A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1902 Prémio Valmor Palácio Lima Mayer Construção de 1901, situada na Avenida da Liberdade fazendo esquina para a Rua do Salitre e da qual Adolfo de Lima.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1902 Prémio Valmor Palácio Lima Mayer Construção de 1901, situada na Avenida da Liberdade fazendo esquina para a Rua do Salitre e da qual Adolfo de Lima."— Transcrição da apresentação:

1

2 1902 Prémio Valmor Palácio Lima Mayer Construção de 1901, situada na Avenida da Liberdade fazendo esquina para a Rua do Salitre e da qual Adolfo de Lima Mayer era proprietário. O arquitecto foi Nicola Bigaglia (?-1908), italiano radicado em Portugal. Actualmente funcionam no edifício serviços da Embaixada de Espanha.

3 1903 Prémio Valmor Casa Ventura Terra Situado na Rua Alexandre Herculano, 57, Miguel Ventura Terra ( ) foi o arquitecto e proprietário. Edifício com decoração sóbria, vãos esguios com persianas articuladas de recolha lateral, elementos que o distinguiram dos edifícios da altura. Destaque ainda para o friso superior de azulejos pintados no estilo Arte Nova.

4 1904 Menção Honrosa Casa Lambertini Propriedade de Michelangelo Lambertini, localiza- se na Avenida da Liberdade, , tendo por arquitecto Nicola Bigaglia. Inspira-se na Renascença Veneziana, o estilo Lombardesco, com uma decoração em mosaicos, executados em Veneza, inspirada na Igreja de S. Marcos.

5 1904 Menção Honrosa Edifício de Habitação Edifício de habitação na Avenida da Liberdade ( ), que teve como arquitecto Jorge Pereira Leite e cujo proprietário era António José Gomes Netto. Apesar de ser um edifício premiado, a sua fachada encontra-se degradada. Mantém a função original.

6 1905 Prémio Valmor Casa Malhoa Localizada na Avenida 5 de Outubro, 6-8, o edifício serviu de habitação e também atelier ao pintor José Malhoa, seu proprietário, um projecto do arquitecto Manuel Norte Júnior ( ). Edifício no seu conjunto equilibrado, influenciado pelas linhas Arte Nova.

7 1906 Prémio Valmor Casa Viscondes de Valmor Propriedade da Viscondessa de Valmor, localizada na Avenida da República, 38, e com projecto de Miguel Ventura Terra. Edifício elegante e agradável, bem conservado, encontra-se revestido a pedra clara, possuindo também, um frontão central com painel de azulejo, decorado com motivos Arte Nova. Actualmente é a sede do Clube dos Empresários.

8 1907 Prémio Valmor Casa Empis Situado na Avenida Duque de Loulé, 77, propriedade de Ernesto Empis e arquitectura de António Couto de Abreu ( ) Edificado em estilo Francisco I, inspirado na Renascença Francesa, lembrava o castelo de Blois e a casa de Diana de Poitiers. Foi o primeiro edifício premiado com Valmor a ser demolido

9 1908 Prémio Valmor Edifício de gaveto, localiza-se na Avenida Almirante Reis, 2-2K, propriedade de Guilherme Augusto Coelho com projecto de Arnaldo R. Adães Bermudes ( ). De destacar a decoração em motivos Arte Nova, com elementos em ferro forjado e painéis de azulejo, e ainda a cúpula que remata o edifício.

10 1908 Menção Honrosa Atribuída a um prédio na Avenida da República, 36, propriedade de Henrique Pereira Barreiros e arquitectura de Manuel Norte Júnior. Foi demolido nos anos , dando lugar a um prédio de habitação

11 1909 Prémio Valmor Palacete Mendonça Situado na Avenida Marquês de Fronteira, 18-28, um projecto do arquitecto Miguel Ventura Terra para Henrique José Monteiro Mendonça. Edificado no alto do Parque Eduardo VII e um pouco recuado em relação à via pública possui uma fachada simérica e de expressão algo italianizante.

12 1909 Menção Honrosa Palacete Conde de Agrolongo Situado na Rua do Sacramento à Lapa, 34, do arquitecto Arnaldo R. Adães Bermudes e propriedade do Conde de Agrolongo encontra- se ainda em bom estado de conservação e destinado a habitação.

13 1910 Prémio Valmor Edifício situado na Av. Fontes Pereira de Melo, 30. O autor do projecto foi o Arqº Ernesto Korrodi ( ), Suíço naturalizado Português, e o edifício pertencia a António Macieira. Este edifício reflectia um certo gosto provinciano com a sua entrada abrindo para um estreito corredor lateral. Demolido em 1961 deu lugar ao edifício do Teatro Villaret.

14 1911 Prémio Valmor Situado no nº 25 da Rua Alexandre Herculano. O projecto é da autoria do Arqº Miguel Ventura Terra ( ) e o proprietário era António Tomás Quartim. Considerado um excelente modelo de arquitectura urbana, este edifício incorpora diversos materiais, demonstrando uma notória influência parisiense. Actualmente encontra-se em bom estado e funciona aqui uma Conservatória do Registo Civil.

15 1912 Prémio Valmor Villa Sousa Situada na Alameda das Linhas de Torres, 22, o projecto foi do arquitecto Manuel Norte Júnior ( ) e o proprietário era José Carreira de Sousa. A Villa Sousa possuía um grande jardim e destacava- se pela harmonia e elegância do seu torreão. Actualmente encontra-se arruinada ficando reduzida à fachada e algumas paredes.

16 1912 Menção Honrosa Moradia situada na Praça Duque de Saldanha, nº 12, com projecto de Manuel Norte Júnior e propriedade de Nuno de Oliveira. A moradia do Saldanha, tem três pisos e cantarias de pedra e contrasta com as fachadas envidraçadas que envolvem a praça, apresentando-se em bom estado de conservação.

17 1913 Prémio Valmor Edifício na Av. da República, 23 cujo proprietário era José dos Santos e arquitectura de Miguel Nogueira Júnior ( ). O edifício ostenta uma forte influência da Arte Nova e Neo- Romântica. Foi recentemente renovado servindo agora como sede a uma Instituição Bancária.

18 1913 Menção Honrosa Casa Pratt Situada na Av. António Augusto de Aguiar, nº 3 propriedade de Clementina Pratt e arquitectura de Miguel Ventura Terra. A moradia distinguida com a Menção Honrosa encontra-se bem conservada e é hoje a sede da Ordem dos Arquitectos.

19 1914 Prémio Valmor Situada na Av. Fontes Pereira de Melo, nº 28 pertencente a José Marques e cuja arquitectura se deve ao Arqº Manuel Norte Júnior. A escolha deste prémio impôs-se pela "originalidade e disposição engenhosa da fachada principal e pela exuberância da decoração". Bem conservada, funcionam aqui os Serviços Metropolitanos de Lisboa.

20 1914 Menção Honrosa Moradia unifamiliar situada na Rua Pascoal de Melo, nº 5-7. O seu autor foi o "condutor de obras públicas" António da Silva Júnior

21 1914 Menção Honrosa Moradia unifamiliar situada na Rua Cidade de Liverpool, 16 pertencente a José Simões de Sousa. O seu autor foi o "o "desenhador" Rafael Duarte de Melo.

22 1914 Menção Honrosa Moradia unifamiliar situada no Campo Grande, 382 pertencente a Artur Magalhães com Arquitectura de Álvaro Machado ( ). Nesta escolha o júri considerou que as "duas fachadas de estilização portuguesa recomendam-se". Actualmente é o Museu Rafael Bordalo Pinheiro.

23 1915 Prémio Valmor Edifício em altura que se situa na Av. da Liberdade, nºs O autor do projecto foi o Arqº Manuel Norte Júnior e o edifício pertencia a Domingos da Silva. Trata-se de um edifício com uma implantação pouco usual com frente para duas ruas paralelas, tendo o júri salientado que a "importante composição e opulência decorativa engrandecem aquela nossa primeira promenade".

24 1916 Prémio Valmor Edifício de habitação na Rua Tomás Ribeiro, nºs pertencente a Rita de Matos e Dias com projecto do Arqº Miguel Nogueira Júnior. É um prédio de rendimento destinado a habitação, com lojas no piso térreo, tendo sido reconhecido mérito à "dificuldade do gaveto" e manifestando-se agrado pelo "feliz remate decorativo”.".

25 1917 Prémio Valmor Edifício de habitação composto por cinco pisos, na Rua Viriato, nº 5 que pertencia a António Macieira Júnior e cuja arquitectura se deve a Ernesto Korrodi. Apesar de o júri ter hesitado, referindo que "parte dos materiais empregados na fachada (...) estão mascarados com argamassa, do qual resulta não se conhecer logicamente a função da parte estrutural da obra", considerou que este seria um "belo edifício (...) quanto à composição da fachada, como (...) da planta (...) com detalhes felizes".

26 1919 Prémio Valmor Moradia unifamiliar situada na Av. Duque de Loulé, nº 47 que pertencia a Alfredo May de Oliveira com projecto do Arqº Álvaro Machado. Esta moradia possuía três pisos de linhas sóbrias e era uma obra de estrutura essencialmente urbana. Demolida em 1961 deu lugar a um edifício com sete andares e lojas.

27 1921 Prémio Valmor Restauro de um palacete do sec. XVII Restauro de um palacete setecentista na R. Cova da Moura, nº 1 projectado por Tertuliano Marques ( ) e pertencente a João Ulrich. Até à data tinha sido o único caso de atribuição do prémio a um restauro, considerado significativo “por se desenvolver dentro de uma arquitectura tradicionalista portuguesa das mais belas”. Apesar de ainda existir, foi profundamente modificado e acrescentado em 1950 e adaptado para ali funcionar uma dependência do Ministério da Defesa.

28 1923 Prémio Valmor Edifício de habitação situado na Av. da República, 49 com projecto da autoria de um dos arquitectos da nova geração, Pardal Monteiro ( ), sendo Luís Rau o seu proprietário. Resistindo à renovação da Avenida este edifício surge apertado entre dois caixotes que o diminuem. Com a fachada recentemente pintada de amarelo, funciona ali um externato e as lojas estão ocupadas.

29 1927 Prémio Valmor Pensão Tivoli Situada na Av. da Liberdade, nºs , pertencente a José de Sousa Brás, devendo a sua arquitectura a Manuel Norte Júnior. Este edifício é marcadamente urbano, tem a frente muito reduzida onde é ocupada toda a profundidade do terreno e completamente abolido qualquer espaço livre. Esta obra foi alterada logo em Sendo ampliada a Pensão deu lugar ao Hotel Lis que foi demolido em 1980 à excepção da fachada. Esta esteve amparada por uma cintura de ferro e depois foi integrada no Tivoli Fórum.

30 1928 Prémio Valmor Palacete Vale Flor Situado na Calçada de Stº Amaro, 83-85, projectado pelo Arqº Pardal Monteiro sendo a Sociedade Agrícola Vale Flor sua proprietária. Era uma habitação isolada de estrutura ainda bastante clássica. O júri recomendou a moradia com jardim como um “modelo de um género de construções que muito conviria desenvolver nas encostas de Lisboa, para interromper com manchas de verdura a monotonia do casario banal e para multiplicar os terraços. Foi demolido em 1953.

31 1929 Prémio Valmor Palácio Lima Mayer Moradia unifamiliar pertencente a Félix Lopes e cujo projectista foi Pardal Monteiro. Esta moradia situa-se na Av. 5 de Outubro, nºs e utilizava uma linguagem de formas art deco e foi considerado “um belo exemplar da arquitectura moderna, impondo- se pelo equilíbrio das suas proporções, pela harmonia da sua decoração”.

32 1930 Prémio Valmor Moradia na Rua Castilho, 64-66, um projecto do arquitecto Raul Lino da Silva ( ) para Sacadura Cabral, que não viria a ocupá-la, tendo sido vendida nesse mesmo ano a Manuel Duarte. Esta moradia reflectia as preocupações do arquitecto com a temática da «casa portuguesa», sobre a qual se debruçou durante vários anos, traduzidos nas formas arquitectónicas portuguesas tradicionais, com jardim circundante e o uso de elementos característicos como o alpendre, os beirais, as cantarias e o azulejo. Demolida em 1982, as cantarias, colunas e portões foram posteriormente utilizados na construção do Pátio Alfacinha.

33 1930 Menção Honrosa Edifício de habitação na Avenida da República, 54, com projecto de Porfírio Pardal Monteiro ( ) para Isidoro Sampaio de Oliveira. Edifício de características modernistas, foi demolido em 1962, dando lugar a um edifício de escritórios.

34 1931 Prémio Valmor Edifício situado na Rua de Infantaria 16, 92-94, da autoria dos arquitectos Miguel Simões Jacobetty Rosa ( ) e António Maria Veloso dos Reis Camelo ( ) para o pintor Manuel Roque Gameiro. Construção modernista, que não reuniu a unanimidade do júri, sofreu alterações na sua estrutura em 1957, com o acréscimo de dois pisos, que tornaram o edifício premiado irreconhecível.

35 1938 Prémio Valmor Igreja de Nossa Senhora de Fátima Situada no cruzamento das avenidas Marquês de Tomar e Berna, um projecto do arquitecto Porfírio Pardal Monteiro para a Arquiconfraria do Sant. Sacramento de S. Julião. Única igreja modernista de Lisboa e um dos mais interessantes edifícios deste tipo, causou polémica quando inaugurada. Construída em betão armado e com uma nave central com arcos ogivais, conta com a participação de vários artistas plásticos, entre os quais Almada Negreiros (vitrais), Francisco Franco e Leopoldo de Almeida

36 1939 Prémio Valmor Moradia na Avenida Columbano Bordalo Pinheiro, 52, um projecto dos arquitectos Carlos ( ) e Guilherme Rebelo de Andrade ( ) para Bernardo Nunes da Maia. Construção sóbria e algo pesada, com decoração de inspiração tradicional, é um dos primeiros trabalhos no qual os irmãos Rebelo de Andrade ensaiam o estilo “D. João V”, presente em muitos edifícios por eles projectados depois.

37 1940 Prémio Valmor Edifício do Diário de Notícias Situado na Avenida da Liberdade, 266, um projecto do arquitecto Porfírio Pardal Monteiro para a Empresa Nacional de Publicidade. Edifício enquadrado na estética modernista, concebido para alojar as instalações industriais do jornal, destacam-se na fachada para a avenida elementos características da linguagem moderna como a iluminação fluorescente e no uso de elementos gráficos na fachada, que contém uma torre facetada encimada por um farol (que se acende à noite no edifício).

38 1942 Prémio Valmor Edifício localizado na Rua da Imprensa, 25 com projecto do arquitecto António Maria Veloso dos Reis Camelo para Acácio e Vieira, Lda. Edifício de expressão modernista é interessante pela volumetria das fachadas lateral e posterior. Destina-se ainda a habitação.

39 1943 Prémio Valmor O edifício de habitação premiado em 1943 é bastante representativo do chamado estilo “Estado Novo”. Neste período vão premiar- se obras que primem pelo tradicionalismo, não se esperando quaisquer inovações nas obras submetidas a avaliação pelo júri. Assim, a obra premiada neste ano, um edifício de habitação situado na Avenida Sidónio Pais, 6, com projecto dos arquitectos Raul Rodrigues Lima e Fernando Silva ( ) para António Cardoso Ferreira, cumpre o pretendido.

40 1943 Prémio Municipal É também neste ano, 1943, que pela primeira vez é entregue o Prémio Municipal de Arquitectura. Premiou-se nesse ano um edifício de habitação situado na Avenida António Augusto de Aguiar, 9, com projecto do arquitecto Miguel Simões Jacobetty Rosa, cujo proprietário era Adriano da Costa Carvalho.

41 1944 Prémio Valmor Prémio Municipal Moradia situada na Avenida Pedro Álvares Cabral, 67 cujo autor e proprietário era o arquitecto Luís Ribeiro C. Cristina da Silva ( ). Com uma volumetria densa e pesada e simplicidade decorativa, mantém a função original.

42 1945 Prémio Valmor Edifício localizado na Avenida Sidónio Pais, 14, propriedade de Ferreira & Filho, Lda., com projecto de arquitectura de António Maria V. dos Reis Camelo. Construído no estilo “Estado Novo”, tem um aspecto sólido e algo monótono, com uma fachada em duas cores. O torreão de entrada do edifício eleva-se mais um piso que o restante edifício, sendo rematado por pináculos e telhado com grande inclinação.

43 1945 Prémio Municipal Edifício situado na Praça Duque de Saldanha, 31, um projecto do arquitecto João Simões (1908- ?) para José Alexandre Matos, enquadrado dentro do estilo da época. Mantém a função original.

44 1946 Prémio Valmor Edifício situado na Avenida Casal Ribeiro, 12, propriedade de Fortunato Cardoso Nunes e Saúl Saragga com projecto do arquitecto Fernando Silva. Ao contrário dos premiados nos anos anteriores, o júri optou por um edifício modernista.

45 1946 Prémio Municipal Moradia situada na Rua D. Francisco de Almeida, 9, propriedade de Maud Santos Mendonça e projecto de arquitectura de Carlos João Chambers Ramos ( ). Actualmente funciona aqui a Embaixada da Argélia.

46 1947 Prémio Valmor Moradia situada na Rua S. Francisco Xavier, 8, que o arquitecto Jorge de Almeida Segurado ( ) projectou para si próprio. Construção elegante de um piso e rodeada de jardim, sofreu alterações na sua estrutura em Actualmente funciona aqui a Embaixada da Tailândia.

47 1947 Prémio Municipal Premiado com o Prémio Municipal de Arquitectura em 1947 enquadra-se na estética do chamado “Português Suave”, apresentando características da arquitectura residencial do Estado Novo. Situado na Avenida Sidónio Pais, 16, com projecto de arquitectura de Porfírio Pardal Monteiro para Sousa e Campos, Lda. é semelhante a um edifício da mesma rua premiado com Valmor em 1945, mantendo a sua função original.

48 1949 Prémio Valmor Edifício de habitação com o piso térreo ocupado por estabelecimento comercial, situado na Rua Artilharia Um, 105, um projecto do arquitecto João Simões para a Companhia de Seguros Sagres. Modelo de referências da arquitectura do Estado Novo, cruzando modelos do século XVIII com a arquitectura tradicional portuguesa. Mantém a função original.

49 1949 Prémio Municipal Edifício habitacional situado no Largo de Andaluz, 15, um projecto dos arquitectos José Lima Franco e Dário Silva Vieira para o promotor Manuel José Vieira. Mantém a função original.

50 1950 Prémio Valmor Moradia do Restelo, de Joaquim Cantante Mota, situada na R. Duarte Pacheco Pereira, nº37 (encosta da Ajuda) na freguesia de St.ª Maria de Belém. Projectada pelo Arq. Alberto José Pessoa, esta moradia afirma-se como o primeiro exemplo de uma composição manifestamente moderna, como bem merecedora de distinção de prémio. Caracterizada por dimensões modestas é ocultada pelas sebes e arbustos e sem qualquer identificação que a faça sobressair das outras moradias, passa despercebida.

51 1950 Prémio Municipal Cinema São Jorge Cinema São Jorge, situado na Av. da Liberdade, 175. Sendo uma encomenda da Sociedade Anglo- Portuguesa de Cinemas, o S. Jorge, projectado pelo Arq. Fernando Silva, é considerado uma novidade na arquitectura centralde Lisboa. A opção por obras modernas teve continuidade neste período, que foi igualmente marcado por uma irregularidade de prémios atribuídos e por uma clara oposição “ideológica” entre os do antigo regime e os das obras «politicamente» diversas.

52 1951 Prémio Municipal A moradia situada na Avenida Vasco da Gama, nº2 na freguesia St.ª Maria de Belém, do arquitecto Francisco Caetano Keil do Amaral ( ), traduz uma nova tendência expressa na arquitectura e urbanismo e manifesta particularidades próprias do cliente António de Souza Pinto, presentes na disposição do espaço e na decomposição da multidimensionalidade dos elementos das fachadas. Sem dúvida funcionalista,apresenta volumetria geral menos rígida.

53 1952 Prémio Valmor Prédio de habitação projectado pelos Arqts. Fernando Silva e o Arq. João Faria da Costa, situado Av. do Restelo, nº 23 – 23A. Esta obra teve como promotor Américo Serpa e Melo Queiroz

54 1954 Prémio Municipal Os edifícios de habitação do chamado Bairro das Estacas situam-se na Rua Bulhão Pato, nº 2-14 na freguesia de Alvalade. Esta encomenda, feita pela Câmara Municipal de Lisboa aos arquitectos Ruy Jervis Athouguia (1917-) e Sebastião Pedro Leal Formosinho Sanches (1922-) incidiu na alteração de dois quarteirões. Os blocos assentes sobre “pilotis” permitiram a criação de uma extensa superfície verde, que qualificou uma pequena parte da cidade, onde a separação de percursos é constante. Cada habitação, em “duplex” ou não, tem acesso a uma espaçosa varanda que recebe sol nascente ou Poente.

55 1956 Prémio Municipal Conjunto de prédios situados na Av. Infante Santo, nº 70 (Bloco nº2) pertencentes à freguesia da Lapa. Este conjunto foi desenvolvido pelos arquitectos; Alberto José Pessoa, Hernâni Guimarães Gandra ( ) e João Abel Carneiro de Moura Manta. Os edifícios surgem, mais uma vez, perpendiculares ao eixo da via, contrariando o desenho tradicional proposto no plano.

56 1957 Prémio Municipal Conjunto habitacional da Av. da Estados Unidos da América, nº A na freguesia S. João de Brito. Neste projecto os arquitectos Manuel Maria Cristóvão Laginha ( ), Pedro Anselmo Freire Braancamp Cid ( ) e João de Barros Vasconcelos Esteves (1924-) encontravam- se a desenvolver os princípios da cidade em movimento. A longa série de blocos perpendiculares ao eixo da via e assentes sobre pilotis, permitiu a continuidade das plataformas ajardinadas e dos percursos pedonais.

57 1958 Prémio Valmor Edifício dos Laboratórios Pasteur Edifício situado na Av. Marechal Gomes de Costa, sendo o proprietário Virgílio Leitão. Um projecto de Carlos Manuel Oliveira Ramos, considerado um dos pioneiros da arquitectura Moderna em Portugal. Este integra-se perfeitamente dentro dos cânones da arquitectura internacional, possui formas geométricas simples, implantação liberta do alinhamento da rua (característica rara), que divulga a implantação subordinada a melhor orientação.

58 1962 Prémio Valmor Moradia promovida por Ernesto da Silva Brito, situado na R. Almirante António Saldanha, nº 44 (Restelo). Nesta pequena moradia verifica-se que o arquitecto ao usufruir do declive apresentado pelo terreno proporciona espaços com certa intimidade, revelando uma elaboração cuidada com os pormenores e com a escolha dos materiais, que reflectem a coerência e a economia dos meios manifestados

59 1967 Prémio Valmor Edifício de habitação projectado pelo Arq. Nuno Teotónio Pereira e do Arq. António Pinto Freitas, situado na Rua General Silva Freire, nº 55 – 55 A (Olivais Norte)

60 1970 Prémio Valmor A década de setenta teve início com a atribuição de um Prémio Valmor situado no cruzamento entre a Avenida dos Estados Unidos da América n.º 53-53G e a Rua Coronel Bento Roma n.º 12A-12E. Relativamente à escolha deste prémio muito se tem especulado, ao referir-se que a sua atribuição se destinou mais a prestar homenagem à carreira do arquitecto autor, Leonardo Rey Colaço de Castro Freire, que pouco tempo depois faleceria, e não tanto a premiar especificamente a obra.

61


Carregar ppt "1902 Prémio Valmor Palácio Lima Mayer Construção de 1901, situada na Avenida da Liberdade fazendo esquina para a Rua do Salitre e da qual Adolfo de Lima."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google