A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO Por Thiago Vedova. 1 ) Elementos da dinâmica populacional: A grande importância do estudo da geografia populacional está relacionado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO Por Thiago Vedova. 1 ) Elementos da dinâmica populacional: A grande importância do estudo da geografia populacional está relacionado."— Transcrição da apresentação:

1 GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO Por Thiago Vedova

2 1 ) Elementos da dinâmica populacional: A grande importância do estudo da geografia populacional está relacionado ao grande numero de pessoas e a cada vez mais limitada oferta de recurso naturais, esta situação é muito preocupante pois além de causar um desequilíbrio e um “mau estar” social, causa uma grande pressão sobre o meio ambiente, trazendo uma série de impactos. Ao se estudar a população costuma-se enfatizar três dimensões: Crescimento Natural-Obtido pela diferença entre taxa de natalidade e a taxa de mortalidade. Estrutura da População- Pirâmide etária, Nível sócio econômico, gênero, a população economicamente ativa, o papel da mulher, os índices sociais. Migrações- processos de redistribuição da população.

3 2 )REVISÃO DE CONCEITOS ESSENCIAIS:

4 Taxa de natalidade : São calculadas no número de nascimento multiplicadas por mil dividido pelo número de habitantes, mas é claro que ela apresenta diferenças regionais

5 Taxa de Mortalidade : Corresponde ao número de óbito a cada ano multiplicado por mil, divido sobre o número de habitantes. Sobre a análise da taxa de mortalidade podemos buscar dados referentes, a taxa de mortalidade por idade (que pode ser um importante dado no estudo de vilolência e saúde), a taxa de mortalidade por causa de morte.

6 TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL: É um importante indicador social que avalia a salubridade dos lugares, diretamente associado a dados como saneamento básico

7 MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL:

8 Crescimento Vegetativo (Crescimento Populacional) Crescimento Vegetativo = Taxa de Natalidade – Taxa de Mortalidade CV = TN - TM Pode ser positivo ou negativo (ocorre quando há um decréscimo populacional).

9 Já Somos 7 Bilhões!

10

11 Crescimento populacional Brasileiro:

12

13 Expectativa de Vida (ou esperança de vida): Numa dada população, a expectativa de vida ao nascer ou esperança de vida à nascença é o número médio de anos que um grupo de indivíduos nascidos no mesmo ano pode esperar viver, se mantidas, desde o seu nascimento, as taxas de mortalidade observadas no ano de observação. A expectativa de vida no nascimento é também um indicador de qualidade de vida de um país, região ou localidade. Pode também ser utilizada para aferir o retorno de investimentos feitos na melhoria das condições de vida e para compor vários índices, tais como o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

14 Expectativa de Vida no Brasil:

15

16 Densidade Demográfica: Indica a distribuição da população em relação a superfície de um lugar País populoso  País com um grande população bruta, não tão bem distribuído, como o EUA, o Brasil e a Rússia. País Povoado  País com grande densidade demográfica como a Índia (1 bilhão de habitantes) País Despovoado  País com baixa densidade demográfica ( relacionado com problemas de ordem climática, que históricamente afetava a agricultura, como desertos, regiões polares e grandes altitudes.) Superpopulação  País que não tem recursos naturais suficientes para alimentar o seu grande contingente populacional. Prevalecendo a fome e disseminação de doenças infecto- contagiosas.

17 Tipos de Resultados de D.D.: País Populoso - é um país com um grande população bruta, não tão bem distribuído, como o EUA, o Brasil e a Rússia País Povoado - País com grande densidade demográfica como a Índia. País Despovoado – Baixa densidade demográfica. Geralmente associada com fatores climáticos que historicamente dificultaram a agricultura. (Desertos, regiões Polares e grandes altitudes). Superpopulação - País que não tenha recursos naturais suficientes para alimentar o seu grande contingente populacional. Prevalecendo a fome e disseminação de doenças.

18 Pirâmide Etária: Pirâmide etária também conhecida como pirâmide demográfica ou pirâmide populacional é uma ilustração gráfica que mostra a distribuição de diferentes grupos etários em uma população (tipicamente de um país ou região), em que hitóricamente tinha forma de uma pirâmide. Esse gráfico é constituído de dois conjuntos de barras que representam o sexo e a idade de um determinado grupo populacional. É baseado numa estrutura etária da população, ou seja, a repartição da população por idades.sexoidadepopulacionalpopulação Nesse tipo de gráfico, cada uma das metades representa um sexo; a base representa o grupo jovem (até 19 anos); a área intermediária ou corpo representa o grupo adulto (entre 20 e 59 anos); e o topo ou ápice representa a população idosa (acima de 60 anos).sexo As pirâmides etárias são usadas, não só para monitorar a estrutura de sexo e idade, mas como um complemento aos estudos da qualidade de vida, já que podemos visualizar a média do tempo de vida, a taxa de mortalidade e a regularidade, ou não, da população ao longo do tempo.população Quanto mais alta a pirâmide, maior a expectativa de vida e, consequentemente, melhor as condições de vida daquela população. É possível perceber que quanto mais desenvolvido econômicamente e socialmente é o país, mais sua pirâmide terá uma forma retangular.

19 Transição das Pirâmide Etária:

20 Exemplos de Pirâmide Etária: Uma guerra, por exemplo, provoca distúrbios visíveis numa pirâmide etária: uma queda no número de jovens e adultos do sexo masculino é o mais comum deles. Normalmente, após uma crise como essa, é notável uma reposição populacional estimulada pelo governo, chamada de baby boom.guerrababy boom

21 Pirâmide Etária Brasileira:

22

23 Distribuição entre os estados Brasileiros (dados de 2000):

24 PIB (Produto Interno Bruto) ou PNB O produto interno bruto (PIB) representa a soma (em valores monetários) de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região, durante um período determinado (mês, trimestre, ano, etc). O PIB é um dos indicadores mais para quantificar e qualificar a atividade econômica de uma região. Na contagem do PIB, considera-se apenas bens e serviços finais, excluindo da conta todos os bens de consumo de intermediário. Isso é feito com o intuito de evitar o problema da dupla contagem.

25

26

27 Setores da Economia: Primário – Atividades que exploram recursos da natureza (AGRICULTURA, PECUÁRIA, PESCA e EXTRATIVISMO). Secundário – Utilizam os recursos primários como Matéria Prima (INDÚSTRIA). Terciário – COMÉRCIO E SERVIÇOS.

28 TERCIARIZAÇÃO:

29 População Economicamente Ativa (PEA): Representa o número de pessoas trabalhando no mercado de trabalho, entre 16 e 65 anos, o grande problema na precisão destes dados é o grande número de trabalhadores na informalidade. Ajuda a Indicar a taxa de desemprego.

30 Mulheres na PEA:

31 Distribuição de Renda: Analisa através de dados econômicos e sociais as possíveis concentrações de renda e desigualdades sociais, em índices como: Renda per Capita, níveis de escolaridade, Taxa de analfabetismo e concentração fundiária.

32 Renda Per Capita É um indicadorqueajuda a saber ograu de desenvolvimentoeconômico de um paísouregiãoeconsistenadivisãodaRenda de um País (PIB) sobre a população.

33

34 Níveis de Renda:

35 Crescimento Brasileiro:

36

37 Níveis de Renda - EUA

38 Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) É um índice que serve de comparação entre os países, com objetivo de medir o grau de desenvolvimento econômico e a qualidade de vida oferecida à população. O relatório anual de IDH é elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), da ONU. Este índice é calculado com base em dados econômicos e sociais. O IDH vai de 0 (nenhum desenvolvimento humano) a 1 (desenvolvimento humano total).

39 Critérios de classificação: Educação (tempo de estudos). Longevidade (expectativa de vidadapopulação). Renda per capita.

40 Ranking IDH (PNUD ) 1º - Noruega - 0,943 2º - Austrália - 0,929 3º - Holanda - 0,910 4º - EstadosUnidos - 0,910 5º - Nova Zelândia - 0,908 6º - Canadá - 0,908 7º - Irlanda - 0,908 8º - Liechtenstein - 0,905 9º - Alemanha - 0,905 10º - Suécia - 0,904 11º - Suíça - 0,903 12º - Japão - 0,901 13º - Hong Kong - 0,898 84º - Brasil - 0,718 * Média Mundial: 0,682 OBS:Em 2010 foramanalisados 169 países. Jáem 2011 o número de países e territóriosanalisadosfoi de 187. Estamudançadificulta a comparação de ranking entre os dados dos relatório de 2010 e 2011.

41 Classificação de acordo com o IDH: (levaemconsideração a classificação, ranking) - 25% de menor IDH – desenvolvimentohumanobaixo (geralmentepaísespobres). - 25% acima dos de menor IDH – desenvolvimentohumanomédio (geralmentepaísesemprocesso de desenvolvimento). - 25% abaixo dos países de melhor IDH – desenvolvimentohumano alto (geralmentepaísesemrápidoprocesso de crescimentoeconômico - emergentes). - 25% de melhor IDH – desenvolvimentohumanomuito alto (geralmentepaísesricos e bemdesenvolvidos).

42 IDH no Mundo.

43 Observação:

44 IDH no Brasil por Regiões.

45 De acordo com dados para 2011, o IDH do Brasil é 0,718. Emboraapresentedeficiências no sistemaeducacional, o IDH do Brasil é considerado de alto desenvolvimentohumano, pois o paísvemapresentandobonsresultadoseconômi cos e sociais. A expectativa de vidaemnossopaístambém tem aumentado, colaborandopara a melhoria do índicenosúltimosanos.

46 3) Evolução Demográfica:

47

48 1ª Fase: crescimento vegetativo é positivo (baixo) Taxa de natalidade muito alta: -Mentalidade das sociedades agrárias que acreditam que quanto mais pessoas para trabalhar, maior a renda da família. -Ausência de método anticoncepcional. Porém havia uma taxa de mortalidade também muito alta: -poucos recursos médicos. -muitas pragas e guerras (sociedade medieval). -Agricultura muito suscetível aos problemas naturais (Fome)

49 2ª Fase: Grande Crescimento Vegetativo (aparecimento dos alarmistas) : Com a Revolução Industrial houve uma grande diminuição da taxa de mortalidade: Grande migração para os centros urbanos (um processo de urbanização) - por conta da grande demanda de mercado de trabalho e de mercado consumidor. Esta concentração populacional nas cidades possibilitou investimentos em infra- estrutura urbana : Saneamento básico, sistema de coleta de lixo, higiene pública. Além disso aconteceu o desenvolvimento da medicina, como a descoberta de bactérias, e a invenção de vacinas e antibióticos, Surgimento do papel do médico como incentivador da higiene pessoal ajudaram a conter o número de óbitos. Melhoria na condição alimentar. A taxa de natalidade se manteve estável.

50 3ª Fase: Crescimento vegetativo positivo, mas com taxas baixas. Há a queda da taxa de natalidade: O meio de vida urbano aumentou o custo da família – introdução do planejamento familiar. surgiram movimentos feministas que reivindicaram o acesso da mulher ao trabalho – inserção da mulher no mercado de trabalho. Atuação política em favor da redução da taxa de fecundidade Aparecimento da educação sexual(tema proibido antes). Desenvolvimento dos métodos anticoncepcionais.

51

52 4ª fase: A taxa de mortalidade se aproxima muito ou é menor do que a taxa Natalidade (Caso mais extremo). Questão fundamental e atual de alguns países, principalmente os localizados no norte. Crescimento vegetativo quase nulo ou negativo: -MÉDIA DE FILHOS BAIXA -AUMENTO DA EXPECTATIVA DE VIDA.

53

54

55 Média de Filhos na Europa:

56 Envelhecimento Populacional – Inversão da Pirâmide Etária:

57 Consequências: - Maior atenção com os idosos; - Implicações na previdência; - Perfil epidemiológico muito mais complexo; - Maiores investimentos na áreas de saúde. - Possível ausência de MDO no Futuro.

58 Panorama Brasileiro:

59 Perfil Família:

60

61

62

63 4 ) Teorias Demográficas

64 Teoria Malthusiana: Exposta em 1798, no livro ensaio sobre a população, foi a primeira teoria demográfica de grande impacto e até hoje a mais popular de todas. Malthus, um reverendo religioso, preocupado com a situação social da Inglaterra pós revolução industrial, lançou uma tese, que determina que existe uma lei universal da população: Populações humanas eram capazes de crescer geometricamente (PG) enquanto os recursos necessários para sustentar essas mesmas populações (Alimentos) cresciam apenas aritmeticamente (PA). O inevitável desequilíbrio provocado por essas diferentes formas de crescimento deve ser resolvido. A preferência de Malthus era que o potencial de crescimento populacional fosse contido por meio de um "controle moral", ou seja, abaixando-se a fertilidade pelo adiamento dos casamentos ou pela abstinência sexual. Na falta de "controle moral", a natureza ia acabar intervindo, o potencial de crescimento populacional seria contido pela mortalidade maior provocada por doenças, pragas, fome, infanticídios e outras circunstâncias menos agradáveis que Malthus refere como "miséria". Segundo Malthus, a alta fertilidade tem um impacto negativo não só sobre o conjunto de condições de uma sociedade, mas também sobre o bem-estar dos indivíduos. Para ele o mercado, e não, o estado que controlariam a população.

65 Falhasdateoria de Malthus: Hoje, verifica-se quesuasprevisõesnão se concretizaram: a população do planetanãoduplicou a cada 25 anos, e a produção de alimentos se acelerougraçasaodesenvolvimentotecnológico. Mesmoque se considereumaáreafixa de cultivo, a quantidadeproduzidaaumentou, umavezque a produtividade (quantidadeproduzidaporárea; toneladas de arrozpor hectare, porexemplo) tambémvemaumentandoaolongo das décadas.

66 Teoria Neomalthusiana: O quadro sócio-econômico mundial do período pós-Segunda Guerra Mundial, marcado por taxas de crescimento demográfico muito elevadas no Terceiro Mundo, ao lado da situação de fome e miséria, ressuscitaram as idéias de Malthus. Os neomalthusianos ou alarmistas, temerosos diante desse quadro assustador do Terceiro Mundo, passam a responsabilizar os países subdesenvolvidos e o elevado crescimento demográfico como os culpados pelo próprio quadro de horror. Para eles a alta fertilidade dilui os recursos que as famílias podem dedicar a cada um de seus membros, e também diminui as oportunidades e as facilidades que a sociedade pode ofertar aos seus membros Para os neomalthusianos a solução estava na implantação de políticas oficiais de controle de natalidade mediante: o emprego de pílulas anticoncepcionais, abortos, esterilização em massas e limites de filho.

67

68 Controle de Natalidade da Índia: - Esterilização em Massa( A cidade de Jhunjhunu, no estado do Rajastão, está oferecendo o compacto a homens que aceitarem fazer vasectomia. As outras recompensas disponíveis são motos e aparelhos de televisão). -A Índia, que possui fábricas estatais de camisinhas. (as autoridades destacaram que somente 3 por cento dos indianos usam camisinhas, enquanto 52 por cento deles não usam nenhum método contraceptivo). -O governo decidiu reduzir o preço dos aparelhos de TV na Índia. "O entretenimento é um componente importante da política de controle da população” - Limites de Filhos em áreas mais pobres.

69 Controle de Natalidade da China: Política do “Filho Único”. Esterilização Forçada. Resultado: - Década de 70 (CV = 2,7% ao ano) e atualmente (CV = 0,5% ao ano), o que estima que evitou o nascimento de 400 Milhões de chineses.

70 Reflexos Negativos: Infanticídio feminino e aborto seletivo.

71

72 Teoria Reformista: Ao contrário de Malthus e dosNeomalthusianos, que atribuem ao grande crescimento populacional do Terceiro Mundo a culpa pelo estado de pobreza e fome, os reformistas admitem que a situação de pobreza e subdesenvolvimento a que foi submetido o Terceiro Mundo é a responsável pelo excessivo crescimento demográfico e conseqüente estado de miséria. Evidenciando um caráter elitista das outras teorias. Diante disso, os reformistas defendem a adoção de profundas reformas sociais e econômicas para superar os graves problemas do Terceiro Mundo. A redução do crescimento viria como conseqüência de tais reformas. Eles citam o exemplo dos países desenvolvidos, cuja redução do crescimento só foi possível após a adoção de reformas sócio-econômicas e conseqüente melhoria do padrão de vida das suas populações. As visões mais moderadas do impacto negativo da alta fertilidade e do crescimento da população sobre o desenvolvimento econômico foram por muitos anos o fundamento sobre o qual as políticas nacionais e internacionais se alicerçaram. A criação da Divisão de População das Nações Unidas e do Fundo de População das Nações Unidas, o apoio de muitos países desenvolvidos para programas de planejamento familiar nos países menos desenvolvidos e o crescimento de várias unidades acadêmicas e agências privadas.

73 5) Fluxos Migratórios:

74 Movimentos Populacionais:

75 Migração Pendular

76 Migrações Internacionais Principais Fluxos:

77 3) A partir de meados da década de 70 (pós crise do Petróleo): Recessão econômica, Início da crise econômica em países socialista, aprofundamento do abismo social entre Ricos e pobres (endividamento nos países semiperiféricos). Afirmação da migração: Países Subdesenvolvidos Países Desenvolvidos Aumento da tecnologia (des. Meios de transporte e comunicação)

78 A) Fluxos Migratórios para os EUA: Costuma-se dividir nos EUA, os imigrantes em: “pioneiros” ou “velhos imigrantes”: (Europeus que vieram até o metade do Séc. XX). “Braceros” e “novos imigrantes”: Constituem ainda hoje os grandes fluxos migratórios, os Latino americanos (em especial Cubanos, Mexicanos e Porto Riquenhos) e Asiáticos (a partir dos anos 90), em sua grande maioria ilegais, que vão atrás de uma espécie de “eldorado”, o “Americanwayoflife” ou “AmericanDream”. Estes novos imigrantes vão trabalhar em trabalhos não qualificados, em especial no comércio, serviços e construção civil., mal remunerados eles assumem os empregos que o americano não quer assumir.

79 Questões: Esses imigrantes vão acabar por constituir comunidades isoladas, fazendo da sociedade americana um mosaico de etnia, residindo em bairros degradados (guetos) e nas periferias. Os Latinos com taxas de fecundidade muito superiores aos “brancos” deverão aumentar sua proporção entre a população dos EUA, constituindo um fenômeno de Latinização.

80

81 Controle Imigratório nos EUA: George Bush (1990) - immigrationAct que só em circunstâncias especiais concede o visto de entrada e residência (Green Card). Construção do muro fronteira México – EUA. George W Bush -atualmente há ainda mais restrições de entrada para os EUA, privilegiando certo tipo de países e ocupação, devido ao medo do terrorismo.

82 Imagens do muro:

83

84 B) Fluxo Para as regiões industrializadas da Europa. Principais Fluxos: Turcos – Alemanha Magrebinos (Marrocos, Argélia e Tunísia) – França e Espanha Países do Oriente Médio (sobretudo o Irã), Paquistaneses e Indianos – Inglaterra Europeus orientais (ex-repúblicas soviéticas)- países ricos da Europa (Alemanha)

85 A Europa ocidental tem recebido milhões de imigrantes de diversas partes do mundo, invertendo a tendência de enviar habitantes a outras regiões do planeta. A Europa é hoje é o local que recebe o maior fluxo migratório do planeta. Por conta disso, surgiu na Europa um forte sentimento Xenofóbico, que com o temor da perda da identidade nacional e de Empregos, assumem posições racistas e violentas (muitas vezes neonazistas) contra estrangeiros, como também emergiu e ganhou força os Partidos Ultracionalista, que buscam adotar medidas drásticas contra a imigração.

86

87 A população européia estar envelhecendo com muita rapidez e da necessidade de mãoo de obra na indústria e agricultura (onde os europeus não admitem trabalhar). Esta questões estão na pauta da União Europeiaque pensa em estabelecer vistos temporários de trabalho e grande controle de restrição a imigração ilegal.

88 Outros Fluxos: Sudeste Asiático(Tailandeses, Vietnamitas...) – Oriente Médio (Kwait e Arábia Saudita). Judeus– Israel.

89 Migrações no Brasil

90 A Imigração:

91 1° Período: 1808 – 1850 Vinda da Corte portuguesa e decreto de Dom João VI permitindo que estrangeiros obtenham terras: Ocupar os sertões – territórios não ocupados e explorados (manter as fronteiras) Embranquecimento da população – Açorianos(1808) ; Suíços em Nova Friburgo(1818) e Alemães em Santa Catarina e no vale do Rio Sinos (1824). Baixo Fluxo de imigrante – medo e pouca condição de trabalho

92 2° Período: 1850 – 1934 A Lei de Terras, a Lei Eusébio de Queiroz e a Lei Áurea, promulgadas neste período, obrigaram a substituição da M-D-O (Escravos – Imigrantes): -Italianos : crise no seu país (Garibaldi)– Fazendas de café em São Paulo e na serra gaúcha. -Alemães: Vale do Itajaí – SC ( Joinvile e Blumenau) - Poloneses e Ucranianos - Curitiba - Japoneses – São Paulo (1925 e 1934) e Pará

93 3° Período: 1934 – 1945 Decadência Publicação da lei de cotas, Essa lei estabelecia que só poderiam entrar no Brasil, a cada ano, 2% do total de imigrantes, segundo a nacionalidade, admitidos nos últimos 50 anos. Essa restrição reduziu consideravelmente o fluxo imigratório para o Brasil, e tinha o objetivo de frear a imigração. Getúlio Vargas idealizador do projeto, afirmava a questão do emprego. “Brasil para os brasileiros “, também com o temor da entrada de imigrantes que traziam ideais socialistas e anarquistas. Durante a 2ª Guerra mundial foram aceitos alguns refugiados, desde então o país não estava economicamente interessante parta atrair um grande fluxo migratório.

94

95 Meados da década de Saldo Migratório Negativo: - O Brasil passa a enviar pessoas para outras partes do mundo. A situação econômica não era favorável para a vinda de migrantes.

96 Atualidade (Déc – Hoje) Novo boom imigratório Situação econômica favorável, grande crescimento econômico no Brasil: FLUXOS: -Latinos (em especial Bolivianos) -Chineses -Angolanos -Haitianos (Tráfico de Pessoas) em direção ao Acre. -Europeus (MDO Qualificada) – Setor de serviços e em áreas tecncológicas (ausência de Engenheiros no Brasil)

97 Haiti A decisão do governo de fechar as fronteiras para os haitianos, permitindo a entrada deles somente com o visto obtido na embaixada brasileira em Porto Príncipe, divide a opinião de especialistas em direito internacional. Se, por um lado, a iniciativa reforça a soberania brasileira sobre o seu território, por outro, avaliam, coloca em xeque as políticas adotadas nos últimos anos em relação aos direitos humanos Está mantida a concessão de 100 vistos mensais pela embaixada brasileira em Porto Príncipe, capital do Haiti. Também não haverá exigência para que esses haitianos tenham um contrato prévio de trabalho no Brasil ou qualquer qualificação profissional. Outro ponto mantido é o período de cinco anos para que o haitiano que estiver no Brasil se regularize definitivamente com emprego e residência.decisão do governo de fechar as fronteiras para os haitianos HAITIANOS são vítimas de falsas promessas e de Coyotes.

98

99

100 Emigração Brasileira:

101 Os Brasiguaios (1970 / 80) : Aproximadamente 500 mil brasileiros deixaram o país rumo a o Paraguai, saídos principalmente do Paraná, onde eram pequenos agricultores. Fatores de Expulsão – processo de modernização da agricultura Fatores de Atração – proximidade física e baixo custo da terra Alguns brasileiros conseguiram se fixar no Paraguai e hoje dominam 80% da sua plantação de Soja, só que muitos tiveram problemas com fraudes (venda de lotes para mais de uma pessoa), isso acarretou em litígio por terras e expulsão de brasileiros.

102 Os Dekasseguis (1980/1990) Aproximadamente 150 mil brasileiros, descendentes de japoneses, foram para o Japão em busca de melhores condições de vida, chegando lá acabaram trabalhando em subempregos, com péssimas condições de trabalho, muitas vezes piores do que daqui.

103 Fluxo Para os Estados Unidos (1980) A década de 80 foi desastrosa do ponto de vista econômico para o Brasil, com isso aproximadamente 330 mil brasileiros entraram ilegalmente em solo americano, curiosamente a maioria era do município de Governador Valadares (MG) – a presença de parentes e amigos criam um laço de solidariedade que estimula novos deslocamentos

104

105

106

107 Migração Interna no Brasil:

108

109

110

111 Atualidade:

112 Migração Interna Estados:

113 OUTROS TEMAS:

114

115


Carregar ppt "GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO Por Thiago Vedova. 1 ) Elementos da dinâmica populacional: A grande importância do estudo da geografia populacional está relacionado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google