A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Terceiro Setor Fundamentos 1. O que é Terceiro Setor? 2. Cenário de desenvolvimento do Terceiro Setor 3. Comparação com países desenvolvidos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Terceiro Setor Fundamentos 1. O que é Terceiro Setor? 2. Cenário de desenvolvimento do Terceiro Setor 3. Comparação com países desenvolvidos."— Transcrição da apresentação:

1 Terceiro Setor Fundamentos 1. O que é Terceiro Setor? 2. Cenário de desenvolvimento do Terceiro Setor 3. Comparação com países desenvolvidos

2 1. O que é o Terceiro Setor I Setor Governo II Setor Empresas III Setor Org. Privada Sem fins lucrativos Petrobras Banco do Brasil Fundação Bradesco Instituto Cultura Itaú Funai Fundação Araucária Organizações e iniciativas privadas que visam a produção de bens e serviços públicos

3 2. Cenário de desenvolvimento do Terceiro Setor  Decadência do Mercantilismo na Idade Moderna ( séc XV – XVIII)  Segunda metade do século XVIII  Rebelião de novas idéias Revolução Industrial Revolução Industrial Guerra da independência dos Estados Unidos Guerra da independência dos Estados Unidos Revolução Francesa Revolução Francesa  Autoridade, proteção e tradição – pensadores liberais  Ordem natural, Mão invisível do mercado Estado forte Acumulação de metais Balança comercial favorável Metrópole e colônia Mínima participação do Estado nos Assuntos econômicos Defesa a propriedade privada Livre concorrência

4 2. Cenário de desenvolvimento do Terceiro Setor  Queda da Bolsa de Valores de NY – Grande Depressão (1929) – Intervenção do Estado  Neoliberalismo – Milton Friedman (1962)  Total liberdade de comércio Política de privatização de estatais Política de privatização de estatais A base da economia deveria ser formada por empresas privadas A base da economia deveria ser formada por empresas privadas Livre circulação de capitais internacionais Livre circulação de capitais internacionais Desburocratização do estado Desburocratização do estado Defesa dos princípios econômicos do capitalismo Defesa dos princípios econômicos do capitalismo

5 2.1. Terceiro Setor no Brasil  Movimento em evolução  Estado e mercado  Ditadura militar  Iniciativas da base da sociedade  Fortalecimento da sociedade civil sociedade civil Repressão política Limites à liberdade de expressão, imprensa e organização

6 2.2.Terceiro Setor no Brasil  Fim da ditadura militar em 1985  Processo de redemocratização, Constituição da República Federativa do Brasil, de 1988 “Art.6º - São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição”. “Art.6º - São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição”. Liberdade associativa à diversas atividades. Liberdade associativa à diversas atividades.

7 2.3.Terceiro Setor no Brasil  Anos 90 – novo padrão de relacionamento de relacionamento  Estado –reconhece capacidade do 3 setor capacidade do 3 setor  Mercado – canais para responsabilidade social responsabilidade social  Novas formas de articulação : governo, articulação : governo, empresa e terceiro setor empresa e terceiro setor

8 2.5. Terceiro Setor no Brasil  Co-responsabilidade – isenção de responsabilidades do governo  Democracia – governo onde o povo governa, direta ou indiretamente  Postura crítica, fiscalizadora e cooperativa

9 2.6.Terceiro Setor no Brasil  Pesquisa do Conselho Nacional de Associações Filantrópicas dos EUA (2003) US$ 1,76 trilhão em investimentos US$ 1,76 trilhão em investimentos Brasil, Rússia, Canadá, México e Coréia do Sul Brasil, Rússia, Canadá, México e Coréia do Sul  Terceiro setor no PIB (2005) EUA 35% EUA 35% Canadá e Itália 38% Canadá e Itália 38% França e Japão 42% França e Japão 42% Brasil 5% Brasil 5%  IBGE, IPEA e GIFE (2004) 1996 – 2002 – crescimento de 157% (105 mil – 276 mil) 1996 – 2002 – crescimento de 157% (105 mil – 276 mil)

10  FASFIL – Fundações Privadas e Organizações Sem Fins Lucrativos no Brasil (2004) Número de trabalhadores – 01 milhão – 1,5 milhão Número de trabalhadores – 01 milhão – 1,5 milhão O que corresponde a 5,5% dos empregados de todas as organizações formalmente registradas no País. O que corresponde a 5,5% dos empregados de todas as organizações formalmente registradas no País. Média de 4,5 salários mínimos mensais ( ligeiramente superior à média dos assalariados das empresas em geral, que era de 4,3 salários mínimos por mês) Média de 4,5 salários mínimos mensais ( ligeiramente superior à média dos assalariados das empresas em geral, que era de 4,3 salários mínimos por mês) 2.6.Terceiro Setor no Brasil

11  The Johns Hopkins Center for Civil Society Studies (2005) 5% do PIB = R$ 96,9 Bilhões 5% do PIB = R$ 96,9 Bilhões Participação superior a de setores expressivos na economia brasileira como: extração mineral ( ferro, carvão, gás natural, petróleo) Participação superior a de setores expressivos na economia brasileira como: extração mineral ( ferro, carvão, gás natural, petróleo) Maior que a participação de 22 Estados brasileiros ( só fica atrás de: SP, RJ, MG, RGS E PR Maior que a participação de 22 Estados brasileiros ( só fica atrás de: SP, RJ, MG, RGS E PR

12 2.4. Terceiro Setor no Brasil  Lei 9.790/99 - Marco Legal do Terceiro Setor Promoção da assistência social; da cultura; do voluntariado; Promoção da assistência social; da cultura; do voluntariado; da defesa e conservação do patrimônio histórico e artístico; da defesa e conservação do patrimônio histórico e artístico; da educação; da saúde; da segurança alimentar e nutricional; da educação; da saúde; da segurança alimentar e nutricional; defesa, preservação e conservação do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável; defesa, preservação e conservação do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável; do desenvolvimento econômico e social e combate à pobreza; experimentação não lucrativa de novos modelos sócio- produtivos e de sistemas alternativos de produção, comércio, emprego e crédito do desenvolvimento econômico e social e combate à pobreza; experimentação não lucrativa de novos modelos sócio- produtivos e de sistemas alternativos de produção, comércio, emprego e crédito de direitos estabelecidos, construção de novos direitos e assessoria jurídica gratuita; da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia, e de outros valores universais; de direitos estabelecidos, construção de novos direitos e assessoria jurídica gratuita; da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia, e de outros valores universais; estudos e pesquisas, desenvolvimento de tecnologias alternativas, produção e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos. estudos e pesquisas, desenvolvimento de tecnologias alternativas, produção e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos.

13 CONCEITOS que podem interessar ao administrador Palestra: Márcio Vasconcelos (2009) Fundação Avina

14 Economia Solidária Comércio Justo Responsabilidade Social Empresarial Investimento Social Privado Negócios ou Empresas Sociais Negócios com a Base da Pirâmide Negócios Inclusivos Sustentabilidade

15 ECONOMIA SOLIDÁRIA Economia Solidária é uma forma de produção, consumo e distribuição de riqueza (economia) centrada na valorização do ser humano - e não do capital - de base associativista e cooperativista, voltada para a produção, consumo e comercialização de bens e serviços, de modo autogerido. WIKIPEDIA Cooperativas / Banco Palmas

16 COMÉRCIO JUSTO É uma alternativa ao comércio tradicional, integrado por produtores, comerciantes e consumidores que trabalham por um modelo mais justo de intercâmbio comercial, apoiando aos produtores mais desfavorecidos através de campanhas de sensibilização no mercado e promovendo o desenvolvimento sustentável. VISÃO MUNDIAL Exportação de produtos agrícolas (café)

17 RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL Responsabilidade social empresarial é a forma de gestão que se define pela relação ética e transparente da empresa com todos os públicos com os quais ela se relaciona e pelo estabelecimento de metas empresariais compatíveis com o desenvolvimento sustentável da sociedade, preservando recursos ambientais e culturais para as gerações futuras, respeitando a diversidade e promovendo a redução das desigualdades sociais. INSTITUTO ETHOS

18 INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO Investimento social privado é o repasse voluntário de recursos privados de forma planejada, monitorada e sistemática para projetos sociais, ambientais e culturais de interesse público. Incluem-se neste universo as ações sociais protagonizadas por empresas, fundações e institutos de origem empresarial ou instituídos por famílias ou indivíduos. A preocupação com o planejamento, o monitoramento e a avaliação dos projetos é intrínseca ao conceito de investimento social privado e um dos elementos fundamentais na diferenciação entre essa prática e as ações assistencialistas. Diferentemente do conceito de caridade, que vem carregado da noção de assistencialismo, os investidores sociais privados estão preocupados com os resultados obtidos, as transformações geradas e o envolvimento da comunidade no desenvolvimento da ação. GIFE

19 NEGÓCIOS OU EMPRESAS SOCIAIS Empreendimentos inovadores que aliam sustentabilidade, geração de renda para as comunidades e inclusão social. *Vivianne Naigeborin e Andréa Waslander – ASHOKA Organização cuja missão é explícitamente de transformação social e que para isso adota estratégias de negócios geradoras de renda como principal veículo para atingir seu propósito social, impactando diretamente a vida de populações fragilizadas. Pode assumir um modelo com ou sem finalidade lucrativa, mas sua autonomia financeira é dada pela atividade-fim da empresa. Potenciais campos de atuação são: alimentação, serviços financeiros, acesso à energia e água potável, desenvolvimento econônomico, saúde, etc. PROJETO DOIS E MEIO

20 NEGÓCIOS COM A BASE DA PIRÂMIDE Vender produtos e serviços para os mais pobres (que vivem com menos de 2 dólares ao dia) através da criação de produtos inovadores de custo sob medida para esse público. C.K. PRAHALAD

21 OS NEGÓCIOS INCLUSIVOS Iniciativas economicamente rentáveis e ambiental/ socialmente responsáveis, que utilizam os mecanismos de mercado para melhorar a qualidade de vida de pessoas de baixa renda. AVINARECICLAGEM

22 SUSTENTABILIDADE Contribuição presente para um futuro igual ou melhor do que o tempo presente em três dimensões AMBIENTALSOCIALECONÔMICA

23 PERGUNTA vocês acham que o Terceiro Setor tem oportunidades interessantes para administradores?

24 OPORTUNIDADES EMPREGOS - Organizações financiadoras (Terceiro Setor e Empresas) - Organizações financiadas de médio e grande porte CONSULTORIA - Empresas - Governo - Organizações financiadoras - Organizações financiadas de grande porte ÁREAS - Gestão Geral - Gestão Administrativa e Financeira - Gestão de Projetos - Mobilização de Recursos - Recursos Humanos*


Carregar ppt "Terceiro Setor Fundamentos 1. O que é Terceiro Setor? 2. Cenário de desenvolvimento do Terceiro Setor 3. Comparação com países desenvolvidos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google