A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DO CONCURSO DE CRIMES www.professorfranklin.com.br.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DO CONCURSO DE CRIMES www.professorfranklin.com.br."— Transcrição da apresentação:

1

2 DO CONCURSO DE CRIMES

3 Conceito e espécies:  "Quando um sujeito, mediante unidade ou pluralidade de ações ou de omissões, pratica dois ou mais delitos, surge o concurso de crimes ou de penas (concursus delictorum)". (Damásio de Jesus).

4 ESPÉCIES DE CONCURSO:  a) concurso material (art. 69)  b) concurso formal (art. 70)  c) crime continuado (art. 71)

5 Concurso Material:  Verifica-se quando o agente, mediante mais de uma ação ou omissão, pratica dois ou mais crimes, idênticos (concurso material homogêneo) ou não (concurso material heterogêneo).

6 Concurso Material:  Ex.: Um indivíduo rouba um veículo, atropela e mata um pedestre na fuga e rapta uma mulher com o fim de praticar com ela atos libidinosos. Há, no caso, várias condutas e vários crimes (roubo - art. 157, homicídio culposo na direção de veículo automotor (art. 302,

7 Concurso Material:  caput, do CTB e crime de seqüestro qualificado (CP, art. 148, parágrafo 1º, V)  Conseqüência: as penas privativas de liberdade devem ser somadas, mas o cumprimento da pena não pode ultrapassar 30 anos (art. 75).

8 Concurso Material:  Antes de somá-las o juiz precisa individualizar e motivar cada pena, para que se saiba qual foi a sanção de cada crime (STF, RTJ 95/823).  Atentar para o disposto no art. 111 da LEP:

9 Concurso Material:  "Quando houver condenação por mais de um crime, no mesmo processo ou em processos distintos, a determinação do regime de cumprimento será feita pelo resultado da soma ou unificação das penas, observada, quando for o caso,

10 Concurso Material:  a detração ou remição.  Parágrafo único - Sobrevindo condenação no curso da execução, somar-se-á pena ao restante da que está sendo cumprida, para determinação do regime."

11 Concurso Formal (também chamado de concurso ideal):  Verifica-se quando o agente, com uma só conduta, pratica dois ou mais crimes idênticos (concurso formal homogêneo) ou não (concurso formal heterogêneo).  Ex.: Um indivíduo que dirigindo seu veículo de forma imprudente, sobe a calçada e

12 Concurso Formal:  atropela e fere várias pessoas.  "O fato da ação ser única não impede que haja uma pluralidade de atos, que são os segmentos em que se divide a conduta. O que caracteriza o crime formal e justifica o tratamento penal mais brando (cúmulo jurídico) não é a

13 Concurso Formal:  unidade de conduta, mas a unidade do elemento subjetivo que impulsiona a ação." (Paulo José da Costa Jr.).  Não pode haver para os vários crimes desígnios autônomos; deve o agente objetivar um só fim. Se houver outros fins será imperfeito.

14 Concurso Formal:  Ex.: O ladrão que no interior de um ônibus subtrai as carteiras dos passageiros.  Ex.: Uma pessoa que no interior de estádio de futebol xinga vários torcedores.  Ex.: O vizinho que subtrai a energia elétrica de seus confinantes.

15 Conseqüência:  Concurso formal homogêneo (penas idênticas) - aplica-se uma só pena, aumentada de um sexto até metade.  Ex.: Um indivíduo que dirigindo seu veículo de forma imprudente, sobe a calçada e atropela e fere várias pessoas.

16 Conseqüência:  Aplica-se a pena da lesão corporal culposa na direção de veículo automotor (art. 303, caput, da Lei n º 9.503, de 23 de setembro de CTB), acrescida de um 1/6 (um sexto) até a ½ (metade).

17 Conseqüência:  Concurso formal heterogêneo (penas diversas) - aplica-se a pena mais grave, aumentada de 1/6 (um sexto) até ½ metade. No mesmo exemplo supra, o indivíduo mata uma e fere as demais.

18 Conseqüência:  Aplica-se a pena do homicídio culposo na direção de veículo automotor (art. 303, caput, da Lei n º 9.503, de 23 de setembro de CTB) (mais grave), acrescida de um 1/6 (um sexto) até a ½ (metade).

19 Observação:  "Suponha-se que o agente tenha praticado um homicídio simples e uma lesão corporal leve em concurso formal.  Aplicado o princípio do concurso ideal, sofreria pena mínima de sete anos de reclusão (seis anos pelo homicídio,

20 Observação:  mais um sexto previsto no art. 70 do CP).  Ora, aplicada a pena de acordo com o concurso material, seria de seis anos de reclusão pelo homicídio e três meses de detenção pela lesão corporal leve (seis anos e três meses de pena privativa de liberdade).

21 Observação:  Assim, a pena aplicada não pode ser superior à que seria cominada se fosse caso de concurso material.  Logo a razão da regra do § único do art. 70: "não poderá a pena exceder a que seria cabível" pelo princípio do concurso material." (Damásio).

22 Concurso Formal Imperfeito (art. 70, caput, 2ª parte):  As penas aplicam-se, cumulativamente, se a ação ou omissão é dolosa e os crimes concorrentes resultam de desígnio autônomos (art. 70, caput, 2ª parte).  Suponha-se que o agente, com um só projétil de revólver, mate dolosamente duas pessoas.

23 Concurso Formal Imperfeito:  Há unidade de condutas e autonomia de desígnios (dirigidos à morte de duas pessoas).  Mas, o concurso continua sendo formal, mas, na aplicação da pena, manda o CP que seja realizada com base na regra do concurso

24 Concurso Formal Imperfeito:  material: as penas devem ser somadas. No exemplo, devem ser somadas as penas dos dois homicídios dolosos (Damásio de Jesus).  Obs: no concurso formal imperfeito a conduta externamente é única, mas perante a consciência do

25 Concurso Formal Imperfeito:  agente representam vários eventos. Ex.: Um sujeito pode estuprar uma mulher com dupla finalidade: obter prazer sexual e transmitir doença venérea. Com uma só conduta realiza dois fins (art. 213 c/c art. 130, ambos do CP).

26 Crime Continuado:  Trata-se de ficção jurídica em que o legislador, para beneficiar o réu, presume a existência de um só crime.  "Há crime continuado (também chamado de continuidade delitiva) quando o agente comete dois ou mais crimes da mesma espécie,

27 Crime Continuado:  mediante mais de uma conduta, estando os delitos, porém, unidos por determinadas circunstâncias (condições de tempo, lugar, modo de execução ou outras circunstâncias que permitem deduzir a continuidade)." (Celso Delmanto).

28 Crime Continuado:  O Código Penal adotou a teoria objetiva pura, sendo suficiente a demonstração objetiva das circunstâncias, sendo irrelevante o elemento subjetivo do agente (ter sido traído pela vítima, participar de assalto para pagar tratamento de pessoa da família).

29 Crime Continuado:  A expressão “e outras semelhantes” empregada no art. 71 só se refere, segundo o STF, a outras circunstâncias de caráter puramente objetivo que se relacionam com os meios e modos de realização do crime, tempo, ocasião, lugar, objeto material e etc.

30 Crimes da mesma espécie:  "Crimes da mesma espécie são os do mesmo tipo penal, isto é, aqueles que possuem os mesmos elementos descritivos abrangendo as formas simples, privilegiadas e qualificadas, tentadas ou consumadas." (Damásio e STF).

31 Conseqüência: Conseqüência:  Crime continuado homogêneo que são dois ou mais crimes idênticos.  Aplica-se uma só pena, com o aumento de 1/6 (um sexto) a 2/3 (dois terços).

32 Conseqüência: Conseqüência:  Crime continuado heterogêneo que são dois ou mais crimes diversos, mas objetividade jurídica idêntica.  Aplica-se a mais grave das penas, aumentada de 1/6 (um sexto) a 2/3 (dois terços).

33 Divergência sobre a unidade de sujeito passivo:  Há grande discussão doutrinária e divergência jurisprudencial sobre a necessidade ou não de unidade de sujeito passivo no crime continuado quando são atingidos bens personalíssimos (vida, saúde, integridade física, honra e etc.).

34 Consideração do elemento subjetivo:  Embora o CP tenha optado pela teoria puramente objetiva, não vemos como desconsiderar o elemento subjetivo na análise da continuidade delitiva.  Damásio entende que a morte de A não pode ser a continuação da morte de B,

35 Crimes que ofendem interesses impessoais:  ou que o estuprador de várias mulheres esteja agindo com unidade de desígnios.  Por isso, afirma ele: "enquanto nos crimes que ofendem interesses impessoais a unidade ou diversidade de sujeito passivo é indiferente ao agente. Ex.: vários furtos.

36 Crimes que ofendem interesses pessoais:  Nos delitos que lesam bens pessoais, havendo várias vítimas, a passagem de uma lesão a outra opera também uma mudança na resolução delituosa.  Assim, não é admissível a relação de continuidade (o Min. Assis Toledo concorda).

37 Posição adotada pelo CP:  Não é essa, entretanto, a posição adotada pelo CP.  A diversidade de bens jurídicos personalíssimos não impede a continuidade delitiva.  Mas o legislador apenou esta hipótese de forma mais grave,

38 Continuidade nos crimes contra a vida:  consoante o disposto no parágrafo único do art. 71.  A súmula 605 do STF que diz: “Não se admite continuidade delitiva nos crimes contra a vida”, restou prejudicada com a reforma de 84, que acrescentou o parágrafo único ao art. 71, § único, do CP.

39 Multas no concurso de crimes:  A multa não obedece às regras do concurso formal e do crime continuado é o que se depreende do art. 72:  “No concurso de crimes, as penas de multa são aplicadas distinta e integralmente”.

40 Limites das Penas:  O art. 75, caput, impõe que o tempo de cumprimento das penas privativas de liberdade não ultrapasse o limite de trinta anos.  O preceito atinge a condenação única, advinda do concurso material,

41 Limites das Penas:  e a soma de várias condenações em processos distintos.  Segundo a Exposição de Motivos, nº 61, "as penas devem ser limitadas para alimentarem no condenado a esperança da liberdade e aceitação da disciplina,

42 Interpretações conflitantes do § 1º do art. 75 do CP:  pressupostos essenciais da eficácia do tratamento penal.“  OBS: "O § 1º do art. 75 do CP tem sido alvo de interpretações conflitantes entre Damásio, Superior Tribunal de Justiça, Supremo Tribunal Federal e Mirabete.

43 Posição de Damásio e Fragoso:  Para alguns autores (Damásio, "Anotações à Reforma Penal", in O Estado de São Paulo, de ; Heleno Fragoso, Lições de Direito Penal, A Nova Parte Geral, 1987, pp ), o dispositivo penal tem uma finalidade claramente definida no texto legal:

44 Posição de Damásio e Fragoso:  a unificação das penas privativas de liberdade, cuja soma for superior a 30 anos para efeito exclusivo de atendimento ao limite máximo de cumprimento.  A pena unificada não pode servir também como ponto de

45 Posição de Damásio e Fragoso:  referência temporal a partir do qual seriam pleiteáveis, em princípio, eventuais benefícios penitenciários ou determinados direitos do condenado.  Assim, o parâmetro a viger seria o do quantum das penas privativas de liberdade efetivamente impostas.

46 Posição de Mirabete:  Tal tese foi contestada por Mirabete (Manual de Direito Penal, 1989, p. 319; e "Limite das penas e benefícios do CP", in O Estado de São Paulo, de , p. 54), que atribuiu à pena unificada, nos termos do § 1º, do art. 75 da PG/84 o dúplice papel de fixar o limite

47 Posição de Mirabete:  máximo de cumprimento das penas privativas de liberdade e de servir de marco temporal para concessão de eventuais benefícios a que fizer jus o sentenciado (livramento condicional, progressão de regime, remição, comutação, etc.)"

48 Posição de Mirabete:  (Código Penal e sua interpretação jurisprudencial, Ed. RT, vários autores, em nota ao art. 75).  Mirabete embasa seu entendimento na conjugação do art. 75, § 1º, e 111 da LEP, e mais no fato de que:

49 Posição de Mirabete:  "constituiria verdadeiro contra- senso unificar penas privativas de liberdade para um só fim e, ao mesmo tempo, manter uma dualidade de penas (pena unificada e soma de penas não unificadas) para os demais fins”.

50 Posição do STF e o STJ:  O STF e o STJ em reiteradas decisões têm defendido a primeira posição, ou seja, de que a unificação é apenas para atender ao limite máximo do art. 75, não podendo servir de parâmetro para a concessão de benefícios. (RTJ 118/935, RT 668/377, RT 700/398).

51 Condenação por fato posterior:  A condenação por fato posterior (art. 75, § 2º) - Será feita nova unificação desprezando-se, para esse fim, o período de pena já cumprido.  Ex.: "Condenado a penas que somavam cinqüenta anos, o sentenciado as tem unificadas no limite de trinta anos.

52 Condenação por fato posterior:  Quando já cumprira vinte anos da pena unificada, o preso mata um companheiro de cela e é condenado a vinte cinco anos.  Para atender à limitação legal de trinta anos, faz-se nova unificação,

53 Condenação por fato posterior:  somando-se o resto da pena que ainda tinha a cumprir 10 anos com a nova pena 25 anos, mas sem permitir que exceda o limite legal. Isso favorece os condenados que pratiquem novo crime logo no início de execução da pena unificada.“(Celso Delmanto).


Carregar ppt "DO CONCURSO DE CRIMES www.professorfranklin.com.br."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google