caso : jovem atleta amador com dispnéia ao final dos treinamentos e piora de desempenho esportivo

32 VEFCVO2/FCVO2VCO2Carga Tempo (min) Caso : jovem atleta amador com dispnéia ao final dos treinamentos e piora de desempenho esportivo

33 VE VCO2VO2Tempo (min) FCVCO2 VE/VCO2 VE/VO2 Caso : jovem atleta amador com dispnéia ao final dos treinamentos e piora de desempenho esportivo

34 Tempo (min) VE RERVTspO2PETO2PETCO2 Caso : jovem atleta amador com dispnéia ao final dos treinamentos e piora de desempenho esportivo

35 Qual o próximo passo? Caso : jovem atleta amador com dispnéia ao final dos treinamentos e piora de desempenho esportivo

36 Qual o próximo passo ? a)Teste de Broncoprovocação por Exercício b)Ecocardiograma c)Tomografia Computadorizada do Tórax d)Intensificação do Ritmo de Treinamento Caso : jovem atleta amador com dispnéia ao final dos treinamentos e piora de desempenho esportivo

37 VEF1% Variação Basal3,90- 5 min3, % 10 min3, % 15 min3,60- 8 % Pós- Broncodilatador 3,85- 2 % Broncoprovocação Induzida Por Exercício Conclusão: Hiperresponsividade Brônquica Induzida por Exercício Caso : jovem atleta amador com dispnéia ao final dos treinamentos e piora de desempenho esportivo

38 Caso Masculino Idade: 58 anos Dx recente DPOC /Tabagista 60 anos-maço Queixa: Iniciou prática de caminhada, porém com dispnéia muito intensa, desproporcional à intensidade da obstrução.

39 Caso: Dx recente de DPOC com dispnéia aos esforços desproporcional ao grau obstrução Obtido% Previsto CVF (L)4,5884% VEF1 (L)2,8064% VEF1/CVF0,6163% FEF 25-75% (L/s) 1,3933% Espirometria VVM = 116 L / min

40 VO2VCO2VEFRVE/VO2VE/VCO2FCCarga Tempo (min) Realizado Teste Cardio-Pulmonar e Exercício para estudo do mecanismo de intolerância ao esforço Caso: Dx recente de DPOC com dispnéia aos esforços desproporcional ao grau obstrução

41 VO2 PETCO2VCO2 VE/VCO2VE/VO2 Caso: Dx recente de DPOC com dispnéia aos esforços desproporcional ao grau obstrução

42 PrevistoRepousoL.AP.C.RPico% Previsto Carga (W) % VO2 (mL/min) % VO2 (mL/Kg/min) 36,44,717,7-24,467 % FC (bpm) % VO2/FC (mL/bat) % VE (L/min)11616,651,9-93,580 % VT (L)-0,822,19-2,39- VE/VO % VE/VCO % spO2-96 % -92 %- Caso: Dx recente de DPOC com dispnéia aos esforços desproporcional ao grau obstrução

43 Caso Qual sua hipótese diagnóstica para explicar o mecanismo da intolerância ao esforço ? a)Baixa Reserva Ventilatória b)Cardiopatia Associada c)Hiperinsuflação Dinâmica d)Descondicionamento Físico

44 Caso: Dx recente de DPOC com dispnéia aos esforços desproporcional ao grau obstrução

45 VCO2VO2CargaVEFCVO2/FC Tempo (min) Caso: Dx recente de DPOC com dispnéia aos esforços desproporcional ao grau obstrução

46 VE FCVCO2 VE/VCO2 VE/VO2 VCO2VO2Tempo (min) Caso: Dx recente de DPOC com dispnéia aos esforços desproporcional ao grau obstrução

47 RERVTspO2PETO2PETCO2 Tempo (min) VE Caso: Dx recente de DPOC com dispnéia aos esforços desproporcional ao grau obstrução

48 Alça Fluxo-Volume ao Esforço Caso: Dx recente de DPOC com dispnéia aos esforços desproporcional ao grau obstrução

49

50 CI = 3,67 L CI = 3,00 L CI = 2,87 LCI = 3,25 L CI = 3,38 LCI = 3,47 L CI (L)Variação % Rep3,67- i3,47-5 % ii3,38- 8% iii3, % Pico2, % Rec3, % Capacidade Inspiratória Caso: Dx recente de DPOC com dispnéia aos esforços desproporcional ao grau obstrução Conclusão: Hiperinsuflação Dinâmica

51 Feminino, 34a Dispnéia a moderados esforços há 6 meses CF 3, progressiva AP: asma na infância Hb 14,6 g/dL Perfil tireoideano: Normal BNP : 12 Caso

52 Predito (L) Valor (% pred) CVF (L)3,493,16 (90) VEF1 (L)2,922,28 (78) VEF1/CVF (%)8472 (85) FEF 25-75% (L/s)3,211,49 (46) PEF (L/s)6,686,40 (95) Espirometria Caso: jovem com antecedente asma e dispnéia os esforços

53 Caso Em relação ao presente caso, qual a melhor alternativa na sua opinião? a)Otimizar o tratamento da asma, pois este deve ser o fator associado ã baixa tolerância aos esforços b)Realizar teste cárdio-pulmonar de exercício para esclarecer o mecanismo de limitação aos esforços c)Realizar teste de broncoprovocação induzido por exercício para verificar ocorrência de broncoespasmo induzido por esforço

54 Alça Fluxo-Volume ao Esforço CI inicial = 1,92L CI final = 1,82L VE/VVM = 55 Caso: jovem com antecedente asma e dispnéia os esforços

55 VO2 pico (ml/kg/min)11,5 (46%) Carga (W)67 (66%) RER1,23 FC máx (bpm)163 (87%) VO2/FC (ml/batida)4 (52%) VO2 AT (ml/kg/min)8,1 (32%) Sat O2 inicial / final VE/VVM55 VD/VT inicial e final0,16 – 0,12 CI inicial e final (L)1,92 - 1,82 PETCO2 inicial / AT / final23 – VE/VCO2 inicial / AT / final58 – Caso: jovem com antecedente asma e dispnéia os esforços

56 VCO2VO2CargaVEFCVO2/FC Tempo (min) Caso: jovem com antecedente asma e dispnéia os esforços

57 VE FCVCO2 VE/VCO2 VE/VO2 VCO2VO2Tempo (min) Caso: jovem com antecedente asma e dispnéia os esforços

58 RERVTspO2PETO2PETCO2 Tempo (min) VE Caso: jovem com antecedente asma e dispnéia os esforços

59 Caso 3: jovem com antecedente asma e dispnéia os esforços Conclusão: Hipertensão Pulmonar Eco: PAP estimada 94 mmHg Limitação cárdio-vascular

60 Muito Obrigado! João Marcos Salge InCor – HC / FMUSP


Carregar ppt "Tour Fisiológico Discussão Casos – Função Pulmonar João Marcos Salge InCor – HC / FMUSP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google