A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Palestrante: Ministro Rodrigo de Azeredo Santos – Diretor do DPR Ministério das Relações Exteriores – MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Palestrante: Ministro Rodrigo de Azeredo Santos – Diretor do DPR Ministério das Relações Exteriores – MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos."— Transcrição da apresentação:

1 Palestrante: Ministro Rodrigo de Azeredo Santos – Diretor do DPR Ministério das Relações Exteriores – MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos – DPR

2 Rede de SECOMs (102 unidades)

3 Breve histórico da inovação e competitividade no Brasil -Até o final da década de 1990, o Brasil não contava com programas de inovação; -1999: Criação dos fundos setoriais; -Anos 2000: -Lei de Inovação (2004) -Lei do Bem (2005) -Fortalecimento da FINEP, que assume a Secretaria-Executiva do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT).

4 Divulgação internacional de programas brasileiros de incentivo à competitividade e à inovação INNOVA EMPRESA Inovar-Auto (Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores) PRONATEC (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego) Ciência sem Fronteiras Plano Brasil Maior

5 Inovar-Auto: Investimentos Chineses no Brasil Empresa OrigemSetorGrau de EfetivaçãoEstado Valor (US$ milhares) 2012 Shaanxi Automobile Group (SAG) AutomotivoConfirmadoPernambuco Shiyan Yunlihong Industrial and Trade AutomotivoConfirmadoRio Grande do Sul Changan International Corporation AutomotivoAnunciadoGoiás EFFA Motors AutomotivoConfirmadoAmazonas Shacman AutomotivoConfirmadoSão Paulo Sinotruk AutomotivoConfirmadoSanta Catarina Foton Aumark AutomotivoConfirmadoRio Grande do Sul Chery AutomotivoAnunciadoSão Paulo Foton Motors AutomotivoConfirmadoBahia Shineray AutomotivoConfirmadoPernambuco JACAutomotivoConfirmadoBahia Total 2012 e 2013 Total 2012 Total

6 Mecanismos bilaterais sobre inovação e competitividade União Europeia -Reuniões do Comitê Diretivo da Cooperação em Ciência, Tecnologia e Informação -Grupo de Trabalho ad hoc Brasil-UE sobre Temas Econômicos, com ênfase em Competitividade e Investimentos BRICS -Reunião de Ministros de Ciência, Tecnologia e Informação -Seminário sobre Sistemas Nacionais de Inovação e Desenvolvimento Alemanha - Reuniões da Comista Brasil-Alemanha de Ciência, Tecnologia e Informação -Comissão Econômica Brasil-Alemanha de Cooperação -Parceria com a Sociedade Fraunhofer França -Declaração de Intenções para o Desenvolvimento de Programa de Computação de Alto Desempenho -Memorando de Entendimento na área de inovação, celebrado entre o MDIC e o Ministério da Economia francês

7 Mecanismos bilaterais sobre inovação e competitividade China -Reuniões da Subcomissão de Ciência, Tecnologia e Informação da COSBAN -Grupo de Trabalho sobre Investimento no âmbito da Subcomissão Econômico- Comercial Canadá -Comitê Conjunto Bilateral para Cooperação em Ciência, Tecnologia e Informação Japão -Reuniões do Comitê Conjunto Brasil-Japão de Ciência, Tecnologia e Informação EUA -Conferência Brasil-EUA de Inovação, com a criação de Grupo de Trabalho sobre Inovação

8 Mecanismos bilaterais sobre inovação e competitividade Índia -Programa de cooperação científica e tecnológica Uruguai - Grupo de Alto Nível Brasil-Uruguai, com reunião entre os Coordenadores do Subgrupo de Ciência, Tecnologia e Informação Portugal - Eventos nas áreas de inovação, nanotecnologia e tecnologia - Memorando de Entendimento para cooperação em biotecnologia Noruega - Força-Tarefa brasileira designada para elaborar os projetos e termos da cooperação, coordenada pelo Itamaraty Coreia do Sul - Reuniões do Comitê Conjunto Brasil-Coreia do Sul de Promoção de Comércio e Investimentos e Cooperação Industrial MDIC-MOTIE.

9 Inovação e PMEs A inovação é essencial para a sobrevivência e crescimento das empresas, principalmente das PMEs. O DPR tem apoiado missões de internacionalização de PMEs realizadas pelo SEBRAE, podendo ser citadas como exemplo missões a China, Reino Unido, Austrália e Canadá.

10 Inovação e Agronegócio O país necessita fortalecer, ainda mais, a competitividade internacional de sua agricultura, aprimorar suas políticas de exportação, ocupando novos mercados e ampliando a pauta de produtos agrícolas exportados. O DPR colabora com esse esforço ao organizar e apoiar missões de empresários e representantes governamentais interessados em conhecer o trabalho da EMBRAPA. No primeiro semestre de 2014, o Departamento participou, em parceria com o MAPA, de 13 feiras ligadas ao agronegócio.

11 Visão do Itamaraty sobre o tema Apoiar a formulação e a execução de políticas públicas na área de C,T&I que apresentam como traço comum a busca permanente de parcerias internacionais para a melhoria da competitividade internacional do Brasil e para a promoção e o fortalecimento da pesquisa científica, do desenvolvimento tecnológico e da inovação.

12 Visão do DPR sobre o tema O DPR trabalha com a divulgação das oportunidades de investimentos no Brasil, principalmente nas áreas de infraestrutura e logística, petróleo e gás/offshore, agronegócio, energias renováveis e inovação. Ademais, dá apoio a pequenas e médias empresas em processo de internacionalização.

13 Visão do DPR sobre o tema No Brasil, 45,7% do gasto em P&D é feito pelas empresas, enquanto nos países mais dinâmicos tecnologicamente (Estados Unidos, Alemanha, China, Coreia e Japão) essa proporção é de aproximadamente 70%, A dissociação entre o avanço científico e a incorporação do progresso tecnológico à base produtiva, especialmente no segmento industrial, expressa-se também no atraso relativo do Brasil no depósito de patentes. O DPR tem organizado missões com foco em inovação, como a missão a Taiwan, em 2013, na área de semicondutores.

14 Desafios do sistema brasileiro de inovação - Crescimento econômico ainda insuficiente; - Ameaças de desindustrialização; - Falta de mão de obra especializada (nas áreas de "science, technology, engineering and mathematics" - STEM).

15 Contrapontos positivos -Estabilidade macroeconômica do País; -Mercado brasileiro sólido; -Mobilização nacional, com o envolvimento da indústria (CNI, SENAI, MBC, MEI), na área de inovação; -Parques tecnológicos com certa competitividade internacional; -Esforço de desregulamentação para a abertura de empresas e instalação de empresas internacionais, com certo estoque de investimento interno em P&D.

16 Obrigado! Ministério das Relações Exteriores – MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos – DPR


Carregar ppt "Palestrante: Ministro Rodrigo de Azeredo Santos – Diretor do DPR Ministério das Relações Exteriores – MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google