A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

111 1 ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL Octavio de Barros.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "111 1 ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL Octavio de Barros."— Transcrição da apresentação:

1 111 1 ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL Octavio de Barros Diretor Estatutário e Economista-Chefe do Bradesco APRESENTAÇÃO IBEF-DF Brasília, 7 de agosto de 2014

2 222 2 Octavio de Barros Economista-chefe 4968.octavio@bradesco.com.br WWW.ECONOMIAEMDIA.COM.BR O DEPEC – BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações e projeções. Todos os dados ou opiniões dos informativos aqui presentes são rigorosamente apurados e elaborados por profissionais plenamente qualificados, mas não devem ser tomados, em nenhuma hipótese, como base, balizamento, guia ou norma para qualquer documento, avaliações, julgamentos ou tomadas de decisões, sejam de natureza formal ou informal. Desse modo, ressaltamos que todas as consequências ou responsabilidades pelo uso de quaisquer dados ou análises desta publicação são assumidas exclusivamente pelo usuário, eximindo o BRADESCO de todas as ações decorrentes do uso deste material. Lembramos ainda que o acesso a essas informações implica a total aceitação deste termo de responsabilidade e uso. A reprodução total ou parcial desta publicação é expressamente proibida, exceto com a autorização do Banco BRADESCO ou a citação por completo da fonte (nomes dos autores, da publicação e do Banco BRADESCO). APRESENTAÇÃO PREPARADA COM INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS ATÉ DIA 31 DE JULHO DE 2014

3 333 “O otimista é um tolo. O pessimista, um chato. Bom mesmo é ser um realista esperançoso.” Ariano Suassuna

4 444 4 “OTIMISMO E PESSIMISMO NÃO SÃO CATEGORIAS BOAS DE ANÁLISE OU DE PENSAMENTO” Giorgio Agambem

5 555 5 “Previsões geralmente nos dizem mais sobre quem fez a previsão do que da previsão em si” Warren Buffet

6 666 “ECONOMISTA ADORA ACHAR QUE TRANSCENDE A NECESSIDADE DE SABER DO QUE ESTÁ FALANDO” Thomás de Barros, economista, meu filho

7 777 ATUALIZANDO A AVALIAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS SOBRE A COPA E OS JOGOS OLÍMPICOS

8 888 SEM CONSIDERAR NADA DO QUE ACONTECEU DENTRO DO CAMPO COM A SELEÇÃO BRASILEIRA. OU SEJA, SEM CONSIDERAR O TRAUMA DAS DERROTAS E OS ASPECTOS MERAMENTE FUTEBOLÍSTICOS, QUAL A SUA OPINIÃO SOBRE O EVENTO COPA DO MUNDO NO BRASIL? FONTE: BRADESCO ELABORAÇÃO: BRADESCO 69,2% 12,1%

9 999 ENCERRADA A COPA, VOCÊ CONSIDERA QUE A COPA NO BRASIL ORGANIZACIONALMENTE FONTE: BRADESCO ELABORAÇÃO: BRADESCO 68,3% 3,9%

10 101010 1010 COM BASE NAQUILO QUE VOCÊ OBSERVOU NA COPA DO MUNDO NO BRASIL, O QUE VOCÊ ACHA QUE OCORRERÁ NOS JOGOS OLÍMPICOS DE 2016 ? FONTE: BRADESCO ELABORAÇÃO: BRADESCO 68,1% 4,4%

11 1111 NO GERAL, QUAL A SUA OPINIÃO SOBRE O LEGADO DE MÉDIO E LONGO PRAZO PARA O BRASIL DOS EVENTOS ESPORTIVOS (COPA E OLIMPÍADAS)? FONTE: BRADESCO ELABORAÇÃO: BRADESCO 55,3% 9,1%

12 121212 1212 MUNDO AINDA COM CRESCIMENTO ACANHADO

13 131313 1313 COMÉRCIO MUNDIAL SEGUE TREMENDAMENTE FRACO: ESTA É UMA RECUPERAÇÃO SEM COMÉRCIO (TRADELESS RECOVERY)

14 141414 1414 CRESCIMENTO ACUMULADO EM 12 MESES DAS EXPORTAÇÕES – MUNDO – ÚLTIMO DADO DISPONÍVEL EM US$ FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

15 151515 1515 CRESCIMENTO ACUMULADO EM 12 MESES DAS EXPORTAÇÕES – CHINA – ÚLTIMO DADO DISPONÍVEL EM US$ FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

16 161616 1616 CRESCIMENTO ACUMULADO EM 12 MESES DAS EXPORTAÇÕES – ALEMANHA – ÚLTIMO DADO DISPONÍVEL EM US$ FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

17 171717 1717 REVISÕES FMI: NA GRANDE MAIORIA, CRESCIMENTO PARA BAIXO

18 181818 1818 FMI: PROJEÇÕES DE CRESCIMENTO DO PIB – ECONOMIA MUNDIAL FONTE: FMI ELABORAÇÃO: BRADESCO

19 191919 1919 FMI: PROJEÇÕES DE CRESCIMENTO DO PIB – EUA FONTE: FMI ELABORAÇÃO: BRADESCO

20 202020 2020 FMI: PROJEÇÕES DE CRESCIMENTO DO PIB – ÁREA DO EURO FONTE: FMI ELABORAÇÃO: BRADESCO

21 212121 2121 FMI: PROJEÇÕES DE CRESCIMENTO DO PIB – MÉXICO FONTE: FMI ELABORAÇÃO: BRADESCO

22 2222 FMI: PROJEÇÕES DE CRESCIMENTO DO PIB – ÁFRICA DO SUL FONTE: FMI ELABORAÇÃO: BRADESCO

23 232323 2323 FMI: PROJEÇÕES DE CRESCIMENTO DO PIB – RÚSSIA FONTE: FMI ELABORAÇÃO: BRADESCO

24 242424 2424 FMI: PROJEÇÕES DE CRESCIMENTO DO PIB – BRASIL FONTE: FMI ELABORAÇÃO: BRADESCO

25 252525 2525 CHINA RESISTE HEROICAMENTE COMO PODE, MAS SUA DESACELERAÇÃO É INEVITÁVEL

26 262626 2626 CHINA: PIB - VARIAÇÃO ANUAL FONTE: CEIC ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

27 272727 2727 FMI: PROJEÇÕES DE CRESCIMENTO DO PIB – CHINA FONTE: FMI ELABORAÇÃO: BRADESCO

28 282828 2828 CRESCIMENTO ACUMULADO EM 12 MESES DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL MUNDIAL EX-CHINA (1992 – 2013) FONTE: FMI, IBGE, BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

29 292929 2929 CRESCIMENTO ACUMULADO EM 12 MESES DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL MUNDIAL EX-CHINA E EUA (1992 – 2013) FONTE: FMI, IBGE, BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

30 303030 3030 VISÃO POSITIVA SOBRE ESTADOS UNIDOS ESBARRA EM CRESCIMENTO GLOBAL MUITO FRACO

31 313131 3131 TAXAS DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO 2011- 2014 Em % FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

32 323232 3232 CONFLITOS GEOPOLÍTICOS GLOBAIS PODEM POSTERGAR ABERTURA RELEVANTE DE TREASURIES EM 2015. JUROS LONGOS PARA BAIXO NA EUROPA IMPEDEM DESCOLAMENTO DE TREASURIES NOS EUA

33 3333 TAXAS DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO E DA ALEMANHA 2011-2014 FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO EM %

34 343434 3434 TAXA DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO E DO TESOURO ESPANHOL 2006- 2013 FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

35 353535 3535 S&P500: EVOLUÇÃO DA MÉDIA MÓVEL DE 90 DIAS DO VALOR DE MERCADO EM % DO PIB (2005 – 2014) FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

36 363636 3636 TESE DO DECOUPLING TOTAL DOS ESTADOS UNIDOS AQUILO QUE ACONTECE NO RESTO MUNDO NÃO DEVERIA SER FACILMENTE ACEITA PLENA VIGÊNCIA DE UMA NOVA RODADA DE QUANTITATIVE EASING NA EUROPA E NO JAPÃO, SEM CONTAR A CHINA EM INEQUÍVOCA MUDANÇA DE PATAMAR DE CRESCIMENTO E COMÉRCIO MUNDIAL SOFRÍVEL

37 373737 3737 NÃO SE FAZEM BANCOS CENTRAIS COMO ANTIGAMENTE NA GESTÃO DO BALANÇO DE RISCOS OS BANCOS CENTRAIS NA FASE ATUAL DO LONGO RESCALDO PÓS-CRISE DÃO PRIORIDADE ABSOLUTA À RETOMADA CONSISTENTE DA ATIVIDADE

38 383838 3838 MAS EM ALGUM MOMENTO CHEGARÁ A “HORA DA VERDADE” DA NORMALIZAÇÃO MONETÁRIA NOS ESTADOS UNIDOS

39 393939 3939 QUANDO OCORRERÁ O PRIMEIRO AUMENTO? JULHO DE 2015? FIM DE 2015? INÍCIO 2016?

40 404040 4040 DEBATE RELEVANTE CONTUARÁ A SER O PATAMAR DE JURO NEUTRO NOS ESTADOS UNIDOS: OS 2% DO BILL GROS DA PIMCO OU OS 4% DO PASSADO?

41 414141 4141 A QUESTÃO RELEVANTE É RELATIVA AO TEMPO DISPONÍVEL PARA SE PREPARAR PARA A “HORA DA VERDADE”. ELA VIRÁ CERTAMENTE NO CICLO DE AUMENTO DE JUROS NOS ESTADOS UNIDOS, MAS ACREDITAMOS QUE SEU IMPACTO EFETIVO SOBRE EMERGENTES PODERÁ FICAR PARA 2016

42 424242 4242 ISTO SIGNIFICA QUE PAÍSES COMO O BRASIL QUE INICIARÃO UM CICLO NOVO DE GOVERNO TERÃO NO SEU PRIMEIRO ANO TEMPO E A POSSIBILIDADE DE FAZER OS AJUSTES ADAPTATIVOS À ESSA NOVA REALIDADE QUE VIRÁ COM A NORMALIZAÇÃO MONETÁRIA NOS ESTADOS UNIDOS

43 434343 4343 ATIVIDADE BRASIL

44 4444 ESTAMOS DIANTE DE UMA SEDUTORA TENTAÇÃO DE POLITIZAÇÃO DO DEBATE MACROECONÔMICO

45 454545 4545 O PADRÃO DE INCERTEZA NO BRASIL MUDOU SENSIVELMENTE AO LONGO DOS ANOS.

46 464646 4646 DUAS SEMANAS DEPOIS DAS ELEIÇÕES, NÃO LEMBRAREMOS SEQUER QUE HOUVE ELEIÇÕES, RISCOS REAIS ESTÃO SOBRESTIMADOS E TUDO VOLTA A MAIS ABSOLUTA NORMALIDADE

47 474747 4747 É GRAVE O FATO DE QUE HÁ MUITA GENTE JOGANDO O BRASIL NO LIXO COMO SE FOSSE O PIOR PAÍS DO MUNDO.

48 484848 4848 2015 TENDE A SER SEMELHANTE A 2003: UM PRIMEIRO SEMESTRE DE AJUSTES E REFORMAS E UM SEGUNDO SEMESTRE DE RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA

49 494949 4949 “CONFIANÇA É A FORMA MAIS BARATA DE ESTÍMULO ECONÔMICO” LARRY SUMMERS For Brazil, it's not the end of the world

50 505050 5050 O BAIXO DESEMPREGO NO BRASIL EXPLICA-SE ESSENCIALMENTE POR QUESTÕES DEMOGRÁFICAS OFERTA DE MÃO DE OBRA CRESCE MUITO LENTAMENTE TREINAMENTO E RETENÇÃO “CRESCIMENTO ECONÔMICO NÃO É PARA AMADORES” AS AÇÕES POSITIVAS FAVORECEM MAS JAMAIS DETERMINAM O CRESCIMENTO. ALÉM DISSO, TEM EFEITOS DEFASADOS NO PIB (VIDE MÉXICO)

51 515151 5151 PIB ANUAL: 2000-2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

52 525252 5252 DEMANDA

53 535353 5353 CRESCIMENTO DO PIB: CONSUMO – 2000-2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

54 545454 5454 CRESCIMENTO DO PIB: INVESTIMENTO – 2000-2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

55 5555 CRESCIMENTO DO PIB: CONSUMO DO GOVERNO – 2000-2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

56 565656 5656 VENDAS NO VAREJO RESTRITO: 2001-2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

57 575757 5757 VENDAS NO VAREJO AMPLIADO: 2004-2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

58 585858 5858 RENDA REAL – 2004-2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

59 595959 5959 REAJUSTE REAL DO SALÁRIO MÍNIMO FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

60 606060 6060 REAJUSTE NOMINAL DO SALÁRIO MÍNIMO FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

61 616161 6161 MASSA SALARIAL REAL – 2004-2014 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO

62 626262 6262 MASSA SALARIAL NOMINAL – 2004-2014 FONTE: IBGE, MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ELABORAÇÃO: BRADESCO

63 636363 6363 DESEMPREGO

64 646464 6464 TAXA DE DESEMPREGO (MÉDIA) – 2004-2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

65 656565 6565 GERAÇÃO LÍQUIDA DE EMPREGO FORMAL ACUMULADA NO ANO - CONSIDERANDO INFORMAÇÕES ENVIADAS DENTRO E FORA DO PRAZO EM MIL POSTOS DE TRABALHO FONTE: MTE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

66 6666 MÉDIA MÓVEL 3 MESES DA GERAÇÃO LÍQUIDA DE EMPREGO FORMAL - DADOS DESSAZONALIZADOS Em postos de trabalho FONTE: MTE ELABORAÇÃO: BRADESCO

67 676767 6767 OFERTA

68 686868 6868 CRESCIMENTO DO PIB: AGRO – 2000-2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

69 696969 6969 CRESCIMENTO DO PIB: SERVIÇOS – 2000-2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

70 707070 7070 CRESCIMENTO DO PIB: INDÚSTRIA – 2000-2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

71 717171 7171 PRODUÇÃO INDUSTRIAL: 2003-2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

72 727272 7272 INDÚSTRIA BRASILEIRA SOFRE COM BAIXA DEMANDA EXTERNA E COM CRISE ARGENTINA

73 737373 7373 BNDES: CONSULTAS DESPENCAM

74 747474 7474 FONTE: BNDES ELABORAÇÃO: BRADESCO EVOLUÇÃO DAS CONSULTAS MENSAIS DO BNDES – EM R$ BILHÕES

75 757575 7575 FONTE: BNDES ELABORAÇÃO: BRADESCO CONSULTAS DO BNDES (ACUMULADO EM 12 MESES) – EM R$ BI

76 767676 7676 FONTE: BNDES ELABORAÇÃO: BRADESCO VARIAÇÃO DAS CONSULTAS MENSAIS DO BNDES – ACUMULADO EM 12 MESES

77 7777 CRESCIMENTO EM DOZE MESES DA CARTEIRA DO BNDES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO

78 787878 7878 CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO INDUSTRIAL - CNI

79 797979 7979 ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO INDUSTRIAL (ICEI) DADOS NÃO DESSAZONALIZADOS (*) FONTE: CNI ELABORAÇÃO: BRADESCO (*) A série era trimestral até o final de 2009, quando se tornou mensal.

80 808080 8080 CONDIÇÕES NEGÓCIOS PRÓXIMOS 6 MESES

81 818181 8181 PERCENTUAL DE EMPRESAS QUE ESTÃO OTIMISTAS COM AS CONDIÇOES DO SEU NEGÓCIO PARA OS PRÓXIMOS 6 MESES – 2007-2014 FONTE: MBI - PESQUISA PROPRIETÁRIA BRADESCO ELABORAÇÃO: BRADESCO

82 828282 8282 PERCENTUAL DE EMPRESAS QUE ESTÃO PESSIMISTAS COM AS CONDIÇOES DO SEU NEGÓCIO PARA OS PRÓXIMOS 6 MESES – 2005-2014 FONTE: MBI - PESQUISA PROPRIETÁRIA BRADESCO ELABORAÇÃO: BRADESCO

83 838383 8383 CONFIANÇA DO CONSUMIDOR FGV

84 848484 8484 ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR (ICC) (DADOS DESSAZONALIZADOS) FONTE: FGV ELABORAÇÃO: BRADESCO

85 858585 8585 BRASIL RODA A DIFERENTES VELOCIDADES

86 868686 8686 FONTE: EPE ELABORAÇÃO: BRADESCO VARIAÇÃO EM 12 MESES DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA POR SEGMENTO – JUN/14 %

87 878787 8787 VARIAÇÃO EM 12 MESES DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA POR REGIÃO – JUN/14 % FONTE: EPE ELABORAÇÃO: BRADESCO

88 8888 ATIVIDADE ECONÔMICA – IBC-REGIONAL – VARIAÇÃO ACUMULADA EM DOZE MESES ATÉ ABR/2014 FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO

89 898989 8989 FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO ATIVIDADE ECONÔMICA – IBC-REGIONAL – VARIAÇÃO ACUMULADA NO ANO ATÉ ABR/14

90 909090 9090 INFLAÇÃO LEVEMENTE REVISADA PARA BAIXO

91 919191 9191 NO MOMENTO ATUAL, A INFLAÇÃO REAGE MUITO MAIS AO EMPREGO DO QUE À ATIVIDADE

92 929292 9292 IPCA ANUAL 2002-2016 (NOVA AGREGAÇÃO E NOVA POF) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

93 939393 9393 IPCA MENSAL ORIGINAL 2013-2014 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

94 949494 9494 FONTE: IBGE E BC ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO ADMINISTRADOS ANUAL 2005-2016 (NOVA AGREGAÇÃO E NOVA POF)

95 959595 9595 DURÁVEIS ANUAL – 2002-2016 FONTE: IBGE E BC ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

96 969696 9696 SERVIÇOS ANUAL – 2002-2016 FONTE: IBGE E BC ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

97 979797 9797 ALIMENTAÇÃO ANUAL – 2005-2016 FONTE: IBGE E BC ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

98 989898 9898 VARIAÇÃO ANUAL DE ENERGIA ELÉTRICA NO IPCA (2000-2016) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

99 9999 EVOLUÇÃO GASOLINA NO IPCA (2003 – 2015*)

100 10 0 100100 100100 EVOLUÇÃO ÔNIBUS URBANO NO IPCA (2003 – 2015*)

101 10 1 101101 101101 EVOLUÇÃO DA TAXA DE ÁGUA E ESGOTO NO IPCA (2003 – 2015*)

102 10 2 102102 102102 VARIAÇÃO ANUAL DO IGP-M (2000-2016) FONTE: FGV ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

103 10 3 103103 103103 CENÁRIO DE TAXA DE JUROS

104 10 4 104104 104104 TAXA NOMINAL DE JUROS (SELIC) 2008-2015 (60% DE PROBABILIDADE) FONTE: BCB ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

105 10 5 105105 105105 TAXA REAL DE JUROS (TAXA SELIC DEFLACIONADA PELA EXPECTATIVA DE IPCA 12 M) 2011-2014 FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

106 10 6 106106 106106 TAXA REAL DE JUROS (SWAP PRE-DI 360 DIAS DEFLACIONADO PELA EXPECTATIVA DE IPCA 12 M) 2011-2014 FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

107 10 7 107107 107107 CDS 5 ANOS DE PAÍSES – 06/08/14 FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

108 10 8 108108 108108 CDS 5 ANOS – BRASIL E MÉXICO FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

109 10 9 109109 109109 CDS 5 ANOS – DIFERENCIAL BRASIL E MÉXICO FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

110 11 0 110110 110110 SUPERÁVIT PRIMÁRIO EM % DO PIB FONTE: BCB ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

111 11 1 111111 111111 LIMITES DO FISCAL

112 11 2 112112 112112 PROPORÇÃO DE DESPESAS DO GOVERNO CENTRAL EM 2014 FONTE: STN

113 11 3 113113 113113 GASTOS PREVIDENCIÁRIOS COMO PROPORÇÃO DOS GASTOS TOTAIS DO GOVERNO CENTRAL FONTE: STN

114 11 4 114114 114114 GASTOS PREVIDENCIÁRIOS COMO PROPORÇÃO DO PIB FONTE: STN

115 11 5 115115 115115 FOLHA DE PAGTO COMO PROPORÇÃO DOS GASTOS TOTAIS DO GOVERNO CENTRAL FONTE: STN

116 11 6 116116 116116 FOLHA DE PAGTO COMO PROPORÇÃO DO PIB FONTE: STN

117 11 7 117117 117117 CUSTEIO E CAPITAL COMO PROPORÇÃO DOS GASTOS TOTAIS DO GOVERNO CENTRAL FONTE: STN

118 11 8 118118 118118 CUSTEIO E CAPITAL COMO PROPORÇÃO DO PIB FONTE: STN

119 11 9 119119 119119 OUTROS GASTOS DE CUSTEIO COMO PROPORÇÃO DOS GASTOS TOTAIS FONTE: STN

120 12 0 120120 120120 OUTROS GASTOS DE CUSTEIO COMO PROPORÇÃO DO PIB FONTE: STN

121 12 1 121121 121121 OUTROS GASTOS DE CAPITAL COMO PROPORÇÃO DOS GASTOS TOTAIS FONTE: STN

122 12 2 122122 122122 OUTROS GASTOS DE CAPITAL COMO PROPORÇÃO DO PIB FONTE: STN

123 12 3 123123 123123 OUTROS GASTOS SOCIAIS E SUBSÍDIOS COMO PROPORÇÃO DOS GASTOS TOTAIS FONTE: STN

124 12 4 124124 124124 OUTROS GASTOS SOCIAIS E SUBSÍDIOS COMO PROPORÇÃO DO PIB FONTE: STN

125 12 5 125125 125125 CÂMBIO: TUDO CALMO… POR ENQUANTO

126 12 6 126126 126126 TAXA DE CÂMBIO R$/US$ 2011-2014 R$/ US$ FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

127 12 7 127127 127127 TAXA DE CÂMBIO (FINAL DE ANO) – R$/US$ – 2000-2018 FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

128 12 8 128128 128128 BALANÇO DE PAGAMENTOS

129 12 9 129129 129129 FONTE: SECEX/MDIC ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO SALDO COMERCIAL 1998-2014 US$ MILHÕES

130 13 0 130130 130130 TOTAL SALDO COMERCIAL BRASIL E ARGENTINA ANUAL 2004 – 2015 (US$ mi) FONTE: FUNCEX

131 13 1 131131 131131 TOTAL ANUAL DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS PARA ARGENTINA 2004 – 2015 (US$ mi) FONTE: FUNCEX

132 13 2 132132 132132 TOTAL ANUAL DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS PROVENIENTES DA ARGENTINA 2004 – 2015 (US$ mi) FONTE: FUNCEX

133 13 3 133133 133133 VARIAÇÃO DO PIB NOS PRINCIPAIS DESTINOS DAS EXPORTAÇÕES DE MANUFATURADOS DO BRASIL FONTE: MDIC, FMI ELABORAÇÃO: BRADESCO

134 13 4 134134 134134 DÉFICIT EM CONTA CORRENTE ACUMULADO EM 12 MESES COMO % PIB 1997-2014 FONTE: BCB ELABORAÇÃO: BRADESCO

135 13 5 135135 135135 DÉFICIT EM CONTA CORRENTE EM US$ MILHÕES – 1994-2015 FONTE: BC ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

136 13 6 136136 136136 O PROBLEMA DO DÉFICIT EM CONTA CORRENTE NO PATAMAR QUE O BRASIL REGISTRA NÃO É O SEU VALOR EM SI, MAS O QUE É PROMETIDO EFETIVAMENTE SOBRE O FUTURO PARA OS QUE O FINANCIAM.

137 13 7 137137 137137 INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO 1998-2015 FONTE: BCB ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO US$ MILHÕES

138 13 8 138138 138138 CRÉDITO BANCÁRIO: MUDANÇA ESTRUTURAL

139 13 9 139139 139139 CRESCIMENTO EM DOZE MESES DO ESTOQUE DE CRÉDITO TOTAL – DADOS NOMINAIS FONTE: BCB ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

140 14 0 140140 140140 CRESCIMENTO ANUAL DO ESTOQUE TOTAL DE CRÉDITO EM TERMOS REAIS

141 14 1 141141 141141 CRESCIMENTO ANUAL DO ESTOQUE TOTAL DE CRÉDITO EM TERMOS REAIS E DO PIB FONTE: BCB ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

142 14 2 142142 142142 CRESCIMENTO ANUAL DO ESTOQUE TOTAL DE CRÉDITO EM TERMOS REAIS – BANCOS PÚBLICOS

143 14 3 143143 143143 CRESCIMENTO ANUAL DO ESTOQUE TOTAL DE CRÉDITO EM TERMOS REAIS – BANCOS PRIVADOS

144 14 4 144144 144144 CRESCIMENTO EM 12 MESES DA CARTEIRA DE CRÉDITO TOTAL (LIVRE + DIRECIONADO) FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO

145 14 5 145145 145145 DISTRIBUIÇÃO DA CARTEIRA TOTAL DE CRÉDITO FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO

146 14 6 146146 146146 CONTRIBUIÇÃO DO CRÉDITO DIRECIONADO PARA O CRESCIMENTO EM DOZE MESES DO CRÉDITO TOTAL FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO

147 14 7 147147 147147 CRESCIMENTO EM 12 MESES DA CARTEIRA DE CRÉDITO TOTAL (LIVRE + DIRECIONADO) FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO

148 14 8 148148 148148 CRESCIMENTO EM 12 MESES DO ESTOQUE DE CRÉDITO, POR ORIGEM DE CAPITAL (DADO NOMINAL) FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO

149 14 9 149149 149149 INADIMPLÊNCIA

150 15 0 150150 150150 DEPEC APOSTA EM AUMENTO BASTANTE MODESTO DA INADIMPLÊNCIA

151 15 1 151151 151151 DEPEC-BRADESCO INSISTE QUE HÁ EQUÍVOCO NA TESE DO SOBREENDIVIDAMENTO RECORRENTEMENTE, CONFUNDE-SE ORÇAMENTO APERTADO DAS FAMÍLIAS COM SOBREENDIVIDAMENTO

152 15 2 152152 152152 INADIMPLÊNCIA DE PESSOA FÍSICA (ACIMA DE 90 DIAS) FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

153 15 3 153153 153153 INADIMPLÊNCIA DE PESSOA JURÍDICA COM RECURSOS LIVRES (ACIMA DE 90 DIAS) FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO

154 15 4 154154 154154 RELAÇÃO CRÉDITO/PIB FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

155 15 5 155155 155155 CRESCIMENTO EM 12 MESES DO ESTOQUE DE CRÉDITO TOTAL – DADOS NOMINAIS FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO

156 15 6 156156 156156 CRESCIMENTO EM 12 MESES DO ESTOQUE DE CRÉDITO TOTAL – DADOS NOMINAIS FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO

157 15 7 157157 157157 QUADROS RESUMIDOS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO

158 15 8 158158 158158

159 15 9 159159 159159

160 16 0 160160 160160 CENÁRIO SETORIAL 2014-2015

161 16 1 161161 161161 DESACELERAÇÃO DA ATIVIDADE É GENERALIZADA, MAS A INDÚSTRIA DE BENS DE CAPITAL, O COMÉRCIO DE BENS DURÁVEIS E A CONSTRUÇÃO CIVIL SÃO OS MAIS AFETADOS PELA POLÍTICA MONETÁRIA.

162 16 2 162162 162162 EXCEÇÃO ESTÁ SENDO VISTA NO AGRONEGÓCIO E NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO. AINDA ASSIM, DESEMPENHO DO AGRONEGÓCIO NÃO DEVE PERDURAR EM 2015, ASSIM COMO ESPERAMOS PARA A INDÚSTRIA EXTRATIVA.

163 16 3 163163 163163 O SETOR DE SERVIÇOS TAMBÉM DEVE APRESENTAR MENOR RITMO DE EXPANSÃO EM 2014-2015, DIANTE DA DESACELERAÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO, O QUE DEVE SER LIDO COMO UMA ACOMODAÇÃO APÓS O AVANÇO DOS ÚTIMOS ANOS.

164 16 4 164164 164164 AGRONEGÓCIO

165 16 5 165165 165165 Recordes de produção confirmados para este ano, de forma que a renda agrícola também será recorde em 2014, mesmo com preços mais baixos (motivados por boas safras no mundo). Para 2015, queda nos preços de grãos por conta da safra dos EUA deve se traduzir em queda de renda agrícola. O complexo carnes também está sendo beneficiado em 2015, com destaque para a carne bovina = elevado patamar de consumo doméstico + elevação das exportações, beneficiadas pela demanda dos países emergentes. AGRONEGÓCIO

166 16 6 166166 166166 Produção de cana-de-açúcar deve ter ligeira expansão, de forma que o baixo patamar de preços continua desfavorecendo o agricultor. Queda da produção doméstica de café, por conta da queda de área plantada, impulsionou preços da commodity. Assim, as margens do agricultor subiram, após estarem deprimidas em 2013. AGRONEGÓCIO

167 16 7 167167 167167 FONTES: CONAB e DERAL ELABORAÇÃO: BRADESCO RENDA AGRÍCOLA DE GRÃOS – R$ MILHÕES – 2010-2014

168 16 8 168168 168168 PRODUÇÃO BRASILEIRA DO COMPLEXO CARNES 1997 – 2014 MIL TON FONTE E (*) PROJEÇÃO: USDA – Relatório de 18/04/14 ELABORAÇÃO: BRADESCO

169 16 9 169169 169169 PRODUÇÃO NACIONAL DE CANA-DE-AÇÚCAR 1991 – 2015 MIL TON FONTE E PROJEÇÃO: CONAB – 1º Levantamento abril/14 ELABORAÇÃO: BRADESCO

170 17 0 170170 170170 PRODUÇÃO NACIONAL DE CAFÉ 1994 – 2014 (*) Projeção EM MIL SACAS DE 60 KG FONTE E PROJEÇÃO: CONAB – 2º levantamento maio/14 ELABORAÇÃO BRADESCO

171 17 1 171171 171171 PETRÓLEO E DERIVADOS

172 17 2 172172 172172 PETRÓLEO E DERIVADOS Aumento da produção de petróleo com a entrada de novas plataformas levará ao aumento das exportações. No entanto a falta de capacidade na produção de combustíveis leva à necessidade de importação de gasolina e diesel. Situação da energia térmica também implica em aumento das importações de gás natural e outros derivados.

173 17 3 173173 173173 PRODUÇÃO PETRÓLEO DA PETROBRAS – 1998-2014 FONTE: PETROBRAS ELABORAÇÃO E (*) PROJEÇÃO: BRADESCO Mil barris por dia

174 17 4 174174 174174 MINERAÇÃO

175 17 5 175175 175175 MINERAÇÃO Novos projetos devem elevar a produção nacional de minério. Preços em queda por conta da entrada em operação de novas minas principalmente na Austrália.

176 17 6 176176 176176 ALIMENTOS E BEBIDAS

177 17 7 177177 177177 ALIMENTOS E BEBIDAS Expansão da produção de carnes, especialmente bovina, alavancada pelas exportações e consumo interno elevado. Ademais, maior safra de grãos favorece a alta do processamento de alimentos. Inflação de alimentos em patamar elevado prejudica consumo no domicílio. Copa do Mundo beneficia demanda por bebidas. Clima quente no início do ano e no inverno também.

178 17 8 178178 178178 PRODUÇÃO DE ALIMENTOS – VARIAÇÃO % – 2003 – 2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

179 17 9 179179 179179 PRODUÇÃO DE BEBIDAS – VARIAÇÃO % – 2003 – 2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

180 18 0 180180 180180 TÊXTIL, VESTUÁRIO E CALÇADOS

181 18 1 181181 181181 TÊXTIL, VESTUÁRIO E CALÇADOS Indústria ainda prejudicada por concorrência externa acirrada, principalmente asiática. Desaceleração do consumo das famílias também influencia demanda doméstica.

182 18 2 182182 182182 PRODUÇÃO TEXTIL- VARIAÇÃO % – 2003 – 2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

183 18 3 183183 183183 PRODUÇÃO DE CONFECÇÕES – VARIAÇÃO % – 2003 – 2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

184 18 4 184184 184184 PRODUÇÃO DE CALÇADOS – VARIAÇÃO % – 2003 – 2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

185 18 5 185185 185185 PAPEL E CELULOSE

186 18 6 186186 186186 PAPEL E CELULOSE Mercado cíclico: preços da celulose caem em 2014 pela entrada em operação de novas unidades, mas voltam subir a partir de meados de 2015. Entretanto, o câmbio mais depreciado em 2015 favorece a rentabilidade das exportações. Produção doméstica contará com o início das operações da unidade da Suzano no Maranhão (entrou no final de 2013) e desenvolvimento da unidade da Eldorado (entrou no final de 2012).

187 18 7 187187 187187 PRODUÇÃO DE CELULOSE – VARIAÇÃO % – 2000 – 2015 FONTE: BRACELPA ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

188 18 8 188188 188188 PRODUÇÃO DE PAPEL – VARIAÇÃO % – 2000 – 2015 FONTE: BRACELPA ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

189 18 9 189189 189189 SIDERURGIA

190 19 0 190190 190190 SIDERURGIA Desaceleração dos principais demandantes domésticos (bens de capital, automóveis e construção residencial) terá impacto negativo na produção de aço em 2014, com reversão em 2015. Demanda externa é crescente, mas preços lá fora ainda estão baixos por conta de excesso de capacidade. Câmbio mais depreciação deve ajudar a rentabilidade dos exportadores em 2015.

191 19 1 191191 191191 PRODUÇÃO BRASILEIRA DE AÇO BRUTO 2000 - 2015 Mil t FONTE: IABr ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

192 19 2 192192 192192 QUÍMICA

193 19 3 193193 193193 QUÍMICA Desaceleração da demanda em 2014 via queda da produção industrial e menor ritmo da compra de insumos agrícolas. Demanda da indústria farmacêutica, de higiene e cosméticos e de produtos de limpeza ainda é bastante favorável. Retomada da indústria em 2015 deve impulsionar produção química. Câmbio depreciado eleva custo de nafta, mas é totalmente repassado para preços.

194 19 4 194194 194194 PRODUÇÃO DE QUÍMICOS – VARIAÇÃO % – 2003 – 2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

195 19 5 195195 195195 MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

196 19 6 196196 196196 MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Elevação da taxa de financiamento do PSI implica desaceleração do setor em 2014. Confiança do empresário e baixo nível de atividade também influenciaram a queda de investimentos. Aumento dos preços internos de aço ainda prejudica margem em ano de desaceleração. Próximo ano terá alguma retomada dos investimentos, favorecendo a aquisição de máquinas e equipamentos.

197 19 7 197197 197197 PRODUÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS – VARIAÇÃO % – 2003 – 2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

198 19 8 198198 198198 INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

199 19 9 199199 199199 INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Expansão de renda e emprego sustenta crescimento elevado da demanda por produtos farmacêuticos. Contudo, menor geração de emprego formal, implicando em crescimento mais fraco das vendas de planos de saúde, deve resultar em desaceleração do setor. Aumento do custo com câmbio é repassado somente em reajustes anuais (abril/maio), pressionando margens por algum período.

200 20 0 200200 200200 VOLUME DO COMÉRCIO VAREJISTA – FARMÁCIAS – VARIAÇÃO % – 2004 – 2014 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

201 20 1 201201 201201 COMPLEXO AUTOMOTIVO

202 20 2 202202 202202 COMPLEXO AUTOMOTIVO Menor ritmo de vendas do complexo automotivo para os próximos anos, passando de taxa anual de crescimento de 7% na última década para algo entre 2-3% até 2020, deve ser lido como acomodação. Ainda assim, a produção deve crescer em ritmo mais acelerado que as vendas, dado a expectativa de entrada de novas fábricas que substituirão produtos importados. Menor ritmo de renovação e ampliação da frota de caminhões e de ônibus. Exportações em queda por conta de Argentina.

203 20 3 203203 203203 VENDAS DO COMPLEXO AUTOMOTIVO - 1993 - 2020 * Projeção FONTE: ANFAVEA ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

204 20 4 204204 204204 CONSTRUÇÃO CIVIL

205 20 5 205205 205205 CONSTRUÇÃO CIVIL Queda de lançamentos de imóveis residenciais foi estratégia das incorporadoras após forte expansão em 2013 – vendas seguem mesmo sentido. Término das obras para a Copa também têm impacto negativo em infraestrutura em 2014, mas cenário é de reversão em 2015, quando as obras de rodovias concedidas devem ganhar força. Construção de empreendimentos comerciais e de shoppings também em queda entre 2014-2015.

206 20 6 206206 206206 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E (*) PROJEÇÃO: BRADESCO PIB DA CONSTRUÇÃO CIVIL – VARIAÇÃO ANUAL EM %

207 20 7 207207 207207 VAREJO

208 20 8 208208 208208 VAREJO Mercado de trabalho segue favorável, com expansão de renda e emprego. Pressão dos preços de alimentos prejudica parte das vendas de supermercados. Vendas de eletrodomésticos será impulsionada por Minha Casa Melhor e Copa do Mundo (TV’s). Elevação da Selic terá impacto negativo nas vendas de bens duráveis.

209 20 9 209209 209209 VOLUME DE VENDAS NO COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO (*) - VARIAÇÃO PERCENTUAL ANUAL 2001 - 2015 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO (*) O comércio varejista ampliado difere do comércio varejista pela inclusão dos segmentos de material de construção e veículos e motos, partes e peças.

210 21 0 210210 210210 PROJEÇÃO DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA POR SEGMENTO – 2014 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

211 21 1 211211 211211 TRANSPORTE AÉREO

212 21 2 212212 212212 TRANSPORTE AÉREO Demanda crescente por conta de Copa. Dólar depreciado pressiona os custos das empresas (leasing + combustível). Redução da oferta de assentos no ano passado resultou em aumento da taxa de ocupação.

213 21 3 213213 213213 DEMANDA – NÚMERO DE PASSAGEIROS POR KM TRANSPORTADOS NAS LINHAS INTERNACIONAIS E DOMÉSTICAS FONTE: ANAC ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO Em mil passageiros por km

214 21 4 214214 214214 EDUCAÇÃO

215 21 5 215215 215215 EDUCAÇÃO Mercado de trabalho ainda apertado impulsiona a busca dos trabalhadores por qualificação. Nesse sentido, ensino superior continua com demanda elevada. Consolidação tem sido favorável em termos de qualidade – grandes possuem nota melhor no MEC.

216 21 6 216216 216216 SAÚDE

217 21 7 217217 217217 SAÚDE Menor geração de emprego formal é ruim para expansão do setor (operadores de plano, hospitais e laboratórios), que ganhou força nos últimos anos por planos coletivos.

218 21 8 218218 218218 FONTE: ANS ELABORAÇÃO: BRADESCO PERCENTUAL DA POPULAÇÃO BRASILEIRA QUE TEM COBERTURA DE PLANO DE SAÚDE PRIVADO – 2000 - 2013

219 21 9 219219 219219 TELECOMUNICAÇÕES

220 22 0 220220 220220 TELECOM Crescimento mais moderado combinado com competição elevada prejudica rentabilidade. Continuam os investimento em melhoria de rede.

221 22 1 221221 221221 NÚMERO DE ACESSOS MÓVEIS 2003 – 2015 Em mil acessos FONTE: ANATEL ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

222 22 2 222222 222222 ACESSOS DE TV POR ASSINATURA 2005 – 2015 FONTE: ANATEL ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO EM NÚMERO DE ASSINANTES

223 22 3 223223 223223 ACESSOS DE BANDA LARGA FIXA – 2008 – 2015 FONTE: TELECO ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO EM NÚMERO DE ACESSOS

224 22 4 224224 224224 DEPEC - BRADESCO does not accept responsibility for any actions/decisions that may be taken based on the information provided in its presentations or publications and projections. All the data and opinions contained in these information bulletins is carefully checked and drawn up by fully qualified professionals, but it should not be used, under any hypothesis, as the basis, support, guidance or norm for any document, valuations, judgments or decision taking, whether of a formal or informal nature. Therefore, we emphasize that all the consequences and responsibility for using any data or analysis contained in this presentation is assumed exclusively by the user, exempting BRADESCO from all responsibility for any actions resulting from the usage of this material. We all point out that access to this information implies acceptance in full of this term of responsibility and usage. The reproduction of the content in this report (partially or in full) is strictly forbidden except if authorized by BRADESCO or if the sources (the name of the authors, publication and BRADESCO) are strictly mentioned. Octavio de Barros Chief economist and Statutory Director 4968.octavio@bradesco.com.br WWW.ECONOMIAEMDIA.COM.BR


Carregar ppt "111 1 ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL Octavio de Barros."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google