A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O QUE É ESTRATÉGIA Profª Miriam Justino PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA EMPRESARIAL.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O QUE É ESTRATÉGIA Profª Miriam Justino PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA EMPRESARIAL."— Transcrição da apresentação:

1 O QUE É ESTRATÉGIA Profª Miriam Justino PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA EMPRESARIAL

2 A guerra foi o cenário em que nasceu o conceito de estratégia.A guerra foi o cenário em que nasceu o conceito de estratégia. As constantes lutas e batalhas ao longo dos séculos fizeram com que os militares começassem a pensar antes de agir.As constantes lutas e batalhas ao longo dos séculos fizeram com que os militares começassem a pensar antes de agir. A condução da guerra passou a se planejada com antecipação.A condução da guerra passou a se planejada com antecipação. Na antiguidade, há anos, Sun Tzu, um general filosofo chinês escreveu um livro sobre a arte da guerra no qual trata da preparação dos planos, estratégias etc.Na antiguidade, há anos, Sun Tzu, um general filosofo chinês escreveu um livro sobre a arte da guerra no qual trata da preparação dos planos, estratégias etc.

3 SUN TZU A Arte da Guerra de Sun Tzu foi escrita na China há mais de 2 mil anos. Sun Tzu era um pensador militar chinês que viveu há muito tempo, no século IV a.C., mas cujo pensamento serve, nos dias de hoje. É a primeira tentativa de que se tem notícia de formular a base racional de planejamento e conduta das operações militares. os princípios pregados por Sun Tzu ainda hoje influenciam os generais chineses. Na chamada Nova Economia, onde o ambiente globalizado e competitivo nos impõe a cada dia novas e desafiadoras situações, num verdadeiro cenário de guerra mercadológica, tecnológica e de conhecimentos, as lições de Sun Tzu encaixam-se como luvas e nos dão subsídios importantes para a elaboração dos planejamentos estratégicos atuais.

4 Pontos fortes e fracos "Apresente uma vantagem aparente ao inimigo e ele virá até sua armadilha. Ameace-o com algum perigo e você poderá detê-lo. Então, a habilidade do general consiste em cansar o inimigo quando este estiver descansado ou movê-lo quando estiver parado". Pontos fortes e fracos "Apresente uma vantagem aparente ao inimigo e ele virá até sua armadilha. Ameace-o com algum perigo e você poderá detê-lo. Então, a habilidade do general consiste em cansar o inimigo quando este estiver descansado ou movê-lo quando estiver parado".

5 Contingências "Nunca confie na probabilidade de o inimigo não estar se aproximando, mas dependa de sua própria prontidão para o reconhecer. Não espere que o inimigo não ataque, mas dependa de estar em uma posição que não possa ser atacada". Contingências "Nunca confie na probabilidade de o inimigo não estar se aproximando, mas dependa de sua própria prontidão para o reconhecer. Não espere que o inimigo não ataque, mas dependa de estar em uma posição que não possa ser atacada".

6

7 As organizações existem desde os faraós e os imperadores da antiga China. A Igreja e os exércitos desde a Antiguidade desenvolveram formas de organizações. Com o desenvolvimento da Humanidade, um número crescente de organizações foi sendo solicitado para atender às necessidades sociais e humanas. A sociedade moderna e industrializada tem tantas e tão diversas organizações que se torna necessário todo um conjunto de organizações secundárias para organizá-las e controlá-las. Tornou-se uma sociedade de organizações, das quais o homem passa a depender para nascer, viver e morrer. (In Chiavenato,1999:45)

8 As organizações são difíceis de serem vistas. Vemos alguns detalhes, como um elevado prédio ou uma estação de trabalho ou um empregado amistoso; mas a organização como um todo é vaga e abstrata e pode estar distribuída por diversas localizações. Sabemos que as organizações estão lá porque elas nos afetam todos os dias como seres engajados.

9 Mal percebemos que nascemos em maternidades, nossos nascimentos são registrados em órgãos do governo, somos educados em escolas e universidades, crescemos com alimentos produzidos em fazendas corporativas, somos tratados por médicos pertencentes a uma organização, compramos casas erguidas por uma empresa de construção e vendidas por imobiliárias, recebemos diversos benefícios de órgãos governamentais e até somos sepultados por uma empresa funerária.

10 DEFINIÇÃO Unidades sociais intencionalmente construídas e reconstruídas. Utilizadoras e transformadoras de recursos. Busca atingir objetivos específicos. Desenvolve dentro de um ambiente sistêmico É um sistema cooperativo e racional composto de subsistemas ou partes interdependentes delineadas por limites identificáveis, para atingir objetivos organizacionais. (Chiavenato, 2000) Duas ou mais pessoas trabalhando juntas e de modo estruturado para alcançar objetivos (Stone; Freeman, 1999). É um empreendimento humano que visa a alcançar objetivos pré-estabelecidos De estrutura formal e/ou informal

11 Representado pelo Estado, com a prestação ou execução de serviços através de órgão próprio do aparelho administrativo estatal.Representado pelo Estado, com a prestação ou execução de serviços através de órgão próprio do aparelho administrativo estatal. Administração das políticasAdministração das políticas RegulamentaçãoRegulamentação Garantia de QualidadeGarantia de Qualidade Prevenção da exploração e discriminaçãoPrevenção da exploração e discriminação Garantia da continuidade e estabilidade dos serviçosGarantia da continuidade e estabilidade dos serviços Representado pelas indústrias, empresas comerciais e prestadoras de serviços e entidades agrícolas, todas perseguindo o lucro como meta principal do capitalismo, consubstanciado na valorização do processo econômico- produtivoRepresentado pelas indústrias, empresas comerciais e prestadoras de serviços e entidades agrícolas, todas perseguindo o lucro como meta principal do capitalismo, consubstanciado na valorização do processo econômico- produtivo Realizar tarefas complexasRealizar tarefas complexas Repetir o sucesso de outras organizaçõesRepetir o sucesso de outras organizações Oferecer resposta rápidas às mudançasOferecer resposta rápidas às mudanças Fornecer serviços diversificadosFornecer serviços diversificados 1º SETOR 2º SETOR

12 Corresponde à emanação da vontade popular, pelo voto, que confere o poder ao governo;Corresponde à emanação da vontade popular, pelo voto, que confere o poder ao governo; Dinheiro público para fins públicos;Dinheiro público para fins públicos; Garantia da coesão socialGarantia da coesão social Apresenta reestruturaçõesApresenta reestruturações Corresponde à livre iniciativa, que opera o mercado, define a agenda econômica usando o lucro como instrumento;Corresponde à livre iniciativa, que opera o mercado, define a agenda econômica usando o lucro como instrumento; Dinheiro privado para fins privados;Dinheiro privado para fins privados; Fornecer serviços que se tornam obsoletos rapidamente Fornecer serviços que se tornam obsoletos rapidamente Apresenta reestruturaçõesApresenta reestruturações 1º SETOR 2º SETOR

13 3º SETOR Representado pela sociedade civil Corresponde às instituições com preocupações e práticas sociais, sem fins lucrativos, que geram bens e serviços de caráter público, tais como: ONGs, instituições religiosas, clubes de serviços, entidades beneficentes, centros sociais, organizações de voluntariado etc. Dinheiro privado para fins públicos (nada impede, todavia, que o poder público destine verbas para o Terceiro Setor, pois é seu dever promover a solidariedade social).

14 SISTEMAS – Aspectos básicos É uma abordagem organizacional de caráter integrativo e abstrato que produz valor através da sinergia. A perspectiva sistêmica mostra que a organização deve ser administrada como um todo complexo. Os recursos materiais, financeiros e humanos –quando considerados fatores de produção- geram riqueza através da sinergia organizacional.É uma abordagem organizacional de caráter integrativo e abstrato que produz valor através da sinergia. A perspectiva sistêmica mostra que a organização deve ser administrada como um todo complexo. Os recursos materiais, financeiros e humanos –quando considerados fatores de produção- geram riqueza através da sinergia organizacional. Destacam-se o Modelo de Katz e Kahn e o Modelo de Tavistock.Destacam-se o Modelo de Katz e Kahn e o Modelo de Tavistock. Visão do ser humano como HOMEM FUNCIONAL.Visão do ser humano como HOMEM FUNCIONAL.

15 Aula2Evolução da Teoria das Organizações15 ObjetivosObjetivos Entradas -INPUTSEntradas -INPUTS Processo de transformaçãoProcesso de transformação Saídas - OUTPUTSSaídas - OUTPUTS Controles e avaliaçõesControles e avaliações RetroalimentaçãoRetroalimentação –Feedback Ambiente externoAmbiente externo –Conjunto de fatores que não pertencem ao sistema, mas: Qualquer alteração nos fatores externos pode influenciar o sistemaQualquer alteração nos fatores externos pode influenciar o sistema Qualquer alteração no sistema pode influenciar os fatores externosQualquer alteração no sistema pode influenciar os fatores externos

16 Aula2Evolução da Teoria das Organizações16 Classificação quanto à interação Sistemas fechadosSistemas fechados –Sem intercâmbio com o ambiente externo –Não existem sistemas totalmente fechados –Saídas invariáveis Sistemas abertos (dinâmicos)Sistemas abertos (dinâmicos) –Têm intercâmbio com o ambiente externo –São influenciados e influenciam o ambiente pelas entradas e saídas –Adaptam-se para sobreviver

17 Sistema aberto Ambiente do sistema Objetivos Processo de transformação EntradasSaídas Controles e Avaliações Retroalimentação (OLIVEIRA, Djalma P. R )

18 Planejamento É definir os objetivos e meios a serem atingidos pela organização. É aonde a organização deseja estar no futuro e como fazer para chegar lá. É decidir antecipadamente as ações apropriadas que devem ser executadas. É definir estratégias - mecanismos É definir estratégias - mecanismos

19 Definição dos objetivos Qual a situação atual? Quais as premissas em relação ao futuro? Quais as alternativas de ação? Qual a melhor alternativa? Implemente o plano escolhido e avalie os resultados Para onde queremos ir? Onde estamos agora? O que temos pela frente? Quais os caminhos possíveis? Qual o melhor caminho? Como iremos percorrê- lo?

20 TIPOS DE PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Mapeamento ambiental e avaliação das forças e limitações da organização PLANEJAMENTO TÁTICO Tradução e interpretação das decisões estratégicas em planos concretos em nível departamental PLANEJAMENTO OPERACIONAL Desdobramentos dos planos táticos de cada departamento em planos operacionais para cada tarefa  Envolve toda a organização  Direcionado a longo prazo  Focaliza o futuro e o destino  Ação global e molar  Tomada de decisões  Envolve cada departamento  Direcionado a médio prazo  Focaliza o mediato  Ação departamental  Interpretação das decisões estratégicas em planos concretos  Envolve cada tarefa/atividade  Direcionado a curto prazo  Desdobramento dos planos táticos de cada departamento em planos operacionais  Focaliza o imediato/presente  Ação específica e molecular  Orçamento, programas, fluxogramas, cronogramas, etc.

21 É uma metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela organização visando a um maior grau de interação com o ambiente externo. (Morais, 2005) Na pratica, é um modelo integrado e sistêmico que permite um diagnóstico adequado para tomada de decisões. Processo gerencial que possibilita ao executivo estabelecer um rumo a ser seguido pela empresa, com vistas a obter um nível de otimização na relação da empresa com o seu ambiente. É o processo de formulação de estratégias para apontar as oportunidades e neutralizar as ameaças ambientais utilizando os pontos fortes e eliminação dos pontos fracos da organização para a consecução da missão.


Carregar ppt "O QUE É ESTRATÉGIA Profª Miriam Justino PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA EMPRESARIAL."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google